conecte-se conosco


Carros e Motos

Nova geração do Hyundai Sonata é revelada e estará no Salão de Nova York

Publicado

A oitava geração do Hyundai Sonata foi revelada em algumas imagens, antes do Salão de Nova York, onde será apresentado. O sedã abandona as formas mais conservadoras da geração apresentada há apenas dois anos, com o objetivo de se aproximar mais de um cupê. O sedã tem caimento de teto mais acentuado e visual mais esportivo. A carroceria incorpora o conceito de design que a empresa chama de Sensuous Sportiness. Apesar da revelação, a maioria dos detalhes técnicos ainda não foram divulgados

LEIA MAIS: Hyundai HB20 Comfort Plus 1.0 passa a ter multimídia com TV de série. Veja mais detalhes

O novo Hyundai Sonata busca inspiração no conceito Le Fil Rouge, da edição do ano passado do Salão de Genebra . Até agora, entre as informações que já temos, sabe-se que será 3 centímetros mais baixo, 2,5 cm mais largo e 4,5 centímetros mais comprido do que o atual. Só no entre-eixos, houve um aumento de 3,5 cm. O que se espera com essa mudança nas dimensões é um maior espaço interno e consequentemente mais conforto aos ocupantes.

LEIA MAIS: Hyundai revela as primeiras imagens do novo sedã Elantra da linha 2019. Confira como ficou o sedã

Novo design do Hyundai Sonata


Hyundai Sonata agora ares de cupê, conforme a tendência de design com linhas fluidas e que transmitem velocidade
Divulgação

Hyundai Sonata agora ares de cupê, conforme a tendência de design com linhas fluidas e que transmitem velocidade

A dianteira traz formas repletas de ângulos e vincos, enquanto as tomadas de ar chegam com um contorno cromado. Assim como os novos pára-lamas, que trazem um aplique metálico por toda a lateral e envolve toda a área envidraçada, a grade do radiador também ganhou novo desenho. Além disso, estreia luzes de circulação diurna embutidas nos faróis, que são full led.

LEIA MAIS: Hyundai confirma que a picape Santa Cruz será lançada já no ano que vem, nos Estados Unidos

Já o seu interior, recebeu um painel com acabamento bicolor, preto e bege, e detalhes cromados. A primeira foto revelada mostra que console central é equipado com entradas USB, porta-copos, comando que aciona o freio de estacionamento elétrico, e botões para manusear o câmbio. O objetivo da marca ao projetar o ambiente foi, como sempre, de proporcionar design e conforto.

LEIA MAIS: Salão do Automóvel terá o elétrico Hyundai Ioniq, que poderá ser vendido aqui no País

Outro detalhe ainda não revelado é a motorização da linha 2020. Como referência, o Hyundai Sonata 2019 é vendido com dois motores a combustão: 2.4 aspirado de 185 cv ou 2.0 turbo de 245 cv. Além disso, traz variantes híbridas e híbridas plug-in, com 193 cv e 202 cv. Caso a novidade venha ao Brasil, se encaixaria em um segmento acima de Corolla , Civic e Jetta, mas abaixo de Fusion, Camry, Accord, BMW Série 3 e outros. Antes de ter saído do nosso mercado, posicionava-se abaixo do ‘irmão” maior Hyundai Azera , com o qual a novidade agora veio para dividir espaço.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook

Carros e Motos

Jeep Renegade x VW T-Cross:  novato chega ditando novos paradigmas

Publicado


VW T-Cross é bem mais baixo que o rival Jeep Renegade, o que lhe confere uma pegada de hatch ao dirigir
Caue Lira/iG

VW T-Cross é bem mais baixo que o rival Jeep Renegade, o que lhe confere uma pegada de hatch ao dirigir

O novo VW T-Cross ainda está em pré-venda, mas já enfrenta o primeiro rival que apareceu na redação de iG Carros, o Jeep Renegade. Nesse primeiro momento, não tivemos como escolher as versões do comparativo. Mas, por coincidência, nos deparamos com duas que têm quase o mesmo preço: a Highline, com todos os opcionais, do T-Cross (R$ 126.490) e a Longitude, a diesel ,do Renegade (R$ 125.4900).

LEIA MAIS: VW T-Cross vai abalar a prova dos 9 dos SUVs. Saiba mais detalhes

Mais uma vez, ficou claro que é importante saber bem qual versão escolher na hora de levar um carro para casa. O VW T-Cross demonstrou ter várias qualidades, mas a totalmente equipada não é a que mais vale a pena. Vem com som de alta-fidelidade da Beats, sistema que faz baliza sozinho na hora de estacionar, teto solar panorâmico, entre outros itens que encarecem o preço e não fazem parte do que realmente chama atenção no carro.

O que se destaca mesmo no VW é o bom acerto não apenas da parte estrutural, mas também do conjunto mecânico. Não é à toa que a marca alemã resolveu deixar de produzir as versões 1.0 e 1.4 turbo do Golf, que agora terá apenas o esportivo GTI. O T-Cross consegue manter a mesma pegada de um hatch médio tanto nas curvas quanto em retas, sempre transmitindo segurança.

 No Renegade Longitude a diesel o ajuste não favorece tanto quem gosta de dirigir, uma vez que tem centro de gravidade mais alto e maior área frontal corrigida (0,95 m2 ante 0,84 m2 do T-Cross). Em contrapartida, o motor turbodiesel garante um ganho de força mais linear, partindo das primeiras marcações do contagiros. São nada despresíveis 35,7 kgfm a 1.750 rpm, ante 25,5 a 1.500 rpm do T-Cross.

Boa tocada no VW T-Cross


VW T-Cross  tem boa  dinâmica em qualquer situação e sem prejudicar o conforto e a valentia ao passar por obstáculos
Divulgação

VW T-Cross tem boa dinâmica em qualquer situação e sem prejudicar o conforto e a valentia ao passar por obstáculos

 Entretanto, o Volkswagen consegue acelerar de 0 a 100 km/h mais rápido (8,7 segundos contra 9,9 s do Renegade) e ganhar mais velocidade (198 km/h ante 190 km/h do Jeep). Outra vantagem do T-Cross é que conseguiram aliar boa estabilidade com valentia em enfrentar obstáculos urbanos pelo caminho, como valetas e lombadas. Portanto, atingiram o melhor de dois mundos no VW, que pode vir com rodas de aro 17 montadas em pneus 205/55R 17 ante 225/55R 18 do Jeep.

LEIA MAIS: eep Renegade 2019: versão Longitude com motor 1.8 flex vale a pena?

Claro que o nível de conforto no VW T-Cross também é maior por uma série de fatores. Já começa com o ruído menor do motor 1.4 turbo flex na comparação com o 2.0 turbodiesel. Depois, por causa da suspensão do VW, que consegue absorver as irregularidades do piso um pouco melhor que o Jeep, que sempre foi conhecido por ter um bom ajuste mas que agora é superado pelo T-Cross.

Com motor turbodiesel e tanque maior (60 l ante 52 l do VW), o Renegade poderia ter a vantagem de ter mais autonomia na estrada, mas ambos se equivalem. O Jeep pode chegar a 690 km, teoricamente, levando em conta os 11,5 km/l divulgados pelo Inmetro. No VW T-Cross, com gasolina, chega-se a 686 km, considerando os 13,2 km/l de consumo rodoviário. Na cidade, se for usar o derivado do petróleo, o T-Cross gasta menos (11 km/l, ante 9,4 km/l do Renegade).


Entre os opcionais do VW T-Cross 2019, destaque para a tela touchscreen de oito polegadas
Divulgação

Entre os opcionais do VW T-Cross 2019, destaque para a tela touchscreen de oito polegadas

No quesito ergonomia, o VW T-Cross passa a dar outra prova de que veio para estabelecer novos padrões no segmento de SUVs compactos .  Na versão avaliada, o carro veio com cluster digital e configurável, central multimídia de última geração com tela de alta resolução e fácil de ser usada, alavanca de câmbio em que as marchas aparecem no topo, facilitando a visualização, mesmo à noite. O que destoa do conjunto é a alavanca do freio de estacionamento convencional no lugar do botão eletrônico, como no Renegade. 

No Jeep foi mantido o mesmo volante com 18 botões, inclusive atrás do aro, o que o torna um pouco confuso de ser usado. Além disso, a central multimídia não é tão intuitiva de ser usada quando a do T-Cross e o do Renegade interior continua quase o mesmo desde o lançamento, há quatro anos.  Contudo, há pontos interessantes, como o porta-objetos debaixo do assento dianteiro do passageiro e os easter eggs no cantos do para-brisa.

Quando o assunto é espaço interno, há algumas ressalvas em ambos os SUVs. No VW T-Cross, quem vai sentado no centro do banco traseiro fica incomodado pelo assento um pouco mais alto e pela parte do console central que pode esbarrar nos joelhos. No Renegade, há um pouco mais de conforto para quem vai atrás. E falta área de carga no porta-malas nos dois:  320 litros no Jeep e 373 no VW, ligeiramente maior, mas abaixo do ideal.

LEIA MAIS: VW T-Cross se mostra um SUV compacto acima da média atual


Jeep Renegade mantém o mesmo padrão há 4 anos e passa a ter a central multimídia do Compass
Divulgação

Jeep Renegade mantém o mesmo padrão há 4 anos e passa a ter a central multimídia do Compass

E no capítulo equipamentos dos dois utilitários esportivos vale destacar que os dois contam com ancoratem ISOFIX para cadeiras infantis, ar-condicionado digital, revestimento de couro no interior, conexão USB na frente e atrás, retrovisor fotocrômico, câmera de ré, sensores nos para-choques para ajudar nas manobras, entre outros itens. O VW T-Cross se diferencia pelos itens ligados à parte dinâmica, como a vetorização de torque, que ajuda na estabilidade nas curvas, além de equipamentos sofisticados oferecidos como opcional.




Conclusão

Eficiente, moderno e com dirigibilidade de hatch médio, o VW T-Cross ainda se destaca pelos itens sofisticados com os quais pode vir equipado.  Demorou para chegar ao segmento de SUVs compactos, mas é a referência a ser seguida daqui  em diante. E o Renegade se destaca por ser único a poder ter a combinação de motor a diesel com tração integral, indicado para quem vai mesmo pegar trechos de terra e precisar de bastante força no dia a dia.

Ficha Técnica – Jeep Renegade Longitude 4×4

Preço: a partir de R$ 125.490

Motor:  2.0, quatro cilindros, flex

Potência:  170 cv  a 3.750 rpm

Torque:  35,7 a 1.750 rpm

Transmissão:  Automático, nove marchas , tração integral

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / sólidos (traseiros)

Pneus:  225/55 R18

Dimensões: 4,23 m (comprimento) / 1,70 m (largura) / 1,72 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque: 60 litros

Porta-malas: 320 litros 

Consumo gasolina: 9,4 km/l (cidade) / 11,5 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 9,9 segundos 

Velocidade máxima: 190 km/h 

Ficha Técnica –  VW T-Cross Highline 1.4 turbo

Preço: a partir de R$ 109.990 (R$ 126.490 com todos os opcionais) 

Motor:  1.4, quatro cilindros, flex, turbo

Potência:  150 cv  a 4.500 rpm

Torque:  25,5 kgfm a 1.500 rpm

Transmissão:  Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios:  Discos ventilados (dianteiros) / sólido (traseiros)

Pneus:  205/55 R17

Dimensões: 4,20 m (comprimento) / 1,75 m (largura) / 1,57 m (altura), 2,65 m (entre-eixos)

Tanque: 52 litros

Porta-malas: 373 litros 

Consumo gasolina: 7,7 km/l (cidade) / 9,3 km/l (estrada), com etanol e 11,2 cidade e 13,2 km/l na estrada, com gasolina

0 a 100 km/h: 8,7 segundos

Velocidade máxima:  198 km/h    

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Moto elétrica traz smartphones da Samsung no lugar de retrovisores

Publicado


Desenvolvida na Itália, a moto elétrica traz um par de Samsung Galaxy A8 no lugar dos retrovisores
Divulgação

Desenvolvida na Itália, a moto elétrica traz um par de Samsung Galaxy A8 no lugar dos retrovisores

A Samsung, e a fabricante de motocicletas elétricas Enérgica, se uniram e criaram o conceito “Bolid-E”, do projeto que apelidaram de “Smart Ride”. Seguindo as tendências mundiais de tecnologia e conectividade, mas sem abandonar o apelo que terá através do design, o local escolhido para o seu desenvolvimento foi a Itália. Segundo ambas as empresas, a moto elétrica tem como objetivo uma experiência de pilotagem completamente nova, e promete revolucionar o mundo das duas rodas.

LEIA MAIS: Veja quais são os 5 scooteres novos mais baratos do Brasil

O enfoque central do projeto é a interação via NFC e Bluetooth entre o Samsung Galaxy Watch e a moto elétrica . Retrovisores inteligentes — que na verdade são dois aparelhos Galaxy A8, que exercem apenas a função de tela para as duas câmeras — permitem o motociclista observar, em tempo real e em alta resolução, o que se passa à frente e atrás. As empresas ressaltam o bom foco que as imagens têm capacidade de transmitir.

LEIA MAIS: Honda mostra a nova CB 650R no Salão de Milão (Itália)

Conectividade da moto elétrica


Moto elétrica traz funções de conectividade através do Samsung Smartwatch
Divulgação

Moto elétrica traz funções de conectividade através do Samsung Smartwatch

Através da conexão com o Samsung smartwatch, entre as funções de acessibilidade, é possível visualizar informações da bateria, autonomia e até encontrar a moto via GPS. Além disso, a buzina pode ser acionada à distância, caso queira saber onde a moto está ou para outras funções. Outra novidade da motocicleta Enérgica é que, através do NFC, é possível gerar chaves virtuais de proximidade para ligar a moto.

LEIA MAIS: Supermoto marca o fim da produção de modelos a combustão da Curtiss

As empresas também desenvolveram um aplicativo dedicado para oferecer mapeamento ao vivo e enviar dados de telemetria para o telefone do motociclista. Dados como a distância percorrida, velocidade média, carga da bateria, entre outras informações, podem ser acessadas a qualquer momento no app. Em geral, trata-se de uma motocicleta que visa otimizar mobilidade, com tecnologia, ares futuristas e exclusividade.

LEIA MAIS: Motocicleta elétrica aposta no estilo retrô. Veja mais detalhes

Quanto à parceria para a criação da nova moto elétrica , Segundo afirmou Francesco Cordani, diretor de marketing e comunicação da Samsung Itália: “Na Samsung, sabemos que a inovação pode desempenhar um papel fundamental, pois permite projetos revolucionários com impacto direto na vida cotidiana. Esta é exatamente a razão pela qual estamos comprometidos em continuar explorando novos setores, onde as ideias podem ser transformadas em projetos reais, graças à tecnologia”.

Siga acompanhando o iG Carros nas redes sociais do  Facebook e do  Instagram

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana