conecte-se conosco


Cáceres e Região

Vereadores até mesmo da base aliada protestam contra majoração considerada abusiva do valor do IPTU em Cáceres

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Um grupo de vereadores formado, inclusive, por integrantes da base aliada da prefeita Eliene Liberato Dias, na Câmara Municipal, defende a derrubada ou a alteração do decreto-executivo que estabeleceu índice de atualização da Unidade Fiscal de Cáceres, em 31,46% do valor do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), em 2022, no município.

“A majoração do valor do IPTU é exorbitante. Os contribuintes não terão como pagar; haverá aumento da inadimplência e; consequentemente, não haverá progresso, se não houver arrecadação” explanou o vereador Luiz Landim, na abertura de uma reunião na Câmara, para debater alternativas no sentido de resolver o problema.
Os vereadores afirmam que estão sendo pressionados por vários segmentos e entidades locais, entre eles, as Lojas Maçônicas, além de comerciantes, que reclamam do aumento do valor do imposto. “Temos que dar uma resposta à sociedade que nos cobra. E isso, só vamos conseguir através do diálogo com o Executivo” assinalou.

“Esse decreto foi aprovado na legislatura passada. Mas, é um dever dos vereadores corrigir e defender os interesses do povo. Existe uma comoção publica generalizada. Com essa pandemia muitas empresas fecharam e muitos perderam o emprego. Não podemos sobrecarregar ainda mais a nossa população com aumento abusivo de imposto” criticou Franco Valério.

Cotado para assumir a liderança da prefeita, no Legislativo, o vereador Rubens Macedo, um dos que votaram e aprovaram o referido decreto, apresentado na legislatura passada, também engrossou o coro dos insatisfeitos com a majoração do valor do IPTU.

“O referido decreto foi aprovado em nossa gestão. Mas, não poderíamos prever que haveria uma pandemia que fosse alterar toda economia do país. Hoje a realidade é outra” justificou sugerindo para que a prefeita apresente novo decreto para ser votado pela Câmara ou que a equipe econômica do município, procure se informar junto a outros governos para resolver o impasse.

“Se insistir com essa cobrança, vamos ter um desgaste muito grande. Temos que encontrar uma solução para o problema” disse Macedo assinalando que o governo do Estado de São Paulo vivenciou uma situação semelhante, mas encontrou alternativa e solucionou o problema. O vereador Cesare Pastorello foi o único que votou contra o decreto na legislatura passada.

Leia mais:   Dois homens reagem a abordagem e são mortos pela Polícia Militar em Cáceres

A exemplo de Rubens Macedo, Também da base governista, o vereador Celso Silva comparou a majoração do valor do IPTU a um “sequestro”. “Temos que achar uma maneira de não punir a nós mesmo. A economia não se recuperou. Muitos estão desempregados. A majoração de 31.46% é um sequestro. A população está respirando pelo fio do cabelo” Vereador Isaias Bezerra falou em pavor. “Quem tem ou quem não tem condições de pagar, a população está apavorada” disse.

Representante do Caramujo, vereador Valdeir dos Santos lembrou que durante a pandemia a prefeita teria aconselhado para que os comerciantes fechassem a portas e que a economia se veria depois. No entanto, segundo ele, ao invés de promover o incentivo, hoje ela está majorando os impostos. E, que, a alteração no valor está contra a realidade econômica do município.

Na defesa da prefeita, o vereador Manga Rosa, afirmou que todos os prefeitos do Brasil que seguiram as orientações das organizações de saúde para fechar os comércios, como forma de evitar aglomerações e conter a disseminação do vírus, agiram da maneira correta porque pouparam muitas vidas.

“A nossa prefeita e os demais que seguiram as orientações dos órgãos de saúde agiram corretamente, porque naquele momento, esse era o caminho mais viável e com isso pouparam muitas vidas”, disse acrescentando que “em relação ao valor do IPTU o aumento realmente está fora da realidade. Mas, estamos pagando um preço muito alto pela pandemia”. Para a vereadora Mazéh Silva a majoração do valor do IPTU “de forma abusiva” impactará, negativamente, as famílias”.

“Sem dúvida uma herança indigesta de um gestor desumano e um legislativo que, na sua maioria adorava agradá-lo. Nós vereadores e vereadoras temos o dever e a obrigação de derrubar esse aumento. Não podemos compactuar com tantas injustiças e perpetuação de tamanha desigualdade. Do contrário, estaremos em nome da ganancia, sacrificando os mais empobrecidos”

Leia mais:   MORTE EM PORTUGAL - 'Ficha não caiu', diz pai que aguarda translado do corpo do filho para MT

Embora ausente da reunião, o vereador Leandro dos Santos, usou as redes sociais para manifestar contrariedade ao aumento. “A pandemia afetou severamente, principalmente, os mais humildes. Precisamos cuidar do nosso povo que já paga uma grande carga tributária e não taxá-lo com valores exorbitantes como pretende o executivo”.

 

Prefeita se vê de mãos atadas para fazer qualquer alteração, diz secretário

Apesar das manifestações contrárias, dificilmente, haverá alteração do valor majorado do IPTU. Secretário de Fazenda, Vitor Miguel de Oliveira, explicou que o índice de atualização da Unidade Fiscal de Cáceres, que majorou o imposto em 31,46% foi baseado no Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI).
Assegurou que a atualização foi uma determinação do Tribunal de Contas do Estado – TCE, em 2019, colocado em vigor junho de 2020. Disse que jamais se imaginou que a atualização dos preços pelo IGT-BI fosse ficar maior que outros índices como IPCA ou INPC.

O IGP- DI é um indicador do movimento de preços que há mais de seis décadas serve às comunidades econômicas nacional e internacional como termômetro de inflação no Brasil.
O secretário informou que, diante da pandemia, Cáceres não é o único município brasileiro que sofre com esse aumento.

E, que “não vejo alternativa plausível para revogar o decreto, até mesmo por falta de embasamento legal” e acrescentou que “por mais boa vontade que tenha a prefeita se vê de mãos atadas para fazer qualquer alteração no decreto, até mesmo sob pena de incorrer em crime de improbidade administrativa”.

Os vereadores dizem que estarão se reunindo, diretamente, com a prefeita Eliene Liberato, nas próximas horas, para encontrar alternativas de resolver a questão. O vereador Franco Valério diz que estará encaminhando cópia da ata da reunião ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público Estadual. A ideia é impedir o lançamento do IPTU com preço majorado nos 31,46%.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Invasão de hackers prejudica enquete sobre reitoria da Unemat

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Uma invasão de hackers no sistema de votação do site Expressão Notícias, prejudicou a realização de uma enquete junto a comunidade acadêmica, sobre a eleição da reitoria da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

      A sondagem foi lançada às 12h de quinta-feira (20/05). A proposta seria saber a preferência, principalmente, do eleitor da comunidade acadêmica, sobre em quem votar na eleição da nova reitoria da instituição que acontece no próximo dia 1 de junho.

       Foi instalado um dispositivo para que alunos, professores e técnicos, votassem no candidato de sua preferência.

      A chapa 1 formada pelos professores Roberto Alves de Arruda e professora Rinalda Bezerra; chapa 2, pela professora Vera Maquêa e Alexandre Porto e chapa 3 formada pelos professores Celso Fanaia e Nivaldo Teodoro.

      Os problemas, decorrente dos ataques hackers, começaram menos de duas horas do lançamento da enquete. Às 13h30, quando já haviam sido registrados 893 votos, o sistema começou a ficar lento.

Leia mais:   Peritos das agências do INSS na região de Cáceres aderem paralisação nacional deixando centenas de segurados sem perícia

      As 14h30 quando já haviam sido registrados 1.363 votos – com a votação, praticamente, empatada entre as chapas da professora Vera Maquêa e Celso Fanaia, o sistema travou. Logo em seguida disparou computando quase 13 mil votos, a maioria para chapa da professora Vera Maquea.

     De acordo com o administrador do site, alguém descobriu uma forma de votar diversas vezes no mesmo candidato, ocasionando a fraude. Para evitar maiores transtornos a direção site cancelou o questionário retirando a página do ar.

     Nova enquete sobre a eleição será realizada na próxima semana. A direção do veículo encomendou um dispositivo com maior segurança, que irá impedir ataques e dessa forma levar as informações com segurança à população

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Líder do CV é preso acusado de matar soldado do Exército em Cáceres

Publicado

Redação/Gazeta

Integrante do Comando Vermelho, com atuação em Cáceres, foi preso pela Polícia Civil acusado de envolvimento na morte do soldado do Exército, Thiago de Brito de Almeida, 19 anos, no bairro Cohab Nova, em Cáceres, em janeiro deste ano. O militar teria sido morto por engano.

O acusado, de 39 anos, que não teve o nome revelado, foi preso inicialmente por apresentar documento falso. Contudo, já era  procurado pela Justiça por participação no homicídio do soldado do Exército. A prisão foi cumprida na quinta-feira (19), em Cuiabá.

Só após a prisão por documento falso, os policiais civis da 1ª Delegacia de Cáceres coordenados pelo delegado Marlon Richer Nogueira, deslocaram-se até o Fórum de Cuiabá. Pouco antes do preso ser apresentado em juízo, a equipe de Cáceres deu cumprimento ao mandado de prisão, bem como realizou a apreensão do aparelho celular do suspeito.

Homicídio

Na noite do dia 22 de janeiro deste ano, Thiago de Brito de Almeida, 19 anos, soldado do Exército, foi morto após ser atingido por disparos de arma de fogo, em via pública do bairro Cohab Nova, em Cáceres. O crime foi praticado por 5 indivíduos em um veículo Corsa de cor preta.

Leia mais:   Justiça Federal suspende concurso público da Polícia Civil em MT

Segundo apurado, a ordem para matar foi do líder da facção, tendo como alvo um integrante de uma organização rival e que sempre usava uma camiseta de time de futebol, semelhante a blusa que a vítima vestia no momento em que foi assassinada.

Investigação

Desde então os policiais civis vinham realizando diligências ininterruptas para esclarecer a ocorrência. Os suspeitos, todos com extensa ficha criminal, também são investigados em outros homicídios ocorridos em Cáceres.

Os criminosos, tanto o mentor como os executores, tiveram os mandados de prisão representados pela Polícia Civil, e decretados pela Justiça da Comarca local.

Além do líder da organização criminosa, que teve a prisão cumprida no Fórum de Cuiabá, outro envolvido de 30 anos e que encontra-se recolhido na Cadeia Pública de Cáceres, teve o mandado de prisão preventiva cumprido na quinta-feira (19), na unidade prisional.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana