conecte-se conosco


Economia

Judocas brasileiros de renome travam acirradas brigas por vaga no Rio 2016

Publicado

A pouco menos de quatro meses dos Jogos, quatro das 14 vagas estão totalmente indefinidas e dois medalhistas olímpicos e um campeão mundial podem se dar mal

O torcedor brasileiro já sabe. Voltar os olhos para o judô nas Olimpíadas é uma grande oportunidade de ver o país subindo ao pódio. Os números comprovam: a seleção brasileira conquistou 19 medalhas na história olímpica (apenas uma atrás do vôlei/vôlei de praia), sendo ao menos uma nas últimas oito edições dos Jogos – foram quatro láureas (um ouro e três bronzes) em Londres 2012. A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) projeta a conquista de até seis medalhas nos tatames cariocas. Por conta disso, o processo para definir os lutadores que representarão o Brasil no Rio 2016 vem pegando fogo. Em três das 14 categorias de peso (sete no masculino e sete no feminino), a disputa é ferrenha. Tem até dois medalhistas olímpicos (Rafael Silva e Felipe Kitadai) e um dono de título mundial (Luciano Corrêa) correndo risco de não serem convocados, pois seus rivais na corrida olímpica atravessam momentos muito bons.

Baseada principalmente no ranking mundial, a lista final será divulgada pela CBJ no dia 1º de junho. Até lá, os brasileiros disputarão pelo menos três competições para somarem pontos preciosos: o Campeonato Pan-Americano de Havana, entre 29 de abril a 1º de maio, o Grand Slam de Baku, no Azerbaijão, de 6 a 8 de maio, e o Grand Prix de Almaty, no Cazaquistão, de 13 a 15 de maio. Os 16 melhores do ranking mundial também poderão disputar o World Masters, em Guadalajara (MEX), entre 27 e 29 de maio.

– A equipe brasileira para o Rio 2106 está longe de ser totalmente definida. Em algumas categorias, a disputa pela vaga está muito grande e só vai chegar ao fim perto da convocação, em junho. São brigas de alto nível que mostram a força do judô brasileiro. Vai ser chamado quem estiver vivendo um melhor momento, o que é bom para o Brasil – disse o ex-judoca Flávio Canto, medalhista olímpico de bronze em Atenas 2004 e membro do Time de Ouro de comentaristas da TV Globo para os Jogos do Rio.

Confiante em uma participação histórica do judô brasileiro no Rio 2016, Flávio acredita que as sete vagas femininas estão definidas. Porém, na equipe masculina as brigas estão acirradas e indefinidas em quatro das sete categorias: no peso-ligeiro (60kg), entre Felipe Kitadai e Eric Takabatake, no peso-leve (73kg), entre Alex Pombo e Marcelo Contini, no peso-meio-pesado (100kg), entre Luciano Corrêa e Rafael Buzacarini, e a maior delas, do peso-pesado (acima de 100kg), envolvendo Rafael Silva e David Moura. Os dois últimos inclusive se enfrentaram no último fim de semana, na disputa do bronze no Grand Prix de Samsun (TUR), e o medalhista olímpico obteve relevante triunfo.

Leia mais:   Governo lança edital para fomentar pesquisa em micro e pequenas empresas de MT
Sarah Menezes e Rafaela Silva nos Jogos Mundiais Militares (Foto: Johnson Barros/Ministério da Defesa)Sarah Menezes e Rafaela Silva são grandes esperanças no Rio 2016 (Foto: Johnson Barros/Ministério da Defesa)

De acordo com Canto, apresentador do Balada Olímpica, a seleção feminina será a grande fonte de medalhas para o Brasil. Ele acredita que cinco das sete judocas têm grandes chances de subirem ao pódio no Rio: a atual campeã olímpica do peso-ligeiro (48kg), Sarah Menezes, Érika Miranda (52kg), Rafaela Silva (57kg), Mayra Aguiar (78kg) e Maria Suelen Altheman (acima de 78kg).

– A minha previsão é de três medalhas das meninas, com viés de alta, e de uma para o homens, também com viés de alta. A seleção feminina é muito forte. A Sarah cresceu na hora certa após um 2015 ruim, ganhou lutas importantes, medalhas e vai chegar bem. A Érika é a brasileira mais consistente nos últimos anos, ela ganhou medalha nos três últimos mundiais. Assim como a Sarah, a Rafaela também cresceu neste ano, venceu bem o Grand Prix de Tibilisi, cresceu na luta de chão e vai estar forte. A Mayra é uma das melhores da categoria faz tempo e ganhou muito bem o Grand Slam de Paris neste ano, vencendo a campeã olímpica. E a Suelen voltou de lesão ganhando de todo mundo, inclusive a número 1 e a número 2 do mundo. Elas vão brigar por medalha.

vagas definidas segundo flávio canto

Peso-ligeiro (48kg): Sarah Menezes
Peso-meio-leve (52kg): Érika Miranda
Peso-meio-leve (66kg): Charles Chibana
Peso-leve (57kg): Rafaela Silva
Peso-meio-médio (63kg): Mariana Silva
Peso-meio-médio (81kg): Victor Penalber
Peso-médio (70kg): Maria Portela
Peso-médio (90kg): Tiago Camilo
Peso-meio-pesado (78kg): Maya Aguiar
Peso-pesado (acima de 78kg): Maria Suelen Altheman

vagas indefinidas segundo flávio canto

Peso-ligeiro (60kg): Felipe Kitadai (14º do ranking mundial) x Eric Takabatake (15º)
– Bronze em Londres 2012, Kitadai teve uma lesão em uma hora ruim, no início deste ano. Assim, os dois estão bem perto no ranking mundial e a disputa está bastante equilibrada. O Kitadai recuperou o status de potencial medalhista olímpico depois do quinto lugar no Mundial do ano passado. O Eric é novo e está indo muito bem. Quem for, vai ter chance de medalha. Essa definição vai ficar para as últimas competições.O Pan de Havana, com os dois presentes, pode fazer a diferença.

Leia mais:   Centro-oeste é a região com a gasolina mais cara do país
"Máquina de ippons", Felipe Kitadai (60kg) derrotou o compatriota Eric Takabatake  na final (Foto: Reprodução/Twitter)Medalhista olímpico, Felipe Kitadai (à esquerda) disputa vaga com Eric Takabatake (Foto: Reprodução/Twitter)

Peso-leve (73kg): Alex Pombo (20º) x Marcelo Contini (37º)
– O peso-leve masculino tem uma boa disputa pela vaga, mas os dois não estão muito bem ranqueados. Não sei quem vai levar. O Alex vai disputar o Pan de Havana e pode abrir boa vantagem caso se dê bem.

Peso-meio-pesado (100kg): Luciano Correa (22º) x Rafael Buzacarini (23º)
– Está complicada a definição dessa categoria. O Luciano vai para o Pan, mas os dois devem disputar o Grand Slam e o Grand Prix programados até a convocação. O Luciano é experiente, foi campeão mundial (2007) e disputou as duas últimas Olimpíadas, e o Rafael é mais jovem, está crescendo, tem potencial e ganhou prata no Grand Prix de Samsun, no último fim de semana. Vai ser uma categoria para ser definida no final.

Peso-pesado (acima de 100kg): Rafael Silva (9º) x David Moura (12º)
– Essa é a briga mais complicada e de mais alto nível. Quem for convocado vai lutar por medalha olímpica. O David estava melhor que o Baby até o começo deste ano, mas o Baby passou à frente dele ao ganhar várias medalhas. Eles se enfrentaram na final do Grand Prix de Samsun, no último fim de semana, e o Baby ganhou. O David é um cara que vem crescendo, é muito técnico e tem um espaço para uma grande evolução. Medalhista olímpico, o Baby tem judô estabelecido e histórico de medalhas em todas as grandes competição. Aparentemente, eles vão fazer a final do Pan de Havana. São os favoritos. No Pan passado, o David ganhou. Se ele ganhar esse Pan, ele equilibra de novo a disputa. Os dois vão estar no Masters pelos resultados que eles têm conquistado. Eles podem se enfrentar algumas vezes até as Olimpíadas.

Rafael Silva vence David Moura no GP de Samsun (Foto: Reprodução / Twitter)Rafael Silva celebra vitória sobre David Moura na disputa do bronze, na Turquia, no domingo (Foto: Reprodução / Twitter)
Comentários Facebook

Destaque

Gasolina no Centro-Oeste está 4,54% mais cara em relação a janeiro

Publicado

Assessoria GD

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o litro da gasolina encontrado na Região Centro-Oeste nos primeiros dias de fevereiro é o mais caro do País. Comercializado a R$ 5,090, o preço médio do combustível cresceu 4,54% em comparação ao fechamento de janeiro. Em contrapartida, o etanol, vendido a R$ 3,604 na região, é o mais barato quando comparado às outras regiões, mesmo tendo registrado alta de 1,95% em relação ao fim do mês anterior.

O litro dos principais combustíveis foram encontrados pelo menor preço no Mato Grosso. A gasolina apresentou média de R$ 4,989, sendo 3,96% mais cara em comparação ao fechamento de janeiro. Já o litro do etanol foi encontrado a R$ 3,406 nos postos do Estado – um aumento de 1,19%.

No Mato Grosso do Sul, a gasolina foi comercializada a R$ 5,205 e se apresentou como a mais cara da Região. Já no Distrito Federal, o destaque negativo foi para o etanol, que registrou o maior preço nas bombas – de R$ 3,832.

Leia mais:   Auxílio emergencial deve ser de até quatro parcelas de R$ 250

Em Goiás, os preços médios do diesel comum e do diesel S-10 foram os mais baratos do Centro-Oeste na primeira quinzena do mês. O litro dos combustíveis foi encontrado a, respectivamente, R$ 3,942 e R$ 3,993 – altas de 1,94% e 1,86% em relação ao fechamento de janeiro. Já nas bombas mato-grossenses, ambos os combustíveis foram comercializados com a maior média de preços da região, a R$ 4,176 o diesel, e R$ 4,297 o diesel S-10.

“Todos os combustíveis seguem mantendo cenário de alta na Região. Nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, o etanol compensou mais no bolso do consumidor, se considerada a relação de vantagem 70/30 com a gasolina. Já o motorista que abastece no Distrito Federal, pode optar pela gasolina que, mesmo tendo registrado alta de 6,04%, segue sendo a mais vantajosa”, afirma Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais de 25 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Governo paga servidores estaduais nesta sexta-feira (26)

Publicado

Sefaz – MT

Pelo sexto mês consecutivo, os servidores estaduais receberão seus salários dentro do mês trabalhado. Nesta sexta-feira (26.02), os salários dos servidores públicos estaduais ativos, inativos e pensionistas, relativos ao mês de fevereiro, estarão disponíveis em suas contas bancárias. O pagamento cumpre o anunciado em janeiro pelo governador Mauro Mendes.

De acordo com a Secretaria Adjunta do Tesouro Estadual, da Secretaria de Fazenda, a folha liquida do mês de fevereiro chega a R$ 471.531.582,96, sendo R$ 296.442.460,24 para ativos e R$ 175.089.122.72 para inativos e pensionistas.

Receberão salários e proventos 107.819 pessoas. Desse total 67.422 são servidores ativos das administrações direta e indireta; 36.023 inativos e mais 4.354 pensionistas. O dinheiro estará liberado tanto para quem tem contas no BB, como para aqueles que fizeram portabilidade para outros bancos.

A secretária adjunta do Tesouro Estadual, Luciana Rosa, informa que o fechamento da folha de pagamento e a transmissão ao Banco do Brasil foi concluído na manhã desta quinta-feira (25). Os documentos impressos foram enviados para o banco também nesta manhã e até o meio dia desta sexta-feira todos os depósitos já terão sido processados pelo Banco do Brasil

Leia mais:   Auxílio emergencial deve ser de até quatro parcelas de R$ 250
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana