Connect with us
Dados correspondem a apenas a oito dias de fiscalização, segundo a Polícia Rodoviária Federal

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) autuou 1.864 motoristas que desrespeitaram a nova lei, que exige o uso de faróis baixos nas rodovias de Mato Grosso.

Os dados foram registrados entre os dias 8 (quando a lei passou a vigorar) e 16 de julho.

A lei obriga os motoristas a manterem o farol aceso em luz baixa em todas as rodovias estaduais e federais. Quem descumprir, paga multa de R$ 85,13 e perde quatro pontos na carteira de habilitação. Em novembro, este valor deve subir para R$ 130,16.

De acordo com o superintendente regional da PRF, Arthur Nogueira, a lei em vigor não é algo novo e está no manual do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) desde 1998.

 

Entretanto, a recomendação não vinha sendo cumprida. Por isso, um estudo revelou que o farol apagado pode ter sido a causa de muitos acidentes em rodovias.

 

“Essa recomendação já existe há muito tempo. Ela foi feita para melhorar a visibilidade, não a de quem está dirigindo, mas das demais pessoas, para que elas possam enxergar o seu veículo e você também possa enxergá-las de longe. Assim como serve também para o ciclista poder ver mais longe”, explicou.

De acordo com Nogueira, a medida será válida para qualquer tipo de rodovia, incluindo as que passam por trechos urbanos.

Leia mais:   Professores de greve em Cáceres realizam nesta sexta-feira o Dia do Luto

 

“Se o condutor que for para o bairro Pedra 90 e não quiser ir pela Avenida das Torres e decidir cortar caminho pelo Distrito Industrial, tem que prestar atenção, pois, se estiver com farol apagado, estará irregular. Afinal ele vai passar pela BR-364”, explicou.

 

A reportagem do MidiaNews esteve na MT-144 (Mário Andreazza), uma das rodovias mais movimentadas e que liga Cuiabá a Várzea Grande, pelo Trevo do Lagarto, entroncamento das BRs 070, 163 e 364.

 

Foi possível notar que a maioria dos veículos que passam pela rodovia não estava com os faróis ligados. Os motoristas, nesse caso, estavam sujeitos a receber multas, de acordo com a nova legislação.

 

“É importante que as pessoas fiquem atentas e não se confundam. Independentemente ser zona rural ou zona urbana, o motorista poderá ser multado. As pessoas precisam procurar se informar ao sairem de casa e ler atentamente as placas de sinalizações. Por exemplo: se você está na Avenida Miguel Sutil [Perimetral], não está sujeito a multa, mas ao entrar na Rodovia Mário Andreazza, pode ser multado. O condutor tem que ficar atento para não levar multa”, disse Arthur Nogueira.

 

O superintendente da PRF não considera elevado o total de multas aplicadas, durante os primeiros 10 dias de fiscalização.

Leia mais:   Segunda-feira (27): Mato Grosso registra 759.242 casos e 14.984 óbitos por Covid-19

“É uma média de 210 multas por dia. Trata-se de num númerio baixo, se for se levar em consideração os mais de 60 mil veículos que trafegam nas rodovias de Mato Grosso, todos os dias. Se todas as pessoas tivessem o cuidado de seguir as regras, não teríamos esse problema”, afirmou.

 

Motoristas devem ficar atentos

 

Os motoristas devem ficar atentos com os trechos que podem ser confundidos com perímetros urbanos.

 

Os motoristas que passarem pela BR-364, vindo de Rondonópolis, devem usar farol baixo até o trevo do bairro Tijucal. Entretanto, se forem em direção ao Parque Cuiabá, devem ficar atentos na passagem pela MT-040 (Rodovia Palmiro Paes de Barros).

 

Já quem for passar pela MT-444 (rodovia Mário Andreazza) – início da Trincheira Ciríaco Cândia, em Cuiabá, até o Trevo do Largato, em Várzea Grande, deve atentar para o fato de que é obrigatório o uso dos faróis acesos.

 

Outro trecho que os motoristas devem ficar atentos e usar os faróis baixos é na MT-251 (Estrada para Chapada dos Guimarães) e MT-010 (Estrada da Guia).

MidiaNews

 

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Prefeitura anuncia inscrições para os jogos de praia do 39º FIPE

Published

on

Por – Esdras Crepaldi

A Praia do Daveron é um lugar especial da Baia de Cáceres. Um dos cartões de visita da cidade, local de lazer muito frequentado pela população cacerense. Banhos, pescarias, atividades físicas e jogos, fazem parte do cotidiano deste maravilhoso complexo.

Todos os anos, os jogos de praia, inseridos na programação oficial do Festival Internacional de Pesca Esportiva, acontecem ali e movimentam ainda mais o FIPE. Com um colorido todo especial, atletas e banhistas se misturam e lotam as areias da praia.

Este ano, mais uma vez, a Secretaria de Esportes, parceira do Festival, preparou uma grande programação esportiva para o espaço.

O Coordenador de Esportes Cristiano Neves, anunciou que a partir desta terça-feira, 28/06, as inscrições para as modalidades de vôlei de praia, hand beach, futebol de areia e beach tênis masculino e feminino, e futevôlei masculino e misto, podem ser feitas na sede da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, na Prefeitura de Cáceres.

“Façam suas inscrições, teremos premiações em dinheiro, troféus e medalhas”, incentivou Cristiano.

Leia mais:   Professores de greve em Cáceres realizam nesta sexta-feira o Dia do Luto

Já o secretário de Turismo, Cláudio Henrique Donatoni, disse que os jogos de areia dão vida ao FIPE, movimentam a praia do Daveron  e esquentam ainda mais as emoções do Festival de Pesca.

“O FIPE integra todas as secretarias da prefeitura e proporciona diversas atividades esportivas, culturais e ambientais. Os jogos de praia estão inseridos na programação oficial do evento. Agradeço toda equipe da Secretaria de Esportes e Lazer pela parceria e coordenação desses jogos”, reconheceu Cláudio Henrique.

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

Brasil já tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos e imunologista dá dicas de como se prevenir da doença

Published

on

Da Redação
     Depois da pandemia da COVID-19, o mundo entra em alerta mais uma vez. A Monkeypox, ou varíola dos macacos, já tem casos confirmados em mais de 30 países. Aqui no Brasil, 17 pessoas testaram positivo para a doença.     A varíola dos macacos não é uma doença nova. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com o animal, com humano infectado ou com material corporal humano com o vírus. Portanto, contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados ajudam a transmissão.      As lesões se iniciam pelo rosto e depois se espalham para outras partes do corpo e genital, formando erupções cutâneas e bolhas com pus. A transmissão só termina quando a crosta desaparece. Além das lesões, a doença gera sintomas como febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, adenomegalia, calafrios e exaustão.     “Já temos vários casos confirmados no Brasil. É importante ficar atento aos sintomas e às lesões, que começam no rosto. O isolamento deve ser imediato, assim como o mapeamento das pessoas que tiveram contato com o doente. A liberação do paciente só pode acontecer após o desaparecimento das lesões”, explica Luiz Werber-Bandeira, imunologista/alergista e docente do IDOMED.

Patrícia Belarmino

(67) 9 9221-3227
Comentários Facebook
Leia mais:   Avô que estuprava a neta por oito anos é preso em Mirassol D´Oeste
Continue Reading

Mais Lidas da Semana