conecte-se conosco


Cáceres e Região

Para amenizar mal-estar entre colegas, Barone detona Cláudio Henrique, Pastorello, Valdeníria e José Torres

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Para amenizar o mal-estar provocado entre os colegas ao afirmar, durante o desentendimento com José Eduardo Torres (PSC), que todos os vereadores de Cáceres, têm “telhado de vidro” e que defende a abertura da “caixa preta da Câmara”, o vereador Wagner Sales do Couto, o Wagner Barone (Podemos) reforçou as criticas ao grupo de oposição.

“Na verdade eu não estava referindo à todos vereadores. Mas, aqueles que respondem a processos nesta Casa Legislativa (Câmara) ou na Justiça, como é o caso dos vereadores Cláudio Henrique, Valdeníria Ferreira, Cesare Pastorello e José Eduardo Torres que querem pousar de bacana” explicou Barone.

Disse que Cláudio Henrique é acusado de prática de caixa dois nas eleições de 2018 quando foi candidato a deputado estadual; Valdeníria é acusada de rachadinha, em 2014 quando pagava uma funcionária do Hospital Regional com dinheiro da Câmara.

Pastorello, segundo ele, responde a um processo na Câmara, por ter acusado Rubens Macedo, de envolvimento no caso da rachadinha, sem ter provado nada.  E, José Torres, disse, é acusado de ter sumido com um trator da prefeitura, quando era secretário de Obras, na gestão do ex-prefeito Túlio Fontes.

“Ele (José Eduardo) diz que foi inocentado no processo, mas, isso não é verdade: o processo prescreveu. Mas, eu já estou entrando com um requerimento na prefeitura, para solicitar a reabertura, no sentido de que ele, pague pelo desaparecimento do patrimônio público”.

Leia mais:   Macedo diz que irá debater, novamente, com a sociedade projeto que reduz número de vereadores

Para sustentar a acusação contra Cláudio Henrique, Barone apresentou cópia de uma reportagem de um jornal da capital, onde cita que o vereador cacerense, teria recebido, indevidamente, do então candidato a deputado federal Nery Gueller (PP), a quantia de R$ 120 mil.

Os vereadores José Torres e Valdeníria Ferreira evitaram polemizar. “Esse cidadão está desesperado. Eu vou não vou dar Ibope pra ele. Vou dar a resposta no momento oportuno” afirmou Torres. “Eu não tenho nada a esconder. Ele vai ter que provar todas essas acusações na justiça” disse Valdeníria.

Cláudio Henrique diz que lamenta pelo vereador Barone. “Eu lamento que esse vereador esteja agindo dessa forma, fazendo acusações totalmente, infundadas. Não existe nenhum processo contra mim na justiça. E, as minhas contas de campanha foram todas aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral, o que prova minha inocência. São denúncias sem nenhuma procedência”.

O vereador Cesare Pastorello, disse que “se tudo que o vereador Barone achou contra mim é uma ação movida pelo vereador Rubens Macedo, então ele não achou nada. Eu reafirmo cada palavra do que eu disse em relação a ele. E, em relação ao Rubens, se ele acha que com isso a moral e a honra dele foram abaladas, então que procure o judiciário. Mas, lembre-se dos honorários de sucumbências em caso de litigância de má fé”.

Leia mais:   Detento é encontrado morto dentro de tambor com água na cadeia publica de Cáceres

Vamos fuçar a vida de todos os vereadores

A troca de farpas entre os vereadores ocorreu durante a sessão on-line da última segunda-feira (6/7) quando José Torres apresentou um requerimento solicitando a reabertura do caso, que ficou conhecido como “Rachadinha da Câmara” que tem Wagner Barone, como o principal pivô.

‘Faço questão que coloque o requerimento do vereador José Torres em apreciação. Vamos fuçar a vida de todos os vereadores. Pois todos tem telhado de vidro. Não queira pagar de bacana ou de sacana. Vamos abrir a caixa preta desta Casa Legislativa’, desabafou conclamando para que o presidente da Casa, vereador Rubens Macedo (PTB) pare com as sessões on-line.

‘Faço questão que pare com as sessões on-line, assim que terminar o lockdown, e volte com as presenciais, para que possamos olhar os vereadores olhos nos olhos. Ai vamos saber que vereador que nem mora no Brasil, está fazendo uso de verba indenizatória’, disse se referindo a José Eduardo Torres (PSC), que segundo informações, estaria com propriedade na Bolívia.

‘Eu estou solicitando um relatório para saber que uso está fazendo o vereador (José Eduardo Torres) da verba indenizatória’. O subsídio dos vereadores de Cáceres é de R$ 8,5 mil mensal. Além disso, recebem mais R$ 4,8 mil de Verba de Indenizatória – recursos destinados, geralmente, para despesas extras dos vereadores – o que totaliza R$ 13.3 mil mensalmente.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Hospital São Luiz realizará ações durante o mês de agosto para abordar a importância da amamentação

Publicado

Programação faz parte da campanha “Agosto Dourado”, que incentiva ações de saúde e segurança por meio do aleitamento materno

No decorrer do mês de agosto, o Hospital São Luiz (HSL), unidade própria da Pró-Saúde em Cáceres (MT), realizará diversas ações voltadas para gestantes, mães e familiares, com o intuito de orientar e incentivar o aleitamento materno, fundamental para a saúde dos bebês.

O HSL é referência no atendimento em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, Ginecologia e Pediatria, para 22 municípios da região Oeste do estado, e alguns municípios do país vizinho, a Bolívia, atendendo gestantes de alto risco encaminhadas pelos serviços municipais.

As ações integram a campanha “Agosto Dourado”, mês dedicado à promoção, proteção e apoio à amamentação. Acompanhando o tema da Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) deste ano, “Apoiar a amamentação para um planeta mais saudável”, a unidade abordará o impacto positivo do aleitamento no meio ambiente, além de detalhar seu o papel no desenvolvimento saudável do bebê e a relação com os laços familiares.

As atividades tiveram início no dia 3 de agosto, com a realização de rodas de conversa com pais dos bebês internados na UTI Neonatal e nas alas de ginecologia e obstetrícia da maternidade, que seguirão acontecendo até o fim do mês. As atividades previstas seguirão as orientações de segurança necessárias neste momento, como distanciamento social e o uso de máscaras. Além disso, a equipe de enfermagem do HSL fará, diariamente, orientações sobre armazenamento e doação de leite materno.

Leia mais:   Bombeiros tentam controlar incêndio na região do Pantanal em MT

A pediatra neonatologista da unidade, Patrícia Grassani, ressalta a importância de manter a amamentação como alimento exclusivo do bebê até os seis meses de idade, e complementar até os dois anos. “O leite materno é o alimento mais completo que temos, tanto do ponto de vista nutricional como emocional. Ele é fundamental para prevenir alergias e doenças infecciosas no bebê. Também pode prevenir o câncer de mama e ovário na mãe e diminuir os riscos de diabetes”, explica a profissional.

Para garantir todos esses benefícios, a pediatra ressalta que a mãe deve contar com o apoio de toda sociedade, principalmente durante este período de pandemia. “Não há indícios de que o coronavírus seja transmitido por meio do leite materno. Portanto, não contraindicamos a amamentação em casos suspeitos ou confirmados da Covid-19”, complementa.

Ao fim das rodas de conversa, as mães receberão o selo “Mamãe de Ouro”, na caderneta de vacinação do recém-nascido, como forma de valorizar sua dedicação ao aleitamento materno.

Programação

Neste ano, as equipes de assistência e humanização da unidade dividiram as ações em três blocos, cada um com um tema diferente. Ação em defesa da saúde, da vida e do planeta desde o nascimento, será um deles, com o objetivo de reforçar a pauta da SMAM 2020.

Leia mais:   Efeito Pandemia: Estudantes não terão mais aulas presenciais neste ano em Cáceres, afirma prefeito

Outro bloco abordará a importância do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade e orientações sobre como mantê-lo após a alta hospitalar. E por fim, a segurança alimentar que a amamentação traz para as crianças pequenas, particularmente em momentos de crise e emergências.

Da assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Efeito Pandemia: Estudantes não terão mais aulas presenciais neste ano em Cáceres, afirma prefeito

Publicado

O ano letivo para milhares de alunos das redes públicas, municipal e estadual, pode estar comprometido, em Cáceres. Para evitar aglomeração, uma das principais recomendações da Organização Mundial de Saúde – OMS e Ministério da Saúde – MS, para conter a disseminação do coronavirus, eles não terão mais aulas presenciais, neste ano.

A decisão foi anunciada, na manhã desta quinta-feira, pelo prefeito Francis Maris Cruz (PSDB), após reunião “online”, com autoridades e representes de entidades e clubes de serviços, integrantes da comissão que delibera medidas de prevenção e combate a pandemia do novo coronavirus, em Cáceres e na região.

“Estamos mantendo contatos com representantes de empresas do setor de informática, viabilizando a aquisição de equipamentos para ministração de ensino a distância (EAD) porque, neste ano, para precaver da pandemia, não teremos mais aulas presenciais” explicou afirmando que os equipamentos serão adquiridos, principalmente, para professores da zona rural.

A decisão do prefeito cacerense diverge de sua colega de Sinop, a prefeita Rosana Martinelli (PR). Apesar de ser um dos municípios do interior do Estado com maior número de infectados pelo coronavirus– ontem de acordo a SES Sinop contava com 2.171 pacientes e 62 óbitos – Rosana disse que as escolas do município já estão em condições de retomar as atividades.

Leia mais:   Detento é encontrado morto dentro de tambor com água na cadeia publica de Cáceres

Em Cáceres, conforme o boletim epidemiológico, expedido diariamente, pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), na quarta-feira, havia 548 casos confirmados com 39 óbitos. Ao todo, conforme o boletim foram recuperados, no município, 223 pacientes.

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana