Connect with us

 

As multas para as apreensões totalizaram R$ 257,8 mil, com ações conjuntas entre Sema e Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMPA) durante o feriado prolongado

 

A equipe de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) apreendeu um total de 590 quilos de pescado irregular e 12 mil iscas vivas durante o feriado prolongado na região do Vale do Rio Cuiabá. As ações foram realizadas em conjunto com o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA). As multas aplicadas totalizaram R$ 257,8 mil.

Conforme o superintendente de Fiscalização da Sema, major Fagner Nascimento, a primeira apreensão ocorreu na quarta-feira (25.05), quando foi flagrado no município de Poconé o transporte irregular de 12 mil iscas vivas da espécie tuvira. Foi aplicada multa administrativa no valor de R$ 240,7 mil, apreensão do tanque de combustível e das iscas, que foram devolvidas ao rio. “Por semana, o pescador devidamente cadastro pode capturar 4 mil iscas, o que totaliza 16 mil iscas vivas no mês. Mas o cadastro deve estar regular.”

Leia mais:   Bora lá? Veja as opções de lazer e entretenimentos do fim de semana em Cáceres

No domingo (29.05), após dois dias de patrulhamento, as equipes de fiscalização ambiental da Sema e do Batalhão Ambiental fizeram três apreensões em Porto Cercado, também em Poconé. Uma delas foi de 465,5 quilos de pescado de diversas espécies por documentação irregular e com cadastro do veículo vencido. O veículo também foi apreendido. O infrator foi autuado em R$ 10,6 mil e o pescado doado para instituições filantrópicas e a uma escola estadual de Cuiabá.

Em relação às outras duas ações, correspondem a um total de 124,6 quilos de pescado apreendidos que estavam com documentação irregular, sem cadastro de transporte para o veículo. Um dos infratores estava sem carteira de pescador e com pescado abaixo da medida e foi conduzido para a Delegacia de Poconé. Além do peixe, foram apreendidos um veículo e duas carretas reboque. As multas somaram R$ 7,2 mil.

Regras para pesca

Embora esteja fora do período de defeso da piracema, os pescadores profissionais e amadores precisam seguir algumas regras determinadas pela Lei Estadual nº 9.096/2009. Ela estabelece a proibição para uso de apetrechos de pesca como: tarrafa, rede, espinhel, cercado, covo, pari, fisga, gancho, garateia pelo processo de lambada, substâncias explosivas ou tóxicas, equipamento sonoro, elétrico ou luminoso.

Leia mais:   Professores de greve em Cáceres realizam nesta sexta-feira o Dia do Luto

As medidas mínimas dos peixes constam na carteira de pesca do Estado e algumas delas são: piraputanga (30 cm), curimbatá e piavuçu (38 cm), pacu (45 cm), barbado (60 cm), cachara (80 cm), pintado (85 cm) e jaú (95 cm).

Denúncias

A pesca depredatória e outros crimes ambientais podem ser denunciadas por meio da Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838; no site da Sema, por meio de formulário; ou ainda nas unidades regionais do órgão ambiental.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Protesto de professores em greve pode comprometer possível eleições de Tulio e Valdeníria (Vídeo)

Published

on

Protesto de professores em greve pode comprometer possível eleições de Tulio e Valdeníria (Vídeo)

Foto: Reprodução / Antoniel Pontes

Expressão Notícias – Sinézio Alcântara

A nova tática adotada pelos profissionais de Educação, em greve há 20 dias, em Cáceres, pode comprometer o projeto político dos pré-candidatos Túlio Fontes e Valdeníria Dutra Ferreira, ambos PSB, apoiados pela prefeita Eliene Liberato Dias, da mesma sigla. Túlio é pré-candidato a deputado federal e Valdeníria pré-candidata a deputada estadual.

Após apresentarem imagens mostrando a situação das escolas, o que chamaram de “Varal da Realidade” e simularem um “Velório dos Direitos” os professores se voltaram contra o ex-prefeito e a vereadora, gritando “fora Tulio, fora Valdeníria” (Vídeo abaixo)

A campanha contra a eleição dos pré-candidatos foi lançada durante protesto da categoria, realizada na noite de sexta-feira (24/06) na praça Barão do Rio Branco. A manifestação contrária a Túlio e Valdeníria foi uma forma de atingir a prefeita Eliene, assim como forçar os pré-candidatos a ajudarem a administração na solução dos problemas.

Pré-candidata a deputada estadual, a vereadora Valdeníria disse que “a greve não pode ser usada como palanque político” e que “tenho certeza que a prefeita não concedeu o piso, não porque não quer, e sim porque agora não tem como pagar” (Abaixo a íntegra da nota). Pré-candidato a deputado federal Túlio Fontes foi contatado pelo site, mas não respondeu.

Hoje completa 20 da paralisação. Os professores decidiram pela greve em assembleia-geral realizada no dia 7 de junho. Os professores exigem o pagamento do Piso Nacional do Magistério no valor de R$ 3. 846,63 para jornada de 40 horas semanais. O índice nacional de reajuste é de 33,24%. Porém, no início do mês de março a prefeita antecipou 14,35% faltando 16,57%.

Leia mais:   Magistrado cacerense José Lindote é escolhido juiz-membro titular do TRE-MT

A prefeita recorreu judicialmente defendendo a ilegalidade da paralisação. Na quinta-feira (23/06), o Tribunal de Justiça, através da desembargadora Maria Erotides kneip, determinou o retorno dos professores ao trabalho, em 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

O Sindicato dos Servidores Municipais (SSPM) informou na 6ª-feira (24/06) que manteria a greve levando em conta que ainda não havia sido notificado da decisão. E, que, após a notificação iria se reunir, em assembleia com a categoria para decidir. Vários professores, em contato com o Expressão Notícias, disseram que pretendem “peitar” a decisão judicial e manter a paralisação.

O que diz Valdeníria

“Lamento muito se isso estiver acontecendo e que alguns estejam vendo dessa maneira. A greve não pode ser usada como palanque político nem contra e nem a favor de A ou B. Não sou contra professores, sempre defendi os direitos de todos.

Só penso que não podemos misturar questões políticas e partidárias com os problemas da gestão. Tenho certeza que a prefeita não concedeu o piso porque não quer e sim porque agora não tem como pagar.

Quando ela ajustar e tiver condições vai pagar, tenho certeza disso. Quem me conhece sabe que sou a favor do que é legal e possível de se fazer. Tenho certeza que dentro da categoria tenho muitos apoiadores”

O que dizem os professores a apoiadores

Leia mais:   Câmara de Cáceres infringe a própria portaria permitindo evento causando aglomeração no plenário

O professor José Carlos Gomes disse que os professores manifestaram o descontentamento com esses pré-candidatos e ainda alguns vereadores que apoiam a administração porque “eles não estão fazendo nada para ajudar a resolver a situação” e indaga “Como querem ser deputado federal ou estadual se não conseguem sequer ajudar a resolver um problema tão simples? ”.

Professor Luiz Aurélio disse que a crítica foi a forma da categoria exigir que “os pretensos candidatos que contam com o apoio da prefeita, na eleição próxima, contribuam com a administração no intuito de fazer gestão visando atender a legislação federal que disciplina o piso do magistério a prefeita é a única que dispõe de autoridade para adequar o orçamento municipal para efetivar os direitos dos profissionais de educação”.
Professora e vereadora Mazéh Silva, afirmou que “começamos a chamar a atenção da população cacerense para os pretensos candidatos dela (prefeita Eliene).

Para que a população saiba os nomes dos vereadores (a) que apoiam os PL’s que traz retrocesso para população, bem como mostrar a cara desses atores (já conhecidos) que almejam chegar na Assembleia Legislativa e Câmara Federal”.

Vereador Cesare Pastorello apoiador do movimento pontuou que ”os profissionais da Educação estão cobrando de quem tem que cobrar, da prefeita e dos vereadores. E, se tem candidatos a outros cargos que querem se beneficiar do prestígio da prefeita nas inaugurações, então têm que arcar também com o ônus das decisões erradas da Prefeitura. O posicionamento dos candidatos, em relação à greve, fala muito sobre como vão atuar no futuro, se forem eleitos”

 

Comentários Facebook
Continue Reading

Cáceres e Região

33 cidades do Estado, inclusive, Cáceres tem fornecimento afetado por batida de postes no fim de semana

Published

on

Assessoria

Entre sexta (24) e domingo (26), ou seja, nas últimas 48 horas, a concessionária Energisa registrou acidentes decorrentes de batidas em postes de luz em 33 cidades espalhadas por todas as regiões de Mato Grosso. Na manhã deste domingo equipes da concessionária trocaram um poste na cidade de Rondonópolis (212 km ao Sul de Cuiabá).

De acordo com a Energisa, 40 imóveis tiveram fornecimento de energia impactado na zona urbana do município. Informações colhidas no local apontam que o acidente foi causado por imprudência do motorista.

“Os relatos que nossas equipes observam nessas ocorrências e que a grande maioria das batidas poderia ter sido evitada se o condutor tivesse atenção e seguisse as leis de trânsito, dirigindo com prudência”, destaca José Nelson Quadrado Júnior, gerente de Operações da Energisa em Mato Grosso.

Veja os municípios com registros nas últimas 48 horas:
Nova Mutum
Guarantã do Norte
Cuiabá
Matupá
Nova Canaã
Sorriso
Lucas do Rio Verde
Nova Santa Helena
Sinop
São José dos Quatros Marcos
Confresa
Nova Xavantina
Ribeirão Cascalheira
Jaciara
Rondonópolis
Nova Olímpia
São Félix do Araguaia
Canarana
Cáceres
Tapurah
Chapada dos Guimarães
Primavera do Leste
Santa Rita do Trivelato
Barra do Bugres
São José do Xingu
Santa Carmem
Várzea Grande
Nova Lacerda
Ipiranga do norte
Colíder
Gaúcha do Norte
Aripuanã
Feliz natal
Araputanga.

Leia mais:   Bora lá? Veja as opções de lazer e entretenimentos do fim de semana em Cáceres

Na maior parte dos casos, os postes são trocados por equipes chamadas de linha viva, especializadas em fazer esse trabalho sem interromper o abastecimento de energia. “Mas nem sempre a gente consegue. Quando a batida acontece, principalmente quando a estrutura cai, vários mecanismos são danificados, gerando transtornos para quem vive na localidade”, explica José Nelson.

Mas o problema maior é o risco à vida. Em uma batida, cabos energizados podem cair sobre os veículos ou no chão, gerando sérias consequências, como choques e queimaduras graves. “A sociedade precisa estar atenta. Trânsito não é brincadeira. E o que a gente mais quer é voltar pra casa bem, junto às nossas famílias. O caminho para isso é a prudência” destacou o gerente.

Maiores registros
Sorriso: 7
Sinop: 5
Cuiabá: 5
Matupá: 4
Rondonópolis: 3
Lucas: 2
Confresa: 2
Jaciara: 2
Cáceres: 2
Várzea Grande: 2
Feliz Natal: 2.

Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana