conecte-se conosco


Destaque

Sem estádio para Jogar a série D presidente do Araguaia afirma que a FMF quer tirar o Araguaia da competição para colocar o União

Publicado

O Araguaia segue em busca de nova casa para a disputa da Série D do Brasileiro. Ainda sem os laudos do estádio Zeca Costa, o clube fechou parceria com a prefeitura de Iporá (GO) para jogar no estádio Ferreirão. O problema é que o time vai estrear na competição contra o Aparecidense, que também é de Goiás. Segundo o presidente da Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), João Carlos de Oliveira, a CBF vetou a partida em Goiás, por enfrentar um time do mesmo estado.

– Recebemos essa comunicação do departamento jurídico da CBF e repassamos ao clube. Eles julgaram que não será possível. O Araguaia tem até o dia 30 para definir onde vai jogar, conforme prevê o regulamento de definir o local pelo menos 10 dias antes da partida. Os outros jogos deles como mandantes, poderão ser disputados em Iporá. A recomendação vale somente para a estreia – disse João, por telefone, ao GloboEsporte.com.

O presidente do Araguaia, Celso Costa, mostrou incômodo com a situação e afirmou que a FMF quer tirar o Araguaia da competição a todo custo para colocar o União no lugar.

Leia mais:   MT deve receber nova remessa com 32 mil doses de vacina contra Covid-19, diz secretário

– Estamos buscando soluções, o estádio Zeca Costa já recebe as melhorias, conseguimos parceria com a prefeitura de Iporá, mas parece que a federação quer nos forçar a desistir da competição. Não nos ajudam e ainda fazem tudo para atrapalhar. Porém, nós vamos até o fim. Inclusive vamos iniciar os treinamentos na segunda-feira, com praticamente todo o plantel que disputou o estadual – disse Celso Souza, por telefone, ao GloboEsporte.com.

Ciente das reclamações de seu filiado, João Carlos minimizou as críticas contra a FMF e disse “estar fazendo tudo que está ao alcance da federação, mas que a competição é organizada pela CBF, portanto é ela quem manda”.

Para Celso, o time vai tentar mandar o jogo no estádio Zeca Costa, em Barra do Garças, mesmo que de portões fechados.

– Nos sugeriram a Arena Pantanal, em Cuiabá, mas é muito inviável financeiramente, pois teríamos o deslocamento e hospedagem. Vamos tentar uma solução mais perto.

O Araguaia integra o grupo A10 ao lado de Ceilândia-DF, Aparecidense-GO e Comercial-MS. A estreia será no dia 12 de junho, contra a Aparecidense. O campeonato será disputado em 6 (seis) fases: na primeira fase os 68 clubes formarão 17 (dezessete) grupos de 04 (quatro) clubes cada, de onde irão se classificar 32 clubes para a fase seguinte: os primeiros colocados de cada grupo (total de 17) mais os 15 melhores segundos colocados; daí em diante os clubes enfrentar-se-ão no sistema eliminatório (“mata-mata”) até ser conhecido o campeão.

Leia mais:   Tribunal de Contas terá acesso aos dados públicos da receita de Mato Grosso

Fonte: Da redação com GE/MT

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Prefeitura realiza reforma e ampliação na Cozinha Comunitária

Publicado

Cozinha Comunitária

Assessoria

A Prefeitura Municipal Cáceres, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, está realizando  reforma e ampliação da Cozinha Comunitária Irmã Maria Estevão, com o objetivo de expandir o número de pessoas atendidas pelo equipamento público da política de Segurança Alimentar.

Inaugurada em 2007, a Cozinha Comunitária está localizada no bairro Vila Mariana,  Rua Rosauro Araújo Suzano. Atividades como  preparo,  definição de cardápio e oferta equilibrada das refeições, são  realizadas  com acompanhamento de uma nutricionista, sob responsabilidade da Empresa contratada.

O serviço pode ser acessado por qualquer munícipe pelo valor geral de R$ 7,28, e em específico para o público prioritário, a um valor de R$ 2,00 cada refeição. A Cozinha comunitária é administrada pelo Poder Executivo Municipal, por meio da contratação de empresa especializada,  após processo de licitação, pela qual os serviços são terceirizados.

Equipes  técnicas, vinculadas  às unidades de Assistência Social (CRAS, CREAS, Acolhimento) realizam  o atendimento, encaminham  e acompanham  as famílias beneficiadas.

A Secretária Municipal de Assistência Social, Fabíola Campos, informa que a reforma e ampliação está sendo custeada com recurso federal, e o  projeto arquitetônico segue o modelo nacional. “A equipe técnica de engenheiros e arquitetos da Prefeitura acompanham o andamento da obra, para que ao finalizar, o atendimento na Cozinha Comunitária, seja ampliado de 50 (cinquenta) , para cerca de 150 (cento e cinquenta) pessoas para permanência no local, seguindo todas as normas e diretrizes do governo federal e medidas de precaução no contexto da Covid-19”, disse.

Leia mais:   MT registra 10 mortes por Covid-19 e mais de 300 novos casos nas últimas 24 horas

Para a Prefeita Eliene, “esta obra é um reconhecimento e incentivo do poder público no fortalecimento de políticas públicas de segurança alimentar em parceria com a rede socioassistencial, principalmente nesse período de pandemia, com o fim do auxílio emergencial que o governo oferecia, as famílias têm a oportunidade de se alimentar com baixo custo e com qualidade nutricional”, afirmou.

ATENÇÃO, fique sabendo:
Quem pode ser o público prioritário?
O público alvo deverá ser constituído, prioritariamente, por grupos sociais vulneráveis à fome, a exemplo de trabalhadores de baixa renda, idosos, desempregados, agricultores familiares oriundos de comunidades de baixa renda, populações desassistidas e situadas abaixo da linha de pobreza.

Como acessar a Cozinha Comunitária, como público prioritário?
As famílias podem procurar atendimento, primeiramente, em uma das unidades dos CRAS, onde passará por avaliação e definição do perfil de público prioritário.
Onde está funcionando?
Durante a reforma da sede própria,  a Cozinha Comunitária, está funcionando no Centro de Convivência da Assistência Social, na Avenida Brasil, ao lado da Prefeitura. O horário para atendimento é das 11h às 13h, de segunda-feira à sexta-feira.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Cartórios de Notas de Mato Grosso contabilizam recorde nos atos de transferência de bens na pandemia

Publicado

Assessores de Comunicação: Alexandre Lacerda, Marina Lopes e Deborah Viveiros

Na última década, nunca tantas pessoas procuraram o aconselhamento de um tabelião em um segundo semestre para a realização de testamentos, inventários, partilhas e doação de bens no Brasil. De acordo com os dados reunidos pelo Colégio Notarial do Brasil – Seção Mato Grosso (CNB/MT), mais de 1,7 mil atos de transferência de bens foram realizados nos últimos seis meses de 2020, 135 a mais do que o mesmo período de 2019.

O aumento de 8,61% na prática destes atos observado no último ano foi ainda quase dois pontos percentuais acima da média estadual dos últimos nove anos, o que revela a crescente preocupação da população em garantir que seus bens sejam encaminhados de acordo com suas vontades em caso de morte, por meio de instrumentos legais que organizam o planejamento sucessório e a consequente divisão do patrimônio.

Testamentos, inventários, partilhas e doações, que tiveram grandes quedas em seus números em março e abril devido às restrições de locomoção em todo o Estado, retomaram o crescimento ainda em maio, com a regulamentação da plataforma e-Notariado (www.e-notariado.org.br) para realização de atos por meio de videoconferência.

Leia mais:   Processo Seletivo vai contratar 25 profissionais de saúde para o Hospital Regional de Cáceres

Com 356 atos contabilizados em 30 dias, dezembro foi o mês com mais pessoas procurando pelos atos de transferência de bens em todo o ano de 2020. Um aumento de 34% em relação a novembro e de 23% em relação a dezembro de 2019.

O presidente do Colégio Notarial do Brasil – Seção Mato Grosso (CNB/MT), Paulo Henrique Felipetto Malta, explica que, com a pandemia, os temores da doença e da morte têm aumentado a procura pelo planejamento sucessório e pelas diversas maneiras de transferências de bens. “A certeza do ato notarial se torna um ponto de suporte e tranquilidade em tempos tão incertos e evita futuras disputas entre familiares, garantindo segurança jurídica aos envolvidos”.

Atos de transferência de bens 

Inventário é o documento que apura o patrimônio deixado pela pessoa falecida, e é obrigatório para que a partilha de bens seja efetivada entre os herdeiros. É uma alternativa rápida e prática em relação à via judicial. No segundo semestre de 2020, foram realizados 962 inventários e 45 em Cartórios de Notas.

Leia mais:   Tribunal de Contas terá acesso aos dados públicos da receita de Mato Grosso

As 619 escrituras de doação realizadas no período são utilizadas para assegurar a vontade do doador. Por meio delas, o requerente pode, ou não, incluir cláusulas de uso ao beneficiário, por incumbência ou condição, garantindo que ações previamente estipuladas sejam cumpridas.

Já o testamento, ato pelo qual o interessado declara ao tabelião sua vontade para depois de sua morte, e que pode ser utilizado para disposições patrimoniais e não patrimoniais, contabiliza 77 atos praticados nos últimos seis meses nos Cartórios de Notas de Mato Grosso.

Sobre CNB/M 

O Colégio Notarial do Brasil – Seção Mato Grosso (CNB/MT) é a entidade de classe que representa institucionalmente os tabeliães de notas do estado do Mato Grosso. O Colégio tem realizado diversas atividades a fim de integrar os notários do estado e atualizá-los tanto com as novidades gerais, como as segmentadas de sua natureza. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana