Connect with us

A prefeitura de Santos armou uma grande festa nesta quinta-feira no centro da cidade. A taça do Campeonato Paulista foi levada de bonde ao Museu Pelé escoltada por autoridades regionais, grandes ídolos e atuais jogadores do clube, além de boa parte da diretoria alvinegra. Para os santistas, era apenas mais um reflexo do título que veio no domingo. Mas, na verdade, sob olhares da imprensa e de dezenas de crianças da rede escolar municipal, foi assinado ali o documento que torna a prefeitura nova gestora do Museu Pelé.

Apesar dos discursos otimistas que vazavam sem a atenção dos presentes devido ao tumulto generalizado, a medida causa sérias preocupações à população e aponta uma mudança de curso, já que o Santos Futebol Clube assumiu nesta quinta uma parceria junto ao município, descartando de vez a ideia inicial de ser o gestor do equipamento.

“O Santos tem experiência com este tipo de equipamento. Há 12 anos, o Museu do Santos é o segundo equipamento mais visitado da cidade. Trazer esta expertise para o Museu Pelé pode ajudar a dinamizar mais a visitação da população”, declarou o presidente Modesto Roma Júnior, antes de resumir a real motivação por ter desistido de gerir o local.

“Não aconteceu nada. Nessas discussões todas, chegou-se à conclusão que o modelo ideal é esse, de parceiro, sem necessidade de assumir alguns ônus que não nos interessa. O Santos tem pepinos suficientes. Não precisa importar”, afirmou.

Desde sua inauguração, em 15 de junho de 2014, o Museu Pelé dá prejuízo. Custeado pelos governos Estadual e Federal ao valor de R$ 50 milhões, o espaço era administrado até então pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) AMA Brasil e antes mesmo de completar seu primeiro ano de funcionamento já presentava um prejuízo de R$ 70 mil por mês.

“Nós procuramos uma série de iniciativas para atrair o público. A primeira foi a redução de ingressos. Hoje, temos ingresso na ordem de R$ 10,00, com descontos atribuídos a categorias e faixas etárias, R$ 5,00, para que pessoas tenham a facilidade de conhecer o equipamento”, disse o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), esperançoso com as 400 peças do acervo do Rei do Futebol que devem chegar na próxima semana.

O Chefe do Executivo explicou ainda que a saída da OSCIP AMA Brasil se dá por conta da doação de Pelé de parte de seu acervo pessoal e da totalidade do acervo que já está exposto no Museu para a prefeitura de Santos, que agora gestora, se esquiva das dívidas contraídas pela antiga administração.

“Todas as responsabilidades e atribuições constantes no contrato com a AMA são de responsabilidade da AMA até o momento da rescisão contratual, já celebrada. Vivemos uma nova etapa. Daqui por diante, todas as atribuições e responsabilidades são da prefeitura”, afirmou Paulo Alexandre Barbosa.

Apesar da afirmação do prefeito levantar dúvidas sobre a prática da ideia de apontar um “marco zero” desde esta quinta, o secretário de gestão Fábio Ferraz deixou claro que muita coisa precisará mudar para o Museu Pelé não se tornar um elefante branco sob os cofres públicos.

“De fato as contas não fecharam no azul. Isso é uma realidade”, afirmou Ferraz. “A gente tem um déficit de custeio mensal. Não é uma dívida consolidada. É dívida de custeio. Então, veja, o custeio mensal do Museu gira em torno de R$ 80, R$ 90 mil por mês. Esse é o custo do Museu. E de bilhetagem a gente tinha algo em torno de R$ 40, R$ 50 mil em média. Enfim, é uma contabilidade.”

Ainda de acordo com o secretário de gestão, a rescisão contratual entre prefeitura e AMA Brasil “foi uma celebração amigável”, sendo assim, sem necessidade de pagamento da multa rescisória prevista no acordo vigente até então. Mas, em caso de qualquer prejuízo a partir de agora, é com dinheiro público que o espaço irá se manter.

“Hoje o equipamento Museu Pelé é um equipamento como qualquer outro. Então, a prefeitura paga a conta de luz dele, a prefeitura paga a conta de água, a prefeitura paga suas despesas. Ele passou a ser um patrimônio do município. O custeio é de responsabilidade da prefeitura”, falou Fábio Ferraz, com discurso endossado pelo prefeito Paulo Alexandre.

“Museu não foi feito para dar lucro. Não temos uma visão exclusiva de ter lucro com ingresso. Não é o objetivo da prefeitura. Não tem que ser encarado como negócio, mas como investimento para as pessoas, comunidade santista e turistas”, disse.

Como a prefeitura não informou o tamanho do prejuízo da AMA Brasil neste tempo em que geriu o Museu Pelé e também não confirmou quanto custará e como pagará as despesas com o equipamento, o vereador Marcelo Del Bosco Amaral (PPS) aprovou um requerimento na Câmara da cidade para levantar questionamentos da ação do Executivo.

Apesar de todo o jogo político do Santos Futebol Clube dentro do negócio e da parceria firmada nesta quinta, o clube percebeu o clima de incerteza sobre as dívidas, entendeu a dificuldade em assumir a gestão do Museu e também insistiu na tese de não entrar como gestor no caso de réplicas das peças de Pelé serem usadas no lugar das originais.

“É verdade que, dentro do acordo de doação, o próprio Rei Pelé pode solicitar que sejam realizadas exposições pelo Brasil e pelo mundo e, em substituição, ele deixa uma peça por um determinado período. Por exemplo, três meses uma exposição fora. Isso faz parte do acordo que foi celebrado. Leva o original, deixa uma réplica e depois retorna”, declarou o secretário Fábio Ferraz, esclarecendo o acordo estabelecido.

Fonte: ESPN

Comentários Facebook

Entretenimento

Eclipse lunar traz ‘Lua de sangue’ no domingo (15); saiba mais

Published

on

No próximo domingo (15), acontecerá o primeiro eclipse lunar de 2022. Será um eclipse do tipo total, que ocorre quando a Lua cheia se move para a chamada sombra umbral profunda da Terra (parte mais interna e escura). Isso ocorre porque nosso planeta passa em frente à luz solar enviada para o nosso satélite natural.

De acordo com o astrofísico americano Fred Espenak, conhecido por prever eclipses, como a Lua cheia do dia 15 de maio é a chamada superlua, por estar no perigeu, o ponto mais próximo da Terra, esse eclipse será considerado uma superlua de sangue. O fenômeno, que poderá ser visto em todo o Brasil, ocorre quando a luz do sol passa pela atmosfera terrestre, mas desvia pelos comprimentos de onda para refletir de forma avermelhada na Lua.

Diagrama da sombra do eclipse lunar do dia 15 de maio. (Fonte: NASA/Divulgação.)Fonte:  NASA 

Quando acontecerá o eclipse total da Lua no domingo?

Conforme o perfil Astronomiaum no Twitter, nas cidades com fuso horário de Brasília, o eclipse lunar de domingo terá início às 22h32, e terá o seu ápice na madrugada de segunda-feira (16) à 1h11, com o término ocorrendo às 3h51. Além do Brasil, a Lua de sangue poderá ser vista também nos EUA e Canadá, além de partes da África e Europa.

Diferentemente do eclipse solar, que só é observável em uma área relativamente pequena do mundo, os eclipses lunares podem ser vistos em qualquer lugar no lado noturno da Terra. A sua visualização também é mais segura, pois esses fenômenos não necessitam de nenhum tipo de proteção para os olhos, pois são mais escuros do que a própria lua cheia em si.

Para quem mora em grandes cidades, e não pretende viajar para locais com baixa poluição visual para assistir ao eclipse total da Lua no domingo, será possível visualizá-lo através do canal oficial da NASA do YouTube. O telescópio da agência aeroespacial norte-americana irá iniciar a transmissão das imagens do fenômeno a partir da zero hora do dia 16 de maio, no horário de Brasília.

Para assistir, basta clicar no link acima para definir o lembrete e, na hora marcada, acompanhar os detalhes em alta resolução.

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/ciencia/238420-eclipse-lunar-traz-lua-sangue-domingo-15-saiba.htm

Comentários Facebook
Continue Reading

Brasileirão Série A

Em Minas, Cuiabá perde para o líder Atlético-MG e cai invencibilidade

Published

on

A Gazeta

Após 12 jogos sem derrotas fora de casa pelo Campeonato Brasileiro, o Cuiabá perdeu a longa invencibilidade que acumulava na série A para o líder Atlético-MG neste domingo (24), em Belo Horizonte, pela 28ª rodada do Brasileirão. O galo venceu por 2 a 1 e pôs fim a longa série do auriverde sem derrotas longe de casa.

O Dourado continua com 35 pontos, em décimo lugar na tabela de classificação. O Galo, por sua vez, chegou aos 59 tentos e é mais líder do que nunca.

A mil por hora, assim começou o início do jogo entre Cuiabá e Atlético-MG no Mineirão. Logo aos 2 minutos, Nathan Silva, contra, inaugurou o marcador em recuo infeliz para Everton, que viu a bola entrar lentamente no gol. Aos 4, Hulk, dentro da pequena área, deixou tudo igual após jogada ensaiada de escanteio.

O time mineiro conseguiu a virada com Jair, que completou de cabeça para as redes após assistência de Guilherme Arana.

No início da etapa final, Hulk marcou o terceiro para o Atlético, mas o gol foi anulado após a arbitragem pegar um toque de mão do atacante. Daí em diante o Atlético continuou pressionando, mas sempre parando nas defesas seguras do goleiro Walter.

À medida que o relógio foi passando, o Atlético deixou o Cuiabá mais a vontade para trabalhar com a bola e passou a contar com os contra-ataques. O Dourado martelou, porém não conseguiu criar chances claras de gol.

O próximo compromisso do Cuiabá no campeonato brasileiro é contra o Red Bull Bragantino no dia 1º de novembro, na Arena Pantanal, às 19h30 (de MT.

Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana