conecte-se conosco


Destaque

Mais de 2,2 milhões de devem ir às urnas em outubro em Mato Grosso

Publicado

Maior número de eleitores está em Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis.
Eleições municipais devem ocorrer no dia 2 de outubro.

Mais de 2,2 milhões de eleitores das 141 cidades mato-grossenses devem ir às urnas nas eleições municipais deste ano no estado. De acordo com dados do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), o maior número de eleitores está em Cuiabá, Várzea Grande (região metropolitana), Rondonópolis e Sinop. As eleições municipais estão previstas para ocorrer no dia 2 de outubro, primeiro domingo do mês.

Caso vá para o segundo turno, a previsão é que a votação ocorra no dia 30 de outubro, último domingo do mês. Segundo o TRE-MT, o quantitativo é provisório e pode sofrer variações. Ainda existem alguns requerimentos de alistamento eleitoral, transferências e regularização de suspensão que estão no batimento nacional – realizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ainda não foram contabilizados. O quantitativo oficial será divulgado em julho.
saiba mais

Eleições 2016: datas e regras

Os dados provisórios apontam que o maior colégio de eleitores está em Cuiabá, com 414.461, seguido por Várzea Grande, que conta hoje com 183.711 cidadãos aptos a votar; Rondonópolis com 145.229 e Sinop que conta com 88.342 eleitores cadastrados.

Leia mais:   Defensoria Pública de Mato Grosso realizou mais de 500 mil procedimentos durante pandemia em 2020

Nas eleições deste ano o eleitor deverá escolher os representantes nos seguintes cargos: prefeito, vice-prefeito e vereador.

Biometria
As eleições municipais deste ano acontecerão de forma híbrida em doze municípios mato-grossenses. Em Alta Floresta, Alto Araguaia, Arenápolis, Barão de Melgaço, Barra do Garças, Cáceres, Cuiabá, Mirassol D’Oeste, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra e Várzea Grande a biometria não atingiu 100% dos eleitores e, sendo assim, aqueles que ainda não tiveram seus dados cadastrados biometricamente serão identificados por meio de um documento oficial com foto.

Os que já foram cadastrados serão identificados com o leitor de digitais. A Justiça Eleitoral colheu os dados biométricos de 132.499 eleitores destes doze munícios. Após as eleições deste ano, quando o cadastro nacional de eleitores for reaberto, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso dará início aos trabalhos para colher os dados biométricos dos outros 858.015 eleitores vinculados a estas cidades.

Em outros 29 municípios onde já foi concluída a biometria, a identificação biométrica será obrigatória. São eles: Acorizal, Araguaiana, Araguainha, Campo Verde, Campos de Júlio, Chapada dos Guimarães, Cocalinho, Indiavaí, Jangada, Lucas do Rio Verde, Luciara, Nortelândia, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Planalto da Serra, Poconé, Ponte Branca, Pontes e Lacerda, Ribeirãozinho, Rondonópolis, Rosário Oeste, Santo Antônio do Leverger, Serra Nova Dourada, Vale do São Domingos, Torixoréu, Nova Mutum, Jaciara e Primavera do Leste.

Leia mais:   Seciteci abre inscrições para o processo seletivo para a contratação de professores temporários

O TRE-MT informa que mesmo tendo realizado o cadastramento biométrico, o eleitor deverá comparecer à sua seção eleitoral portando um documento oficial com foto (levar o original), visto que a identificação biométrica é um adicional na garantia da segurança nas eleições.

Dos 2.269.030 eleitores de Mato Grosso, 585.362 já realizaram o cadastramento biométrico.

Do G1 MT

Comentários Facebook

Destaque

Índia vai exportar doses de vacina para Brasil nesta sexta

Publicado

Assessoria

O governo da Índia liberou as exportações comerciais de vacinas contra a covid-19. As primeiras remessas serão enviadas na sexta-feira para Brasil e Marrocos, disse o secretário de Relações Exteriores da Índia,  Harsh Vardhan Shringla, nesta quinta-feira (21) à Reuters.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, compartilhou a informação pelas redes sociais.

As vacinas desenvolvidas pela farmacêutica britânica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford estão sendo fabricadas no Instituto Serum da Índia, o maior produtor mundial de vacinas, que recebeu pedidos de países de todo o mundo.

O governo indiano suspendeu a exportação de doses até iniciar seu próprio programa de imunização no fim de semana passado. No início desta semana, a Índia enviou suprimentos gratuitos para países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.

O secretário disse que o fornecimento comercial da vacina começaria na sexta-feira, de acordo com o compromisso do primeiro-ministro Narendra Modi de que a capacidade de produção da Índia seriam usadas por toda a humanidade para combater a pandemia.

“Seguindo essa visão, respondemos positivamente aos pedidos de fornecimento de vacinas manufaturadas indianas de países de todo o mundo, começando pelos nossos vizinhos”, disse ele, referindo-se ao fornecimento gratuito.

Leia mais:   Índia vai exportar doses de vacina para Brasil nesta sexta

“O fornecimento das quantidades comercialmente contratadas também começará a partir de amanhã, começando por Brasil e Marrocos, seguidos pela África do Sul e Arábia Saudita”, acrescentou.

Doses

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, declarou em entrevista coletiva na segunda-feira  que a conclusão da viagem para trazer um carregamento de vacinas importadas da Índia deveria ter uma resolução ainda “nesta semana”.

“Estamos contando com essas 2 milhões de doses para que a gente possa atender mais ainda a população”, informou Pazuello na ocasião.

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro publicou em suas redes sociais sobre a decisão do governo da Índia de liberar as exportações de vacina contra a covid-19 e elogiou o trabalho do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e dos servidores do Itamaraty.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Indígenas denunciam crime ambiental em Área de Preservação Permanente

Publicado

Assessoria GD

O povo Chiquitano que reside na Terra Indígena Portal do Encantado, localizada no município de Porto Esperidião, a 326 km de Cuiabá, e mais de 70 entidades protocolaram ofício junto ao Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF), Ministério Público Estadual (MPE) e Secretaria de Meio Ambiente (Sema), na manhã de quarta-feira (20). O documento requer investigação in loco e análise da água do rio Tarumã, principal fonte para banho, consumo e irrigação das hortas da aldeia Acorizal.

No começo deste ano, os indígenas notaram que a água barrenta do rio Tarumã não era resultado das chuvas e, sim, do desmatamento ilegal da margem e represamento na cabeceira, distante aproximadamente 20 km da aldeia. Além da coloração da água, a escassez já era evidente desde o ano passado, no entanto, a comunidade acreditou inicialmente que era por conta da seca, com ápice no mês de julho.

O rio Tarumã tem extensão de 135 km e atravessa os territórios de Rondônia, Mato Grosso e da Bolívia e apresenta diversos pontos de degradação. De acordo com o cacique da aldeia Acorizal, José de Arruda Mendes, o rio já secou em algumas partes localizadas próximas à BR-265, nas comunidades Chiquitanas que estão dentro da Bolívia.

Após notarem as mudanças no nível do rio, na coloração da água e encontrarem sedimentos, os indígenas suspenderam o uso diário com receio de contaminação. “Nós não sabemos o que tem no rio. O Tarumã baixou demais e os peixes também acabaram. Depois veio a sujeira, o barro dentro da água, e suspeitamos. Hoje estamos buscando água de outra aldeia”, diz José.

Leia mais:   Vereadores pedem que Executivo amplie quadro de funcionários na central de Covid-19 e apresente plano de aplicação dos R$5,5 milhões do caixa da Saúde

Além do uso para banho, consumo e irrigação das hortas e quintais, o cacique e professor dimensiona a importância do rio para os rituais do povo Chiquitano: “O córrego é tudo para a nossa comunidade. Nós tomamos banho durante a madrugada porque acreditamos que a água tira todo o mal do corpo e vai embora pela correnteza. Na Serra de Santa Bárbara, onde ele passa, fazemos a perfuração de orelha e nariz dentro do rio. É da beira do rio que retiramos plantas que servem para tratamento de algumas doenças. Temos diversos rituais que são de suma importância para o nosso povo”. Além disso, ele ressalta a convivência entre jovens e adultos e a realização de atividades escolares e culturais no rio Tarumã.

Denúncia sobre desmatamento em APP

Por conta da vulnerabilidade da comunidade Chiquitana na região, que aguarda a homologação do território, a Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA), unidade de Cáceres, atendeu a primeira denúncia. Os policiais averiguaram no dia 13/1 que houve desmatamento de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente (APP) e notaram evidências de “obras com potencial poluidor”, sem licença ambiental.

Na ação, foram apreendidos três tratores com grades, uma escavadeira hidráulica, um caminhão de carga, um cavalo utilizado para transporte de maquinários e 45 dúzias de lascas de madeiras. De acordo com o Boletim de Ocorrência, foi aplicada uma multa de R$ 20 mil reais. No entanto, a investigação não apontou se a área desmatada faz parte da TI. Portal do Encantado.

Leia mais:   1º Lote da vacina chega em Mato Grosso às 16h35; Logística para distribuição já está preparada

A estrutura encontrada evidencia a exploração e degradação da margem e na cabeceira do rio Tarumã, fato que motivou a mobilização de mais de 70 entidades socioambientais e de direitos humanos signatárias do ofício enviado pelo Centro de Direitos Humanos Dom Máximo Biennès ao Ministério Público Federal, ao Ministério Público Estadual e Secretaria de Meio Ambiente.

Uma carta de autoria do povo Chiquitano foi anexada ao documento que requer uma investigação para identificar “as razões e a(s) origem(ns) das alterações nos níveis e na qualidade das águas do Rio Tarumã”; sugere ainda, dentro outros pontos, que o MPF “solicite aos órgãos competentes levantamento sobre danos a bens materiais e imateriais para que haja a punição dos responsáveis bem como as indenizações e ações reparatórias cabíveis”, além de uma análise da água para saber se existe algum componente contaminante.

“Nós esperamos que a justiça seja feita e que as pessoas paguem pelo crime ambiental. Apenas essa multa é pouco pela destruição do rio Tarumã. Eles precisam reflorestar a margem, arrumar a cabeceira, estourar a represa e deixar que o rio siga seu leito natural. É o mínimo que nós esperamos da Justiça. O nosso povo fica muito triste porque nunca vimos um rio secar”, diz o cacique José.

Dentre as entidades que assinaram o ofício estão o Centro de Direitos Humanos Dom Máximo Biennès, Fórum de Direitos Humanos e da Terra (FDHT) e Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Formad).

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana