conecte-se conosco


Cáceres e Região

Médicos suspendem trabalhos de partos no Hospital São Luiz por falta de insumos e registram Boletim de Ocorrência Policial

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Dezenas de grávidas da região Oeste do Estado estão, há mais de 24 horas, na fila de espera para realização de serviço no parto no Hospital São Luiz, em Cáceres. O procedimento foi suspenso pelos médicos por falta de insumos.         Uma das funcionárias que não quis se identificar – temendo represália por parte da direção -, disse que existem aguardando na fila de espera 33 grávidas.

     Algumas gestantes são de risco e outras estão passando da hora de ganhar o bebê, sem que aja previsão para realização do procedimento. Mãe de uma das pacientes que estão na fila de espera disse que a situação é desesperadora. E, que na tarde de hoje (sexta-feira), a direção do hospital começou a dar alta para as gestantes, mesmo sem a realização do parto.

        “Minha filha está internada desde 4ª-feira. Primeiro eles disseram que não tinha anestesista. Agora alegam que não tem material e mandaram ela de volta para casa. O médico disse que já está passando da hora de ela ganhar o bebê” lamentou a dona de casa Elizabete da Silva Oliveira. A comerciantes Dalva Maria, disse que sua cunhada tem gravidez de risco e que mesmo assim não foi feito o parto.

        Para se isentar de responsabilidade, por quaisquer complicações, os médicos plantonistas registraram um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia.

         Eles informaram que “estamos impossibilitados de realizar nossas atividades profissionais devido à falta de insumos” e que “prezando pelo bem-estar e segurança dos pacientes comunicamos que continuamos de plantão. Porém, sem condições de realizar o bom exercício da medicina”. Os médicos disseram que não existem no hospital luvas, máscaras, seringas, anestésico, equipo para infusão venosa, roupa para o setor privado até campos cirúrgicos.

Leia mais:   Peões de fazendas no Pantanal Mato-grossense são vacinados contra Covid-19 no final de semana

            A direção do hospital diz em nota que foi surpreendido pelo aumento expressivo de demandas nos últimos dias e que opera com sobrecarga de atendimento na sua maternidade. E que, somente nesta manhã, 33 pacientes estavam em atendimento. Veja a íntegra da Nota abaixo.

Intervenção  

         Antes referência regional no atendimento pelo SUS, o Hospital São Luiz, desde que passou a ser administrado pela Pró-Saúde, em janeiro de 2019, tem sido alvo de uma série de denúncias de irregularidades. Inclusive, devido as deficiências estruturais, administrativas e financeiras, em novembro de 2020, o Ministério Público (MP) solicitou a intervenção do Estado, na unidade.

          O promotor Rinaldo Segundo enviou “despacho” ao Escritório Regional de Saúde, solicitando a realização de estudo para a intervenção. Contudo, com a transferência do promotor da comarca o pedido foi engavetado.

Sindicância 

       O Conselho Regional de Medicina (CRM/MT), no mês de maio, instaurou uma Sindicância de Ofício no hospital. O procedimento de nº 45/2021 visou apurar uma série de denúncias, entre elas: falta de médicos, medicamentos, equipamentos, má qualidade de alimentação à pacientes, falta de pagamento de funcionários demitidos, entre outros.

       A sindicância foi informada à Câmara Municipal, no dia 18/05 pela corregedora Ligia Higaki Murakami. O anúncio foi feito, diretamente, ao poder Legislativo porque, foi em razão de uma reunião realizada na sede do parlamento, no mês de fevereiro, onde surgiram as inúmeras denúncias contra a empresa Pró-Saúde, gestora da unidade. Porém, não se tem notícia do resultado do trabalho.

Leia mais:   IMUNIZAÇÃO - Mato Grosso recebe 111.240 doses neste sábado

Novo contrato

      A esperança seria que com a aditivação do contrato entre o hospital e a Secretaria de Estado de Saúde, no início do ano, com um acréscimo de 24,65% passando de R$ 24.564.527,72 para R$ 30.619.681,20 um reajuste de mais de R$ 6 milhões anuais, ou R$ 504.596,26 mensais, haveria uma melhora na prestação dos serviços. O que, conforme a Comissão de Saúde da Câmara, não aconteceu.

NOTA 

      O Hospital São Luiz (HSL) informa que foi surpreendido com aumento expressivo de demandas nos últimos dias e opera com sobrecarga de atendimento na sua maternidade. Somente nesta manhã, 33 pacientes estavam em atendimento.

      A maioria das pacientes reside na região de Cáceres, o que sugere redução na oferta de vagas e serviços em cidades vizinhas.

       Vale ressaltar que o município não dispõe de leitos próprios, portanto os atendimentos via Sistema Único de Saúde (SUS) são realizados por meio do Hospital Regional, unidade estadual, e do São Luiz, que possui convênio com o Estado, sendo a única maternidade de alto risco de Cáceres e região.

       No momento, os profissionais estão dando prioridade para os casos graves, que é a referência do HSL. A unidade busca redimensionar o seu estoque de insumos e materiais à nova realidade.

       Somente nesta semana, o São Luiz realizou ao todo 15 cirurgias e 26 partos (cirúrgicos e normais). Mesmo com as adversidades, a unidade vem trabalhando veementemente para prestar serviço de qualidade para população do oeste mato-grossense e cidades da fronteira da Bolívia.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Procon-MT orienta e dá dicas sobre compra de presentes para o Dia dos Pais

Publicado

Assessoria | Procon-MT

No segundo domingo de agosto, que este ano cairá no dia 08, comemora-se o Dia dos Pais. Para evitar problemas com a compra dos presentes – seja em lojas físicas ou pela internet – o Procon Estadual elaborou algumas dicas para auxiliar os consumidores. Confira as dicas do Procon-MT:

     – Planejamento: defina antecipadamente o que deseja comprar e quanto pode gastar. Seja realista com seu orçamento para evitar se endividar. Se possível, faça uma pesquisa de preço e escolha com calma, verificando atentamente a qualidade da mercadoria.

     – Produtos de mostruário e em promoção: se optar por comprar artigos em promoção ou de mostruário, solicite que as condições do produto e as condições de troca sejam especificadas na nota fiscal. O fato de o produto ter sido comprado em promoção, ou de mostruário, não permite ao lojista ou fabricante se negar a solucionar eventuais problemas.

     – Eletroeletrônicos: se possível, solicite o teste do aparelho e a demonstração de funcionamento. Os produtos devem vir acompanhados do manual de instruções em língua portuguesa e relação da rede autorizada de assistência técnica.

     – Celulares: o Procon-MT aconselha que a aquisição seja realizada em lojas autorizadas, e que o aparelho esteja com a caixa original lacrada. Outra dica importante é ler atentamente o contrato e avaliar as necessidades do presenteado antes de escolher planos e pacotes de serviços de uma operadora.

     – Cestas de café da manhã: informe-se previamente sobre o número de itens, tipo de produtos, marcas e complementos, como jornais e revistas, por exemplo. Com tudo definido, peça por escrito o que foi combinado (data e horário de entrega, tipo de flores/cesta, valores e condições de pagamento).

     – Perfumes e cosméticos: observe atentamente a embalagem. Produtos nacionais e importados devem conter as informações sobre a mercadoria em língua portuguesa: instruções de uso, características, registro no órgão competente, prazo de validade, composição, volume/quantidade, condições de armazenamento e identificação sobre o fabricante/importador são algumas das informações que devem der disponibilizadas.

     – Calçados e vestuário: lembre-se que a troca só é obrigatória quando o produto apresentar algum vício de qualidade (defeito). A substituição por motivo de cor, tamanho ou gosto é uma opção do estabelecimento. Caso precise do benefício, o consumidor deve acertar previamente com o lojista e pedir a garantia da troca por escrito, na etiqueta ou na própria nota fiscal. Ao escolher um produto, não esqueça de verificar se a etiqueta contém informações como dados do fabricante, indicação do tamanho, composição do material e os cuidados com a conservação.

Leia mais:   Vereador Luiz Landim auxilia na aprovação de importantes projetos e indicações para Cáceres

     – Vale presente: peça para constar na nota fiscal informações sobre como serão restituídas eventuais diferenças de valor entre o vale e o produto adquirido; prazo para o uso e, se for o caso, a relação de lojas em que ele pode ser trocado. Por se tratar de um crédito, a loja não pode restringir o tipo de mercadoria que será comprada com o vale.

     – Pagamento: os comerciantes podem praticar preços diferenciados para pagamentos em dinheiro ou cartão de crédito ou débito. Entretanto, caso sejam oferecidos descontos em função da forma de pagamento e do prazo, o fornecedor é obrigado a informar, em local visível e de forma clara, os descontos oferecidos. Prefira sempre o pagamento à vista, pois assim é possível negociar descontos. Ao optar pelo parcelamento, tire todas as dúvidas sobre a periodicidade, número e valor das parcelas, taxa de juros ao mês e ao ano, encargos e o valor total a prazo.

COMPRAS PELA INTERNET

Nas compras pela internet, o consumidor deve redobrar a atenção. Antes de efetuar a compra, verifique se constam no site o número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), endereço físico e canais de troca e atendimento. Observe, também, se há cobrança de frete, existência de outras taxas e o prazo de entrega. Ao finalizar a compra, imprima ou salve em seu computador a página do site com os dados. Antes de enviar seus dados pessoais de seu cartão de crédito, observe se a conexão é segura.

No caso de compras fora do estabelecimento comercial (internet, telefone, catálogos, em domicílio, telemarketing, etc) é possível desistir da aquisição em até sete dias após a assinatura do contrato ou recebimento da mercadoria. O cancelamento deve ser solicitado por escrito. No ato da entrega, só assine o comprovante de recebimento do produto após examinar o estado da mercadoria. Havendo irregularidades, estas devem ser relacionadas no próprio documento, justificando assim o não recebimento.

Leia mais:   Peões de fazendas no Pantanal Mato-grossense são vacinados contra Covid-19 no final de semana

     Atenção: o consumidor pode checar a reputação da loja na plataforma www.consumidor.gov.br , caso ela esteja entre as empresas cadastradas.

NOTA FISCAL E GARANTIA

Não se esqueça de exigir sempre o documento fiscal. Ele é que comprova a relação de consumo e será necessário para reclamar, caso haja algum problema com o produto. O prazo para reclamações é de 30 dias para produtos não duráveis (que se extinguem rapidamente com seu uso, como alimentos, por exemplo) e 90 dias para os bens duráveis (que tem consumo prolongado, como aparelhos celulares, geladeira, televisão).

CUIDADOS AO IR ÀS COMPRAS E RECEBER MERCADORIAS

Ao optar por realizar compras em lojas físicas, o consumidor precisa ficar atento aos cuidados necessários para garantir sua saúde e a segurança, bem como de atendentes e comerciantes. Entre as medidas de biossegurança estão: uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, higienização frequente dos estabelecimentos comerciais e fornecimento de álcool 70%.

Ao optar pela entrega em domicílio, o consumidor deve seguir as mesmas orientações de biossegurança: usar máscara ao encontrar o entregador, evitar o contato físico, higienizar os produtos recebidos com álcool 70% ou solução de água sanitária e água.

E lembre-se: ao realizar pagamento em dinheiro, se possível, separe o valor exato da compra para evitar o manuseio de outras cédulas. Quando o pagamento for por cartão, é preferível que só o consumidor tenha contato com o cartão e logo depois o higienize.

Reclamações

Caso tenha algum problema na compra de produtos/serviços e não consiga resolver diretamente com o lojista, o consumidor pode procurar o Procon-MT para registrar sua reclamação. O atendimento presencial na sede do órgão deve ser agendado pelo WhatsApp (65) 99228-3098. O Procon-MT está localizado na Rua Baltazar Navarros, n. 567, esquina com a Av. General Vale (antigo Sine), Bairro Bandeirantes, Cuiabá (MT).

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Peões de fazendas no Pantanal Mato-grossense são vacinados contra Covid-19 no final de semana

Publicado

     Peões, condutores de boiada, cozinheiros, operadores de máquinas e demais trabalhadores de fazendas, localizadas no Pantanal Mato-grossense, na região de Cáceres, foram vacinados contra Covid-19 no final de semana.

     Uma equipe da Secretaria de Saúde, acompanhada pelo vereador Franco Valério (PV), autor da indicação para imunização dos pantaneiros, percorreu mais de 400 quilômetros no sábado para cumprir a meta de vacinar 100 trabalhadores.

     O “QG” da equipe foram as fazendas Uberaba (Retiro Santa Cruz) e Santa Lucia, distantes 280 quilômetros de Cáceres, onde os trabalhadores se reuniram para tomarem as doses.

     Além da vacinação dos pantaneiros, contra o Covid-19, a equipe da Secretaria de Saúde aproveitou a oportunidade para fazer a vacinação antirrábica. Dezenas de cães e gatos foram vacinados.

      “Um trabalho muito importante da prefeita Eliene Liberato e da secretária de Saúde, Elis Fernanda, que demonstra seu compromisso e seriedade em relação a imunização da população” ressalta Franco Valério.

Leia mais:   Em São José dos IV Marcos, idoso de 72 anos é preso por estuprar a filha de 10 anos

       Ao destacar o empenho e determinação da equipe da Secretaria de Saúde, o vereador observa que a administração também já dispõe de um cronograma para realizar a vacinação em outras localidades distantes do município.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana