Connect with us

Protesto de professores em greve pode comprometer possível eleições de Tulio e Valdeníria (Vídeo)

Foto: Reprodução / Antoniel Pontes

Expressão Notícias – Sinézio Alcântara

A nova tática adotada pelos profissionais de Educação, em greve há 20 dias, em Cáceres, pode comprometer o projeto político dos pré-candidatos Túlio Fontes e Valdeníria Dutra Ferreira, ambos PSB, apoiados pela prefeita Eliene Liberato Dias, da mesma sigla. Túlio é pré-candidato a deputado federal e Valdeníria pré-candidata a deputada estadual.

Após apresentarem imagens mostrando a situação das escolas, o que chamaram de “Varal da Realidade” e simularem um “Velório dos Direitos” os professores se voltaram contra o ex-prefeito e a vereadora, gritando “fora Tulio, fora Valdeníria” (Vídeo abaixo)

A campanha contra a eleição dos pré-candidatos foi lançada durante protesto da categoria, realizada na noite de sexta-feira (24/06) na praça Barão do Rio Branco. A manifestação contrária a Túlio e Valdeníria foi uma forma de atingir a prefeita Eliene, assim como forçar os pré-candidatos a ajudarem a administração na solução dos problemas.

Pré-candidata a deputada estadual, a vereadora Valdeníria disse que “a greve não pode ser usada como palanque político” e que “tenho certeza que a prefeita não concedeu o piso, não porque não quer, e sim porque agora não tem como pagar” (Abaixo a íntegra da nota). Pré-candidato a deputado federal Túlio Fontes foi contatado pelo site, mas não respondeu.

Hoje completa 20 da paralisação. Os professores decidiram pela greve em assembleia-geral realizada no dia 7 de junho. Os professores exigem o pagamento do Piso Nacional do Magistério no valor de R$ 3. 846,63 para jornada de 40 horas semanais. O índice nacional de reajuste é de 33,24%. Porém, no início do mês de março a prefeita antecipou 14,35% faltando 16,57%.

Leia mais:   Guerra de facções - Na fronteira que tem Cáceres como município polo saltou de 23 para 43 homicídios em 1 ano

A prefeita recorreu judicialmente defendendo a ilegalidade da paralisação. Na quinta-feira (23/06), o Tribunal de Justiça, através da desembargadora Maria Erotides kneip, determinou o retorno dos professores ao trabalho, em 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

O Sindicato dos Servidores Municipais (SSPM) informou na 6ª-feira (24/06) que manteria a greve levando em conta que ainda não havia sido notificado da decisão. E, que, após a notificação iria se reunir, em assembleia com a categoria para decidir. Vários professores, em contato com o Expressão Notícias, disseram que pretendem “peitar” a decisão judicial e manter a paralisação.

O que diz Valdeníria

“Lamento muito se isso estiver acontecendo e que alguns estejam vendo dessa maneira. A greve não pode ser usada como palanque político nem contra e nem a favor de A ou B. Não sou contra professores, sempre defendi os direitos de todos.

Só penso que não podemos misturar questões políticas e partidárias com os problemas da gestão. Tenho certeza que a prefeita não concedeu o piso porque não quer e sim porque agora não tem como pagar.

Quando ela ajustar e tiver condições vai pagar, tenho certeza disso. Quem me conhece sabe que sou a favor do que é legal e possível de se fazer. Tenho certeza que dentro da categoria tenho muitos apoiadores”

O que dizem os professores a apoiadores

Leia mais:   Em Cáceres: Homem que teve identidade usada tenta anular processo

O professor José Carlos Gomes disse que os professores manifestaram o descontentamento com esses pré-candidatos e ainda alguns vereadores que apoiam a administração porque “eles não estão fazendo nada para ajudar a resolver a situação” e indaga “Como querem ser deputado federal ou estadual se não conseguem sequer ajudar a resolver um problema tão simples? ”.

Professor Luiz Aurélio disse que a crítica foi a forma da categoria exigir que “os pretensos candidatos que contam com o apoio da prefeita, na eleição próxima, contribuam com a administração no intuito de fazer gestão visando atender a legislação federal que disciplina o piso do magistério a prefeita é a única que dispõe de autoridade para adequar o orçamento municipal para efetivar os direitos dos profissionais de educação”.
Professora e vereadora Mazéh Silva, afirmou que “começamos a chamar a atenção da população cacerense para os pretensos candidatos dela (prefeita Eliene).

Para que a população saiba os nomes dos vereadores (a) que apoiam os PL’s que traz retrocesso para população, bem como mostrar a cara desses atores (já conhecidos) que almejam chegar na Assembleia Legislativa e Câmara Federal”.

Vereador Cesare Pastorello apoiador do movimento pontuou que ”os profissionais da Educação estão cobrando de quem tem que cobrar, da prefeita e dos vereadores. E, se tem candidatos a outros cargos que querem se beneficiar do prestígio da prefeita nas inaugurações, então têm que arcar também com o ônus das decisões erradas da Prefeitura. O posicionamento dos candidatos, em relação à greve, fala muito sobre como vão atuar no futuro, se forem eleitos”

 

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Licença Ambiental para serviços de manutenção e reparação mecânica de veículos automotores

Published

on

EDER DE OLIVEIRA CABRAL& CIA LTDA, CNPJ 37.492.253/0001-30, torna público que requereu à Prefeitura Municipal de Cáceres/MT por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente a licença ambiental – modalidade: licença prévia, licença de instalação e licença de operação, para a atividade de serviços de manutenção e reparação mecânica de veículos automotores, localizada na rua Padre Cassemiro,1746, Vila Mariana, CEP 78.210-318, Cáceres/MT.

Comentários Facebook
Leia mais:   Guarda é encontrado morto em escola de Cáceres
Continue Reading

Cáceres e Região

Transporte público em Cáceres: Pastorello cobra ações e diz que o povo está sendo lesado no seu direito

Published

on

 

Por Felipe Deliberaes

Um requerimento aprovado na Sessão Ordinária desta semana, no dia 8, solicita ao Executivo Municipal as atas de reuniões realizadas desde 2021 referentes à implementação do transporte público coletivo em Cáceres, além de cópia de documentos internos ou externos expedidos e providências efetivas para a concessão ou prestação direta do serviço na cidade.

O autor do requerimento, Vereador Cézare Pastorello, menciona dois ofícios de resposta do Gabinete da Prefeita a pedidos de informação de sua autoria, nos quais a Prefeitura informou-lhe estar tomando providências para a obrigatória implantação do Transporte Público Coletivo (em cumprimento à Constituição Federal, à Lei Federal nº12.587/2012 que institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana e à Lei Complementar nº147/2019 que institui o Plano de Mobilidade Urbana de Cáceres).

No entanto, de acordo com o Vereador, as informações vieram com gerundismos e sem fundamentação. Assim, ele requer documentos pertinentes e atas de reuniões com a temática realizadas desde o envio de seu primeiro requerimento sobre o assunto.

Leia mais:   Cáceres é contemplada com importante projeto de subsídio global

Afirmando haver falta de conhecimento dos cidadãos quanto a seus próprios direitos, Pastorello aponta que, atualmente, milhares de trabalhadores são lesados no seu direito ao vale-transporte, bem como os idosos, pessoas com deficiência, estudantes e demais beneficiários do transporte público coletivo.

O parlamentar reitera que, em municípios com mais de 20 mil habitantes, este serviço é obrigatório e deve ser executado pela administração pública independentemente de sua forma de prestação, seja diretamente ou por meio de concessão. O transporte público coletivo é, também, direito social previsto na Constituição Federal e com obrigatoriedade regulamentada na Lei Federal nº12.587/2012.

Segundo o Vereador, não há mais que se falar em estudos de viabilidade econômica de concessão, da mesma forma como seria inimaginável que não houvesse coleta de lixo, por exemplo, caso a atividade fosse inviável do ponto de vista econômico.

O Plano de Mobilidade Urbana de Cáceres (PMUC) foi aprovado em dezembro de 2019, após extenso trabalho de pesquisa, proposições e adequações para estabelecer as sete principais linhas de transporte e mitigar os problemas causados pelo crescimento bicentenário de trânsito na cidade.

Leia mais:   Guarda é encontrado morto em escola de Cáceres

As linhas previstas são:

Linha 1 – Jardim Aeroporto;

Linha 2 – Jardim Padre Paulo;

Linha 3 – Jardim Universitário;

Linha 4 – Vitória Régia;

Linha 5 – IFMT;

Linha 6 – Industrial/Rodeio;

Linha 7 – Nova Era.

Leia o requerimento: https://sapl.caceres.mt.leg.br/media/sapl/public/materialegislativa/2022/5125/r_-_2022_27_-_eliene_-_transporte_publico_coletivo.pdf

Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana