conecte-se conosco


Cáceres e Região

Presidente da OAB Cáceres diz que PJE é bom e advogados ainda estão se adaptando

Publicado

 

Quase três meses depois da implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe) nas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª Varas Cíveis da Comarca de Cáceres ( 225 km a Oeste de Cuiabá), a ferramenta já contribui com melhorias expressivas na prestação jurisdicional.

Conforme a juíza da 4ª Vara Cível da Comarca, Joseane Quinto Viana, com o PJe há maior celeridade processual, principalmente em relação aos julgamentos dos mandados de segurança e ações nos Juizados Especiais. Antes do PJe, um Mandado de Segurança, por exemplo, que costumava tramitar de seis meses a dois anos, hoje é sentenciado em dois meses.

“A diferença é grande com relação a essas ações no processo eletrônico. Sobre as demais ações não há como dizer. As ações de improbidade administrativa, por exemplo, pela sua própria característica, demandam maior tempo e número de atos processuais. Por isso, ainda precisamos de mais tempo de uso do sistema para dimensionar seu impacto na tramitação das ações de maior complexidade”, explica.

A magistrada adora tecnologia e conta que teve muita facilidade no manuseio da ferramenta. Além disso, ela é uma das primeiras magistradas no Estado e na Comarca de Cáceres a ter contato com a plataforma. Ela trabalha com o programa desde julho de 2012, quando jurisdicionava no Juizado Especial de Barra do Bugres (168 km a Médio-Norte de Cuiabá). Depois ela voltou a usar a ferramenta na Vara de Fazenda (4ª Vara Cível) de Cáceres desde janeiro de 2015.

Leia mais:   Indicação pede construção de uma réplica da histórica Ponte Branca e do Coreto da Praça Barão do Rio Branco

“Todos os mandados de segurança na minha vara tramitam pelo PJe. Mas desde o início, lá no Juizado, eu já tinha gostado muito, ele facilita e antecipa todas as funções, o processo não fica parado. Melhorou muito para despachar”, conta.

Ela lembra que antes se perdia muito tempo entre o protocolo da ação até chegar às mãos do juiz. O processo saía do protocolo ia para o cartório distribuidor, depois para a secretaria onde ele era autuado, numerado e concluído. “E nesse meio tempo é que a gente ia olhá-lo. Agora o advogado peticiona e eu já tenho acesso ao processo, instantaneamente”, frisa.

Além da celeridade, a magistrada constatou outros benefícios como a sustentabilidade. “A vara onde eu atuo é muito movimentada. Percebi que não há mais desperdício de papéis e documentos. Há também sustentabilidade em relação ao espaço físico, sem contar a uniformização do trabalho”, observa.

A classe dos advogados também tem aprovado o Processo Judicial Eletrônico. O presidente da OAB (Seccional Cáceres), Eduardo Sortica de Lima, diz que a comodidade para se peticionar é inquestionável, pois o advogado que esteja aparelhado com um bom computador, impressora e scanner, pode dar entrada em uma ação a qualquer hora e em qualquer lugar que esteja, seja no escritório, em casa ou até mesmo durante uma viagem.

Leia mais:   Cáceres sai da classificação de risco muito alto de contaminação do coronavirus

Eduardo Sortica ouviu os colegas que advogam na comarca. Ele atesta que os únicos problemas constatados em relação à plataforma são naturais desse período de adaptação e de quem ainda não está com as máquinas preparadas para receber o sistema. Mas ele garante que o PJe está atendendo as necessidades.

A OAB seccional de Cáceres possui uma subcomissão de Direito Eletrônico. Esta subcomissão criou um link para que todos os advogados possam avaliar as funcionalidades do programa. O link entrou no ar nesta terça-feira (24 de maio) e vai poder subsidiar o Tribunal de Justiça nas melhorias e adaptações a cada nova versão do sistema.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

PARA GRUPO PRIORITÁRIO – Remessa de 14,8 mil doses de Coronavac chega a MT neste sábado

Publicado

Assessoria

Governo do Estado confirmou na tarde de sexta-feira (7) que receberá neste sábado (8) do Ministério da Saúde 14.800 doses de Coronavac para a imunização dos grupos prioritários da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19.

A nova remessa de vacinas chegará em Mato Grosso às 10h20, no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, por um voo da Azul.

As unidades poderão ser utilizadas em pessoas de 60 a 64 anos e forças de segurança, salvamento e armadas. Para a vacina CoronaVac, o prazo de aplicação da segunda dose varia entre 14 e 28 dias. O detalhamento para cada público poderá ser conferido na resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB).

Imediatamente após a chegada do imunizante, as equipes da Vigilância Estadual trabalharão no recebimento das doses, na conferência da quantidade, na catalogação dos imunizantes, no encaixotamento para distribuição e retirada dos municípios.

Simultaneamente à operação logística, as equipes administrativas trabalham na resolução da Comissão Intergetores Bipartite (CIB), colegiado que oficializa o quantitativo de doses a ser destinado para os 141 municípios. O Estado de Mato Grosso já recebeu 1.001.280 doses de imunizantes contra a Covid-19 e aguarda a chegada da nova remessa.

Comentários Facebook
Leia mais:   Amigos do Bem e Cia realizam sorteio de joia em prol da APAE neste sábado
Continue lendo

Cáceres e Região

Indicação pede construção de uma réplica da histórica Ponte Branca e do Coreto da Praça Barão do Rio Branco

Publicado

Assessoria

Foi aprovada por unanimidade na Câmara Municipal de Cáceres, na Sessão Ordinária de segunda-feira (3), uma indicação que solicita a construção de um Coreto na Praça Barão do Rio Branco e uma nova Ponte Branca.

De autoria do vereador Franco Valério, a proposição ressalta o valor histórico da ponte e do coreto, retratados com nostalgia em matérias jornalísticas ao longo dos anos.

A ponte, situada entre as ruas General Osório e Riachuelo, no centro, servia como caminho dos estudantes da Escola dos Freis (Instituto Santa Maria) nos anos 70, 80 e 90, e, apesar dos esforços da comunidade local, foi demolida em 1998.

Já o coreto, embora fosse estrutura tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural (IPHAN), não foi preservado corretamente na última reforça realizada na Praça Barão, segundo o vereador Franco – ele ainda denunciou a falta de intervenção dos órgãos fiscalizadores competentes quando das modificações feitas à época.

Franco conclui que a recriação destes dois monumentos históricos, ainda que em forma de réplicas, é uma forma de respeitar a memória de Cáceres e exaltar o potencial turístico da cidade.

Comentários Facebook
Leia mais:   Indicação pede construção de uma réplica da histórica Ponte Branca e do Coreto da Praça Barão do Rio Branco
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana