SEGUNDO MENDES – Redução de secretarias vai gerar economia de R$ 150 mi na folha

69

Com 9 secretarias a menos e 3 mil cargos comissionados extintos, o governador Mauro Mendes (DEM) espera uma redução de R$ 150 milhões (por ano) no valor da folha de pagamento do Poder Executivo estadual.

 

Leia também – Mendes anuncia aumento na carga horária de servidores

 

A informação é do próprio governador eleito. “Isso sem contar com a economia com os gastos de custeio (luz, água, combustível, telefone, papel, internet)”, disse Mauro Mendes em entrevista na rádio Capital FM.

 

Mauro Mendes também anunciou que os próximos cortes serão feitos nas empresas e autarquias públicas do Estado. “Nós estamos estudando e isso demanda algum cuidado, tanto do ponto de vista legal, como funcional. Como é que vamos fazer para essas funções dessas empresas extintas, possam ser incorporadas para que essa redução não signifique algum impacto naquilo que importa ao cidadão”, explicou.

 

Atualmente o Estado conta com 20 empresas, órgãos e autarquias: Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá (AGEM), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager), Companhia Mato-grossense de Gás (MT Gás), Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Fundação Nova Chance (Funac), Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), Mato Grosso Previdência (MT Prev), Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso S/A (MT Fomento), Central de Abastecimento do Estado de Mato Grosso (Ceasa), Companhia Matogrossense de Mineração (Metamat), Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), MT Saúde, Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (Ipem), Junta Comercial do Estado de Mato Grosso (Jucemat) e MT PAR.

 

Mendes adianta que deverá extinguir o Ceasa, que segundo ele, tem um custo mensal de quase R$ 200 mil em salários. “Não vejo o menor sentido para se ter. Um órgão que existe, que não planta um pé de alface, não produz nada, e tem 200 mil reais de mês de salário que gasta lá. É uma despesa desnecessária”, disse.

 

“Aqui em Cuiabá existe um centro atacadista no Distrito Industrial que a prefeitura fez. É só ir lá e ampliar. É um local, amplo e adequado para o comércio de hortifrúti granjeiro para Cuiabá”, concluiu.

 

Nesta segunda-feira (12), a equipe de transição liderada por Mauro Mendes anunciou a extinção das secretarias de Cidades e Casa Militar. Já os Gabinetes de Assuntos Estratégicos, Articulação e Desenvolvimento Regional e de Governo serão incorporados à Casa Civil. O Gabinete de Comunicação, por sua vez, será convertido em uma secretaria-adjunta também da Casa Civil.

 

A Secretaria de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários será incorporada a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, assim como a Secretaria de Planejamento será incorporada à Secretaria de Gestão. O Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção volta a ser vinculada a Controladoria Geral do Estado.

Pablo Rodrigo / GD

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here