conecte-se conosco


Destaque

Torço, mas duvido que porto volte a funcionar em 6 meses, diz Francis

Publicado

Autoridades de Cáceres veem com ceticismo a promessa feita pelo governador Mauro Mendes (DEM) de que, o porto fluvial do município, entre em operação no primeiro semestre de 2020. “Eu torço para que dê certo, mas duvido que entre em funcionamento em seis meses. A Associação Pró-Hidrovia do Rio Paraguai (APH), empresa qual o governo do Estado confiará o trabalho não tem expertise e tampouco “know-how” para a atividade” diz o prefeito Francis Maris Cruz (PSDB).

Parta justificar a descrença Francis apresentou a reportagem do Jornal Expressão cópia do Acordo de Cooperação nº 001/2016, assinado no dia 25 de outubro de 2016 pelo governo do Estado, através da Metamat e a Associação Pró-hidrovia do Rio Paraguai (APH) confirmando o período e o vencimento do acordo e que hoje, depois de três anos nada, aparentemente, foi feito pela APH.

A cláusula 5ª do acordo diz que: “A vigência do instrumento seria de 12 meses a contar da data da assinatura (25/10/ 2016) podendo ser prorrogado por períodos iguais e sucessivos desde que devidamente justificado e anterior ao término da vigência”. E, acrescenta: “Como se vê, o acordo diz que poderia ser prorrogado desde que fosse justificada a razão e anterior ao término da vigência. O prazo de vigência venceu, nada foi feito no porto, e não temos informação alguma sob justificativa”.

Leia mais:   Francis diz que sua administração foi a mais humana e Eliene está sendo usada pela oposição

O prefeito também questiona a informação de que a atual gestão do governo do Estado “renovou a parceria” ou Acordo de Cooperação com a Associação Pró-Hidrovia para que o grupo conclua a reforma do local. “Concluir o que? A população inteira de Cáceres sabe que nada foi feito. E, além disso, no final do ano, buscamos informações em várias secretarias do governo a respeito da renovação dessa parceria com a APH, mas não obtivemos nada a respeito”.

O prefeito prevê que ao certificarem que não irão cumprir com a promessa vão responsabilizar a seca do rio Paraguai “A desculpa daqui a seis meses vai ser que o rio está baixo e não dá para transportar. Escrevam o que estou dizendo”.

Também prevendo dificuldades para a operação imediata do porto, conforme  prometeu o governador, o engenheiro Adilson Reis, um dos principais estudiosos da hidrovia Paraguai/ Paraná diz que “a única maneira de achar atalhos e antecipar o tempo para colocar o porto em operação seria uma integração de esforços dos governos estadual e municipal, juntamente com a iniciativa privada. Isso, aliado a uma boa equipe multidisciplinar e nenhuma ingerência política, sem a famosa “Lei de Gerson”.

Leia mais:   Sindicato patronal do comércio em Cáceres desenvolve trabalho para superar crise e conta com apoio na representação estadual e nacional

O governador Mauro Mendes (DEM) prometeu a retomada das operações pelo rio Paraguai, no final do ano. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, em que aparece ao lado do presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat) Adriano Silva, Mendes disse que “fechamos um planejamento de trabalho com a associação dos produtores e, no máximo em seis meses, queremos o porto de Cáceres funcionando”.

Disse que “temos um compromisso formado e vamos cobrar muito. Eu tenho plena convicção de que em 2020 estará funcionando a navegação no rio Paraguai”. Chamou a atenção, no entanto, o fato de que, em setembro, o vice-governador Otaviano Pivetta (PDT) havia concedida a administração do porto ao município de Cáceres, mas o termo foi revogado por Mendes. No vídeo, o governador diz que renovou a parceria (termo de cooperação) com a Associação de Produtores, que o prefeito Francis Mariz, diz não ter nenhuma informação.

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook

Destaque

Partidos políticos se unem em prol da pré-candidatura de Enilson Rios em Araputanga

Publicado

O vice-prefeito Enilson Rios (Solidariedade) foi o escolhido por lideranças políticas do Solidariedade, PDT, PSL, PSD e o Patriota, para encabeçar um projeto de pré-candidatura para disputa majoritária em Araputanga nas eleições municipais de 2020.

O objetivo é apresentar proposta alternativa a da administração atual, com foco no desenvolvimento econômico e social para a população araputanguense. Na ocasião em que foi definido o nome de Enilson participaram os presidentes partidários Dalvan nonato (PDT), Alan Borges (SDD), além do ex-prefeito Paulo Abrão (PDT), do empresário Silvano da foto Silva (PSL), e do ex-secretário de saúde Marquinhos (PSD), entre outras lideranças politicas local.

Além da candidatura majoritária, a composição reúne um grupo forte na disputa proporcional para vereadores.

“Conseguimos um grupo forte, com pessoas honestas e trabalhadoras. Apresentamos essa pré-candidatura a prefeito e vereadores para que o cidadão de Araputanga possa escolher apoiar um projeto novo, diferente e moderno”, afirmou Enilson.

O grupo deverá manter conversas ainda com outros partidos buscando ampliar ainda mais sua composição e, além disso, também conta com apoio de lideranças em nível estadual para a pré-candidatura de Enilson Rios.

Leia mais:   Sindicato patronal do comércio em Cáceres desenvolve trabalho para superar crise e conta com apoio na representação estadual e nacional

Da Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Prefeitura realiza ação conjunta para evitar queimadas

Publicado

A Prefeitura de Cáceres, através da Secretaria de Fazenda – Gerência de Fiscalização de Obras, Posturas e Ambiental, em parceria com a 2ª Promotoria Cível de Justiça do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e o Juizado Volante Ambiental (Juvam), apresentam os números de notificações do plano de combate à queimadas urbanas.

O secretário de Fazenda, Gustavo Calabria Rondon, contou que os responsáveis pela ação, trabalharam incansavelmente para minimizar os números de queimadas que destroem o meio ambiente e colocam a vida de todos em risco. “Os participantes da ação que vem realizando rondas em toda a cidade levantando os focos de incêndio, identificando e notificando os responsáveis por lote sujo e aplicando multas aos proprietários de lote com focos de incêndio são o gerente de Fiscalização, Emerson Flores, os fiscais de Obras e Posturas, Claudiney de Lima e Klismann Marcos, a Promotora Drª Liane Amelia Chaves e o Oficial de Justiça Nelson Galeano”.

O gerente de Fiscalização, Emerson Flores, explicou que a ação conjunta vem acontecendo desde o dia 27, de julho. “Já emitimos 40 notificações para limpeza de terrenos baldios, 2 autos de infrações pelo descumprimento da notificação para limpeza de terreno baldio e 3 autos de infrações por queimada urbana no valor de R$ 1.963,50 (um mil novecentos e sessenta e três reais e cinquenta centavos) cada. Também realizamos a emissão 8 relatórios de terrenos baldios queimados, os quais foram encaminhados a 2ª Promotoria Cível de Cáceres para as devidas providências”.

Leia mais:   Gefron apreende 170 kg de cocaína; 5 suspeitos morreram após troca de tiros

O prefeito de Cáceres, Francis Maris Cruz, disse que “Nesta época do ano, a incidência de focos de incêndio na cidade aumentam significativamente, além disso, estamos vivendo um momento atípico com a pandemia da covid-19, somado à poeira e à fumaça resultante das queimadas contribuem para o aumento de doenças respiratórias em nossa região”.

Francis finalizou pedindo para que as pessoas não queimem. “Os proprietários de terrenos mantenham seus lotes limpos para evitar queimadas, visto que a coleta de lixo é feita três vezes por semana e o lixo como folhas e restos de comida servem como adubo para as plantas. E qualquer denúncia neste sentido pode ser feita na Ouvidoria da Prefeitura pelo telefone (65) 98427-2908 Ouvidoria MPMT: (65) 99259-0913, (65) 99263-8113 – Corpo de Bombeiros: 193 e Polícia Militar Ambiental (65) 3223-3542”.

Da Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana