Connect with us

Cerca de 150 candidatos devem disputar as 15 cadeiras do Legislativo Cacerense nas eleições municipais, que ocorrerá no próximo dia dois de outubro. E, com a aproximação do pleito, a menos de três meses, começam a surgir as discussões em torno dos nomes dos possíveis candidatos ao cargo de vereador.

De acordo com o calendário eleitoral, na quarta-feira (20) terá início, com encerramento no dia 5 de agosto, o período para a realização das convenções, evento onde os partidos políticos escolhem os seus candidatos aos cargos eletivos em disputa. Este ano a população irá eleger além dos novos vereadores, prefeito e vice-prefeito.

A principal mudança em relação à eleição de 2012 é que neste pleito o eleitor irá eleger para a 18ª legislatura da Câmara Municipal de Cáceres, que tomará posse no dia 1º de janeiro de 2017, para exercer o mandato até 31 de dezembro de 2020, 15 vereadores e não 11 como ocorreu na eleição passada e tão pouco 10 como aconteceu em 2004.

Na opinião de analistas políticos ouvidos pelo Jornal Expressão, no PSDB do prefeito Francis Maris Cruz, os principais nomes são: a vereadora Valdeníria Dutra Ferreira, o ex-vereador Josias Modesto, o ex-secretário de Ação Social, Cláudio Henrique Donatoni e o servidor público Césare Pastorelli.

Leia mais:   Mês de junho encerra com recuo no valor da cesta básica; tomate baixou de preço

Já no PSD do deputado estadual Leonardo Ribeiro Albuquerque, os nomes com maior expressão são o do vereador Edmilson Campos (Café no Bule), Elza Bastos – presidente da Colônia de Pescadores, o radialista Júlio Vidal, do suplente de vereador Odenir Néri, Beto Serrão – servidor público, José Arimatéia – produtor cultural e Isaias Bezerra – representante comercial.

Pelo PSB do ex-prefeito Túlio Fontes e do deputado estadual Adriano Silva aparecem com destaque os vereadores Tarcísio Paulino, Sebastião Pinheiro Duarte, Domingos Oliveira dos Santos, o radialista Luiz Garcia, o ex-vereador José Antônio Caetano Cabral e os empresários Júlio Parreira e Moacir Barbosa.

Siglas consideradas “nanicas” prometem surpreender na eleição, como são os casos do PT do B, PTN e PSC. Pelo PT do B, conforme apurou a reportagem, os principais quadros são: Enézio Mariano – presidente da Ucam, José de Souza Brandão – ex-vereador, Creudes Castrillon – empresário e Nilson Magalhães – ex-presidente da Ucam.

Já pelo PTN aparecem o ex-vereador Josué Alcântara, Eliel da Rocha – servidor público e Jonas da Mercearia – suplente de vereador. Pelo PSC as apostas estão nos nomes do ex-vereador Roosevelt Torres ou do seu filho José Eduardo Torres – ex-secretário de Obras, ex-vereador Usias Pereira e do presbítero da Igreja Assembleia de Deus Valdir Rodrigues.

Leia mais:   Polícia Civil faz operação contra o tráfico em Cáceres e mais quatro municípios da região de fronteira

O PTB – Partido Trabalhista Brasileiro, aposta no nome do vereador Manoel Leiteiro e dos ex-vereadores Rubens Macedo e Antônio Salvador, e ainda no ex-secretário de obras Walter Zackarquim.

Partidos considerados grandes pelo Brasil a fora em Cáceres ficaram apenas com um nome de grande expressão. São os casos do PMDB do presidente da Câmara Marcinho Lacerda; PP do ex-presidente da Câmara, Alvasir Ferreira de Alencar; PR do vereador e líder do prefeito Edmilson Tavares; DEM do suplente de vereador Luiz da Guia Alcântara e do PV do suplente de vereador Franco Valério Jorge da Cunha.

O Partido dos Trabalhadores e o Solidariedade que ao que tudo indica deverão caminhar juntos nas eleições, por serem siglas formadas em sua maioria por lideranças sindicais, tem como principais nomes o vereador Félix Alvares e Fábio Lourenço – líder sindical pelo solidariedade e James Cabral – ex secretario de agricultura, Orlandir Cavalcante – professor e líder sindical e Rafael Costa – suplente de vereador pelo PT.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Chegamos onde deu, anuncia prefeita Eliene e diz que os alunos são os grandes prejudicados com a greve

Published

on

 

Assessoria

Nesta sexta-feira (01/07), a prefeita Eliene Liberato Dias fez um desabafo sobre a greve dos professores da rede municipal de ensino. “Chegamos onde deu, oferecemos o que podíamos.  No início do ano demos uma reposição de 14,38% para todos os servidores.  Por vivermos momentos de incertezas econômicas, fizemos uma proposta arriscada agora, de dar mais 3% aos professores, e esse aumento poderia comprometer o limite de gastos com pessoal, mas garantimos essa oferta.  Propusemos, ainda, uma outra avaliação das receitas no final do segundo quadrimestre, assinalando a possibilidade de conceder mais um percentual dependendo da receita, e infelizmente a categoria resolveu manter a paralisação”, comunicou Eliene.

A gestora ainda ressaltou que o Fundeb estabelece que no mínimo 70% deve ser aplicado no pagamento de salários de professores, e o município ultrapassa esses percentuais.

A prefeita disse que está adotando medidas de contenção de gastos na prefeitura, visando a melhoria da saúde financeira da prefeitura. “Sinceramente, não esperava essa reação, o município está fazendo todo o possível para dar aos educadores o que eles merecem, acredito não há motivo para greve. Desde o primeiro dia desta administração a educação vem sendo priorizada. Capacitações, formações, computadores para os professores, reformas de escolas, construção de escola, climatização de salas de aula, lousas de vidro, uniformes, kits escolares, merenda de qualidade, transporte escolar e tantos investimentos pedagógicos e materiais. Respeito a classe, também sou professora, mas não posso concordar com essa greve” destacou Eliene.

Leia mais:   Consema analisa hoje licença prévia do porto de Paratudal

Com relação a liminar da justiça, que determinou a volta dos professores para sala de aula, Eliene se posicionou. “Não é minha vontade, mas devo cumprir, a partir de hoje, a decisão da liminar na justiça, que obriga os professores a retornarem para suas atividades laborais. Todos estão cientes desta decisão e suas consequências”, salientou.

Segundo ela, os estudantes já foram seriamente privados do estudo pelos dois anos sem aulas presenciais e, com a paralisação, terão ainda mais perdas no processo de aprendizagem. Ela assinalou o esforço feito pela prefeitura para levar as crianças de volta para as escolas, após o retorno das atividades presenciais nas unidades de ensino. “As crianças e adolescentes são os mais afetados, ficaram dois anos longe da escola e agora novamente são prejudicados com essa interrupção das atividades pedagógicas. É evidente que haverá um agravamento nas dificuldades do aprendizado dos alunos”, avaliou a prefeita.

Para ela, além da parte pedagógica, uma grande parcela de alunos tem na merenda escolar sua principal refeição, onde os nutrientes básicos necessários são calculados por nutricionistas.  “Essa merenda está fazendo falta”, tenho certeza. Ainda tem os pais das crianças da educação infantil (creches), que com a paralisação são prejudicados ao não ter com quem deixar seus filhos.

Leia mais:   Deputados aprovam projeto que altera política de proteção da bacia pantaneira

Eliene disse que outros sérios prejuízos advêm da greve. “Além delas, as crianças, os pequenos produtores rurais também têm perdas, pois a prefeitura adquire da agricultura familiar em torno de 4 mil reais em produtos por dia para a confecção da merenda escolar.  Outro prejuízo latente é com o transporte escolar público, onde mantemos convênio com o estado para transportar os alunos da rede estadual e nossos ônibus estão rodando somente com esses alunos. E, no período de reposição das aulas teremos que arcar sozinhos com os custos desse transporte. É prejuízo social e financeiro”, concluiu a administradora.

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

Trabalhadores do Frigorífico são executados à tiros de pistola 380; São cerca de 30 mortes de 1° de janeiro a 1° julho

Published

on

Expressão Notícias – Sinézio Alcântara

   A avalanche de violência que assola a cidade nos últimos tempos faz mais duas vítimas fatais. Dois trabalhadores do Frigorífico 3M foram executados, à tiros de pistola calibre 380, na tarde de quinta-feira (01/07). Já são, cerca de 30 assassinatos de janeiro a junho, em Cáceres.

     Identificados como Gabriel Dimas da Silva (21) e Rubens José da Silva Brito (34) a dupla, conforme a Polícia Militar, teria sofrido uma emboscada quando retornavam do trabalho, por volta das 15h.

     Os corpos foram encontrados, na zona rural, especificamente, na estrada da comunidade de Piraputanga, que dá acesso ao Frigorífico, onde as vítimas trabalhavam.  Estavam ao lado de uma motocicleta Yamaha XTZ vermelha, e apresentavam várias perfurações de balas.

     Foram encontrados por moradores da região que trafegam pela estrada. A polícia foi acionada, mas pouco pode fazer: eles já estavam sem vida. Há informação de que as vítimas são moradores do bairro Jardim Aeroporto.

    A morte dos trabalhadores é a segunda, de uma série de execuções nos últimos meses, em Cáceres. Há 10 dias, precisamente, em 22 de junho, a dupla de mecânicos de motos Sandro Gonçalves Perine (34) e Arison Rafael Ramos da Silva, (22) também foram executados.

Leia mais:   Polícia Civil faz operação contra o tráfico em Cáceres e mais quatro municípios da região de fronteira

     O crime aconteceu no bairro da Cavalhada. Investigações da Polícia Civil apontam que Perine e Arison teriam sido mortos por engano por faccionados do Primeiro Comando da Capital (PCC). Quatro faccionados foram presos após o assassinato.

Cerca de 30 foram mortos de janeiro a junho em Cáceres 

     Ao todo, conforme levantamentos da Polícia Militar, cerca de 30 pessoas foram assassinadas, desde o início do ano em Cáceres. Até no final do mês de março, a polícia já havia contabilizado 17 homicídios. De lá para cá, vários outros assassinados foram registrados.

     Os números foram apresentados no dia 25 de março, no plenário do Fórum da Comarca, pelo comandante-regional da Polícia Militar, em Cáceres, tenente-coronel, Óttoni César Castro Soares.

     Ele disse que “técnicos da Secretaria de Segurança avaliam a situação de Cáceres como “sui-gêneris”, pois nunca se prendeu tanto e os crimes acontecem. Foram 17 homicídios, de janeiro até agora” afirmou o comandante durante palestra com membros da sociedade civil.

Leia mais:   Deputados aprovam projeto que altera política de proteção da bacia pantaneira

     Conforme balando apresentado pelo comandante, de 1 de janeiro até ao dia 24 de março, menos de 3 meses, 361 pessoas foram presas, 24 armas de fogo retiradas de circulação, 161 pessoas presas em flagrante, 42 mandados de prisões cumpridos e ainda 12 veículos roubados recuperados. Disse que o número de roubos é de 42% e o de furto 25% menores que o mesmo período do ano passado.

     O oficial explicou que, em todo ano de 2021, foram registrados 42 homicídios nos 12 municípios que compõe a jurisdição do Batalhão PM de Cáceres. Enquanto que, somente no primeiro trimestre desde ano, já foram 17, apenas em Cáceres. Nos 11 municípios restantes foram registrados 7 neste ano, o que totaliza 24.

Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana