conecte-se conosco


Destaque

TRE estima gastar R$ 9 milhões em eleição suplementar para o Senado

Publicado

Gazeta Digital

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso, Gilberto Giraldelli, afirmou que a convocação de uma nova eleição para o Senado só será feita após a publicação do acórdão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que confirmou a cassação de Selma Arruda (Pode) por 6 votos a 1.

De acordo com o desembargador, após a publicação oficial do resultado, o TRE terá que realizar as eleições em até 90 dias. “O tempo de campanha tem que ser realizado dentro desses 90 dias , é isso que foi estabelecido dentro dessa resolução que disciplina a eleição suplementar, a partir do recebimento agora nós vamos nos reunir e fazer uma trajetória de todos esses atos e também para as campanhas que vão ser menores evidentemente que tem que ser mais rápido”, disse Giraldelli em coletiva a imprensa desta quarta-feira (11).

Giraldelli ainda acredita que o custo da eleição suplementar deverá ficar torno de R$ 9 milhões e que o recurso extra será disponibilizado pelo próprio TSE. Porém, não descarta que os gastos sejam cobrados de Selma Arruda e seus suplentes.

Leia mais:   Dr. Leonardo fiscaliza Porto de Cáceres e comemora celeridade nas obras

Isso porque a Justiça Eleitoral possui um convênio com a Advocacia Geral da União (AGU) que poderá responsabilizar Selma pelos custos da eleição suplementar.

“A partir do momento que o Tribunal Regional Eleitoral realizará as eleições, que tiver uma descrição dos custos da realização da eleição, nós remetemos as informação para o Tribunal Superior Eleitoral que em seguida faz esse contato com a AGU, que ao receber o comprovante todas as despesas e entender necessário ingressar com uma ação na justiça e buscar esse ressarcimento, fará na justiça federal”, explicou.

Datas

De acordo com resolução do próprio TSE, existem datas estabelecidas para a realização de eleição suplementar. A portaria nº 821 de 22 de outubro de 2019 estabelece que as datas que seriam possíveis para a realização das eleições suplementares para um ano de 2020 são de 12 de janeiro, 2 de Fevereiro, 8 de Março, 26 de abril, 10 de maio e 21 de junho.

Selma Arruda

Na noite de terça-feira (10), por 6 votos a 1, o TSE decidiu manter a cassação da senadora, com encaminhamento de uma nova eleição para a vaga do Senado, tendo em vista que a chapa da ex-juíza (senadora e suplentes) foi cassada.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Fieis que participam de ações religiosas na Catedral correm risco de serem infectados por fungos de pombos

Publicado

Centenas ou até milhares de fieis que participam de missas e demais celebrações religiosas, semanalmente, na Catedral São Luiz, no centro da cidade, em Cáceres, correm o risco de serem infectados por fungos que se proliferam em fezes de pombos. Considerada uma das mais antigas e tradicionais do Estado, a Igreja está infestada desses animais que se aninham nos aposentos, principalmente, da parte alta do prédio. Embora de menor gravidade, a situação do Colégio Imaculada Conceição não deixa de preocupante.

Os pombos são atraídos no local por causa dos alimentos, principalmente, restos de milho de pipoca que são jogados por frequentadores da Praça Barão do Rio Branco. Vale lembrar que os pombos não devem ser mortos, apenas controlados, já que têm importância ambiental assim como outras aves.

Acostumados e convivendo com grande número de pessoas na praça, em Cáceres, eles permitem a aproximação, aumentando ainda mais o risco de infestação. Infectologistas afirmam que, as fezes ressecadas dos pombos, se espalham pelo vento, podendo ser inaladas, causando uma série de doenças. Entre elas: histoplasmose, que pode dar doenças pulmonares; salmonelose, que pode dar distúrbios gastrointestinais; além de dermatites e alergias.

Funcionários confidenciaram que muitos fiéis estão deixando de frequentar as celebrações na parte do fundo da Igreja ao lado da Praça Barão do Rio Branco. Essa parte do prédio, segundo eles, fica exatamente, em baixo do local, de maior concentração dos ninhos. “Nessa parte da igreja ficam os ninhos e caem muitos pelos e cocôs dos pombos. Muitos evitam assistir as celebrações ali” diz uma funcionária afirmando que a direção da paroquia já fez de tudo para afugentar os bichos mais ainda não conseguiu.

Outra conta que, de manhã cedo, quando se abre a porta da Igreja “sai uma nuvem de pombas” e que por isso, todos os dias têm que se fazer uma limpeza geral no local devido ao grande volume de penas, pelos e cocôs das aves.

Embora de menor gravidade, a situação do Colégio Imaculada Conceição, o “Colégio das Irmãs” não deixa de ser preocupante. De acordo com a direção da escola, os pombos que habitam na praça, não entram nas salas de aula, mas usam os furos dos tijolos “elemento vasado” das paredes para descansar e fazer ninho. Contudo, após o “recreio” eles pousam no pátio do prédio para se alimentarem de restos de merenda deixada pelos alunos.

Leia mais:   Candidaturas ao Senado devem ser registradas até 17 de março no TRE-MT

Assim como os funcionários da Catedral São Luiz, a diretora do CIC, irmã Leila Cardoso, diz que tem feito de tudo para solucionar o problema dos pombos. Afirma que, além de limpeza especializada nas paredes do colégio, todos os anos, encomendou um projeto de revitalização da fachada do prédio, que consiste, principalmente, na mudança dos tijolos, para evitar que os pombos de acomodem e façam ninho no local. E, ainda com a elevação dos aparelhos de ar condicionado para cima do telhado.

“Já fizemos de tudo para resolver o problema dos pombos. Agora estamos com esse projeto de revitalização da estrutura, principalmente da fachada do prédio, sob análise do IPHAN que, espero resolva a situação” diz a diretora.

Gavião para afugentar pombos

A irmã Leila lembra um fato, no mínimo, pitoresco para correr com os pombos do colégio. Diz que, há alguns anos, foi informada por uma amiga que, a existência de um gavião no local afugentaria as aves. Ficou imaginando e indagando onde encontraria um gavião. E, um dia, foi informada que, um sitiante em Cuiabá, tinha um gavião pra vender. Conta que, conversou com umas professoras da escola e decidiu ir ao sitio para comprar a ave.

Lembra que o sitio era em uma estrada de terra, a cerca de 80 quilômetros do centro de Cuiabá. E, lá chegando logo avistou o gavião em uma árvore. Indagou se estava a venda e o proprietário disse que sim. E, logo fechou o negócio. Ela não revelou quando pagou, disse apenas que foi uma quantia razoável. Disse que na viagem de volta pensava otimista que dessa vez, resolveria o problema. Chegando ao colégio, mostrou o gavião as outras irmãs e logo o colocou em um local próximo onde assentava os pombos.

Diz que nos primeiros dias o “serviço” deu resultado. Porém, conta que uma semana depois, estava em uma reunião quando uma professora a chamou para ver uma situação inusitada. Saiu da sala para e se surpreendeu com o que viu: o gavião havia virado amigo e estava pastando no meio das pombas. Inconformada ordenou que corressem com as pombas e o gavião da escola.

Leia mais:   Vaga de Selma atrai 27 pré-candidatos em MT

Tapar nariz e boca quando o pombo bate asas não é suficiente

Há algum tempo passou a circular pelas redes sociais, um material que traz um alerta sobre o perigo de transmissão de doenças pelo pombo. Na mensagem afirma-se que para evitar o contágio é preciso tapar o nariz e a boca quando o pombo bater as asas, a fim de evitar a inalação do fungo. Entretanto, Paulo Behar, médico do Serviço de Infectologia, explica que essa medida de proteção não é eficiente.

“O fungo está presente no intestino dos pombos, ou seja, também está nas fezes. Quando depositadas na natureza, com sol, chuva e vento, elas se dissolvem, fazendo com que o fungo viaje pelo ar e seja respirado, chegando até o pulmão e, de lá, podendo ir para o cérebro. A transmissão, então, não é direta do pombo para a pessoa. Tapar o nariz quando eles batem asas não faz a menor diferença, já que o fungo está espalhado e entramos em contato com ele com frequência”

Explica que, mesmo com o fungo bastante espalhado, existem poucos casos dessa doença porque ela costuma ocorrer em pessoas que estão com a imunidade baixa. O nosso organismo consegue, naturalmente, não se deixar adoecer ao entrar em contato com o fungo. Para que ocorra, é preciso que exista um déficit de imunidade, como diabetes, uso de medicamentos corticoides e quimioterápicos, por exemplo, ou infecção pelo HIV avançada.

Resumindo, é verdade que o animal transmite a doença, mas tapar o nariz e a boca quando eles batem as asas não é uma proteção eficiente. Segundo o Ministério da Saúde, não existem medidas preventivas específicas. Recomenda-se a utilização de equipamento de proteção individual, sobretudo de máscaras, na limpeza de galpões onde há criação de aves ou aglomerado de pombos.

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Dr. Leonardo fiscaliza Porto de Cáceres e comemora celeridade nas obras

Publicado

Entusiasta do transporte aquaviário como forma de desenvolver economicamente e gerar empregos na Região Sudoeste de Mato Grosso, deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT) fiscalizou as obras do Porto Fluvial de Cáceres, nesta quinta-feira (23.01). Para o parlamentar, o Porto conectado à Hidrovia Paraguai-Paraná em pleno funcionamento pode mudar o futuro econômico de toda região.

“Essa é uma luta antiga para nós da região. O Porto Fluvial de Cáceres em atividade representa mais emprego e mais renda. Desde meu mandato de deputado estadual, luto para retomar esse sonho. No Governo passado, houve um primeiro passo para a concretização. Subimos mais um degrau e a Associação Pró Hidrovia do Rio Paraguai (APH) retomou as obras”, afirmou Dr. Leonardo.

O parlamentar se reuniu com o presidente da APH, Reck Júnior, o qual explicou que o investimento previsto é de R$ 1,5 milhão para recuperação da estrutura física, equipamentos, e demais adequações necessárias.  A previsão é que em seis meses seja possível voltar a usar o transporte aquaviário para escoamento da produção.

Leia mais:   Dr. Leonardo fiscaliza Porto de Cáceres e comemora celeridade nas obras

“Estou aqui, apoiando e cumprindo o meu papel de fiscalizar essa importante obra. Estamos bastante confiantes nesse novo momento. Seguimos trabalhando para fazer de Cáceres e Mato Grosso uma terra rica em oportunidades para as pessoas”, disse o parlamentar.

Histórico da Obra – O Porto Fluvial de Cáceres é delegado pela União para a administração pela Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat) desde 1998. Por meio da hidrovia Paraguai-Paraná, o porto beneficiará municípios das regiões oeste e sudoeste do estado. Dos 3.442 quilômetros da rota aquaviária, 890 quilômetros ficam dentro do Brasil, passando por Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A hidrovia passa ainda pela Bolívia, Paraguai, e Argentina.

Em 2017, o Governo do Estado firmou um termo de cooperação com a Associação Pró-Hidrovia (APH), formada por produtores rurais da região Oeste. O objetivo era recuperar a viabilidade do porto, que estava praticamente “abandonado” num termo de cessão com a Docas Brasil. Em 2019, a Metamat firmou um acordo de cooperação com a APH para a retomada das atividades do Porto Fluvial de Cáceres.

Jardel P. Arruda
Assessoria de Imprensa
Deputado Dr. Leonardo
(65) 99267 9309
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana