conecte-se conosco


Entretenimento

Vem aí a 7ª edição do Veste Rio

Publicado

Atenção, fashionistas: a 7ª edição do Veste Rio — a principal plataforma de moda do país realizada por Vogue em parceria com o a revista ELA — vem aí: de 24 a 28 de abril de 2019, o Píer Mauá vai sediar novamente a grande festa fashion.

No Salão de Negócios, grifes de todo o Brasil vão apresentar as coleções de primavera-verão 2020. E o concorrido outlet vai ter roupas de marcas badaladas com descontos de até 80%.

Na área de convivência, além da vista estonteante, o público vai poder se deliciar com as gostosuras dos food trucks. É a moda pedindo passagem e fomentando a economia da cidade.

+Veste Rio, inverno 2019: o desfile dos Novos Talentos
+Foi dada a largada: primeiro dia do Veste Rio traz moda e economia solidária
+Moda com propósito: Marcelo Von Trapp aposta no slow fashion

Veste Rio – 7ª edição

Salão de Negócios
24, 25 e 28 de abril
– 24 e 25 de abril: 10h às 20h
– 28 de abril: 10h às 18h

Leia mais:   Teatro Plenilúnio abre temporada de apresentações de 2021

Credenciamento de compradores pelo site:

https://www.vesterio.rio/    aba: Cadastro de compradores

Outlet
25, 26, 27 e 28 de abril
– 25 e 26 de abril: 12h às 21h
– 27 de abril: 10h às 21h
– 28 de abril: 10h às 19h

Veste Rio 2018 (Foto: Reginaldo Teixeira)
Veste Rio 2018 (Foto: Reginaldo Teixeira)

Curte o conteúdo da Vogue? Ele está no aplicativo Globo Mais. Nele você tem acesso a um conteúdo exclusivo em tempo real e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.

Vogue

Comentários Facebook

Cáceres e Região

LEI ALDIR BLANC: Banda de Cáceres lança performance audiovisual como ‘ensaio’ de seu primeiro álbum

Publicado

Assessoria
Enquanto o distanciamento social ainda é necessário, o audiovisual vem sendo aliado daqueles que anseiam por encontros proporcionados pela música. E é com o sentimento de saudade dos palcos que O Mormaço Severino entrega uma performance intimista, que reúne, em vídeo, seis das canções mais melódicas de seu extenso repertório autoral.

A partir desta quinta-feira (14), às 18h, o público poderá assistir a ‘Ensaio sobre a Cidade’ no canal do Youtube da banda pelo link: https://youtu.be/RkWPcWm8VzU.

O novo trabalho foi viabilizado com recursos da Lei Aldir Blanc, por meio de edital realizado pela Prefeitura Municipal de Cáceres, através da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura, e Governo Federal via Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Aliás, o conceito de “ensaio” cabe bem ao contexto, já que O Mormaço Severino prepara, após mais de uma década de trajetória, o tão esperado primeiro álbum de estúdio com incentivo da mesma lei – desta vez com projeto selecionado no edital MT Nascentes, da Secretaria de Estado de Cultura Esporte e Lazer (Secel).

“Estamos muito felizes por essas oportunidades, porque a banda está na luta há muitos anos. Nós que sempre falamos sobre a realidade da cidade de Cáceres e sabemos o quanto é difícil fazer música no interior, acreditamos ser muito importante que a Cultura do estado seja difundida para o maior número de pessoas possível”, destaca Janaina Lima, a Jheine, que imprime a potência de sua voz às canções da banda.

Leia mais:   LEI ALDIR BLANC: Banda de Cáceres lança performance audiovisual como 'ensaio' de seu primeiro álbum

Assim como o futuro trabalho de estúdio, ‘Ensaio sobre a cidade’ traz narrativas musicais tecidas em Cáceres, que falam sobre a cidade, seus habitantes e expõem as dores que atormentam as margens calmas do Rio Paraguai. Reflexo de uma juventude esquecida, mas que se reinventa juntamente com a “princesinha do Pantanal”.

Até a gravação de ‘Ensaio sobre a cidade’, O Mormaço não se encontrava em sua formação completa desde o início da pandemia da covid-19. Após lives ‘voz e violão’ em festivais online durante período de isolamento – e até um videoclipe de música inédita feita por emulação no celular -, a gravação do vídeo foi também uma forma de registrar os experimentos sonoros que resultam da união dos seis integrantes em ação.

O vídeo foi realizado no Espaço Bosque, em Cáceres, e tem realização da produtora audiovisual Cubo Mágico, capitaneada pelo cineasta Leandro Peska, que também vive na cidade. Foi seu olhar que possibilitou que O Mormaço Severino fosse capturado com detalhes, e sem artificialidades.

Leia mais:   Teatro Plenilúnio abre temporada de apresentações de 2021

“O Leandro realmente conseguiu captar o Mormaço em imagens. É puramente a banda, sem constrangimentos, com liberdade e em ação. Eu vejo o vídeo e consigo ver a gente ali”, adianta Rauni Vilasboas que, junto ao baixista Ronaldo Gonçalves, é fundador da banda e compositor das canções.

O Mormaço Severino

Voltada para músicas autorais e experimentações sonoras, O Mormaço Severino está na ativa desde 2009. A banda é composta por seis integrantes que fazem da música um instrumento de afirmação de suas identidades.

O Mormaço é Jheine Lima (voz), Rauni Vilasboas (letra e guitarra), Ronaldo Gonçalves (baixo), Diego Vicente (o Keka, teclado), Welington Fernandes (MC Fernandes, percussão) e Luis Guilherme (bateria). Musicalmente, mistura influências do blues, rock, baião, música folk mato-grossense e saranzo, com toques psicodélicos e letras ritmadas.

Em 2015, a banda se apresentou no IV Mato Rock de Músicas Autorais do Estado de MT, conquistando o 1º lugar na premiação. Depois disso, foram apresentações em Cáceres, Rondonópolis, Mirassol e Cuiabá, em festivais como Fipe, Cerrado Fuzz Festival, Cáceres Rock Festival, Ixpia O Festival, Sarau da Figueira e Sarau das artes Free.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas tocando instrumentos musicais, pessoas no palco e violão
A imagem pode conter: 1 pessoa, no palco
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas tocando instrumentos musicais e barba
A imagem pode conter: 1 pessoa
A imagem pode conter: Luis Guilherme, sentando, tocando um instrumento musical e barba

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Teatro Plenilúnio abre temporada de apresentações de 2021

Publicado

Assessoria

O ano de 2021 começou a todo vapor no campo das artes no município de Cáceres com apresentações de diversos projetos nos mais variados segmentos e linguagens artísticas. Por meio do Edital de Seleção Pública nº 01/2020 Cultura Cáceres, da prefeitura de Cáceres, através da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura (SMTC) houve o fomento à produção de inúmeros projetos para o setor, com os recursos da Lei Aldir Blanc. É sempre bom lembrar que o setor artístico foi um dos primeiros a parar as atividades com o início da pandemia, que assola o mundo desde o início do ano passado, e ganhou um respiro com a aprovação da lei emergencial para o setor, possibilitando a continuação das atividades de pesquisa e produção artísticas no país.

O Teatro Plenilúnio, grupo de pesquisa e estudo das artes da cena, da cidade de Cáceres, como todos os artistas do mundo, precisou se reinventar nesse período e foi descobrindo as novas formas do fazer teatral. Descobriu os recursos das plataformas digitais fazendo cursos e dialogando com outros colegas e principalmente experimentando coisas e modos de expressar sua arte. Desse processo surgiram apresentações de teatro, performances, vídeo performances que fazem parte do repertório da trupe de teatreiros e podem ser conferidas esta semana a partir do dia 13.

A programação se inicia com a participação no Projeto Live Cênica com a apresentação de dois trabalhos. No dia 13 (quarta), o ator Ismael Diniz traz para a cena, da obra de Nelson Rodrigues, Para sempre fiel, a história de um homem que não acreditava na fidelidade. Utilizando uma mistura de linguagens, o ator apresenta as relações conturbadas de um casal que entra em conflito pelos pontos de vista antagônicos sobre a vida a dois, levando a mocinha ao extremo para provar sua fidelidade. Um clássico de Edgar Alan Poe é apresentado na quinta (14) pelo ator Luis Guilherme, trata-se da montagem de Coração delator, uma narrativa de suspense sobre um velho adoentado e os delírios de seu cuidador, que ao cometer um crime é perseguido pelas batidas de um coração denunciador. As apresentações acontecem sempre às 18horas (horário local), pelo Instagram de cada artista.

Leia mais:   LEI ALDIR BLANC: Banda de Cáceres lança performance audiovisual como 'ensaio' de seu primeiro álbum

A participação no Projeto Monólogos: arte contemporânea em solo cacerense acontece de 15 a 17, às 20 horas (horário local), também pelo Instagram, no perfil oficial da mostra @monologosarte. O Teatro Plenilúnio traz a cena os espetáculos O pirotécnico Zacarias (15­), Quarto de despejo (16) e encerra com uma palestra perfomativa sobre Coração delator (17). Pirotécnico Zacarias é uma narrativa fantástica, adaptada da obra de Murilo Rubião, encenada pelo ator Gabriel Ferreira, que conta a história de um homem após um atropelamento e sua nova condição no mundo. Alessandra Mellyssa, discute em Quarto de despejo a situação de Carolina Maria de Jesus, escritora, negra, favelada, mulher, mãe. A atriz apresenta cenas do cotidiano dessa importante escritora do Brasil, suas angústias, frustações e felicidades num Brasil preconceituoso e racista. Encerrando a participação na mostra, o ator Luis Guilherme, conversa com o público sobre o processo de montagem de uma cena teatral na pandemia. Explana como foi feita a adaptação do texto, a criação da personagem, ensaios, criação de luz e som dentro do seu próprio quarto. A discussão é pontuada com cenas da peça Coração delator.

Leia mais:   Teatro Plenilúnio abre temporada de apresentações de 2021

Nos dias 15 e 16 as apresentações são voltadas a música e a poesia da nossa cidade. O diretor Luciano Paullo apresenta seu híbrido de teatro, vídeo e música em Sinestesia do Mato – poesia de se ver, às 19 horas, em seu canal do YouTube (abre.ai/sinestesiadomato). Em uma espécie de minidocumentário, o trabalho apresenta autores contemporâneos de poesia de Mato Grosso, em especial da cidade de Cáceres, que contam suas trajetórias e tem seus textos encenados pelos atores Ludymilla Landes, Well Oliveira e Luciano Paullo.

No dia 16, às 16 horas (MT), é a vez da obra do imortal Natalino Ferreira Mendes e da música autoral cacerense surgirem no Sarau Pantaneiro 2.0, com Gabriel Ferreira, Ismael Diniz, Luis Guilherme e Pedro Garcia. Os atores e músicos cantam e declamam as vozes cacerenses, tanto pelos poemas quanto pelas músicas, num formato muito comum da cidade, o sarau. Você pode conferir o trabalho no perfil do Instagram do projeto @saraupantaneiro.

Um fim de semana cheio de arte e cultura na nossa cidade. Evoé!

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana