Connect with us

Mais de 2.000 estudantes da cidade participaram nesta edição

Os vencedores da décima segunda edição do projeto Cometa Redação foram revelados ontem, em solenidade no showroom da Concessionária Cometa Center Car, na cidade de Cáceres, no Mato Grosso.

O projeto tem por objetivo incentivar os alunos à prática da pesquisa, ao hábito da leitura e da escrita, bem como reconhecer todos os participantes que chegaram a final. Premiamos as melhores produções textuais conforme resultado da comissão de avaliação, formada pelos professores do departamento de letras da Unemat e pela equipe pedagógica da Prefeitura de Cáceres por meio da Secretaria de Educação, afirmou  Rita de Cássia Serra, Gerente do Instituto. Participaram desse projeto escolas, professores da língua portuguesa e alunos do ensino fundamental e ensino médio das escolas públicas e privadas que se inscreveram no concurso.

O projeto Cometa Redação é um concurso de produção textual organizado em três categorias: Ensino Fundamental (4º ao 6º ano) e (7º ao 9º ano) e Ensino Médio, a partir dos respectivos gêneros textuais, poesia, memória e artigo de opinião. Para a 12ª edição do Projeto Cometa Redação o tema central foi “Direitos Humanos”, contribuindo para desenvolver nas escolas, uma cultura de Direitos Humanos, partindo do princípio de que a própria educação constitui um desses direitos inalienáveis da pessoa humana, comentou a coordenadora Eliziane Senes Alves.

Leia mais:   Cáceres é campeã no basquete dos Jogos Escolares e Estudantis de Seleções Mato-grossenses

A comissão de avaliação foi formada com as parcerias do Departamento de Letras da Unemat e da Prefeitura de Cáceres, por meio da Secretaria Municipal de Educação.

Todas as escolas e professores receberam certificado de participação, os vencedores  alunos, escolas e professores, os prêmios relacionados abaixo juntamente com os resultados.

CATEGORIA I – POESIA – Alunos do 4° ao 6° ano

 

 

ESCOLA

PROFESSOR

ALUNO

 

1º Lugar

INSTITUTO SANTA MARIA

LILIAN CATARINA FARIA DOS SANTOS

VITOR TOKECHI SILVA SATO

6º ANO

Premiação

COMPUTADOR

TABLET

TABLET/LIVRO/MEDALHA

Lugar

E. M. RAQUEL RAMÃO DA SILVA

SELMA DE LOURDES CEBALHO EL CHAMY

ROBERTO LIRA DA SILVA

6º ANO

Premiação

CAIXA DE SOM 80 RMS

CELULAR

CELULAR/LIVRO/MEDALHA

Lugar

INSTITUTO EDUCACIONAL DE CÁCERES

BÁRBARA NASCIMENTO DA SILVA

GABRIELY MARQUES GARCETE

 6ºANO

Premiação

CAIXA  DE SOM 40 RMS

RELÓGIO

BICICLETA/LIVRO/MEDALHA

CATEGORIA II – MEMÓRIA – Alunos do 7° ao 9° ano

 

ESCOLA

PROFESSOR

ALUNO

 

1º Lugar

 

E. M. ISABEL CAMPOS

SUZANI CAMPOS RODRIGUES DA SILVA

EMANUELLE NEY DA SILVA

8º ANO

 

Premiação

COMPUTADOR

NOTEBOOK

NOTEBOOK/LIVRO/MEDALHA

 

Lugar

E. E. ANA MARIA DAS G. DE S. NORONHA

EDNÉIA REGENIR DA SILVA

VITÓRIA MARIA SOPHIA MATIAS

9º ANO

 

Premiação

CAIXA DE SOM 80 RMS

CELULAR

CELULAR/LIVRO/MEDALHA

 

Lugar

CENTRO EDUCACIONAL ANÁLIA FRANCO

JÚLIO CESAR RODRIGUES DE OLIVEIRA

ANNABEL CARLA CAMPELLO JORGE

7º ANO

 

Premiação

CAIXA DE SOM 40 RMS

RELOGIO

BICICLETA/LIVRO/MEDALHA

 

CATEGORIA III – ARTIGO DE OPINIÃO – Alunos do Ensino Médio

 

ESCOLA

PROFESSOR

ALUNO

 

 

1º LUGAR

 

CENTRO EDUCACIONAL ANÁLIA FRANCO

MILENA CARLA CAMPELLO JORGE

MARIA TEREZA DE LIMA TORRES

2º ANO

 

Premiação

COMPUTADOR

NOTEBOOK

NOTEBOOK/LIVRO/MEDALHA

 

LUGAR

INSTITUTO SANTA MARIA

ALLYNE OLIVEIRA DE LIMA

ELIS GONZAGA VANINI

3º ANO

 

Premiação

CAIXA DE SOM 80 RMS

CELULAR

CELULAR/LIVRO/MEDALHA

 

LUGAR

COLÉGIO IMACULADA CONCEIÇÃO

ALLYNE OLIVEIRA DE LIMA

ACACIA MARIA SIQUEIRA SILVA

2º ANO

 

Premiação

CAIXA DE SOM 40 RMS

RELOGIO

BICICLETA/LIVRO/MEDALHA

 

Da Assessoria

Comentários Facebook

Cáceres e Região

MT registra mais dois casos suspeitos de varíola dos macacos; 17 estão em investigações

Published

on

Assessoria

Mato Grosso registra mais dois casos suspeito da varíola dos macacos. Desta vez, trata-se de dois homens com 30 e 50 anos, moradores de Várzea Grande. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) o estado já contabiliza 17 casos suspeitos.

Segundo informações, ambos pacientes chegaram de uma viagem fora do país, apresentando sintomas leves da doença. Agora, até esta sexta-feira (12), Mato Grosso registra o total de 4 casos confirmados de varíola dos macacos, sendo os outros dois residentes de Cuiabá, com idade entre 25 e 40 anos, que também apresentam sintomas leves.

A enfermidade apresenta entre os principais sintomas febre súbita, forte e intensa, dor de cabeça (cefaleia), náusea, exaustão, cansaço, aparecimento de inchaços na região do pescoço, axilas, e também na região perigenital, além de feridas ou lesões pelo corpo.

Outros casos

Ainda há a investigação de outros 17 casos suspeitos no Estado, sendo 5 em Rondonópolis, 4 em Cuiabá, dois em Várzea Grande, dois em Sorriso, um em Livramento, um em Barra do Garças, um em Comodoro e um em Nova Xavantina.

Leia mais:   Indicação busca instalação de antena repetidora de sinal de celular no IFMT

As amostras para a confirmação dos casos são encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT) e direcionadas para o laboratório da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), unidade de referência nacional para a análise do material.

O que é a Monkeypox

A varíola dos macacos foi diagnosticada e identificada pela primeira vez no século passado, na década de 60, e leva o nome de Monkeypox porque foi identificada pela primeira vez na espécie, dessa forma ficou conhecida no mundo científico como “varíola dos macacos”.

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

Apontada como chefe da extração ilegal de ouro em terra indígena “Rainha do Sararé” está presa em Cáceres

Published

on

Por G1/MT
      A empresária Marlene Araújo, de 47 anos, conhecida como “Rainha do Sararé”, é apontada como chefe da organização criminosa responsável pela extração ilegal de ouro da Terra Indígena Sararé, em Pontes e Lacerda, a 483 km de Cuiabá.
     Marlene foi presa na última terça-feira (9) durante a Operação “Rainha Sararé”, por associação criminosa e usurpação de patrimônio da União.
      O crime de usurpação, segundo a Constituição Federal, é quando a pessoa produz bens ou explora matéria-prima pertencentes à União, sem autorização legal ou em desacordo com as obrigações impostas pelo título autorizativo. Nesse caso, tudo que está no subsolo da Terra Indígena é patrimônio público.
A investigada está na Cadeia Feminina de Cáceres, a 250 km da capital. De acordo com a Polícia Federal, Marlene é dona de uma empresa de terraplanagem em Jaru (RO), a cerca de 680 km da terra indígena, que serve como fachada para financiar o garimpo ilegal e receber o ouro extraído e comercializado ilegalmente.
     A empresa, que também tinha endereço em Pontes e Lacerda(MT) e em Campo Novo de Rondônia (RO), anunciava serviço de aluguel de pá carregadeira e recrutava pessoas. O g1 não conseguiu localizar a defesa de Marlene.
     Conforme informações da PF, a família da ‘rainha’ é de Rondônia e se deslocava a Mato Grosso para realizar o garimpo na terra indígena.
     Na casa de Marlene, em operação realizada terça-feira (9), foram apreendidos diamantes ilegalmente extraídos, além de joias e objetos de ouro. Também foram localizadas peças de motor e equipamentos incinerados em outras operações na Sararé.
Operação ‘Rainha de Sararé’

    A operação cumpriu três mandados de prisão preventiva, um deles contra Marlene, e uma pessoa está foragida até o momento. Também foram cumpridos quatro ordens de busca e apreensão.

Leia mais:   Cáceres é campeã no basquete dos Jogos Escolares e Estudantis de Seleções Mato-grossenses

A ação da Polícia Federal teve como objetivo a preservação ambiental com o combate do desmatamento das áreas de preservação e contaminação dos rios e solos.

Terra Indígena Sararé
     A Terra Indígena Sararé fica no sudoeste de Mato Grosso, em três municípios: Pontes e Lacerda, Nova Lacerda e Conquista d’Oeste. São 67 mil hectares de área que fazem parte da Amazônia Legal.Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), a terra é habitada pelo povo Nambikwara. São 188 indígenas na região. A Terra Indígena Sararé fica a cerca de 680 km de Jaru, em Rondônia.
     A terra sofre riscos de exploração de recursos por madeireiro e garimpeiros e riscos fundiários por fazendeiros e grileiros, segundo dados do ISA.
     A área é gerida pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pela Coordenação Regional (CR) de Cuiabá; e pela Secretaria Especial de Saúde Indígena e Distrito Sanitário Indígena de Vilhena (RO). Vilhena fica a cerca de 260 km de distância da Sararé.
Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana