Connect with us
Droga seria vendida no município de Pontes e Lacerda

O Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron) apreendeu neste fim de semana uma carga de 13 tabletes de pasta base de cocaína (aproximadamente 13 kg), que seriam comercializados no município de Pontes e Lacerda (a 457 km de Cuiabá). A droga era transportada por dois passageiros de um ônibus que seguia pela MT-473, no posto Matão.

O primeiro suspeito disse que comprou a droga em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e receberia U$ 500,00 pela venda de cada tablete. Já o segundo suspeito afirmou, em depoimento, que pegou a droga em San Vicente, também na Bolívia, e receberia R$ 1 mil pelo transporte. Os dois homens foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal, em Cáceres (a 215 km de Cuiabá).

Nos primeiros seis meses de 2016, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron) apreendeu mais de duas toneladas de drogas na região fronteiriça do Brasil com a Bolívia.

Os dados são de janeiro a 30 de junho e apontam que o montante supera em 30% o total de entorpecentes (cloridato de cocaína, pasta-base, maconha e haxixe) apreendido em todo o ano passado, que foi de pouco mais de 1.770 quilos. Se for comparado apenas aos resultados do primeiro semestre de 2015, os números deste ano são ainda mais expressivos: um salto de 284%.

Leia mais:   Câmara de Cáceres infringe a própria portaria permitindo evento causando aglomeração no plenário

Crimes na fronteira

Outros números deste primeiro semestre também ganham destaque, se comparado com o mesmo período do ano passado. Ao todo, 182 pessoas foram presas na fronteira e mais de 10 mil quilos de produtos foram apreendidos por contrabando e descaminho, quando a mercadoria não tem nota fiscal.

Hérica Teixeira | Sesp-MT

“A maioria dos produtos que passam pela fronteira como contrabando é cigarro, vestuário e eletrônicos”, pontuou o coordenador administrativo do Gefron, Major PM Fábio Ricas.

O Grupamento ainda apreendeu 108 veículos, 31 armas de fogo, 510 munições e realizou 24 prisões por mandados. Também na fronteira, o Gefron apreendeu mais de R$ 83 mil e U$ 387 mil, dinheiro sem comprovação de origem.

Para o major, os resultados obtidos pelo Grupamento se devem a quatro importantes fatores: integração entre as instituições, suporte ao setor de Inteligência do Gefron, investimento da Secretaria de Estado de Segurança Pública e gestão. “Caminhamos para melhorar ainda mais. O trabalho do Gefron não ajuda só Mato Grosso, mas o Brasil inteiro, pois esta droga iria para outros estados”, destacou.

Leia mais:   33 cidades do Estado, inclusive, Cáceres tem fornecimento afetado por batida de postes no fim de semana

Tráfico de drogas

O crime nos mais de 900 km da faixa de fronteira entre o Brasil e a Bolívia é geralmente realizado por “mulas”, pessoas contratadas pelos traficantes para o transporte de drogas.

O transporte do entorpecente utiliza os meios fluvial, terrestre e aéreo, sendo este último em rápidos descarregamentos em pistas de pouso improvisadas ou zonas rurais, por meio de arremessos. Automóveis, ônibus de linha regular, veículos de cargas, motocicletas, bicicletas são outras modalidades utilizadas pelos traficantes para fazer o transporte da droga.

Os tipos de drogas mais apreendidas entre o Brasil e a Bolívia, em Mato Grosso, são pasta base, cocaína e maconha.

Investimentos

O reaparelhamento das instituições da Segurança Pública do Estado com armamento, munições e viaturas é uma das prioridades da atual gestão. Desde 2015, o Gefron recebeu 30 pistolas calibre .40, modelo 840 P e 157. Foram adquiridas também 600 munições calibre .40 e 556. O grupamento recebeu ainda duas caminhonetes L200, com identidade visual padrão internacional.

O fardamento foi outro investimento realizado na unidade. A nova farda do grupamento é leve, resistente ao fogo, com grande durabilidade e camuflagem com as características da vegetação da fronteira Brasil-Bolívia.

Hérica Teixeira | Sesp-MT

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Prefeitura anuncia inscrições para os jogos de praia do 39º FIPE

Published

on

Por – Esdras Crepaldi

A Praia do Daveron é um lugar especial da Baia de Cáceres. Um dos cartões de visita da cidade, local de lazer muito frequentado pela população cacerense. Banhos, pescarias, atividades físicas e jogos, fazem parte do cotidiano deste maravilhoso complexo.

Todos os anos, os jogos de praia, inseridos na programação oficial do Festival Internacional de Pesca Esportiva, acontecem ali e movimentam ainda mais o FIPE. Com um colorido todo especial, atletas e banhistas se misturam e lotam as areias da praia.

Este ano, mais uma vez, a Secretaria de Esportes, parceira do Festival, preparou uma grande programação esportiva para o espaço.

O Coordenador de Esportes Cristiano Neves, anunciou que a partir desta terça-feira, 28/06, as inscrições para as modalidades de vôlei de praia, hand beach, futebol de areia e beach tênis masculino e feminino, e futevôlei masculino e misto, podem ser feitas na sede da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, na Prefeitura de Cáceres.

“Façam suas inscrições, teremos premiações em dinheiro, troféus e medalhas”, incentivou Cristiano.

Leia mais:   Fazendeiro de Lambari acusado de caçar animais em 'safaris' no Pantanal firma acordo com o MPF

Já o secretário de Turismo, Cláudio Henrique Donatoni, disse que os jogos de areia dão vida ao FIPE, movimentam a praia do Daveron  e esquentam ainda mais as emoções do Festival de Pesca.

“O FIPE integra todas as secretarias da prefeitura e proporciona diversas atividades esportivas, culturais e ambientais. Os jogos de praia estão inseridos na programação oficial do evento. Agradeço toda equipe da Secretaria de Esportes e Lazer pela parceria e coordenação desses jogos”, reconheceu Cláudio Henrique.

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

Brasil já tem 17 casos confirmados de varíola dos macacos e imunologista dá dicas de como se prevenir da doença

Published

on

Da Redação
     Depois da pandemia da COVID-19, o mundo entra em alerta mais uma vez. A Monkeypox, ou varíola dos macacos, já tem casos confirmados em mais de 30 países. Aqui no Brasil, 17 pessoas testaram positivo para a doença.     A varíola dos macacos não é uma doença nova. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com o animal, com humano infectado ou com material corporal humano com o vírus. Portanto, contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados ajudam a transmissão.      As lesões se iniciam pelo rosto e depois se espalham para outras partes do corpo e genital, formando erupções cutâneas e bolhas com pus. A transmissão só termina quando a crosta desaparece. Além das lesões, a doença gera sintomas como febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, adenomegalia, calafrios e exaustão.     “Já temos vários casos confirmados no Brasil. É importante ficar atento aos sintomas e às lesões, que começam no rosto. O isolamento deve ser imediato, assim como o mapeamento das pessoas que tiveram contato com o doente. A liberação do paciente só pode acontecer após o desaparecimento das lesões”, explica Luiz Werber-Bandeira, imunologista/alergista e docente do IDOMED.

Patrícia Belarmino

(67) 9 9221-3227
Comentários Facebook
Leia mais:   Aplicativo SOS Mulher completa um ano como ferramenta eficaz atendendo Cáceres e outros municípios
Continue Reading

Mais Lidas da Semana