conecte-se conosco


Cáceres e Região

Cáceres adota plano de humanização do parto para evitar violência obstétrica

Publicado

Gazeta – Expressão Notícias

O município de Cáceres adotou o plano municipal de humanização do parto, na última segunda-feira (10). A intenção é evitar que a violência obstétrica ocorra em atendimentos no Sistema Único de Saúde (SUS), assim como garantir assistência à saúde materna e do bebê.

A lei foi assinada pela prefeita Eliene Liberato. Outros municípios de Mato Grosso, como Juara, Várzea Grande e Rondonópolis, também sancionaram a lei. A violência obstétrica ganhou repercussão nacional após o caso da influencer Shantal Verdelho, que denunciou a relação abusiva contra o médico Renato Kalil.

Segundo a famosa, Renato Kalil chegou a sugerir que ela fizesse o “ponto do marido”, um procedimento em que a vagina é costurada para deixá-la mais estreita, “a fim de proporcionar mais prazer ao companheiro”.

De acordo com o plano municipal, o termo “humanização” diz respeito ao compromisso de autonomia e protagonismo dos sujeitos e de corresponsabilidade entre os profissionais de saúde e a gestante – ou seja, a parturiente pode ter autonomia sobre o seu próprio corpo.

Isso inclui garantir a gestante o direito de optar pelos procedimentos que lhe proporcionem conforto e bem-estar, assim como administração de substâncias analgésicas e anestésicas.

Leia mais:   Delegado diz que crentes foram atingidos por atiradores quando estavam ajoelhados de costas para rua e não descarta crime de ódio

“O Plano Municipal visa desenvolver ações de promoção, prevenção e assistência à saúde de gestantes e recém-nascidos, promovendo a ampliação do acesso a essas ações, o incremento da qualidade da assistência obstétrica e neonatal, bem como sua organização e regulação para mobilizar e disseminar a importância da humanização da assistência ao parto e nascimento”, explica trecho.

O procedimento deve seguir as orientações da Organização Mundial de Sáude (OMS), especialmente o Manual de Boas Práticas de Atenção ao Parto e Nascimento.

“Respeitar os desenvolvimentos fisiológico e psicológico da gestação, do parto e nascimento e do puerpério, vetados os procedimentos desnecessários ou proscritos e dando-se a preferência pela utilização dos métodos menos invasivos e mais naturais”, orienta.

Fica também a critério da gestante a presença de um acompanhante de livre escolha, o local, posição e uso de intervenções na hora do parto.

Violência obstétrica

A violência obstétrica é um tipo de violência contra a mulher, praticada pelos profissionais da saúde, que se caracteriza pelo desrespeito, abusos e maus-tratos durante a gestação e/ou no momento do parto, seja de forma psicológica ou física.

Leia mais:   Cinco dos sete crentes baleados durante culto em Cáceres já receberam alta; uma garota está em estado grave

Segundo o plano municipal, é tratado com ofensa verbal ou física tratar a parturiente de forma agressiva, não empática, grosseira, zombeteira, ou de qualquer outra forma que a faça sentir-se mal pelo tratamento recebido.

“Fazer graça ou recriminar a parturiente por qualquer comportamento, como gritar, chorar, ter medo, vergonha ou dúvidas; fazer graça ou recriminar a mulher por qualquer característica ou ato físico como, por exemplo, obesidade, pelos, estrias, evacuação e outros”, lista o plano.

Assim como no caso da influencer, é proibido também realizar a episiotomia, quando esse procedimento não é realmente imprescindível. A episiotomia é uma incisão efetuada na região do períneo – entre o ânus e a vagina – para facilitar a passagem do bebê.

Outra observação no plano é fazer a gestante acreditar que precisa de uma cesariana, quando esta não se faz necessária. Fica proibido também manter algemadas as detentas em trabalho de parto.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Vereador Flávio Negação é o novo presidente do DEM em Cáceres

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     O vereador Flávio Negação é o novo presidente do Diretório Municipal do Democratas – DEM, em Cáceres. A nova diretoria executiva do partido formada ainda por Anelise Silva – vice-presidente, Daniel Paesano, tesoureiro e Wenes Cardoso Silva, secretário, substitui a diretoria anterior destituída.

     Uma das propostas da nova diretoria, de acordo com Negação, será a promoção de ações visando uma ampla campanha de filiação partidária.

     “Embora seja um dos maiores do município e do Estado, assim como do país, o DEM estava, praticamente, desativado em nossa cidade. Somos conscientes de que existem muitas pessoas e muitos simpatizantes que desejam cerrar fileiras conosco para engrandecimento do partido” justificou.

       Além das filiações, conforme o novo presidente, a legenda que tem como maior líder o governador Mauro Mendes, pretende lançar candidaturas, nas próximas eleições, tanto a deputado estadual quanto a federal, na região.

     “Temos a maior liderança política do Estado que é o governador Mauro Mendes fazendo uma excelente gestão; uma base muito forte na Assembleia legislativa. Em Cáceres dispomos de bons nomes. Portanto, é necessário que tenhamos candidaturas a deputado estadual e federal para lutar e defender os interesses de nossa região” assinalou.

Leia mais:   Eliene se afasta e Dr. Odenilson assume a direção do município de 31 de janeiro a 6 de fevereiro

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Câmara aprova pedido de licença de Eliene com votos contrários dos vereadores Leandro, Mazéh e Valdeir

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Por 12 votos favoráveis e três contrários, a Câmara de Cáceres aprovou, em sessão extraordinária, na manhã desta quinta-feira (20/01), o pedido de afastamento da prefeita Eliene Liberato Dias (PSB), por um período de 8 dias, para tratamento de assuntos particulares.

     Votaram contra os vereadores professor Leandro dos Santos (DEM), a professora Mazéh Silva (PT) e Valdeir do Caramujo (PRTB). O representante do distrito do Caramujo não justificou a contrariedade. Já, os professores Mazéh e Leandro, argumentaram que o momento não é oportuno.

      “A população está inconformada, principalmente, com o aumento do IPTU. Não é momento para tirar licença e deixar a batata quente nas mãos dos vereadores. Responsabilizar somente a gestão passada não convence porque, ela (Eliene) era vice-prefeita, então tinha conhecimento do impacto” justificou Leandro.

       “Sabemos que todos têm direito ao descanso. Mas, é bastante conveniente sair em um momento desse. Além do aumento abusivo do IPTU, tem a questão do redimensionamento na educação que irá prejudicar, principalmente, os alunos mais humildes. A prefeita tem é que mostrar a cara a sociedade” completou Mazéh.

Leia mais:   Vereadores até mesmo da base aliada protestam contra majoração considerada abusiva do valor do IPTU em Cáceres

        Os demais foram favoráveis. “É salutar o descanso. Eliene enfrentou e continua enfrentando dificuldades e turbulências em todos os setores, principalmente, na área da saúde, por causa da pandemia. Além disso, a prefeitura será entregue a um homem íntegro que é dr. Odenilson” assinalou Manga Rosa (PSB).

       “Foi um ano bastante intenso. É merecida essa licença. São apenas oito dias que não fará diferença alguma. Além do mais, não irá causar nenhum prejuízo financeiro aos cofres públicos” explicou Isaias Bezerra (Cidadania).

      “É merecida essa licença. Eliene vai voltar com mais vontade e certamente com novas ideias para trabalhar” enfatizou Luiz Landim (PV).

        “Tenho convicção de que um bom descanso fará muito bem para a prefeita. Mas, descansada ela encontrará alternativas para resolver os inúmeros  problemas do município, principalmente, aumento do IPTU” destacou Franco Valério (PROS)

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana