conecte-se conosco


Destaque

Vaga de Selma atrai 27 pré-candidatos em MT

Publicado

Dezenove partidos políticos com 27 pré-candidaturas já podem iniciar as articulações de maneira precisa e viabilizar os seus projetos eleitorais para a eleição suplementar ao Senado. Isso porque o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso aprovou nesta quarta-feira (22) a resolução que definiu o calendário eleitoral para a disputa do dia 26 de abril deste ano.

As legendas terão que realizar as suas convenções partidárias para a escolha de seus candidatos e coligações entre o dia 10 e 12 de março. Para participar, o partido político terá que estar registrado no TSE, no mínimo, até o dia 26 de outubro de 2018.

Já em relação às contas anuais, a sigla deverá estar em dia até a data das convenções. Já os candidatos terão que ter no mínimo, 6 meses de filiação partidária e 35 anos de idade. Aqueles que ocupam cargos poderão se desincompatibilizar até 24 horas após as convenções partidárias que definirem a candidatura. O 17 de março será a última chance para que os candidatos realizem o registro da candidatura junto ao TRE.

No dia seguinte, 18 de março, terá início a propaganda eleitoral. Já no dia 21 de março, começa propaganda eleitoral gratuita nas TVs e rádios. No dia 25 de abril termina o prazo para as propagadas eleitorais com alto falantes, e dia 26 de abril a eleição suplementar.

O presidente do TRE, desembargador Gilberto Giraldelli, voltou a chamar a atenção para o prazo que os eleitores com títulos cancelados têm para regularizar para votar na eleição suplementar de Senado. “O eleitor com título cancelado terá até o dia 21 de fevereiro. Estamos estabelecendo 60 dias antes da eleição para essa regularização”, disse. Conforme A Gazeta revelou, 572.887 mil eleitores estão com os títulos cancelados no Estado, o que representa 20% do eleitorado mato-grossense.

Leia mais:   Convenções partidárias definem nesta quarta-feira os candidatos que concorrem a sucessão de Francis em novembro em Cáceres

Já para a eleição de outubro, o prazo para que o eleitor regularize sua situação perante a Justiça Eleitoral é até o dia 5 de maio. Desde que o TSE confirmou a cassação de Selma Arruda e a convocação de novas eleições em dezembro passado, partidos e políticos se apresentam para a disputa. Só no governo do Estado, existem 3 que querem disputar a vaga. O vice-governador Otaviano Pivetta (PDT), o chefe do Escritório de Representação de Mato Grosso (Ermat) em Brasília, Carlos Fávaro (PSD) e a superintendente do Procon, Gisela Simona (Pros). Os representantes do agronegócio também se apresentaram para a disputa, chegando a 5 pré-candidaturas.

Além de Pivetta e Fávaro, que são do setor, ainda existem o deputado federal Neri Geller (PP), o ex-deputado Nilson Leitão (PSDB) e o presidente da Aprosoja, Antônio Galvan (PDT). Dos candidatos derrotados na eleição de 2018, Fávaro, Leitão, a ex-reitora da UFMT Maria Lúcia (PCdoB) e Waldir Caldas (Novo), tentarão disputar novamente a vaga. Já a base do governo Mauro Mendes, também haverá disputa. Além do PDT, PSD e PP, que já apresentaram seus nomes, o MDB decidiu entrar na briga com o nome do presidente da sigla, deputado Carlos Bezerra (MDB).

Leia mais:   Cáceres terá maior número de candidatos da história; cinco irão disputar a sucessão de Francis em novembro

Já a oposição, PT, PCdoB, buscam unificar os partidos de esquerda em uma única chapa. Enquanto os comunistas mantém a candidatura de Maria Lúcia, os petistas ainda não definiram entre o deputado Lúdio Cabral (PT) e o ex-deputado Carlos Abicalil. Já as siglas alinhadas com o presidente Jair Bolsonaro tem 3 nomes: Os dos deputados José Medeiros (Podemos), e Nelson Barbudo e Sílvio Fávero, ambos do PSL.

A juíza aposentada Selma Arruda (Podemos), e seus suplentes, Gilberto Possamai (PSL) e Clérie Fabiana (PSL), foram cassados em decisão de dezembro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), por 6 votos a 1. A corte concluiu que houve abuso de poder econômico e captação ilícita de recursos durante a campanha de 2018.

Folha Max

Comentários Facebook

Destaque

Grupo Investidor Centro Oeste realiza audiências publicas para implantação do Terminal Paratudal no rio Paraguai

Publicado

Quatro audiências públicas – três prévias nos dias 6, 13 e 20 de outubro – e uma principal no dia 29 do mesmo mês, irão debater, junto à população, a implantação do Terminal Portuário Paratudal, no rio Paraguai, em Cáceres. Serão debatidos, de forma virtual, para evitar aglomeração, em razão da pandemia do novo coronavirus, vários aspectos do empreendimento, principalmente, questões ambientais, estruturais e logísticas.

Localizado à margem esquerda do rio Paraguai, a cerca de 100 quilômetros de Cáceres, o Terminal Portuário Paratudal, pertencente ao Grupo Investidor do Centro Oeste. A proposta de acordo com a empresa é “integrar o rio Paraguai em Cáceres e região, preservando o rio que já está integrado”.

Conforme a direção, a empresa de navegação e o Terminal Portuário Paraíso localizado no distrito de Porto Esperança em Corumbá/MS, formam a estrutura apropriada para transportar as riquezas da região pelo rio Paraguai. E, que  com os estudos e técnicos e científico já realizados “ se pode afirmar que os comboios que transportarão as cargas originadas ou destinadas ao Terminal Portuário Paratudal estarão adaptadas ao Rio Paraguai e não o oposto disto”.

Veja abaixo informações detalhadas sobre o terminal 

Com a publicação no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso – no último dia 15/09/2020 do edital de convocação para audiência publica do Estudo de Impacto Ambiental-EIA/RIMA do Terminal Portuário Paratudal, se consagrou um longo caminho de muita persistência para a implantação do empreendimento em Cáceres. O evento foi programado pela SEMA para o dia 29/10/2020 com inicio às 9h0 e término às 13h.

Essa programação só foi possível devido aprovação pelo CONSEMA da Resolução 20/2020 que altera a Resolução 62/2010 que versa sobre os critérios de realização de Audiência Publica para fins de licenciamento ambiental.

O ponto principal aprovado nesta nova resolução foi a realização de audiências publicas virtuais, considerando o estado de calamidade pública decorrente do coronavírus (COVID-19), reconhecido nos Decretos Federal, Estadual e Municipal, assim como a necessidade de continuidade do licenciamento ambiental de empreendimentos que tramitam na Secretaria de Estado de Meio Ambiente sujeitos ao Estudo de Impacto Ambiental – EIA/RIMA e também a evolução atual dos recursos de tecnologia da informação e da possibilidade de realização das sessões plenárias virtuais, por videoconferência.

Leia mais:   Baixa umidade do ar é mais prejudicial para pessoas com problemas respiratórios, alerta médica

Essa modalidade de audiência publica virtual já é empregado em outros estados com sucesso como o Rio de Janeiro, até mesmo porque nos moldes da audiência publica presencial é vedada pela legislação a limitação de participantes na audiência pública, o que contraria todas as normativas de biossegurança aprovadas.

Já na plataforma virtual toda a população interessada em participar poderá fazê-lo com segurança no conforto de seus lares. Todo o material de divulgação do EIA/RIMA assim como todas as instruções de participação estão disponíveis no site www.audienciapublicaparatudal.com.br e nas diversas redes sociais.

O processo de confecção do EIA/RIMA 

Conforme relato do empreendedor, o tramite para licenciamento ambiental do Terminal Portuário Paratudal iniciou-se em fevereiro de 2015. Foram tomados todos os cuidados para solidificar legalmente os entendimentos de competência do licenciamento ambiental e, somente em 2017 o empreendimento obteve da SEMA-MT o Termo de Referencia com critérios para a realização dos estudos de impactos ambientais.

Desde então foram realizados todos os programas de estudos, dentro da área do empreendimento, cumprindo rigorosamente o que indicava o robusto Termo de Referencia. Assim em dezembro de 2019, depois de varias campanhas de levantamentos no local do empreendimento e dados científicos secundários ficou pronto o EIA/RIMA do Terminal Portuário Paratudal e protocolo na SEMA-MT.

Paralelamente ao processo de licenciamento ambiental, o empreendimento realizou os estudos de arqueologia e patrimônio cultural, requeridos para o licenciamento do empreendimento com base na emissão do Termo de Referência pelo IPHAN. Após realização de extensa pesquisa de campo na área do empreendimento, foi elaborado o Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico e após avaliação do IPHAN, foi autorizada a Licença Previa.

Ainda paralelo ao licenciamento ambiental, o empreendimento realizou todos os processos de licenciamento, outorgas e autorizações junto às autoridades diversas, como Secretaria Nacional de Portos e Transporte Aquaviário-SNPTA, ANTAQ, MARINHA, Receita Federal, Poder Executivo Municipal, ANA e SPU.

Também conjuntamente ao EIA/RIMA, visando atender os critérios de efeitos sinérgicos e cumulativos tratados no TR, o empreendedor promoveu um grande estudo técnico e cientifico ao junto ao Instituto de Pesquisa Tecnológica-IPT, para dimensionar um projeto de navegação adaptado às condições naturais de navegação do Rio Paraguai no Tramo Norte entre o Terminal Portuário Paratudal e Corumbá-MS.

Leia mais:   Laboratório São Matheus investe em tecnologia de ponta e um sistema totalmente automatizado

Assim hoje se pode afirmar categoricamente os comboios que transportarão as cargas originadas ou destinadas ao Terminal Portuário Paratudal estarão adaptadas ao Rio Paraguai e não o oposto disto.

Audiências Prévias 

Cumprindo com o compromisso de transparência e com o intuito de melhor explicar o projeto e apresentar os diversos estudos, o empreendedor convida a todos e todas para participar das audiências previas que serão disponibilizadas antes da Audiência Publica Oficial, exigida pela legislação. Na primeira audiência previa o projeto será detalhadamente explicado e nas demais será detalhado os estudos efetuados. No site da Audiência Publica Paratudal está toda a programação e a forma de participação.

Impactos Ambientais 

Com o intuito de mitigar ou minimizar os impactos ambientais que possivelmente ocorrerão diretamente com a implantação do empreendimento, bem como os efeitos cumulativos e sinérgicos, o Estudo de Impacto Ambiental em questão apresenta as medidas mitigadoras, compensatórias e Programas Ambientais a serem adotados.

As medidas e Programas Ambientais devem ser abordados de forma mais detalhada em relatório de planos básicos ambientais, a fim de especificar as atividades, prazos, cronogramas e responsáveis. Todos os Planos e programas encontram-se detalhados nos volumes do EIA-RIMA.

Os efeitos sinérgicos do Empreendimento 

A Princesinha do rio Paraguai pede (e merece) mais uma alternativa de acesso ao mundo! A proposta é integrar o rio Paraguai a Cáceres e região preservando o rio Paraguai que já está integrado! O Terminal Portuário Paratudal, a empresa de navegação e o Terminal Portuário Paraíso localizado no distrito de Porto Esperança no Município de Corumbá/MS formam a estrutura proposta para transportar as riquezas da região pelo rio Paraguai.

A empresa de origem genuinamente brasileira e pantaneira está instalada em Cáceres e Corumbá e vai convidar nossa gente para tripular os navios, operar os terminais e atuar nos serviços complementares como o transporte rodoviário local. Tem um caminhão? Pode participar do transporte local trazendo cargas ao terminal. Tem empresa de comercio ou de serviços? Pode atuar em suprimentos ou serviços complementares! Quer trabalhar e não sabe? O empreendimento promoverá o treinaremos e capacitação.

Enfim, o Terminal Portuário Paratudal compõe uma alternativa proposta para o desenvolvimento de Cáceres e região, cuidadosamente pensada, projetada e adaptada às condições naturais do rio Paraguai.

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Queimadas e seca do rio Paraguai levam prefeitura de Cáceres decretar situação de emergência

Publicado

A Prefeitura de Cáceres, um dos municípios mato-grossenses que abrangem o Pantanal, decretou situação de emergência em decorrência das queimadas na região causada pelo baixo volume de chuvas dos últimos meses.
Uma das áreas atingidas pelas chamas no município é a Estação Ecológica de Taiamã, uma unidade de conservação no Pantanal. O incêndio no Pantanal começou em julho e as chamas se alastraram, com o vento e o tempo seco, consumindo até agora mais de 2,9 milhões de hectares na região.
Outro problema grave é que a cidade é abastecida pela água do Rio Paraguai, que enfrenta a maior seca dos últimos anos.
De acordo com o prefeito Francis Maris, foram queimadas pontes, cercas, além de muitos animais que morreram queimado e outros danos nas propriedades rurais.
O decreto foi encaminhado para o governo do estado e Defesa Civil para homologação. O prefeito afirmou que, se for homologado e o município receber ajuda financeira, serão adquiridos mais caminhões-pipa e equipamentos usados no combate a incêndio.
Dos 24.593 km quadrados de extensão que o município possui, 60% fica no Pantanal e a maior parte dessa área foi atingida pelos incêndios.
Leia mais:   TCE-MT aponta que 2,1 mil servidores receberam indevidamente a 1ª parcela do auxílio emergencial em MT
O decreto do dia 9 de setembro argumenta que Cáceres apresenta tem alto índice de calor, sendo considerado um dos recordistas dentre os municípios do país.
De acordo com o decreto, os focos de calor geram grande prejuízos públicos e econômicos levando a população a perecer mediante e perante grandes incêndios.
O coordenador de Proteção e Defesa Civil de Cáceres, Orisvaldo José da Silva, afirmou que, com o decreto, o município poderá receber recurso do governo federal para ajudar no plano de ação.
O Rio Paraguai atingiu nesta semana o nível fluvial mais baixo registrado pela Agência Fluvial da Marinha nos últimos anos, de 58 centímetros.
Em comparação ao mesmo período do ano passado, o nível de água está bem mais baixo. No dia 15 de setembro do ano passado, o índice era de 86 centímetros, uma diferença era 30 centímetros.
Na cheia, em março deste ano, o nível chegou a 4,4 metros, o maior nível deste ano.
Do G 1 MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana