conecte-se conosco


Mato Grosso

Sema participa de audiência pública sobre resíduos sólidos

Publicado

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente participou de Audiência Pública realizada pela Assembleia Legislativa sobre resíduos sólidos e geração de energia na última semana. A audiência teve um amplo debate entre autoridades municipais e estaduais, empresários, representantes de organizações não governamentais e de classes, associação de catadores e sociedade civil.

O coordenador de Políticas e Licenciamento de Resíduos Sólidos, Fernando Pires, que representou a Sema, explicou que os tratamentos térmicos destinados a dar final ao resíduo não substitui o aterro. “Vai diminuir o volume consideravelmente com o tratamento térmico, mas o aterro vai continuar sendo foco da destinação final adequada. Temos que ter uma política de não geração, que é o primeiro princípio da política nacional. Não é só o resíduo domiciliar, tem que entrar a questão como um todo no debate”.  

Pires explicou que a Sema tenta da melhor forma ajudar tecnicamente. “Auxiliamos, analisamos os projetos e conversamos com os municípios para expandir a cabeça dos munícipes e dos gestores municipais para a importância desse tema e tentar ampliar esse leque de possibilidade de implantação de aterro e de outras tecnologias, reciclagem e inclusão social de catadores”.

Leia mais:   Profissionais da Saúde são capacitados em manejo clínico de crianças com tuberculose

O deputado estadual Faissal Calil Filho, que convocou a audiência, destacou a importância de debater o assunto. “Estamos na lanterna vermelha, bem atrás do sudeste e sul do país e precisamos reverter essa situação. Aprendemos muito visitando aterros, órgãos competentes, a Sema e prefeituras da baixada cuiabana para falar sobre a importância de se tratar do nosso lixo. Hoje existem tecnologias e as pessoas precisam conhecer para podermos evoluir”.

Jean Peliciari, diretor da Teoria Verde explicou que quem trabalha com educação ambiental diariamente sabe como é importante o tema, que deve ser tratado como prioridade. “É importante que as pessoas tenham conhecimento para onde vai o lixo, discutam reciclagem e aterro sanitário, esse assunto. É preciso investir e incentivar as cooperativas que vão fazer a economia circular, fazendo com que o resíduo vire outro produto. Deve ser levado ao aterro apenas o que de fato não dá para ser reutilizado e reaproveitado”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Governo lança edital para credenciar médicos legistas para atender população do interior

Publicado

O Governo de Mato Grosso lançou o edital para credenciamento de perito oficial médico legista, que irá atender em 17 municípios do interior do Estado, em que não existe unidade da Politec (Perícia Oficial e Identificação Técnica).

Com essa medida, o governo leva a essas localidades o serviço público, garantindo que a população possa ter mais comodidade e que o atendimento seja realizado mais próximo da sua residência.

Os profissionais que serão credenciados irão receber por modalidade de pagamento, ou seja, por serviço realizado.

Para se ter uma ideia, atualmente, a cidade de Juara não conta com os serviços da Politec. Se uma mulher, por exemplo, for vítima de estupro, e fizer a denúncia, ela terá que se deslocar até a cidade de Juína para proceder com o exame de corpo de delito.

Com o credenciamento, a vítima poderá ser dirigida para um profissional da própria cidade, com maior comodidade e contando com um atendimento mais humanizado.

De acordo com o governador Mauro Mendes, a forma encontrada para oferecer esse serviço pela Secretaria de Segurança Pública, por meio da Politec, foi “inteligente” e irá “beneficiar a população dessas regiões que padeciam sem o serviço público”.

Leia mais:   Profissionais da Saúde são capacitados em manejo clínico de crianças com tuberculose

“Nós temos casos que talvez muitos desconheçam de pessoas que tenham óbito na cidade, por exemplo, de Colniza. Uma pessoa que morre na cidade de Colniza tem que ser deslocada até a cidade de Juína para fazer o exame de autópsia. Tem que percorrer oito horas, até que possa retornar para o devido sepultamento. Temos muitas cidades que não tem esse serviço hoje”, disse.

Mauro Mendes acrescentou que um dos fatores que o levou a tomar essa medida do credenciamento foi o fato de que o Estado estar impedido de realizar o concurso público, uma vez que está estourado no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O governador explicou que todos os profissionais habilitados irão participar de um treinamento para atuar.

“Eles irão prestar de maneira avulsa esse atendimento e serão pagos por isso”, destacou, lembrando que a não realização de exames, como de corpo de delito, pode prejudicar diretamente a condução de uma ação criminal e até, mesmo, a não condenação do autor de um crime.

O diretor geral da Politec, Rubens Okada, informou que os municípios nos quais haverá o credenciamento serão: Rosário Oeste, Vila Rica, Querência, Canarana, Paranatinga, Campo Verde, Guiratinga, Mirassol D’Oeste, Barra do Bugres, Sapezal, Brasnorte, Juara, Cotriguaçu, Colniza, Colíder, Nova Bandeirantes e Nova Mutum.

Leia mais:   Primeiro ciclo do Programa CGE ORIENTA começa nesta terça-feira

Ainda de acordo com ele, a escolha levou em consideração o deslocamento da população. Em média, a cidade que ainda não tiver um médico credenciado, ou uma unidade da Politec, ficará distante apenas 70km.

“São horas de viagens para ir, chegar a uma unidade, fazer o exame e retornar. Muitas vezes a vítima até desiste de fazer esse tipo de exame, o que prejudica a persecução penal”, explicou.

O edital será publicado no Diário Oficial do Estado. Nele será possível conferir os valores que serão pagos por procedimento e quem poderá participar.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Seduc discute impactos da Reforma Tributária na Educação

Publicado

A Secretária de Estado de Educação (Seduc), Marioneide Kliemaschewsk, participou na sexta-feira (13.09) de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Mato Grosso para debater sobre a reforma tributária e o impacto na Educação. A audiência integrou a programação do 2º Encontro Nacional dos Presidentes e Vice-presidentes de Comissões de Educação das Assembleias Legislativas do Brasil.

Durante o encontro, foi realizado ainda seminário para discutir sobre o Plano Nacional de Educação, sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e o impacto da reforma tributária na oferta da educação básica.

Representando o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), do qual é vice-presidente, a secretária Marioneide Kliemaschewsk falou sobre os desafios que os estados e municípios enfrentam para implementar os planos de educação.

Segundo a secretária, os Planos de Educação precisam estar articulados orçamentariamente e financeiramente. “Ao longo dos anos, a gente percebe que os planos elaborados acabam, muitas vezes, virando instrumento de gaveta e não de planejamento diário dentro das secretarias de educação, por isso é importante que seja discutido e avaliado, de uma forma muito técnica, o quantitativo da meta alcançada e qual a projeção orçamentária e financeira desses planos”.

Leia mais:   Estado investiga empresas por irregularidades em obras no Aeroporto de Rondonópolis

Para a secretária, o financiamento e os recursos da educação ainda estão longe de ser o ideal para que os planos estaduais e municipais sejam realmente vivenciados e colocados em práticas. “É necessário repensar sobre o que estamos discutindo hoje, o investimento em educação e a melhor distribuição tributária desses recursos. Isso tudo perpassa também por uma gestão voltada para os resultados e na correta aplicação dos recursos públicos que se tem na educação”.

Agenda da Aprendizagem

Conforme destacou a secretária, o Consed vem realizando uma ação nacional, aliada e articulada com a União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), que é a agenda da aprendizagem. A agenda tem como foco várias questões, que também estão no Plano Nacional de Educação. Entre elas a busca por maior investimento em alfabetização; a valorização e formação continuada dos profissionais da educação; a educação integral, através do fortalecimento do ensino médio integral e a ampliação para o ensino fundamental; a melhoria do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), por meio da proficiência e da correção dos fluxos escolares; e o investimento e melhor olhar para a questão da Educação de Jovens e Adultos.

Leia mais:   MT vai receber R$ 23,8 milhões para combater queimadas e desmatamento

“Essas têm sido algumas das lutas do Consed junto ao Ministério da Educação e de discussões com a Frente Parlamentar Mista da Educação, do Congresso Nacional. Estamos discutindo essas diferentes temáticas e, principalmente, a permanência do Fundeb e sobre a desvinculação dos recursos destinados à educação”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana