Connect with us

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Se nos dias atuais seria quase inimaginável, imagina há 92 anos, uma equipe de cinema e ciência, com atores experientes em aventuras, realizar uma filmagem no Pantanal mato-grossense, região de Cáceres. Pois, não é ficção. Isso, realmente aconteceu: o milionário da indústria fonográfica, o norte-americano Fedemore, rodou na fazenda Descalvados, o filme intitulado “The Gread Brazillian Wilderness” que traduzindo significa “A Grande Floresta Brasileira”.

     Essa fascinante história está registrada com fotos, filmes e slides que está sendo exibida na Exposições Alusivas à 20ª Semana Nacional de Museus: Poder dos Museus – Humanidade Vozes no Presente, na sede do Museu de Humanidades “Alaide Montecchi” localizado na Cidade Universitária da Universidade do Estado de Mato Grosso – Campus Cáceres.

     Além do registro da filmagem da Grande Floresta Brasileira, com a companhia americana, na sede da Fazenda Descalvados, outras obras de grandes valores também estão em amostras no Museu de Humanidades Alaíde Montecchi.

     Entre elas: a Coleção de Moedas, do colecionador Professor Doutor Matheus Pontes que retrata desde o império até nos dias atuais, passando palas unidas monetárias, réis, cruzeiro, cruzado, cruzado novo e real. A coleção apresenta história, valores e características de moedas em metal e cédulas, de países de vários continentes. Na sala três, a vida e arte do renomado artista plástico cacerense Sebastião Mendes.

Leia mais:   33 cidades do Estado, inclusive, Cáceres tem fornecimento afetado por batida de postes no fim de semana

A obra cinematográfica 

      Projeto para ser um sucesso de bilheteria nos EUA, em 1930, o filme não alcançou tal resultado. Entretanto, produziu informações importantes sobre a presença norte-americana, no Pantanal Mato-grossense, em Cáceres.

     Uma dessas informações está relacionada ao abate de animais silvestres e a captura de onças, com a finalidade de adestramento nos moldes dos leões africanos.

      O ponto alto da película seria o abate de uma onça com “zagaia” (vara de madeira com uma lâmina de metal na ponta), protagonizado pelo ator Shascha Siemio, reproduzindo a prática de caça do grupo indígena Guató.

Arte e vida de Sebastião Mendes 

     Sob a curadoria do professor e artista plástico Carlos Alberto Busquê Júnior, na sala três do museu, o visitante pode contemplar painéis do início da carreira do artista e também, telas das mais recentes produções de Mendes. As telas retratam a natureza pantaneira e práticas culturais do povo cacerense

O Museu de Humanidades Alaíde Montecchi – MHAM 

     O Museu de Humanidades Alaíde Montecchi (MHAM), concebido inicialmente no ano 2000, através de uma Termo de Ajustamento de Conduta –TAC com o gasoduto Brasil-Bolívia, para salvaguardar materiais de natureza arqueológica, paleontológica, espeleológica e etnográfica, foi renomeado em homenagem a professora do curso de Geografia da Unemat, geóloga Alaíde Montecchi, ampliando o seu campo de atuação para humanidades.

Leia mais:   AGUARDA REGULAMENTAÇÃO: Pesca do pintado não está proibida em Mato Grosso, afirma Conselho

PROGRAMAÇÃO 

16 de maio- Exposição – Conferência de Abertura: Centenário da Semana de Arte Moderna

17 de maio – Exposição – Minicurso: 100 anos da Semana de Arte Moderna – Arte e Cultura – Minicurso: A concepção de natureza para os povos ameríndios, uma primeira aproximação para o ensino da História Ambiental – Minicurso: A contracultura e a crítica musical no Brasil na década de 1970 – Minicurso: Arte e Cultura no nacionalismo varguista: iconografia e composição musical – Minicurso: O uso de tecnologias digitais no ensino de História: experiências no Pibid de História da Unemat – Mostra: Exposição Fotográfica Audiovisual: Manifesta – Levando a Cultura até seu povo

18 de maio – Exposição – Mostra do Museu da Arte Sacra – Mesa-redonda: Museu da Arte Sacra

19 de maio – Exposição – Conferência: Diversidade no campo brasileiro atual

20 de maio – Exposição- Conferência de encerramento: Nós e a cidade: memórias, saudades e miudezas.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Prefeitura anuncia inscrições para os jogos de praia do 39º FIPE

Published

on

Por – Esdras Crepaldi

A Praia do Daveron é um lugar especial da Baia de Cáceres. Um dos cartões de visita da cidade, local de lazer muito frequentado pela população cacerense. Banhos, pescarias, atividades físicas e jogos, fazem parte do cotidiano deste maravilhoso complexo.

Todos os anos, os jogos de praia, inseridos na programação oficial do Festival Internacional de Pesca Esportiva, acontecem ali e movimentam ainda mais o FIPE. Com um colorido todo especial, atletas e banhistas se misturam e lotam as areias da praia.

Este ano, mais uma vez, a Secretaria de Esportes, parceira do Festival, preparou uma grande programação esportiva para o espaço.

O Coordenador de Esportes Cristiano Neves, anunciou que a partir desta terça-feira, 28/06, as inscrições para as modalidades de vôlei de praia, hand beach, futebol de areia e beach tênis masculino e feminino, e futevôlei masculino e misto, podem ser feitas na sede da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, na Prefeitura de Cáceres.

“Façam suas inscrições, teremos premiações em dinheiro, troféus e medalhas”, incentivou Cristiano.

Leia mais:   Avô que estuprava a neta por oito anos é preso em Mirassol D´Oeste

Já o secretário de Turismo, Cláudio Henrique Donatoni, disse que os jogos de areia dão vida ao FIPE, movimentam a praia do Daveron  e esquentam ainda mais as emoções do Festival de Pesca.

“O FIPE integra todas as secretarias da prefeitura e proporciona diversas atividades esportivas, culturais e ambientais. Os jogos de praia estão inseridos na programação oficial do evento. Agradeço toda equipe da Secretaria de Esportes e Lazer pela parceria e coordenação desses jogos”, reconheceu Cláudio Henrique.

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

Brasil já tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos e imunologista dá dicas de como se prevenir da doença

Published

on

Da Redação
     Depois da pandemia da COVID-19, o mundo entra em alerta mais uma vez. A Monkeypox, ou varíola dos macacos, já tem casos confirmados em mais de 30 países. Aqui no Brasil, 17 pessoas testaram positivo para a doença.     A varíola dos macacos não é uma doença nova. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com o animal, com humano infectado ou com material corporal humano com o vírus. Portanto, contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados ajudam a transmissão.      As lesões se iniciam pelo rosto e depois se espalham para outras partes do corpo e genital, formando erupções cutâneas e bolhas com pus. A transmissão só termina quando a crosta desaparece. Além das lesões, a doença gera sintomas como febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, adenomegalia, calafrios e exaustão.     “Já temos vários casos confirmados no Brasil. É importante ficar atento aos sintomas e às lesões, que começam no rosto. O isolamento deve ser imediato, assim como o mapeamento das pessoas que tiveram contato com o doente. A liberação do paciente só pode acontecer após o desaparecimento das lesões”, explica Luiz Werber-Bandeira, imunologista/alergista e docente do IDOMED.

Patrícia Belarmino

(67) 9 9221-3227
Comentários Facebook
Leia mais:   Prefeitura anuncia inscrições para os jogos de praia do 39º FIPE
Continue Reading

Mais Lidas da Semana