conecte-se conosco


Mato Grosso

PCE passa por faxina geral, retirada de materiais em excesso e reforma de celas

Publicado

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) iniciou nesta semana uma operação intensiva de revista geral na Penitenciária Central do Estado, localizada em Cuiabá, para faxina, higienização, retirada de materiais em excesso e, posteriormente, a reforma das celas de todos os raios que compõem a carceragem da unidade.

Em coletiva com a imprensa nesta quinta-feira (15.08), o secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, explicou o objetivo da ação e tranquilizou a sociedade em relação às notícias falsas que vem sendo difundidas fazendo relação com a operação na maior unidade prisional de Mato Grosso e supostas retaliações à população nas ruas.

“A operação foi planejada com muito cuidado e profissionalismo visando à organização de todos os raios e celas da penitenciária. As equipes estão trabalhando muito, sempre com a segurança que requer uma operação dessa magnitude, pois temos quase 2.400 pessoas lá dentro, além dos servidores. Os agentes vão de cela por cela, retiram os reeducandos e depois iniciam a limpeza e higienização, e posterior pintura dos locais. Só retornarão para as celas os pertences pessoais básicos e aqueles permitidos por lei. Aparelhos elétricos que estão dentro dos cubículos estão sendo retirados e em seguida organizaremos a ventilação sem alimentação elétrica dentro das celas. A limpeza geral e retirada de materiais em excesso tem o objetivo de assegurar um ambiente mais salubre para reeducandos e servidores”, esclareceu Bustamante.  

A operação tem acompanhamento de órgãos de controle como a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso, Defensoria Pública, Poder Judiciário, Ministério Público e Conselho Estadual de Direitos Humanos e Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário do Tribunal de Justiça.

A operação é realizada em todos os raios da unidade prisional. Estão sendo verificadas ainda as condições estruturais da carceragem e a retirada de produtos que estão em desconformidade com o que está definido no Manual de Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário e a Lei de Execuções Penais.

Leia mais:   Audiência pública debate regularização fundiária em Barão de Melgaço

Para a remoção dos materiais em excesso, os agentes conduzem os reeducandos para as quadras onde cada um separa seus pertences pessoais. Na sequência, uma equipe de agentes faz revista e a retirada de todos os objetos que estão em excesso. Em seguida, os reeducandos que atuam nos serviços gerais na penitenciária trabalham na higienização das celas.

Visitas

Bustamante explicou ainda que as visitas de familiares aos presos estão suspensas neste início da operação, justamente para que os agentes penitenciários possam executar as ações com a segurança necessária. 

“Fazer uma obra num local com quase 2.400 pessoas requer cuidado, reforço na segurança, pois é necessário movimentar muitas pessoas. Não é possível fazer esse trabalho e cuidar também do volume de visitantes, que é em média, de 600 pessoas a cada visita. A magnitude da operação não permite fazer com qualidade esse trabalho e ainda ter a segurança necessária para as visitas. Explicamos esse ponto aos órgãos de controle, que neste primeiro momento precisamos ter as equipes focadas na organização do espaço prisional”, destacou o secretário de Segurança Pública, acrescentando que a intenção do trabalho é justamente dar melhor condição de custódia ao reeducando.

Segurança na unidade

A operação é conduzida pela equipe da direção da Penitenciária Central, com agentes da capital e reforço de profissionais que integram o Grupo de Intervenção Rápida, todos qualificados para atuação em recinto carcerário, como contenção e intervenção. Nas demais unidades da capital, o reforço de pessoal é feito por agentes do Serviço de Operações Penitenciárias Especializadas.

Leia mais:   Contas em dia: Saúde repassou R$ 577 mil para Porto dos Gaúchos e Ipiranga do Norte

A Polícia Militar dá apoio com trabalho ostensivo na área externa da PCE. 

O secretário de Segurança Pública esclareceu novamente sobre a necessidade da operação diante do número que presos que são custodiados no local e em garantir mais segurança, prevenindo a entrada de materiais ilícitos.

“O Estado assumiu a responsabilidade de fazer essa faxina e fiscalização geral para verificar o que tem dentro da unidade e o que deve ser retirado, para melhorar a infraestrutura local”.

A PCE conta com equipamentos de detecção de produtos, como escâner corporal, detectores fixos e portáteis.

Em relação a bloqueadores de celulares, Alexandre Bustamante informou que os secretários de Segurança Pública dos Estados estão tratando via Ministério da Justiça para que as empresas de telefonia façam a instalação dos equipamentos.

“É impossível o Estado gastar recursos ou produto que é dele com serviço que é uma concessão federal. Solicitamos que o governo federal se mobilize para que em toda unidade carcerária tenha bloqueador e que o estado aplique recurso em outros serviços na segurança, saúde e educação, e não com bloqueadores de celular”, disse.

Atendimentos de saúde

A secretaria reforça que não houve qualquer intercorrência nas atividades desde o início da operação. 

Os atendimentos de saúde são realizados pela equipe de profissionais da penitenciária, inclusive com medicação fornecida diretamente nas celas e havendo necessidade, os casos emergenciais são atendidos externamente.

Os reeducandos recebem normalmente alimentação e água. Não procede informação de que estejam fazendo uso de água suja ou que a penitenciária esteja sem energia.

Com colaboração da estagiária de Jornalismo Luariany Bispo

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Politec empregou 429 servidores durante Operação Carnaval

Publicado

A Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) atendeu a 530 requisições de perícias em todo o Estado, durante o período de carnaval, comemorado entre os dias 21 e 25 de fevereiro de 2020. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (27.02) durante coletiva de imprensa realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública.

Durante a operação, foram empregados 429 servidores, entre peritos oficiais criminais, papiloscopistas, técnicos em necropsia, peritos oficiais médico legistas e odontolegistas, e 166 viaturas.

A atuação da Politec durante a operação carnaval consistiu na identificação de suspeitos, checagem de veículos com suspeitas de roubos, furtos, adulterações como clonagens ou dublês e perícias de criminalística, medicina legal e de odontologia legal.

A operação abrangeu 25 municípios, monitorou 35 pontos de festividade, com público estimado de 260.405 pessoas. Em 2020, houve um aumento de 40% no número de pontos de festas de Carnaval, em relação ao ano passado. As festividades concentraram-se nos municípios de Cuiabá, Chapada dos Guimarães, Santo Antônio de Leverger, Barra do Garças, Cáceres, Primavera do Leste, Lucas do Rio Verde, entre outros.

Leia mais:   Recurso para campeonato de futebol amador foi liberado em 2020

A Operação Carnaval contou com as forças integradas da Polícia Militar (PM), da Polícia Judiciária Civil (PJC), Corpo de Bombeiros Militar (CBM), Politec, Detran, Ciopaer, Sistema Penitenciário e Socioeducativo.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Menina de 4 anos que não ouve e não fala emociona equipe da PM

Publicado

Em Cuiabá, policiais militares presentearam uma menina de 4 anos de idade com muitos presentes, após encontrá-la perdida, no último sábado (22.02), na Avenida dos Trabalhadores. A criança que possui deficiência auditiva e também não fala, havia fugido da casa dos pais.

Populares acionaram a PM via 190 informando que havia uma criança sozinha em frente a uma loja de brinquedos. Ao chegar no local, a equipe de policiais tentou conversar com a menina, mas percebeu que ela não ouvia e não falava.

Em determinado momento, a menina pegou na mão de um dos militares e apontou para um brinquedo. O soldado Alessandro Cardoso relembra que ficou emocionado com o entusiasmo da pequena, apontando em direção a uma das bonecas da loja.

“Ficamos preocupados quando vimos à criança sozinha. Foi quando ela pegou na minha mão e apontou para a boneca. A proprietária da loja nos disse que ela estava lá há um bom tempo, parada, olhando a vitrine. Para encontrar os familiares da criança, colocamos comunicados nas redes sociais, emitimos informações via rádio para outras equipes, até que os familiares apareceram, graças a Deus”, conta o policial militar.

Leia mais:   Contas em dia: Saúde repassou R$ 577 mil para Porto dos Gaúchos e Ipiranga do Norte

Já com os familiares, os policiais descobriram que a criança havia fugido de casa antes mesmo dos pais e da avó acordarem naquela manhã.  No entanto, eles contam que sentiram que a “missão” naquela ocorrência atípica ainda não tinha acabado. 

Foi então que os policiais se mobilizaram e arrecadaram fundos e brinquedo para presentear a menina. O soldado Cardoso conta ainda que a equipe ficou sensibilizada e que arrecadou mais brinquedos do que o previsto.

Os policiais relataram que a alegria da menina ao receber os presentes valeu toda a mobilização da equipe da PM. “Mesmo sem pronunciar uma única palavra, sem nos ouvir, ela demonstrava uma felicidade tão linda e simples. Na hora que chegamos com os brinquedos ela pulava de alegria e empolgação. Algo tão simples fez do dia dela e do nosso, muito especial. Somos policiais e pais de família. Gestos assim enobrecem a nossa rotina de servir e proteger a sociedade”, concluiu.  

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana