conecte-se conosco


Destaque

Projeto que prevê gratificação a assessores divide opinião de vereadores na Câmara

Publicado

A Câmara de Cáceres deve votar na sessão de segunda-feira (27), o Projeto de Lei de autoria do vereador Felix Alvares (SD) que inclui gratificação de 40% na remuneração dos assessores da Casa. Considerado polêmico, o projeto tende a dividir ainda mais os blocos de oposição e situação no legislativo. Apesar do lobi dos assessores, a tendência é de que o projeto seja reprovado por 6 votos a 5. De acordo com o Regimento Interno da Casa, para aprovação seria necessários pelo menos 2/3 ou 8 dos 11 votos. Ao todo são 11 assessores. O salário mensal atual é de R$ 1800,00.

            O projeto foi apresentado no dia 10 de junho. As comissões de Constituição de Justiça e Finanças apresentaram parecer pela legalidade. Contudo, a maioria dos vereadores se manifesta contra. Ele foi colocado em pauta para votação na sessão da última segunda-feira (20). Porém, o presidente da Casa, vereador Marcinho Lacerda (PMDB) apresentou pedido de vistas para que fosse feito algumas análises. Como por exemplo, o impacto que causará na folha de pagamento do legislativo.

Leia mais:   "Esse é o início da recuperação de Mato Grosso na pandemia", afirma governador

Além do autor, até na sexta-feira (24), apenas o vereador Manoel Ignácio de Oliveira (PSDB) e Alvasir Alencar (PP) haviam se manifestado a favor dos oposicionistas Tarcísio Paulino (PSB) e Edmilson Campos (PSD).

Autor do projeto, o vereador Felix Alvares afirma que “a gratificação aos assessores é um direito assegurado. Ele será apenas oficializado” argumentou lembrando que “o impacto de 8 mil mensais ou 95 mil anuais que o projeto irá causar na folha de pagamento é insignificante para uma Câmara que já devolveu ao município 200 mil e deverá devolver até no final do ano mais 800 mil” e acrescenta que “na prática estou na contra mão do governador e do prefeito que não querem pagar os direitos adquiridos dos servidores”.

Ao se manifestar contra aprovação do projeto, o presidente da Câmara, vereador Marcinho Lacerda (PMDB), diz que “o momento é inoportuno para dar aumento ou gratificação salarial a quem quer que seja” e que “no meu entendimento o projeto é inconstitucional porque essa prerrogativa não é atribuição de vereador, mas sim da Mesa Diretora”, e, além disso, segundo ele, “o salário que o assessor recebe está compatível com o do mercado”. E conclui revelando que “na minha gestão aumentamos em quase 100% o salário dos assessores que pulou de 900 para 1800 reais”.

Leia mais:   Comando de Fronteira Jauru/66º Batalhão de Infantaria Motorizado vem auxiliando na vacinação do Covid-19

Até na sexta-feira, a reportagem apurou que votam a favor do projeto, além do autor, vereador Manoel Felix Alvares, os vereadores Tarcísio Paulino (PSB), Manoel Ignácio de Oliveira (PSDB), o Manoel Leiteiro e Alvasir Ferreira de Alencar (PP). Votariam contra os vereadores Marcinho Lacerda, Domingos dos Santos (PSC), Valdeníria Dutra Ferreira (PSD), Edmilson Tavares (PMDB). Estavam indecisos os vereadores Salmo Cesar (Pros) e cabo Pinheiro (PRTB).

Sinezio Alcântara

Da Editoria

Comentários Facebook

Campeonato Brasileiro de Futebol

Cuiabá sobe para a série A pela primeira vez e rede hoteleira prevê movimento no setor após o fim da pandemia

Publicado

G1 MT

A ascensão do Cuiabá Esporte Clube para a série A do campeonato brasileiro pela primeira vez e um possível fim da pandemia com a chegada das vacinas podem reaquecer o turismo na capital e na rede hoteleira a partir deste ano.

Apesar de ter pedido o jogo por 3 a 1, o Cuiabá subiu para a série A, porque o CSA empatou com o Brasil – RS numa partida realizada um pouco antes.

A diretora de marketing da rede de Hotéis Mato Grosso, Adriana Aires, disse que o grupo está otimista com essa nova fase do time no estado.

“Isso representa mais jogos na nossa capital e mais movimento em toda rede hoteleira, aquecendo a economia e os negócios”, ressaltou. No entanto, ainda não é possível fazer uma estimativa precisa do impacto financeiro para o turismo.

Além disso, ela destaca que com a imunização da população por meio da vacina, consequentemente, chegará também o fim da pandemia e um movimento maior na capital.

“O Cuiabá poderá jogar contra grandes times brasileiros que têm torcidas fortes em todo o estado. Isso fará com que os torcedores do interior tenham a oportunidade de ver seus times atuando ao vivo e aproveitarem para passear pela Baixada Cuiabana. Além disso, torcidas organizadas de todo o país também podem vir para a capital”, explicou.

Em relação à recuperação do turismo neste ano, Jefferson vê com cautela a movimentação dos turistas. Para ele, esta retomada será gradual e os números só melhorarão significativamente em 2022.

“Temos uma campanha de vacinação em andamento, mas não sabemos quando ela será finalizada. Ainda vivemos uma pandemia e precisamos tomar todos os cuidados. Não acredito em um novo lockdown, mas em algumas restrições que visam preservar a saúde da população. Por isso, 2021 será um ano melhor que o anterior, mas ainda não retornaremos à movimentação que tínhamos pré-pandemia”, ressaltou.

Cuiabá Esporte Clube

De 2006 a 2008 por falta de recursos, o Cuiabá anunciou o licenciamento de suas atividades. Em 2009, o time retornou ao cenário do futebol disputando a segunda divisão e conquistando o vice-campeonato. Em 2003, ganhou o primeiro título do campeonato mato-grossense.

Já em 2014, o Cuiabá foi a final novamente, dessa vez contra o recém-promovido para a série B, Luverdense. As duas partidas foram vencidas pelo Dourado por 1 x 0.

Desde então, a equipe tem trabalhado para levar o tima à elite do futebol.

Neste ano, conquistando o 3° lugar no Brasileirão série B, o Dourado disputará o campeonato Brasileiro série A.

Faz 35 anos que Mato Grosso não tem sequer um representante na primeira divisão nacional. A última vez que isso aconteceu foi em 1986, com o Operário.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Comando de Fronteira Jauru/66º Batalhão de Infantaria Motorizado vem auxiliando na vacinação do Covid-19

Publicado

Assessoria

Comando de Fronteira Jauru pode prestar apoio logístico ao Secretaria Especial de Saúde Indígena durante o processo de vacinação.

O Comando de Fronteira Jauru/66º Batalhão de Infantaria Motorizado – Batalhão General José Miguel Lanza, juntamente com o 3° Batalhão de Aviação do Exército (BAvEx) e de integrantes do 13º Pelotão de Polícia do Exército vem atuando cumprindo missões de comando, controle e logística em apoio à SESAI (Secretaria Especial de Saúde Indígena) na atividade de vacinação nas áreas indígenas.

As atividades iniciaram no dia 21 de janeiro com apoio nos deslocamentos e no transporte de vacinas para terras indígenas no estado de Mato Grosso.

No dia 22 de janeiro iniciou a fase de execução da vacinação, onde o Comando de Fronteira Jauru pode prestar apoio logístico ao Secretaria Especial de Saúde Indígena durante o processo de vacinação.

O deslocamento para as comunidades indígenas isoladas de difícil acesso ocorrem com o apoio de aeronaves do 3° Batalhão de Aviação do Exército (BAvEx).

Leia mais:   Comando de Fronteira Jauru/66º Batalhão de Infantaria Motorizado vem auxiliando na vacinação do Covid-19

O Comando de Fronteira está atuando em 4 regiões e nas seguintes terras indígenas: Chiquitanos (região de Fortuna); Vale do Guaporé, Kithaulu e Cerrado (região de Comodoro); Aterradinho e Perigara (região Pantanal); Halataikwa, Kolinakwa, Manoki e Myky (região de Brasnorte).

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana