conecte-se conosco


Destaque

Soldados envolvidos em acidente podem ser excluídos do Exército, afirma coronel

Publicado

Os soldados envolvidos no acidente que destruiu o veiculo e parcialmente uma casa na Avenida dos Bandeirantes, bairro Santos Dumont, deixando duas garotas, menores de idade, feridas, estão presos e podem ser excluídos à bem da disciplina do Exército. A afirmação é do coronel Ricardo Vieira Coelho, do Comando de Fronteira de Jauru, antigo 2º Batalhão de Fronteira.

“Eles já estão presos no batalhão à disposição da Justiça” afirmou o oficial assinalando que será instaurado um procedimento disciplinar militar para apurar o caso. “São jovens de 19 anos. Mas, nada justifica o que fizeram. Inicialmente serão punidos. E, caso o procedimento militar conclua que eles cometeram crimes podem ser excluídos à bem da disciplina do Exército”.

O procedimento disciplinar a que se refere o coronel Vieira já foi instaurado pelo comando. A comissão disciplinar terá prazo de 8 dias para concluí-lo. Só após o resultado desse trabalho e que se saberá o grau de punição aos acusados.

O acidente no qual envolveram três soldados do Comando de Fronteira Jauru ocorreu na noite de segunda-feira (1/6). Na tentativa de escapar da polícia militar, conduzindo um HB-20 branco, placas OBD – 1502, os soldados colidiram, destruindo parcialmente uma casa.

Leia mais:   Nota de Esclarecimento Dr Massato

A situação é desfavorável aos militares. Consta no Boletim de Ocorrência confeccionado pela Polícia Militar, que além de não portar habilitação, havia no interior do veículo, algumas latas de cerveja. E, ainda duas garotas, supostamente, menores de idade. Sem contar que eles, desobedeceram a ordem de parada orientada pela guarnição policial, resultando em perseguição.

Com o impacto da colisão, peças do carro, ficaram espalhadas pelo chão. A bateria foi arremessada há 5 metros do local. Feridas, as garotas foram socorridas pela guarnição do Corpo de Bombeiros que as conduziram para o Hospital Regional. Os militares foram submetidos a exames médicos no batalhão.

Policiais militares que atenderam a ocorrência, conforme os familiares, informaram que a perseguição começou na Avenida 7 de Setembro. Os soldados estariam conduzindo o veículo com os faróis apagados. A polícia diz que, ao sinalizarem para que parassem, eles saíram em alta velocidade. E, em dado momento perderam a direção vindo a chocar com a casa.

Proprietário do imóvel, o comerciante, Alexandre dos Santos e Silva, diz que foi um “momento de horror” vivido pela família.

Leia mais:   Dr. Leonardo sela compromisso para buscar obras junto ao Governo Federal para operacionalização do Porto de Cáceres

“Eu havia acabado de chegar. Quanto escutei o estrondo sai do quarto e vi a frente da minha casa destruída. Foi um momento de horror” conta lembrando que ainda foi atingido por estilhaços do vidro da porta. Alexandre diz que, sua filha que, nesta terça-feira, completa um ano, renasceu. “A minha filha renasceu. Ela estava no berço e uma parede caiu junto dela. Foi um milagre”.

O comerciante ainda não avaliou o valor da reconstrução da parte da casa destruída. Mas, afirma que irá responsabilizar os militares pelo prejuízo.

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Comentários Facebook

Destaque

Confundida com animal, índia de Barra do Bugres leva tiro durante caçada na aldeia e morre

Publicado

Indígena da etnia Bororo, identificada como Marinalva Zaqueimae Corezomae, 33, morreu após levar um tiro durante uma caçada dentro das terras da Aldeia Umutina, em Barra do Bugres. Vítima estava com a família durante a caça e acabou sendo confundida com possível animal.

Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu em uma unidade de saúde da cidade. Conforme as informações da Polícia Civil, a caça ocorria por volta das 12h de quinta-feira (25).

Os indígenas saíram em caça por dentro das suas terras, quando o grupo se dividiu. Em determinado momento, Marinalva foi atingida por um tiro na clavícula. Ela foi socorrida pelos familiares e levada até uma unidade de saúde que atende os índios, na região da Aldeia Piapó.

Lá, foi colocada em uma ambulância e encaminhada em estado grave para o Pronto-Socorro de Barra do Bugres. Quando a equipe médica se preparava para o atendimento, perceberam que a vítima já estava sem sinais vitais.

Polícia Civil esteve no local  e, por se tratar de uma indígena, acionaram os órgãos federais. Família deve ser ouvida ainda nesta sexta-feira (25).

Leia mais:   Ações do Gefron resultam na apreensão de quase 800 quilos de drogas durante esta semana

yuri@gazetadigital.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Chuvas esparsas interrompem queda do volume de água no rio Paraguai; sobe 1 centímetro em cada 24 horas

Publicado

As chuvas esparsas verificadas em algumas regiões do Estado interrompem, lenta e gradativamente, a queda acentuada do volume de água, no rio Paraguai, em Cáceres. O nível do rio vem subindo em média, um centímetro, por dia. Na quinta-feira (24/9) estava com 55 centímetros, nesta sexta-feira, está com 56 centímetros.

De acordo com a Agência Fluvial, responsável pela aferição, o aumento do volume de água ocorre desde o último final de semana, quando choveu, em várias regiões do Estado, inclusive, na capital. A estiagem de quase quatro meses, fez com que o rio tivesse um dos menores níveis desde o início da aferição, pela agência fluvial desde 1966, há 54 anos.

 Neste ano, o menor volume, em Cáceres, ocorreu nos dias 19 e 20 de setembro quando se estacionou em 52 centímetros.

A situação é semelhante, no Mato Grosso do Sul. Lá a aferição é feita pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM). E, aponta que no dia 14 de setembro, o rio na região de Ladário mediu 29 centímetros, o menor volume da história. O CPRM monitora o rio há 26 anos. Em anos normais, nessa mesma época do ano, o rio em Ladário, passa dos três metros.

Leia mais:   Nota de Esclarecimento Dr Massato

Pesquisador sul-matogrossense Marcelo Parente Henrique afirma que, desde o mês de junho, o monitoramento já indicava a tendência de uma seca severa na região pantaneira. De acordo com o registro do histórico de dados nas estações, os meses de junho e julho concentram dois terços do auge das cheias anuais da região.

“No final de junho, quando ocorrem normalmente os picos das cheias na região, neste ano, a bacia do rio Paraguai já apresentava cotas de nível d’água dos rios muito abaixo do normal em Cáceres, Porto Conceição, Ladário, Porto Murtinho e Cuiabá, o que já sinalizava para a possibilidade de ocorrência de uma vazante mais rigorosa”, explica Henriques.

Diz que sem a cheia, os campos pantaneiros não alagaram e a vegetação aquática secou e virou combustível para as chamas, o que justifica o número excessivo de queimadas em todo Pantanal Mato-grossense. O especialista afirma que o pantanal não passa por uma seca como a atual há 50 anos.

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana