conecte-se conosco


Política

“Uma honra”, afirma brasileiro após levar futsal do Cazaquistão a Mundial

Publicado

Ex-jogador da seleção brasileira, potiguar Cacau comemora classificação para Copa do Mundo da Colômbia e reconhecimento, e divide méritos com jogadores

Sob a batuta de um técnico brasileiro, a seleção de futsal do Cazaquistão está classificada para a Copa do Mundo de Futsal Fifa 2016, na Colômbia. O potiguar Ricardo Sobral, o Cacau, ex-jogador da seleção brasileira, é o responsável por conduzir o país europeu a esse feito. Após a conquista, Cacau conversou com o GloboEsporte.com e se mostrou muito feliz com a conquista.

– Estarão as melhores seleções do mundo e o Cazaquistão estará presente. Para mim, é uma honra levantar a bandeira dos treinadores brasileiros e me sinto mais realizado ainda de estar no país há nove anos e ser respeitado, reconhecido e valorizado pelo meu clube, por minha federação. Posso dizer que foi o dia mais feliz da minha vida (terça-feira). Agradeço muito aos meus familiares que torceram muito em Natal, minha família, amigos e dizer que estou emocionado por essa vitória. Esses atletas são heróis em transformar o futsal do Cazaquistão em tão pouco tempo – destacou.

A trajetória para a classificação começou em dezembro do ano passado. No Grupo 5 da Eliminatórias Europeias, o Cazaquistão venceu a República Tcheca por 3 a 2. Depois veio o empate em 2 a 2 com a Eslovênia. A equipe fechou sua participação na fase de grupos vencendo a seleção da França por 4 a 2. O primeiro lugar na chave deu a vantagem de decidir a vaga para o Mundial em casa diante da Polônia. No jogo de ida, um empate em 1 a 1. Na partida de volta, a goleada por 7 a 0, na última terça-feira. Em êxtase com o desempenho de seus comandados, Cacau exalta a atmosfera do ginásio onde o jogo aconteceu.

Leia mais:   Projeto de lei inclui motoristas de ambulância e outros trabalhadores da saúde como prioritários na vacinação

– Fomos coroados com o melhor jogo da nossa seleção. Nossa torcida compareceu em peso. É muito bonito ver o progresso do futsal do Cazaquistão. As pessoas torcem como os brasileiros. Gritam, xingam os juízes, vaiam o adversário. É uma coisa incrível – relatou.

Essa não é a primeira importante campanha que o Cazaquistão faz sob o comando de Cacau. Em fevereiro, a seleção cazaque ficou com a medalha de bronze na Eurocopa de Futsal, ao bater a Sérvia por 5 a 2 na disputa do terceiro lugar. Esta foi a primeira participação do país no torneio continental. Além dos títulos pela seleção, Cacau faturou duas Copas da UEFA de Futsal, o mais importante torneio de clubes do continente, com o Kairat Almaty. Pelo clube cazaque, ele também venceu a Super Copa do Mundo FIFA de Futsal. Nestas conquistas, teve a companhia de brasileiros naturalizados como o goleiro Léo Higuita e o fixo Douglas Junior, que também é potiguar.

– Hoje posso dizer que me sinto realizado. Por ganhar duas Copas da Europa; por levar o Cazaquistão, pela primeira vez, ao terceiro lugar da Europa, isso há menos de dois meses; e agora levar o Cazaquistão pela primeira vez na história para o Mundial da Colômbia em setembro. Foi algo incrível – comentou.

Leia mais:   Ulysses Moraes faz indicação para incluir as pessoas com síndrome de Down na lista de prioridade de vacinação

A Copa do Mundo Fifa de Futsal acontece em setembro, na Colômbia. As cidades de Cali, Medellin e Bucaramanga receberão as partidas. Será a volta da competição à América do Sul após oito anos.

Cacau técnico do Cazaquistão futsal (Foto: Divulgação)Cacau comemora classificação do Cazaquistão para a Copa do Mundo de Futsal da FIFA 2016 (Foto: Divulgação)
Comentários Facebook

Política

CPI da Energisa defende derrubada do veto ao projeto que proíbe corte de energia elétrica

Publicado


Foto: Marcos Lopes

A CPI da Energisa está encaminhando à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) uma proposta para que seja derrubado o veto do governador ao Projeto de Lei nº 160/2021, que proíbe o corte no fornecimento de energia elétrica em Mato Grosso por três meses. O veto governamental será lido na sessão da próxima segunda-feira (19) e deve ser votado nas sessões seguintes.

O projeto apresentado pelas lideranças partidárias foi aprovado em segunda votação no dia 22/3 e seu artigo 2º estabelece que a concessionária Energisa fica impedida de suspender por 90 dias, a partir da publicação da lei, o fornecimento de energia elétrica do consumidor que estiver inadimplente. 

O relator da CPI, deputado Carlos Avallone (PSDB) e o presidente da comissão, deputado Elizeu Nascimento (DC), destacaram que a derrubada do veto é necessária já que o projeto vai ajudar milhares de famílias mato-grossenses que, em função das dificuldades geradas pela pandemia, não têm condições de efetuar o pagamento. Após os 90 dias, o consumidor poderá renegociar os débitos de forma parcelada.

O relator Carlos Avallone sustenta que a justificativa apresentada pelo Executivo para o veto, de que há vício formal já que a prerrogativa para tratar de normas relativas à energia elétrica é da União, não prevalece pois já foi tema de decisões do Supremo Tribunal Federal favoráveis aos legisladores estaduais. 

Leia mais:   CCJR aprova parecer favorável para 12 matérias em reunião ordinária

Na semana passada o Supremo julgou a Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADI 6432, de Roraima e no ano passado há outro precedente na ADI 6406, do Paraná. Nos dois casos, o STF reconhece que os estados podem legislar sobre o assunto considerando o interesse público e o fato de serem medidas temporárias motivadas pela pandemia, que não afetam os contratos entre consumidores e concessionárias. 

Roraima – No dia 7 de abril, por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal manteve a validade de regra da Lei estadual 1.389/2020, de Roraima, que proíbe o corte de energia elétrica por falta de pagamento, enquanto perdurar o estado de emergência decorrente da pandemia de Covid-19. A matéria foi objeto da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6432, julgada improcedente.

Na ação, a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) sustentou a competência privativa da União para legislar sobre o assunto, alegando que não há autorização para que os estados editem leis sobre o tema.

Relação de consumo – No voto que conduziu o julgamento, a relatora ministra Cármen Lúcia, explicou que a legislação de Roraima regula a relação entre o usuário do serviço público e a empresa concessionária, revelando sua natureza consumerista. A norma não atinge de forma direta a relação contratual estabelecida entre a concessionária e o Poder Público, titular do serviço, nem o núcleo de atuação das empresas voltadas à prestação de serviços de fornecimento de energia elétrica.

Leia mais:   Deputado Botelho lamenta falecimento de promotor e destaca seu legado

Em seu voto, a ministra citou caso análogo (ADI 6406) em que o Plenário, também manteve a validade de norma do estado do Paraná que veda o corte do funcionamento dos serviços de energia elétrica enquanto durarem as medidas de contingências sociais da pandemia.

Ela ressaltou que a superveniência da Lei federal 14.015/2020, que dispõe sobre interrupção, religação ou restabelecimento de serviços públicos, editada em razão da pandemia de Covid-19, não afasta a competência estadual para disciplinar a matéria de proteção e defesa do consumidor de forma mais ampla do que a estabelecida pela legislação federal, como assentado em recentes decisões do STF.

Para a relatora, a norma de Roraima não gera desequilíbrio contratual ou afeta políticas tarifárias, especialmente porque as medidas são excepcionais e transitórias, limitadas ao tempo da vigência do plano de contingência adotado pelo governo estadual. 

Ela destacou ainda que o fornecimento de energia elétrica é direito fundamental relacionado à dignidade humana, ao direito à saúde, à moradia, à alimentação, à educação e à profissão, “constituindo-se em serviço público essencial e universal, que deve estar disponível a todos os cidadãos, especialmente no complexo contexto pandêmico vivenciado”.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política

Lúdio Cabral faz representação ao MPF para garantir vacinação contra covid-19 de indígenas em Mato Grosso

Publicado


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) fez, nesta sexta-feira (16), uma representação ao procurador da República Gustavo Nogami para que o Ministério Público Federal (MPF) tome medidas administrativas e judiciais para garantir a vacinação contra covid-19 dos 28.758 indígenas que vivem em territórios indígenas em Mato Grosso. Apesar desse grupo fazer parte da fase 1 de vacinação e todas as doses terem sido enviadas ao estado na primeira remessa, apenas 59,5% dos indígenas receberam a 1ª dose (17.116 pessoas) e 39,3% receberam a 2ª dose (11.291 pessoas). 

O levantamento foi feito por Lúdio Cabral, que é médico sanitarista, com base nas resoluções da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), comparadas com o painel de vacinação do Ministério da Saúde. Ele destacou ainda que a imunidade contra a covid-19 só é completa 14 dias após a aplicação da 2ª dose de vacina, de modo que o baixo índice de vacinação coloca essas populações em risco. 

“Isso é inadmissível, considerando que os indígenas fazem parte do grupo prioritário de vacinação, e a entrega das doses destinadas a esse público ocorreu há três meses, em 19 de janeiro. Os indígenas têm prioridade na vacinação por terem imunidade mais baixa a infecções e epidemias que outras populações. Por isso, é tão preocupante a vacinação não ter sido concluída, o que deixa esses povos expostos à covid-19”, afirmou Lúdio, que já atuou como médico em aldeias em Mato Grosso. 

Leia mais:   Deputado propõe vacinação noturna em Cuiabá e Várzea Grande

Na representação, Lúdio solicitou que o MPF investigue as razões pelas quais a cobertura vacinal alcançada é de apenas 59,5% na 1ª dose e de 39,3% na 2ª dose, já que 100% das doses necessárias para vacinar os indígenas que residem em Terras Indígenas de Mato Grosso foram recebidas pelo estado em janeiro de 2021, bem como identificar o que houve com as doses que ainda não foram aplicadas. Lúdio recomenda que o Estado de Mato Grosso demonstre com documentos como essas vacinas foram distribuídas aos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). 

Lúdio requereu também que o MPF acione a União, por intermédio do DSEI, vinculado à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), órgão do Ministério da Saúde, para que providencie a regular, imediata e integral vacinação dos indígenas de Mato Grosso.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana