conecte-se conosco


Mato Grosso

Servidores da MTI participam de palestra motivacional

Publicado

A Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI) iniciou, nesta quinta-feira (23.05), um ciclo de palestras motivacionais voltado para os seus colaboradores, com o objetivo de aumentar a autoestima de cada profissional e melhorar o ambiente de trabalho. Intitulado “Motivação e Produtividade com foco Pessoal e Profissional”, o ciclo de palestra é realizado em parceria com o Instituto Educacional Global Fenix e se encerra nessa sexta-feira (24).

De acordo com a gerente de Desenvolvimento e Desempenho da MTI, Gabriela Kessler, a intenção é motivar os colaboradores, especialmente neste momento em que a empresa passa por uma reestruturação com vistas a alcançar a sua viabilidade econômica e financeira.

“Sabemos que essa é uma situação que causa certa apreensão nos empregados. Mas a empresa possui inúmeros profissionais qualificados  e precisamos lembrá-los de quem eles são, e da importância do trabalho que desempenham. Profissional motivado significa um melhor ambiente de trabalho e resultados mais satisfatórios”, disse. 

A palestra foi conduzida pela psicopedagoga Fátima Guedes, que explicou o que é motivação e a importância do autoconhecimento por parte de cada pessoa, que, a partir daí, decide o que a afeta e aprende a lidar com as diversas situações no ambiente de trabalho. Com isso, melhora o relacionamento interpessoal.

Leia mais:   Seduc lança edital para atribuição de profissionais em unidades especializadas

“Não faça a motivação vir do seu celular, do seu emprego ou de alguém. Essa motivação precisa vir de dentro de você. Não se pode ficar à mercê de pessoas, coisas ou situações, pois um dia elas podem mudar e você como fica? Não adianta ter conhecimento, sem habilidade e habilidade sem atitude”, afirmou.

Fátima Guedes explicou também como é possível construir um ambiente de trabalho mais saudável, que vai desde a melhora no tratamento entre os colaboradores, o desenvolvimento de uma comunicação mais eficaz e a necessidade de manter o equilíbrio para que problemas externos não atrapalhem o clima organizacional e, por consequência, a efetividade do trabalho. 

 “Muitas pessoas querem que o ambiente de trabalho seja melhor, que a empresa seja melhor, mas não são capazes de dar um ‘bom dia’ para o colega, de atender o telefone com educação, de respeitar o próximo e valorizar o trabalho do outro. Temos que pensar que não é o que falamos, mas a forma como falamos. Se passarmos a nos colocar no lugar do outro, com certeza teremos um ambiente de trabalho melhor e mais saudável”, disse.

Leia mais:   Governador assina petição para que recursos da Lava Jato sejam transferidos via fundos estaduais

Para demonstrar como a comunicação é a chave para solucionar vários problemas, tanto pessoais quanto profissionais, a palestrante realizou duas dinâmicas com os participantes, que evidenciaram a dificuldade que existe em ouvir e como o medo de se expor pode atrapalhar o potencial de cada um. Além disso, os participantes receberam uma atividade para que eles apontassem soluções que acreditam serem necessárias para lidar com as frustrações no ambiente de trabalho, estimular a proatividade e ampliar a comunicação entre os setores.

A palestra se encerra na sexta-feira (24), momento em que todas as atividades serão avaliadas e discutidas entre os participantes que, ao final, receberão certificados de participação.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Ministro do Meio Ambiente garante reforço e recursos para combater incêndios florestais

Publicado

Os comandantes dos Corpos de Bombeiros e das Polícias Militares da Amazônia Legal estiveram reunidos em Cuiabá nesta quinta (21.11) para apresentar um plano de ações visando à redução dos incêndios florestais. A apresentação do documento foi feita para o governador Mauro Mendes e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que, antes, sobrevoaram o entorno de Cuiabá e Chapada dos Guimarães.

A integração já era discutida entre os Corpos de Bombeiros dos nove Estados amazônicos, mas foi compilada num planejamento que será executado a partir de janeiro, segundo a apresentação do comandante da corporação de Mato Grosso, coronel Alessandro Borges.

O plano visa potencializar as atividades de prevenção e repressão a ilícitos ambientais que geram desmatamento, com atenção especial aos incêndios florestais. O plano inclui a criação de uma inteligência ambiental, acordo de cooperação técnica com os Estados, dar aptidão para o ciclo completo ambiental para a PM e CBM, educação ambiental e integração com a Defesa Civil.

Para isso, os militares pediram ao ministro investimentos em equipamentos (viaturas, coletes balísticos, armas de fogo, aeronaves, equipamentos de combate a incêndio florestal) para combate e repressão aos incêndios florestais. Também é necessário capacitar militares para as questões ambientais (fiscalização e educação ambiental), visando reduzir os indicadores de degradação ambiental.

Leia mais:   "Sarau Reencontro" reúne autoridades que marcaram a história política de Mato Grosso

De acordo com Salles, R$ 430 milhões, advindos da Petrobrás e de recursos recuperados da Operação Lava Jato, deverão ser compartilhados com as PMs e CBMs dos nove Estados da Amazônia Legal. O ministro afirmou que “a descentralização desse recurso para questões ambientais visa um pacto de ambientalismo de resultado”.

Ainda em dezembro uma nova reunião estabelecerá os detalhes jurídicos da cooperação entre as forças de segurança e órgãos ambientais.

O governador Mauro Mendes lembrou que durante a reunião com governadores da Amazônia Legal, na quarta-feira (20.11), a integração entre os entes federativos foi apontada como uma das formas mais preponderantes para que se alcancem as metas de cooperação.

“Existem agendas comuns dos Estados da Amazônia Legal, como a preservação da floresta e a questão agrária. Essa articulação é decisiva para alcançarmos resultados positivos”, afirmou o governador.

Já o comandante destacou ser necessário iniciar, desde o início do ano, as quatro fases do enfrentamento (preparação, prevenção, atuação e responsabilização). “Esse investimento será específico para a área ambiental”, ressaltou.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Operação investiga garimpo ilegal em fazenda e prende três pessoas por crimes ambientais

Publicado

A operação Aurum, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil de Colíder nesta terça-feira (19.11), com apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, prendeu três pessoas suspeitas da prática de crimes ambientais, como a extração e garimpagem ilegal de minério e usurpação de matéria-prima da União. A propriedade foi autuada pela Sema por crime ambiental, com multa no valor de R$ 1,1 milhão.

Diligências realizadas por equipe da Delegacia Municipal de Colíder, coordenada pelo delegado Ruy Guilherme Peral, constataram indícios de crime ambiental em uma fazenda da região, onde era praticada a extração ilegal de ouro. No local foi apreendida uma pá escavadeira avaliada em R$ 160 mil.

Três pessoas, sendo um advogado e dois trabalhadores que operavam o equipamento na propriedade rural, foram autuadas em flagrante pelos crimes ambientais. O advogado T.V.R. se identificou aos policiais como responsável pela propriedade e pelas atividades de extração aurífera.

Os três homens foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Colíder para depoimentos e lavratura do flagrante. De acordo com o delegado Ruy Guilherme, a escavadeira ficou sob responsabilidade da Secretaria de Obras e Infraestrutura do município, que está como fiel depositária do equipamento.

Leia mais:   Seduc lança projeto “Escola Gestora de Paz” na sexta-feira (22)

Os três autuados continuam presos, uma vez que os delitos imputados ultrapassam cinco anos de prisão. Os flagrantes foram comunicados à Justiça Federal da região, a quem cabe decidir pela manutenção das prisões.

“As investigações continuam para coletar novas evidências dos crimes. Os proprietários da fazenda não se encontravam no local, mas serão autuados pela Polícia Civil nas práticas criminosas de danos ambientais”, explicou o delegado.

Em setembro deste ano, a Polícia esteve na mesma propriedade para apurar a atuação irregular de garimpo na fazenda, contudo, não foram encontrados indícios dos crimes ambientais que possivelmente teriam sido ocultados pelo responsável da área. “Continuamos atuando para combater a prática de crimes que trazem danos ambientais expressivos à região”, destacou o delgado Ruy Guilherme Peral.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana