conecte-se conosco


Cáceres e Região

Vacinação contra gripe é fundamental para indústria; entenda motivos

Publicado

A vacinação contra a gripe é uma das medidas mais efetivas na prevenção da doença. É válido lembrar que, em casos mais severos, a gripe pode levar à morte. Dados da Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde indicam que de janeiro a julho de 2018, 839 pessoas morreram pela doença no Brasil.

Nos primeiros meses de 2019, conforme dados da coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), foram notificados 35 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com três óbitos, sendo que desses casos, um foi confirmado como Influenza A H1N1.

Exatamente por isso, o Serviço Social da Indústria em Mato Grosso (SESI-MT) realiza anualmente sua campanha junto à indústria. “A vacinação é o principal controle da doença e, claro, de possíveis epidemias. O papel da indústria, portanto, é de uma grande responsabilidade social, já que não apenas vacina seus trabalhadores, mas também os conscientiza e desmistifica informações relacionadas ao tema”, explica o médico do Trabalho, Ediney Espinola da Costa.

Dentre os mitos mais comuns, lembra o médico, o de que vacinar causa gripe é o mais ouvido. “É o que chamamos de senso comum, supostas informações propagadas que não são verdadeiras. Em primeiro lugar, é preciso lembrar que a vacina pode levar até 15 dias para começar seu papel de imunização. Outro ponto é que, em algumas pessoas, pode haver sintomas como inflamação no local da aplicação, febre baixa, dor no braço em que foi aplicado e resfriado. Além disso, uma das hipóteses de que a vacina “dá gripe” é que a pessoa já pode estar com um resfriado em vias de piorar e acaba relacionando-o à vacinação”.

Leia mais:   Dona de casa de Pontes e Lacerda morre por coronavirus no Hospital São Luiz

Informação é “remédio”

Para casos como esses, a informação (aliada à vacinação) é sempre o melhor remédio. É o caso da Votorantim Cimentos, na planta localizada no Distrito de Aguaçu, em Mato Grosso. Desde que o local foi inaugurado, em 2012, a indústria adquire as vacinas do SESI-MT. “Nós temos 163 funcionários e a adesão à campanha de vacinação é de 100%”, informa Kelly Regina de Araújo Viana, dos Recursos Humanos da Votorantim.

O índice alto de vacinação, conforme a funcionária, se deve às campanhas de conscientização feitas internamente ao longo do ano, bem como palestras. “Nestas encontros, nossos trabalhadores podem sanar dúvidas conosco e também com nosso médico do trabalho”, completa Kelly.

A vacina

A vacina do SESI-MT é quadrivalente, ou seja, imuniza contra os quatro principais subtipos da doença atualmente em circulação. Entre eles, está o H1N1.

No caso da indústria, há preços especiais. Enquanto uma dose da vacina costuma sair por R$ 90,00 para a comunidade em geral, os descontos para indústria podem chegar até R$ 40,00. Confira o quadro abaixo.

Leia mais:   REGIÃO OESTE Com aumento dos casos de coronavírus, deputado comemora novos investimentos do Governo
Indústria (Empregados) R$ 50,00
Industria contribuinte SESI e adimplente (Empregados) R$ 45,00
Estabelecimento associado ao sindicato da indústria e adimplente com as contribuições (Empregados) R$ 45,00
Indústria contribuinte SESI, associada ao sindicato da indústria e adimplente com as contribuições confederativa e sindical (Empregados) R$ 40,00

Informações

Para mais informações sobre a aquisição das vacinas, ligue no 0800 642 1600.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Em mensagem de despedida, Marcinho diz que Adriano deixa um legado de idealismo e perseverança

Publicado

A partida prematura do nosso amigo e companheiro Adriano Silva irá proporcionar uma lacuna, não impossível, mas muito difícil de ser preenchida nos meios socais, familiares e políticos, em Cáceres.

Idealista, o professor e ex-reitor da nossa Unemat, Adriano deixa ao povo mato-grossense, um legado de homem público honesto e justo.

A população, as autoridades, mas principalmente, a comunidade acadêmica, certamente, reconhecerá, para sempre, a realização do seu grande sonho de tornar realidade os cursos de Direito e Medicina da instituição.

Mas, não foram só isso, Adriano será lembrado pela sua perseverança, nos meios políticos. O desejo de ajudar no desenvolvimento de sua cidade natal, fez com que ele pleiteasse galgar passos largos no cenário político.

Embora, não tenha obtido sucesso, nos pleitos que disputou, Adriano jamais desistiu em se perseverar. A sua bandeira era estar presente; era somar; era defender os interesses de Cáceres.

O povo mato-grossense, mas, em especial, o cacerense, o terá para sempre no coração e na memória como um grande homem, pai, companheiro, profissional e amigo.

Leia mais:   Meu filho estava na hora errada e no lugar errado, diz mãe de soldado que dirigia o veículo envolvido no acidente

Que Deus conforte a família.

Marcinho Lacerda!

Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

OMS decide retomar pesquisas com cloroquina

Publicado

METROPOLES

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, nesta quinta-feira (04/06), que a entidade vai retomar as pesquisas com cloroquina e hidroxicloroquina contra o coronavírus. Tedros Adhanim Ghebreyesus explicou que o Comitê de Segurança e Monitoramento do ensaio clínico Solidaridade revisou os dados e decidiu manter o protocolo original do estudo.

O trabalho havia sido suspenso na semana passada depois que os resultados de uma pesquisa com 96 mil pacientes foram publicados na revista científica The Lancet. Segundo os pesquisadores, o medicamento não tinha eficácia contra a Covid-19 e aumentava o risco de arritmia cardíaca e morte.

Porém, nesta segunda (02/06), a publicação científica anunciou em editorial que os resultados passariam por auditoria e que os editores estariam “preocupados”.

Nos bastidores, governo admite que novo protocolo da cloroquina “fracassou”. Mais de 3.500 pacientes em 35 países farão parte do ensaio clínico da OMS. Segundo Soumya Swaminathan, cientista-chefe da entidade, não há evidência de que qualquer remédio diminua a mortalidade em pacientes com coronavírus.

Ela reforçou que a OMS não está fazendo uma recomendação acerca do uso da medicação, e sim autorizando investigações para descobrir se a cloroquina funciona ou não contra a doença.

Comentários Facebook
Leia mais:   Meu filho estava na hora errada e no lugar errado, diz mãe de soldado que dirigia o veículo envolvido no acidente
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana