conecte-se conosco


Cáceres e Região

Ministério Público requer estudo para possível intervenção estadual no Hospital São Luiz

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

As deficiências estruturais, administrativas e financeiras que assolam o Hospital São Luiz, em Cáceres, administrado pela empresa Pró-Saúde, levam o Ministério Público Estadual (MPE) a solicitar possível intervenção do Estado, na unidade. O promotor Rinaldo Segundo enviou na tarde de ontem um “despacho” ao Escritório Regional de Saúde, solicitando a realização de estudo para a eventual intervenção.

O MPE sugere na proposta que o Escritório Regional de Saúde, elabore um estudo quanto a possibilidade ou não de intervenção. Caso seja confirmado o caos que tomou conta da unidade, nos últimos meses, o Estado, através da Secretaria de Estado de Saúde (SES) passe a gerir a administração do hospital com a finalidade de se buscar a garantia do atendimento dos serviços de saúde pública à população.

A situação vivenciada no hospital, nos últimos tempos, beira ao caos. Os médicos estão com salários atrasados há mais de 5 meses e ameaçam suspender os atendimentos se até o próximo dia 6 de dezembro não for efetuado o pagamento. Os demais servidores – enfermeiros e técnicos – somente nesta semana receberam os salários relativos ao mês de outubro. O pagamento só foi efetuado depois que ameaçaram paralisar as atividades.

Há informação, dos profissionais de saúde, de que na unidade faltam equipamentos de trabalho e medicamentos básicos, como Dipirona, Buscopan, Dramim, entre outros. As direções do Hospital Regional e da Secretaria Municipal de Saúde confirmam que fazem constantes empréstimos de equipamentos e tais medicamentos, para socorrer o São Luiz e automaticamente os pacientes.

Leia mais:   Otimistas, quilombolas da comunidade de Pita Canudos acreditam que reassumem a terra neste ano

As denúncias sobre o caos que se instalou no hospital são em todos os setores. Além da falta de equipamentos de trabalho e medicamentos, há informação de que a alimentação servida aos funcionários e pacientes é de má qualidade. E, em plena pandemia do Covid-19 o hospital fechou a ala de atendimento das vítimas da doença. Atualmente, todos os infectados são encaminhados para o Hospital Regional.

Apesar das inúmeras reclamações de enfermeiros, médicos e pacientes, o hospital nega as irregularidades. Diz que não procedem tais denuncias. A direção da Pró-Saúde, empresa que administra a unidade, responsabiliza o governo pelo estado de penúria. Afirma que os medicamentos existem e que só não faz o pagamento dos salários aos funcionários e profissionais de saúde em tempo hábil porque, a Secretaria de Estado de Saúde demora para realizar os repasses devidos a unidade.

O prefeito Francis Maris Cruz, há muito tempo, defende a ideia de intervenção do governo estadual ou federal no hospital. Um grupo de vereadores eleitos estuda a possibilidade de se reunir com a direção da Pró-Saúde, em São Paulo para expor a situação e resolver o problema que se arrasta há quase um ano. A reportagem entrou em contato com a direção da empresa e aguarda um posicionamento.

Leia mais:   Bolivianos são presos em Cáceres com cocaína no estômago e expelem 150 cápsulas

NOTA À IMPRENSA

A Pró-Saúde informa que não teve acesso ao despacho da 1ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Cáceres, citado pela reportagem. A entidade está à disposição para prestar qualquer informação que possa contribuir com a perenidade do Hospital São Luiz.

A Covid-19 agravou a crise no país, atingindo diretamente a economia da maioria dos hospitais brasileiros. No caso do São Luiz, não foi diferente. Uma das principais fontes de receita, as cirurgias eletivas, foram canceladas por determinação das autoridades sanitárias, em razão da covid.

Mesmo assim, na pandemia, o hospital desempenhou um papel extremamente importante no atendimento dos doentes: até julho foi a única unidade de saúde de Cáceres que cuidou de casos leves e graves de covid-19.

Este contexto de atendimento SUS (Sistema Único de Saúde), é importante destacar, tem contado com repasses dos governos Estadual e Federal.

Com mais de 50 anos de história, a Pró-Saúde reafirma sua missão de cuidar da vida das pessoas, fortalecendo seu compromisso com a perenidade do Hospital São Luiz, dada sua relevância para Cáceres e oeste mato-grossense.

O esforço sempre foi — e continuará sendo — alcançar o equilíbrio financeiro para seguir avançando na melhoria dos serviços de saúde prestados aos pacientes.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Motoristas de ônibus escolares da prefeitura de Cáceres ganham na justiça o direito de receber Adicional de Periculosidade e de Insalubridade

Publicado

Assessoria

Depois de muito lutar com a gestão passada, os Guardas Municipais de Cáceres e os Motoristas de Ônibus Escolares começaram a ver o resultado de suas ações na justiça, com as primeiras implementações do Adicional de Periculosidade e de Insalubridade, que acarretará o aumento de 30% por cento no salário base da categoria dos guardas e de 20% para os motoristas.

Alguns motoristas e guardas municipais começaram, já este mês, a receber o adicional devido, e que nunca foi pago pela administração municipal nas gestões anteriores. A implementação dos adicionais tem se dado via processo judicial, após julgamentos de 1ª e 2ª Instância.

Nas ações ajuizadas pelos Guardas e pelos Motoristas, que são representados na justiça pelo Escritório Curvo e Pizzatto Advogados, os servidores pedem a implementação do adicional de 30% e 20% nos salários, que já tem sido realizada nos casos vencedores, mais o retroativo dos últimos cinco anos.

A justiça em Cáceres já confirmou o direito das categorias ao adicional e ao retroativo. A prefeitura recorreu dos casos, e agora a 2ª instância da justiça tem indeferido os recursos da prefeitura e garantido o direito dos profissionais, que há anos esperam pela melhoria salarial.

Leia mais:   Supremo envia a Aras denúncia contra Bolsonaro e Pazuello por crise no Amazonas

Procurados pelo Jornal Oeste, os Advogados que representam os guardas disseram que a expectativa é de que a Justiça confirme todos os casos, e que até fim do ano a Prefeitura faça a implementação dos adicionais para quem ajuizou a medida.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Em Cáceres, Marinha abre 15 vaga no Curso de Formação para Aquaviários

Publicado

Assessoria
Visando contemplar ao cidadão cacerense a oportunidade de capacitação para marinheiro fluvial e conhecimento de convés e máquinas, a Agência Fluvial de Cáceres, abre em fevereiro as inscrições para o Curso de Formação de Aquaviários MARINHEIRO FLUVIAL AUXILIAR DE CONVÉS E DE MÁQUINAS – NÍVEL 1 (CFAQ-MAFC/MAFM).

Para se inscrever, homens e mulheres devem ter no mínimo 18 anos completos, ser brasileiro, possuir escolaridade inferior ao 6º ano do Ensino fundamental e estar em dia com as obrigações militares e eleitorais.

De acordo com o Comandante da Agência em Cáceres, capitão tenente Estanislau Geraldo de Carvalho, o cidadão capacitado como Aquaviário, tem maior possibilidade de ingressar no mercado de trabalho, principalmente nesta região onde o turismo é um dos pontos fortes da economia e com os rios sempre atrativos para a pesca.

Com carga horária de 50 h/a e com início previsto para o mês de abril, a Agência Fluvial de Cáceres disponibiliza de 15 vagas. O período de inscrições inicia em 04 de fevereiro até 08 de março.

O seletivo consta apenas de teste de suficiência física, com prova de natação na distância de 25 metros (sem limite de tempo) e permanência de flutuação sem qualquer auxílio e com duração de dez minutos. Para a realização do teste, os candidatos deverão apresentar atestado médico, emitido há menos de um ano, que comprove bom estado de saúde física, mental, visual e auditivas.

Leia mais:   Otimistas, quilombolas da comunidade de Pita Canudos acreditam que reassumem a terra neste ano

Diante do quadro do Coronavírus, o 1º Sg-Et Márcio Rogério dos Santos Ferreira, encarregado do Ensino Profissional Marítimo, informa aos interessados que agendem atendimento, pelos telefones (65) 3223-2722 e 3223-1416, medida adotada para que não ocorra aglomerações.  Sargento Marcio ressalta que o candidato no ato da inscrição deverá apresentar documento que comprove a escolaridade exigida; RG, CPF, comprovante de residência, foto 3×4, ficha de inscrição preenchida e comprovante de pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 8,00.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana