conecte-se conosco


Cáceres e Região

3 deputados federais gastam quase R$ 200 mil com aluguel em 2021

Publicado

Gazeta

Seis deputados federais usaram o imóvel funcional da Câmara dos Deputados em 2021, segundo informações do portal da transparência. A moradia de outros 3 parlamentares custou quase R$ 200 mil aos cofres públicos. Segundo os dados, Dr. Leonardo (Solidariedade), Emanuelzinho (PTB), José Medeiros (Podemos), Juarez Costa (MDB), Nelson Barbudo (PSL) e Neri Geller (PP) fizeram uso do apartamento funcional da Câmara, desde 2019.

Entretanto, as informações desse ano constavam que os parlamentares não utilizavam o benefício. Do auxílio-moradia, 3 parlamentares usaram a verba: Carlos Bezerra (MDB), Rosa Neide (PT) e Valtenir Pereira. Somente Rosa Neide utilizou R$ 51.036,00, sendo a moradia mais cara do ano passado. Em seguida, Carlos Bezerra recebeu R$ 28.802,75. Já Valtenir, 19.593,99. Os três somam R$ 198.865,48 de benefício.

Imóvel funcional e auxílio-moradia

A Câmara possui 432 apartamentos funcionais disponíveis para os deputados federais. Eles foram construídos na década de 1970, quando a Câmara tinha 420 deputados. Com a Constituição de 1988 e novos estados, a representação parlamentar cresceu, chegando a 513 deputados – por isso, há mais deputados do que apartamentos funcionais.

Quem não ocupa os apartamentos pode receber o auxílio-moradia. Conforme o portal, os deputados federais têm direito a receber um auxílio-moradia de R$ 4.253, quando não ocupam um apartamento funcional. Ele pode ser pago diretamente em dinheiro ou por reembolso, mediante apresentação de recibo de aluguel.

Leia mais:   Vereadores aprovam projeto de Franco Valério que obriga Águas do Pantanal a fornecer análise de água à população

Quem fez uso da verba

De acordo com os dados, o deputado Carlos Bezerra (MDB) tem sua moradia própria, já que não faz uso do imóvel funcional. Esse ano, ele já recebeu a quantia de R$ 4.253 do auxílio-moradia.

Em 2021, só de auxílio-moradia, ele recebeu R$ 28.802,75, sendo usado o valor em 8 meses. De junho a setembro, ele não recebeu o benefício.

O parlamentar Dr. Leonardo (Solidariedade), por sua vez, não cobrou o imóvel funcional e também não cobrou auxílio-moradia. Entretanto, ano passado ele usou o imóvel da Câmara, constando que mora lá desde o dia 13 de março de 2019.

Para este ano, Emanuel Pinheiro Neto, o Emanuelzinho (PTB), recusou o auxílio-moradia e o imóvel funcional. Mas os dados apontam que ele fez uso do apartamento desde o dia 1º de abril de 2019.

José Medeiros (Podemos) não declarou o uso do imóvel funcional, assim como auxílio-moradia. Mas em 2021, constava que morou no apartamento desde 1º de fevereiro de 2019.

Juarez Costa (MDB) também figura na lista dos que começaram esse ano sem declarar o uso do apartamento da Câmara e auxílio-moradia. Contudo, o portal da transparência apontou que ele morou no local desde 11 de março de 2019.

Leia mais:   Líder do CV é preso acusado de matar soldado do Exército em Cáceres

Apesar de ter feito uso do imóvel funcional desde o dia 11 de fevereiro de 2019, Nelson Barbudo (PSL) parece ter desistido do benefício, já que no portal consta que ele não usa mais o imóvel. Ele não recebe auxílio-moradia.

Neri Geller (PP) não faz uso do imóvel, assim como do auxílio-moradia. Mas morou no apartamento do dia 1º de fevereiro 2019 a 22 de setembro de 2021.

A deputada Rosa Neide (PT) atualizou que recebeu a primeira parcela do auxílio-moradia esse ano. Ela não faz uso do imóvel funcional. Em 2021, usou o benefício em todos os meses, tendo recebido o equivalente a R$ 51.036,00.

Valtenir Pereira também começou o ano sem declarar o recebimento de parcelas do auxílio-moradia, bem como utilizar o imóvel funcional. Suplente de Carlos Bezerra, ele chegou a usar a verba em 2021, de maio a outubro, totalizando R$ 19.593,99.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Invasão de hackers prejudica enquete sobre reitoria da Unemat

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Uma invasão de hackers no sistema de votação do site Expressão Notícias, prejudicou a realização de uma enquete junto a comunidade acadêmica, sobre a eleição da reitoria da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

      A sondagem foi lançada às 12h de quinta-feira (20/05). A proposta seria saber a preferência, principalmente, do eleitor da comunidade acadêmica, sobre em quem votar na eleição da nova reitoria da instituição que acontece no próximo dia 1 de junho.

       Foi instalado um dispositivo para que alunos, professores e técnicos, votassem no candidato de sua preferência.

      A chapa 1 formada pelos professores Roberto Alves de Arruda e professora Rinalda Bezerra; chapa 2, pela professora Vera Maquêa e Alexandre Porto e chapa 3 formada pelos professores Celso Fanaia e Nivaldo Teodoro.

      Os problemas, decorrente dos ataques hackers, começaram menos de duas horas do lançamento da enquete. Às 13h30, quando já haviam sido registrados 893 votos, o sistema começou a ficar lento.

Leia mais:   Operação identifica menores em situação de risco em Cáceres

      As 14h30 quando já haviam sido registrados 1.363 votos – com a votação, praticamente, empatada entre as chapas da professora Vera Maquêa e Celso Fanaia, o sistema travou. Logo em seguida disparou computando quase 13 mil votos, a maioria para chapa da professora Vera Maquea.

     De acordo com o administrador do site, alguém descobriu uma forma de votar diversas vezes no mesmo candidato, ocasionando a fraude. Para evitar maiores transtornos a direção site cancelou o questionário retirando a página do ar.

     Nova enquete sobre a eleição será realizada na próxima semana. A direção do veículo encomendou um dispositivo com maior segurança, que irá impedir ataques e dessa forma levar as informações com segurança à população

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Líder do CV é preso acusado de matar soldado do Exército em Cáceres

Publicado

Redação/Gazeta

Integrante do Comando Vermelho, com atuação em Cáceres, foi preso pela Polícia Civil acusado de envolvimento na morte do soldado do Exército, Thiago de Brito de Almeida, 19 anos, no bairro Cohab Nova, em Cáceres, em janeiro deste ano. O militar teria sido morto por engano.

O acusado, de 39 anos, que não teve o nome revelado, foi preso inicialmente por apresentar documento falso. Contudo, já era  procurado pela Justiça por participação no homicídio do soldado do Exército. A prisão foi cumprida na quinta-feira (19), em Cuiabá.

Só após a prisão por documento falso, os policiais civis da 1ª Delegacia de Cáceres coordenados pelo delegado Marlon Richer Nogueira, deslocaram-se até o Fórum de Cuiabá. Pouco antes do preso ser apresentado em juízo, a equipe de Cáceres deu cumprimento ao mandado de prisão, bem como realizou a apreensão do aparelho celular do suspeito.

Homicídio

Na noite do dia 22 de janeiro deste ano, Thiago de Brito de Almeida, 19 anos, soldado do Exército, foi morto após ser atingido por disparos de arma de fogo, em via pública do bairro Cohab Nova, em Cáceres. O crime foi praticado por 5 indivíduos em um veículo Corsa de cor preta.

Leia mais:   Operação identifica menores em situação de risco em Cáceres

Segundo apurado, a ordem para matar foi do líder da facção, tendo como alvo um integrante de uma organização rival e que sempre usava uma camiseta de time de futebol, semelhante a blusa que a vítima vestia no momento em que foi assassinada.

Investigação

Desde então os policiais civis vinham realizando diligências ininterruptas para esclarecer a ocorrência. Os suspeitos, todos com extensa ficha criminal, também são investigados em outros homicídios ocorridos em Cáceres.

Os criminosos, tanto o mentor como os executores, tiveram os mandados de prisão representados pela Polícia Civil, e decretados pela Justiça da Comarca local.

Além do líder da organização criminosa, que teve a prisão cumprida no Fórum de Cuiabá, outro envolvido de 30 anos e que encontra-se recolhido na Cadeia Pública de Cáceres, teve o mandado de prisão preventiva cumprido na quinta-feira (19), na unidade prisional.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana