conecte-se conosco


Destaque

Sem estádio para Jogar a série D presidente do Araguaia afirma que a FMF quer tirar o Araguaia da competição para colocar o União

Publicado

O Araguaia segue em busca de nova casa para a disputa da Série D do Brasileiro. Ainda sem os laudos do estádio Zeca Costa, o clube fechou parceria com a prefeitura de Iporá (GO) para jogar no estádio Ferreirão. O problema é que o time vai estrear na competição contra o Aparecidense, que também é de Goiás. Segundo o presidente da Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), João Carlos de Oliveira, a CBF vetou a partida em Goiás, por enfrentar um time do mesmo estado.

– Recebemos essa comunicação do departamento jurídico da CBF e repassamos ao clube. Eles julgaram que não será possível. O Araguaia tem até o dia 30 para definir onde vai jogar, conforme prevê o regulamento de definir o local pelo menos 10 dias antes da partida. Os outros jogos deles como mandantes, poderão ser disputados em Iporá. A recomendação vale somente para a estreia – disse João, por telefone, ao GloboEsporte.com.

O presidente do Araguaia, Celso Costa, mostrou incômodo com a situação e afirmou que a FMF quer tirar o Araguaia da competição a todo custo para colocar o União no lugar.

Leia mais:   Operação identifica menores em situação de risco em Cáceres

– Estamos buscando soluções, o estádio Zeca Costa já recebe as melhorias, conseguimos parceria com a prefeitura de Iporá, mas parece que a federação quer nos forçar a desistir da competição. Não nos ajudam e ainda fazem tudo para atrapalhar. Porém, nós vamos até o fim. Inclusive vamos iniciar os treinamentos na segunda-feira, com praticamente todo o plantel que disputou o estadual – disse Celso Souza, por telefone, ao GloboEsporte.com.

Ciente das reclamações de seu filiado, João Carlos minimizou as críticas contra a FMF e disse “estar fazendo tudo que está ao alcance da federação, mas que a competição é organizada pela CBF, portanto é ela quem manda”.

Para Celso, o time vai tentar mandar o jogo no estádio Zeca Costa, em Barra do Garças, mesmo que de portões fechados.

– Nos sugeriram a Arena Pantanal, em Cuiabá, mas é muito inviável financeiramente, pois teríamos o deslocamento e hospedagem. Vamos tentar uma solução mais perto.

O Araguaia integra o grupo A10 ao lado de Ceilândia-DF, Aparecidense-GO e Comercial-MS. A estreia será no dia 12 de junho, contra a Aparecidense. O campeonato será disputado em 6 (seis) fases: na primeira fase os 68 clubes formarão 17 (dezessete) grupos de 04 (quatro) clubes cada, de onde irão se classificar 32 clubes para a fase seguinte: os primeiros colocados de cada grupo (total de 17) mais os 15 melhores segundos colocados; daí em diante os clubes enfrentar-se-ão no sistema eliminatório (“mata-mata”) até ser conhecido o campeão.

Leia mais:   Unemat tem editais abertos para contratação de professor para Diamantino, Nova Xavantina e Tangará da Serra

Fonte: Da redação com GE/MT

Comentários Facebook

Cáceres e Região

PANDEMIA – Covid-19; chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Publicado

Assessoria

Chegou ao fim, neste domingo (22), o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), decretado em função da pandemia de covid-19 no Brasil. A portaria com a decisão foi assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em 22 de abril, e previa prazo de 30 dias para que estados e municípios se adequassem à nova realidade.

A decisão do governo brasileiro foi tomada com base do cenário epidemiológico mais arrefecido e o avanço da Campanha de Vacinação no país. Segundo o Ministério da Saúde, apesar da medida, nenhuma política pública de saúde será interrompida.

“A pasta dará apoio a estados e municípios em relação à continuidade das ações que compõem o Plano de Contingência Nacional”, garantiu o governo.

No último dia 12 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) prorrogou, a pedido do Ministério da Saúde, o prazo de validade das autorizações para uso emergencial de vacinas contra covid-19, que deixariam de ser usadas na campanha de vacinação contra a doença com o fim do Epin.

Leia mais:   Prefeitura inicia imprimação da avenida Bandeirantes Por Esdras Crepaldi

A medida vale também para medicamentos que só deveriam ser usados durante a crise sanitária. Segundo a decisão da Diretoria Colegiada da Anvisa, as autorizações permanecerão válidas por mais um ano.

No mesmo dia, a Anvisa alterou a resolução que permite a flexibilização das medidas sanitárias adotadas em aeroportos e aeronaves, em virtude do encerramento do estado de emergência. Entre as mudanças, estão a retomada do serviço de alimentação a bordo e permissão para retirada de máscaras para se alimentar, durante o voo.

Segundo o Ministério da Saúde, o governo federal empenhou quase R$ 34,3 bilhões para a compra de cerca de 650 milhões de imunizantes contra a covid-19.

“Por conta da vacinação, o Brasil registra queda de mais de 80% na média móvel de casos e óbitos pela covid-19, em comparação com o pico de casos originados pela variante Ômicron, no começo deste ano. Os critérios epidemiológicos, com parecer das áreas técnicas da pasta, indicam que o país não está mais em situação de emergência de saúde pública nacional”, ressaltou o Ministério em nota.

Leia mais:   Invasão de hackers prejudica enquete sobre reitoria da Unemat

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

786 HORAS VOADAS – Ciopaer atuou em 344 ocorrências no primeiro quadrimestre de 2022

Publicado

Assessoria

No primeiro quadrimestre de 2022, o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), unidade vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), atuou em 344 atendimentos e ocorrências em Mato Grosso. No total, foram 786 horas voadas em helicópteros e aviões.

Os atendimentos englobam operações integradas, patrulhamento aéreo, transporte de pacientes, vacinas e demais ações. A unidade aérea atua em conjunto com as forças de segurança da Polícia Militar (PM), Polícia Judiciária Civil (PJC) e Corpo de Bombeiros Militar (CBM), além de outras secretarias estaduais, como Saúde (SES) e Meio Ambiente (Sema).

As ações, com emprego dos helicópteros, resultaram em 162 apoios operacionais, dos quais, 145 foram voos policiais para atendimento a ocorrências, com 73 voos para apoios diretos às forças de segurança. Isto é, para auxiliar ocorrências em andamento.

Além disso, foram 46 voos preventivos, de sobrevoo em regiões da cidade. um trabalho ostensivo da equipe. Também houve 24 apoios a operações integradas. Neste período, foram apreendidos 167 quilos de drogas, 11 armas de fogo, recuperados 19 veículos e efetuadas as prisões de 11 infratores, além de quatro fiscalizações ambientais.

Ainda nos atendimentos com o emprego dos helicópteros, o Ciopaer atuou em 16 ocorrências de resgate, salvamento e busca. Foram 10 resgates de pessoas que precisavam de remoção rápida para o hospital, cujo trabalho conta com a parceria do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Além disso, ocorreram seis buscas, salvamentos e apoios, em conjunto com a Defesa Civil.

Leia mais:   Condenados por maus-tratos contra animais podem ser proibidos de novas adoções

O coordenador do Ciopaer de Mato Grosso, tenente-coronel PM Ernesto Xavier de Lima Júnior, relembrou uma ação importante desempenhada pelo grupo no município de Vila Bela da Santíssima Trindade (562 km de Cuiabá).

“O município estava passando, no começo do ano, por um período de intensas chuvas, que deixaram muitas pessoas ilhadas. Com isso, o Ciopaer, em conjunto com a Defesa Civil, atendeu toda a região do município, levando alimentos, remédios e medicamentos à população”, pontua o coordenador do Ciopaer.

Ele lembra, ainda, da atuação importante do grupo no resgate de um idoso, após três dias de seu desaparecimento. “Foi no município de Santo Antônio de Leverger. O senhor foi encontrado em uma região de mata fechada, na zona rural do distrito de Sangradouro. Após mais de uma hora de sobrevoo na região, um dos agentes identificou o idoso caído em um pasto próximo a um matagal”.

Já com os aviões, o Ciopaer atuou 95 vezes, em atendimentos relacionados a convênios, dos quais, 58 ações foram, exclusivamente, para a área da saúde, com 19 voos médicos e 22 para entregas de vacinas.

Leia mais:   Projeto que exclui MT da Amazônia Legal será discutido hoje na ALMT

“Este número não significa 22 cidades. Cada voo para este tipo de entrega envolve entre quatro e cinco cidades. Foram entre 80 e 100 regiões em que o Ciopaer pousou para entregar vacinas e insumos. Toda esta ação teve a parceria da Secretaria de Saúde”, destacou o coordenador do Ciopaer.

Neste ano, o Ciopaer promoveu ainda 14 instruções às polícias Militar (PMMT) e Judiciária Civil (PJC-MT), Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT) e demais órgãos.

Sorriso

Além da sede, localizada no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, o Ciopaer possui uma base descentralizada no município de Sorriso (398 km ao Norte de Cuiabá). Nestes primeiros quatro meses de 2022, a base de Sorriso gerou cerca de 54 atendimentos em ações policiais, resgate e outros apoios operacionais.

Entrega de vacinas

Em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (Ses-MT), a unidade aérea atuou, com rapidez e agilidade, no transporte de vacinas contra o coronavírus (Covid-19) para o interior. Entre 19 de janeiro e 16 de maio de 2022, foram distribuídas 703.526 doses. Já, entre 1º de janeiro e 16 de maio de 2021, foram entregues aproximadamente 1.016 milhão de doses dos imunizantes contra o coronavírus.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana