conecte-se conosco


Artigos

Autismo e medicamentos: quando é necessário

Publicado

O transtorno do espectro autista (TEA) ainda gera muitas dúvidas em pais e educadores. E uma das coisas que deixam familiares preocupados é sobre o uso de medicações. Outros ainda se perguntam sobre o porquê de casos de TEA terem o mesmo diagnóstico, porém com tratamentos tão diferentes.

Segundo o neuropediatra Dr. Clay Brites, da Neuro Saber, diz que esses questionamentos são normais. Por esse motivo, ele incentiva que os responsáveis sempre busquem o máximo de informações para saber tudo o que está envolvido no autismo.

O especialista cita que as principais questões levantadas no consultório pelos pais é se determinado medicamento irá fazer algum mal, se provocará modificações negativas permanentes, ainda se irá viciar ou dopar a criança e se isso irá mudar a personalidade.

É fundamental que os responsáveis entendam que cada caso possui sua particularidade. Por exemplo, alguns com TEA não precisam de medicação. Já outros, sim – relata Brites, que realizará curso gratuito dos dias 6 a 12 de junho durante a Semana Entendendo o Autismo. As aulas estarão disponíveis pelo site http://www.semanaentendendoautismo.com.br/.

O pediatra explica que é necessário compreender que o tratamento do Autismo é interdisciplinar e pode ser dividido em quatro eixos: intervenções psicossociais, intervenções desenvolvimentais, medicação e suporte educacional.  “Todos são fundamentais e variam de acordo com o perfil, tipo e intensidade dos sintomas autísticos da criança”.

Por exemplo, a intervenção psicossocial permite adequar o comportamento do autista ao ambiente e corrigir disfunções no seu comportamento ajustando-o com o dos ambientes diversos – diz.

Porém, a medicação, continua o profissional, é utilizada para melhorar comportamentos agressivos, estereotipais, hiperatividade, sintomas opositivos, distúrbios do sono, problemas alimentares, fobias e psicoses. Nem todas as crianças apresentam tais estereotipias. “No entanto, aqueles que apresentam essas características necessitam desse procedimento, pois serve para reduzir o excesso dessas atitudes”

Atualmente, as medicações indicadas – Risperidona e Aripiprazol – são consagradas pelas evidências científicas, pelos consensos internacionais e pelo FDA americano, similar ao nosso Ministério da Saúde. Dr. Clay Brites fala que muitos realmente questionam o porquê do seu filho ser medicado. Por isso, é tão importante que compreendam detalhadamente os motivos e os benefícios observados.

Ele conta que, normalmente, os próprios pais revelam que a qualidade de vida melhora muito após medicar a criança. Dizem geralmente que há mais contato visual e que o autista consegue ficar mais focado nas atividades diárias entre outros. “Além de estabilizar o comportamento, a medicação, quando o caso necessita, aprimora a capacidade de atenção para as intervenções do fonoaudiólogo e da Terapeuta Ocupacional”.

Esses fatores melhoram a socialização, por exemplo, auxiliando que a família saia mais de casa para momentos de lazer e recreação. O que desejamos é permitir à criança dormir melhor e ficar mais flexível para as instabilidades das relações sociais do contexto escolar. Ou seja, ter uma vida melhor quando o transtorno impede isso – conclui.

Sobre Dr. Clay Bites
Um dos idealizadores do projeto Neuro Saber, Dr. Clay Brites é pesquisador e doutorando do Laboratório de Dificuldades e Distúrbios da Aprendizagem e Transtornos de Atenção (Disapre), da UNICAMP. Além disso, é professor do curso de pós-graduação de Neuropsicologia Aplicada à Neurologia Infantil na Unicamp e membro do Departamento de Neurologia da Sociedade Paranaense de Pediatria.
Joyce Nogueira
Assessora de Imprensa

Comentários Facebook

Artigos

A luta de uma categoria

Publicado

 

O ano era 1993. Chegava finalmente o dia da divulgação da lista de aprovados no concurso público da Secretaria de Fazenda de Mato Grosso. Foi uma alegria imensa ver que meu nome constava lá e isso era o resultado de todo o estudo e esforço a que eu tinha me dedicado. Ainda hoje esse é um sonho para muitas pessoas que almejam seguir a carreira pública. É uma dedicação de vida e com a qual esperamos ser reconhecidos profissionalmente.

Foi assim comigo e com os 385 colegas que tomaram posse em 1994 como Agentes de Administração Fazendária do Estado de Mato Grosso (AAF’s). Mas, nesses 27 anos, além de exercer nossas funções, também foi preciso empreender uma enorme luta para ver nossos direitos reconhecidos. Uma determinação por justiça que até hoje nos move e que não ousamos desistir. Atualmente, somos em 165 AAF’s ainda na ativa e 77 aposentados, e a nossa categoria é incansável. Se você não consegue entender as nossas reivindicações, vou tentar ser o mais sucinto possível para explicar.

Quando foi criada a carreira de Agente de Administração Fazendária, ela foi constituída com atribuições plenas para atuar no controle dos sistemas de fiscalização, arrecadação e informações econômico-fiscais de Mato Grosso. Sempre trabalhamos na ponta, atendendo os contribuintes nas Agências Fazendárias.

Em 1996, o Estado concedeu aumento às outras categorias da administração tributária, esquecendo a nossa. Foi interposta uma ação judicial (30.884/1996) que reconheceu a similitude das atribuições dos AAF’s com os integrantes do Grupo TAF – que são todos os servidores que atuam nas áreas de tributação, arrecadação e fiscalização – e com isso o nosso direito de receber o aumento foi concedido.

Em 2008, depois de muitas batalhas na justiça, o Estado implantou uma isonomia funcional e salarial com as demais carreiras do Grupo TAF. Acreditamos que esse acordo colocaria um fim na longa luta judicial dos AAF’s, no entanto, mais uma vez fomos sorrateiramente injustiçados. Além de não honrar o compromisso firmado, o Governo não regulamentou a isonomia funcional e os aumentos salariais concedidos aos servidores do Grupo TAF, a partir do acordo, não contemplaram os AAF’s.

Entre os anos de 2009 e 2014 fomos responsáveis por cerca de 120 mil atendimentos por mês nas agências fazendárias e 90% dos processos na Sefaz eram feitos por nós. Os AAF’s resolveram, nesse período, aproximadamente 1 milhão de processos. Vale ressaltar que nunca deixamos de nos atualizar e mais de 70% da categoria hoje têm pós-graduação, a maioria na área tributária.

Em 2014, uma nota técnica nos retirou da análise de processos. Para piorar, a descaracterização das Agências Fazendárias, que foram transformadas em call center, foram ações que não prejudicaram apenas a nossa categoria, mas todos os contribuintes que precisam dos serviços tributários executados na ponta.

São milhares de processos que hoje estão sem tramitação na Sefaz-MT, prejudicando quem depende da análise para dar encaminhamento aos seus negócios. Tentamos sensibilizar o governo do prejuízo para o Estado e desde 2014 tentamos reaver nossos direitos funcionais.

Agora tomamos mais um golpe. O governo determinou a extinção dos Agentes de Tributos Estaduais (ATE’s) e o aproveitamento na carreira de Fiscais de Tributos Estaduais (FTE’s). Nessa unificação de carreiras, excluiu do decreto os AAF’s, os Agentes de Fiscalização e Arrecadação de Tributos Estaduais (AFATE’s) e os Agentes Arrecadadores de Tributos Estaduais (AATE’s). Mais uma vez não se cumpre o nosso direito adquirido e já garantido pela justiça em termos de isonomia.

O Estado insiste em não reconhecer uma decisão judicial, não nos permite atuar de acordo com as atribuições originárias do cargo para o qual prestamos concurso público e ignora nossos direitos adquiridos ao longo de mais de duas décadas como servidores.

Buscamos reconhecimento, melhores condições de trabalho e vamos continuar lutando pela reestruturação da carreira. É nosso direito.

Nosso dever como Agentes de Administração Fazendária é atender a sociedade e promover justiça fiscal aos contribuintes e cidadãos mato-grossenses. Nada vai nos demover de fazer nosso trabalho da melhor maneira possível.

Só vamos parar de lutar no dia que conseguirmos ver oficializadas as nossas reivindicações. Esse dia será tão feliz quando aquele em que recebemos o resultado do concurso.

*Manoel de Jesus Sombra Teixeira é presidente do no Sindicato dos Agentes de Administração Fazendária do Estado de Mato Grosso

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

A principal falha do seu relacionamento Por Marina Stech

Publicado

 

“Faz o que você quiser!” (com aquela entonação indiferente). Quantas vezes você já falou isso pra ele? “É melhor eu ir escondido no futebol do que avisar a minha mulher”. Quantas vezes você homem já teve esse pensamento? A falta de diálogo é o principal problema de casais hoje em dia e uma das principais queixas em consultório psicológico.

 

Atualmente, muitas pessoas parecem não saber mais conversar, tudo é cobrado ou reclamado e a vontade de não querer ouvir o outro predomina. Inclusive, um dos erros mais cometidos é achar possível que o outro adivinhe o que queremos sem dizermos nada.

 

A falta de comunicação nos relacionamentos, geralmente, acontece pela pouca liberdade que um tem com o outro, gerando brigas e desentendimentos. Com o tempo, achamos que o outro já nos conhece o suficiente, e sendo assim, não precisamos mais verbalizar nossos gostos, vontades, incômodos, inseguranças, sentimentos… relacionando ao exemplo clássico do dia dos namorados, em que a comemoração não é tão relevante pra alguns, mas fundamental para outros. “Eu não vou lembrar ele sobre o dia dos namorados e nem dizer que desejo uma comemoração, ele tem que se lembrar!” dessa forma, acabamos não falando, nos frustrando ou até mesmo dizendo a mais algumas coisas, em outros momentos, que não precisariam ser ditas, nos comunicando de forma não assertiva.

 

Normalmente, as pessoas escolhem se comunicar de forma passiva, quando pensam “Prefiro me calar senão vamos discutir, quero evitar conflitos.” Ou de forma agressiva, quando escolhem verbalizar palavras ao parceiro em momentos de raiva, se arrependendo depois. Diante dos tipos de comunicação existentes, a comunicação assertiva é a mais eficaz, mesmo assim, poucas pessoas são capazes de colocá-la em prática, principalmente quando inserida nas relações amorosas. Como podemos utilizá-la e qual o papel que você tem na sua convivência enquanto casal?

 

É importante começar com comportamentos como:

Expressar o que pensamos e sentimos: pode parecer simples, mas nos relacionamentos amorosos, raramente esses sentimentos são expressos, quando por exemplo, uma atitude incomoda o parceiro, este prefere se calar para fugir de atritos. É melhor não se calar e respeitosamente pedir para que o outro escute sua queixa, como uma oportunidade de amadurecer a comunicação entre vocês.

 

Passar um tempo de qualidade com o outro: quantas horas no mês você passa assistindo TV ou maratonando a sua série favorita? Qual a proporção disso comparado ao tempo que você tem investido na sua relação, como chegar após um dia de trabalho e perguntar ao seu companheiro “Tá tudo bem com você? Como foi seu dia?” buscando saber o que ele tem passado, o que tem pensado… como as suas emoções estão.

 

Aprender a falar por nós mesmos: geralmente escolhemos culpar o outro quando discutimos com alguém ao invés de falar na primeira pessoa e admitir o que sentimos. Isso é um erro, aprender a falar na primeira pessoa nos ajuda a assumir a responsabilidade pelas nossas emoções e verbalizá-las de forma objetiva. Pode começar usando frases como “eu sinto…” ou “eu percebi…”.

 

Antes de agredir é melhor perguntar: quando recebemos uma crítica de quem amamos, podemos ficar tão chateados, reagindo com rispidez ou até mesmo agressividade. Ao invés de sermos tão reativos, poderíamos perguntar “Certo, como posso fazer diferente?” ou “Como isso poderia ser melhor?”. Pontuações como essas fazem parte da convivência entre duas pessoas com criações de vida diferentes.

 

Pensar na mensagem que quer dizer: e também na forma, sentir-se magoado ou agredido pode nos fazer querer revidar e magoar de volta o companheiro, por isso respire, se acalme e pense antes de falar. Não é preciso ter pressa. Frases como “Me sinto com a cabeça quente agora, podemos conversar sobre isso mais tarde ou amanhã?” são úteis para este momento.

 

Não acumular reclamações: faz parte da comunicação assertiva expressar o que nos incomoda no momento em que sentimos ou que ele acontecer e não em uma conversa em que o contexto seja outro. Civilizadamente, procure dizer “Sabe, eu não me senti bem hoje quando você fez/falou isso… eu me senti…” descreva e estará treinando sua comunicação, dando a oportunidade para que o outro treine também. Podendo assim, crescer e amadurecer juntos.

 

Você tem liberdade pra falar aquilo que você quer, pensa e sente ao seu parceiro? Se sente amado? Acha que tem a atenção que merece? Se não, é uma boa oportunidade para trabalhar a comunicação assertiva e o tempo de qualidade na sua relação, os benefícios são claros: mais intimidade, confiança e cumplicidade para qualquer casal.

 

Em um relacionamento, muitas vezes, o que morre não é o amor, mas a vontade e o interesse de se esforçar para amar o outro.

 

Marina Stech é psicóloga (CRP 18/05593) em Cuiabá/MT. Pós-graduanda em Terapia Cognitiva, atua com a abordagem Terapia Cognitivo-Comportamental e auxilia pessoas através de sua página profissional no Instagram. (Terapeuta para adolescentes, adultos e casais).

Instagram: @psicologia_sensata

E-mail: psimarinastech@gmail.com

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana