conecte-se conosco


Policial

NOTA DE ESCLARECIMENTO – PJC/MT

Publicado

A Polícia Judiciária Civil esclarece que dois cães de propriedade de R.C.P. de 38 anos, foram voluntariamente empregados em novas buscas na região onde o menino Samuel Victor da Silva Gomes Carvalho, 6 anos, desapareceu no dia 20 de outubro, em Rondonópolis. Essa nova busca foi acompanhada por uma equipe da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso, que investiga o caso. 

Esclarecemos ainda que o emprego dos cães em Rondonópolis foi ofertado à família do garoto desaparecido e que a Polícia Civil não faz nenhuma solicitação para buscas com cães particulares. Em casos que sejam necessário o emprego de animais farejadores são utilizados os serviços dos canis das forças de segurança pública do Estado, que possuem cães adestrados e profissionais qualificados . 

Em relação à alegação de que R.C.P. teria participado com seus cães nas buscas de um caminhoneiro desaparecido em Cuiabá, ressaltamos que tal informação é inverídica, conforme boletim de ocorrência registrado pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores, na sexta-feira (01.11), de natureza estelionato. Em nenhuma ação policial foi solicitado ou autorizado que a pessoa de R.C.P. prestasse qualquer tipo de auxílio ou apoio com seus cães farejadores à  DERRFVA.

Leia mais:   Polícia Civil divulga resultado preliminar e prazo de recurso de processo seletivo

Informamos também que no dia 26 de outubro, R.C.P. compareceu na DERRFVA juntamente com uma equipe de reportagem e dois cães, alegando que ajudaria na busca ao motorista de caminhão que estava desaparecido. Na ocasião, o delegado Arnon Osny Mendes Lucas não autorizou qualquer tipo de intervenção do mesmo nas investigações. O caminhoneiro foi localizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), sem que houvesse qualquer tipo de ajuda de R.C.P.

Ainda em checagem foi verificado que R.C.P. possui diversos registros criminais por estelionato, apropriação indébita, maus tratos, violência doméstica, uso de documento falso, entre outros. O delegado da DERRFVA, Arnon Osny Mendes Lucas, alerta a sociedade para esse tipo de situação em que o cidadão pode ser induzido a erro ou falsa informação, vindo a ser vítima de possível golpe. 

R.C.P. não foi preso, mas será investigado pela situação ocorrida em Rondonópolis por estelionato. 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook

Policial

Polícia Civil prende cinco suspeitos de integrar quadrilha de roubo de gado

Publicado

Assessoria/PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil de Barra do Garças deflagrou na segunda-feira (18.11) a Operação Boi Bandido 2 para cumprimento de mandados de prisões e de buscas e apreensões contra alvos suspeitos de roubo de gado. A operação conduzida pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Barra do Garças tem como base as investigações do furto de 41 cabeças de gado bovino, ocorrido no mês de outubro em uma fazenda do município.

Cinco suspeitos L.P.M., N.S.S., N.R.K. e J.I.M.V. e N.C.S.J. tiveram as ordens de prisões cumpridas, após terem a participação identificada na ação criminosa.
O gado furtado da fazenda em Barra do Garças foi recuperado logo após o crime, em outra propriedade também na região, ocasião em que foram realizadas as prisões em flagrante de dois suspeitos, que na época foram liberados em audiência de custódia.

Segundo o delgado da Derf Barra do Garças que coordenou as investigações, Nelder Pereira Martins, as provas colhidas durante a investigação trouxeram evidências de que os suspeitos compunham uma quadrilha de roubo, com crimes reiterados e modus operandi similar na prática criminal. Dentre os suspeitos identificados, está um funcionário da propriedade. O delgado representou pelos pedidos de prisões dos envolvidos, inclusive dos que foram detidos em flagrante na ocasião do furto.

Leia mais:   Polícia Civil cumpre mandados para apurar homicídio praticado por facção criminosa

Os mandados de buscas e apreensões foram cumpridos em uma fazenda onde foram localizadas as reses e em comércios suspeitos da venda de gado abatido clandestinamente. Foram apreendidos também veículos dos suspeitos do crime, sendo duas caminhonetes e dois veículos de passeio.

Nas residências dos suspeitos, os policiais apreenderam outros materiais como duas armas de fogo (um revólver e uma espingarda calibres 38); R$ 14 mil em espécie, não declarados e sem comprovação da origem; mais de R$ 20 mil em cheques e documentos diversos.

O crime

Em 21 de outubro, 41 cabeças de gado bovino foram furtadas de uma propriedade rural do município de Barra do Garças (509 km a Leste de Cuiabá) e recuperadas pela Polícia Judiciária Civil com apoio da Polícia Militar, poucas horas após o crime.

A ação da Delegacia Especializada de Roubos e Furtosde Barra do Garças com apoio da Delegacia de General Carneiro resultou em dois homens presos e na apreensão de vários objetos utilizados para abate clandestino de gado. Os suspeitos, N.R.K. e V.V.A., foram autuados em flagrante por furto qualificado (abigeato) e associação criminosa.

Leia mais:   Polícia Civil divulga resultado preliminar e prazo de recurso de processo seletivo

O furto ocorreu na Fazenda Agropecuária de Barra do Garças SA. Na ocasião, os autores usaram um veículo tipo caminhão para o transporte dos animais.

O rebanho confinado foi localizado na Fazenda Jatobá.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Polícia Civil cumpre mandados para apurar homicídio cometido a mando de facção criminosa

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), deflagrou na manhã desta terça-feira (19.11), uma operação com objetivo de cumprir sete ordens judiciais, entre mandados de prisão e de busca e apreensão, relativos à investigação do homicídio que vitimou Nelson Wolfred Shug Neto.

Durante os trabalhos, foram cumpridos mandados de prisão temporária contra os suspeitos, E.D.N.S., 26, C.A.M.,20, e E.S.D., 26, apontados nas investigações da DHPP como envolvidos no crime. 

O corpo da vítima foi encontrado no dia 08 de março, em uma região de mata, no bairro Santa Terezinha, na Capital, local que seria conhecido como cemitério de uma facção criminosa, atuante no estado. A vítima estava decapitada, com a cabeça ao lado do corpo e com sinais de tortura.

De acordo com as investigações da DHPP, o crime foi motivado por uma suposta rixa entre facções criminosas, uma vez que vítima veio do estado de São Paulo e dizia  pertencer a um grupo criminoso rival ao qual teria praticado o crime.

Leia mais:   Polícia Civil divulga resultado preliminar e prazo de recurso de processo seletivo

Segundo o delegado que coordenou os trabalhos, Olímpio da Cunha Fernandes Junior, foi uma investigação extremamente difícil, uma vez que inicialmente não havia indícios de quem poderia ter praticado o crime. 

“Como a vítima veio de outro estado e não conhecia ninguém na região, tentava contar vantagem dizendo ser membro de uma facção, fato que teria motivado a sua morte”

Com a identificação dos autores, o delegado representou pelos mandados de prisões e de buscas e apreensões contra os suspeitos, que foram deferidos pela Justiça e cumpridos pela equipe da DHPP nesta terça-feira (19), em endereços freqüentados pelos investigados nos bairros Santa Terezinha II, em Cuiabá e Jardim Maringá II, em Várzea Grande. 

Durante as buscas foram apreendidos aparelhos celulares e porções de maconha, crack e cocaína para consumo próprio. Após terem a ordem de prisão cumprida, os suspeitos E.D.N.S., e C.A.M., foram encaminhados à delegacia onde serão interrogados pelo delegado. 

O terceiro envolvido no crime, E.S.D., já estava preso por outro crime e teve a ordem de prisão cumprida dentro da unidade prisional na Capital. 

Leia mais:   Polícia Civil prende traficantes com drogas, veículo e dinheiro em Várzea Grande

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana