conecte-se conosco


Destaque

Cuiabá sediará jogos do Circuito Nacional de Flag feminino

Publicado

Duas equipes do Cuiabá Arsenal vão representar Mato Grosso no Circuito Nacional de Flag Football Feminino, que terá partidas da fase classificatória realizadas nos dias 4 e 5 de junho, em Cuiabá. O campeonato, organizado pela Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), terá a participação de 24 times de todo país, divididos em cinco grupos e o clube mato-grossense começará com confrontos contra Brasília Alligators e Brasília Pilots.

O flag football é uma versão do futebol americano. Ele foi desenvolvido para minimizar as lesões do futebol americano e baratear a prática do esporte, cujos equipamentos são caros. As regras básicas do flag são similares as do futebol americano, mas sem tackle. O tackle é a pancada dada no adversário para derrubá-lo no chão e impedir que avance com a bola. No flag o tackle é substituído por uma fita no cinto, em que o defensor puxa para sinalizar a marcação.

“O flag football é uma modalidade de iniciação no futebol americano. Além de diminuir o risco de lesões, comuns em qualquer esporte, por haver contato físico, ainda diminui os custos. O flag não usa helmets (capacetes) ou shoulders (ombreiras). E esses dois fatores, menor risco de lesão e custo, permitem a implantação em equipes infanto-juvenis. Ou em adultas por falta de recursos para a aquisição de equipamentos”, conta o gestor do Arsenal, Paulo Cesar Machado.

Leia mais:   Deu na Gazeta : Borgato teria ligação com tráfico desde época em prefeitura

De acordo com a coordenadora do Cuiabá Arsenal feminino, a ala feminina da Associação Atlética Cuiabá Arsenal (AACA), Jordanna Pires, o grupo foi formado em 2015, quando participou pela primeira vez do nacional e, neste ano, vai para a segunda temporada. Segundo ela, no ano passado eram apenas 11 atletas e, atualmente, são 35 em preparação. Quantia que permitiu a composição de dois times com 15 jogadoras cada, sendo 5 starters e 10 substitutas.

O Circuito Nacional de Flag feminino foi organizado em cinco grupos de times, chamados de Regional do Planalto, Regional do Cerrado, Regional Amazônico, Regional Praiano e Regional Garoa, em sistema classificatório. Das 24 equipes que começam a disputa, apenas 12 avançam para a fase semifinalista e, depois desta, seis para a fase final. A competição ocorre entre junho e novembro e as finais estão marcadas para 12 a 15 de novembro.

Fonte: Da redação com assessoria

 

Comentários Facebook

Cáceres e Região

TESTE DAS URNAS – Quais federais correm risco de não se reeleger

Publicado

Por – RDnews

Sete dos oito federais mato-grossenses vão à reeleição. E quais deles correm risco de reprovação nas urnas, considerando uma série de fatores, entre eles montagem das chapas, estrutura e o quociene eleitoral de quase 200 mil votos?

As maiores dificuldades de reeleição são de Leonardo Albuquerque, praticamente isolado no Republicanos, e dos deputados do PL, que dificilmente reconduzirá Nelson Barbudo e José Medeiros, mesmo ambos tendo sido os mais votados em 2018.

O cenário é similar no MDB, que não conseguirá manter os atuais parlamentares (Bezerra, Juarez e Emanuelzinho), já que a projeção é de fazer dois.

A petista Rosa Neide, por sua vez, caminha mais confortável pelas condições criadas dentro da federação composta pelo PT, PV e PCdoB em que figura como principal nome.

Comentários Facebook
Leia mais:   Onça morta por fazendeiro era monitorada por Ong e denominada de Queixada
Continue lendo

Cáceres e Região

TJ reafirma decisão que manda Estado recontratar servidores demitidos da Empaer

Publicado

Assessoria

O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Marcos Machado, relator do pedido de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que determinou que o governo de Mato Grosso recontratasse o grupo de servidores exonerados da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), voltou a reafirmar a decisão unânime pela Orgão Especial da Corte Estadual.

A nova decisão foi referente aos embargos de declaração ingressado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), que solicitava que o TJ elucidasse “a extensão dos efeitos da decisão proferida na presente Ação Direta de Inconstitucionalidade, especificamente a respeito de sua aplicabilidade direta”.

Isso porque o  Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (TRT) havia determinado, com trânsito em julgado, justamente o desligamento destes mesmos servidores públicos ligado à Empaer.

O magistrado lembra que a decisão do Órgão Especial resultou suficientemente delimitada no sentido de “preservar/restabelecer” os vínculos jurídicos dos empregados públicos estaduais contratados no interregno entre a Constituição de 1988 e antes da promulgação da Emenda Constitucional nº 19, de 1998”, ao considerar a forma [“regime jurídico próprio das empresas privadas”] e o período [“não exigência de realização de concurso público, mas sim prévia habilitação pública de provas”] de contratação”.

Leia mais:   Filho é suspeito de matar a mãe, manter o corpo em casa e mentir que ela viajou para Cáceres

“Logo, a coisa julgada da decisão do TRT 23 foi superada pela edição superveniente de uma Emenda Constitucional, que foi apreciada pelo poder judiciário em sede de controle abstrato de constitucionalidade, ocasião na qual, como dito logo acima, se prolatou decisão para preservar os vínculos”, como concluiu a Subprocuradoria-Geral de Justiça (Deosdete Cruz Junior, subprocurador-Geral de Justiça Jurídico e Institucional – ID 118367014). Com essas considerações, recurso conhecido e PROVIDO para esclarecer que o julgamento da ADI nº 1017975-06.2021.8.11.0000 abrange a preservação/restabelecimento dos vínculos jurídicos dos empregados públicos estaduais da EMPAER, contratados entre a Constituição de 1988 e antes da promulgação da Emenda Constitucional nº 19, de 1998”, completa.

Em junho do ano passado, o Estado iniciou a demissão em massa com a exoneração de 61 pessoas para cumprir uma decisão judicial. Os trabalhadores ingressaram via processos seletivos há mais de 30 anos e tiveram suas contratações questionadas por meio da Justiça do Trabalho de Mato Grosso.

Diante disso, a Assembleia Legislativa chegou a aprovar uma Emenda Constitucional com o propósito de reverter a demissão abrupta dos servidores e alterou o regime jurídico para fins de contratação de pessoal das empresas públicas de Mato Grosso, equiparando-as a empresas privadas. No entanto, o texto foi questionado pelo Ministério Público Estadual.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana