conecte-se conosco


Mato Grosso

MT lança balanço das metas PCI durante a COP25

Publicado

Mato Grosso apresenta durante a 25ª. edição da Conferência da ONU sobre o Clima (COP25) o balanço atualizado das metas da Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI). A publicação deste ano traz o balanço das 21 metas da PCI para os anos de 2016, 2017 e 2018, tendo como referência da linha de base do ano de 2015, quando a PCI foi lançada.

Dentre os indicadores avaliados, que podem ser acessados no site PCI Monitor, está a conversão de pastagens degradadas para outras culturas agrícolas. A meta é substituir 12,5 milhões de hectares de pastagens até 2030. Atualmente, 9,63 milhões de áreas degradas já estão ocupadas por novas culturas. A variação na área colhida de 2017 a 2018 foi de 0,15 milhões de hectares.

O Comitê de Monitoramento da PCI foi formado no início de 2017 com o objetivo de avaliar os avanços em direção às metas, além de subsidiar o aperfeiçoamento e melhoria da efetividade de ações e garantir a transparência e credibilidade da estratégia para parceiros, investidores e sociedade em geral.

Segundo o diretor executivo do Instituto PCI, Fernando Sampaio, o monitoramento da PCI visa identificar os avanços em direção à visão estabelecida para Mato Grosso para 2030.  “Com isso, podemos avaliar a efetividade de ações e subsidiar o aperfeiçoamento ou redirecionamento de ações”, projeto Sampaio

A secretária de Estado de Meio Ambiente Mauren Lazzaretti reforça o compromisso de Mato Grosso com o combate ao desmatamento ilegal e implementação do Código Florestal Brasileiro. Para a gestora, é preciso promover a regularização ambiental e criar mecanismos para valorização da floresta em pé: ”O Governo do Estado está investindo e tomando ações concretas para avançar ainda mais em seus compromissos”.

Leia mais:   Unidade se consolida como maior projeto de formação em artes cênicas de MT

Inovação

Em 2015, durante a COP21 em Paris, foi lançada a Estratégia PCI, uma abordagem jurisdicional para o desenvolvimento rural sustentável, que reúne atores públicos, privados e do terceiro setor em torno de metas de longo prazo em seus três eixos: Produzir, Conservar e Incluir. 

A PCI tem metas de aumentar a produção agropecuária através da melhoria de produtividade da pecuária e a expansão de área de grãos sobre áreas já abertas. Eliminar o desmatamento ilegal (que responde por mais de 87% do desmatamento do estado), implementar o Código Florestal, criar mecanismos de compensação financeira para o desmatamento legal, apoiar a agricultura familiar e populações tradicionais e indígenas no acesso a crédito, assistência técnica, regularização fundiária e ambiental.

As metas da PCI contribuem diretamente para a Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil no Acordo de Paris e para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS). Se alcançadas, as metas representam uma redução de emissões de 6 gigatoneladas de CO2, o que faz da PCI a maior iniciativa sub-nacional do mundo em mitigação de mudanças climáticas.

Leia mais:   Festival de Lambadão segue com inscrições abertas até dia 31 de janeiro

Com a nova gestão, a Estratégia PCI passa a ser implementada em parceria com o Instituto PCI, responsável por articular ações públicas e privadas além de captar recursos e investimentos para programas e projetos no Estado.

Plano de Ação

Na semana que antecedeu a COP em Madri, foi apresentado, em Cuiabá, o Plano de Ação do Instituto PCI para o próximo ano. As reuniões que envolveram Secretários de Estado, autarquias, membros fundadores e integrantes do comitê estadual.

O Plano apresentado é mais um passo importante na criação de uma estrutura sólida que possibilite ao estado de Mato Grosso receber investimentos para a promoção do desenvolvimento sustentável de seu território. “O objetivo é garantir personalidade jurídica e estrutura material e humana de forma a dar efetividade às funções do Instituto conforme determinado em Decreto Estadual e conforme planejamento organizacional aprovado”, explicou Fernando Sampaio, diretor executivo do Instituto PCI.

O Plano de Ação apresentado está alicerçado em pilares centrais, como a estruturação do Instituto, a definição de ações prioritária para captação de investimentos, o monitoramento dos objetivos e metas estabelecidos, a regionalização da atuação a partir de uma visão territorial e ações de comunicação para garantir visibilidade e credibilidade.

O Balanço de Metas é um trabalho do Comitê de Monitoramento do Instituto PCI  e está disponível no site: www.pcimonitor.org

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Estadual

Mais de 1200 empreendedores acreditam no Programa de Inovação de MT

Publicado

Ao todo 498 idéias inovadoras foram submetidas

Encerrou com sucesso as inscrições para o Programa Centelha em Mato Grosso, com mais de 1200 participantes cadastrados e 498 idéias Inovadoras submetidas. O programa tem objetivo desenvolver e disseminar a cultura do empreendedorismo inovador e acelerar a geração de novos empreendimentos de base tecnológica.

O programa visa criar 27 startups e capacitar empreendimentos ou processos inovadores para o desenvolvimento de bens ou serviços. Na criação das empresas, cada projeto receberá R$ 60 mil , não reembolsáveis, com um prazo de execução em um ano.

Foram ao todo 498 propostas inovadoras e as áreas com maior números de propostas submetidas foram: Tecnologia sociais, Química novos materiais, Inteligência rtificial   Machine learning e Internet das coisas, oriundas  de 39 cidades diferentes do Estado.

Para o Presidente da Fapemat Prof. Adriano Silva,” é importante este tipo de fomento, acreditamos no potencial de novos empreendedores, que trarão com certeza  vários benefícios econômicos, bem como a geração de emprego e renda em todo o estado, esta tem sido uma das grandes preocupações do Governador Mauro Mendes”.

Leia mais:   Polícia Militar flagra suspeitos com 29 exemplares de pescado irregular

O resultado parcial será divulgado no dia 02 de março, e os empreendedores selecionados receberão apoio técnico profissional especializado para o desenvolvimento e aprimoramento de suas idéias, em cada uma das etapas foram preparadas materiais, como vídeos e manuais para auxiliar os coordenadores a submeterem as propostas da melhor maneira possível.

Da Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Escola de Itaúba aposta em aula de campo para ensinar bioma amazônico

Publicado

Alunos da Escola Estadual Papa João Paulo II, localizada no município de Itaúba (a 600 quilômetros ao norte da Capital) participam de aula de campo sobre “Bioma Amazônia no Vale das Castanhas”, uma área de floresta nativa. Da aula prática, ocorrida na terça-feira (14.01), participaram estudantes de duas turmas do 8º ano.

Os alunos foram visitar o Vale da Castanha, área preservada cujo nome se deve ao grande número de castanheiras presentes no local.

Segundo a professora de ciências Sônia Luciano Ferreira, coordenadora da aula de campo, a atividade faz parte do planejamento da disciplina de ciências, cujo tema trabalhado em sala foi sobre o bioma amazônico.

“A aula foi bastante produtiva e os alunos ficaram entusiasmados com o que visualizaram. Muitos alunos nascidos no município não conheciam o lugar e não sabiam como a castanha era produzida, embora seja símbolo do município e fonte de economia local”, destaca a professora.

Durante a aula de campo, os alunos puderam observar de perto as espécies da flora estudadas em sala de aula. No decorrer do percurso de 40 quilômetros foram realizadas cinco paradas, conforme planejado no roteiro.

Leia mais:   Intermat reforma estrutura física em parceria com o Programa Terra a Limpo

No entendimento da professora, cada parada era momento de muito aprendizado e muitos questionamentos.  “Os alunos conseguiram perceber a floresta como algo essencial para a população local e também sua importância de forma global. Foi um momento muito gratificante em que os questionamentos foram surgindo e a aula acontecendo a partir da curiosidade de cada aluno”, assinala.

Na aula de campo, os alunos também observaram como a pecuária e a monocultura vêm avançando no município. Durante o trajeto, os alunos manifestaram a preocupação com a conservação da floresta quando se depararam uma extensa área de plantação de soja e áreas de pastagens.

Segundo o diretor Edinei Gleison da Silva Colhiado, a aula de campo possibilitou também que os alunos compreendessem que é possível utilizar a floresta de forma rentável, sustentável e assim manter a biodiversidade.

“A conservação da floresta foi bastante citada durante a aula de campo. Esse é um tema de relevância e que vem sendo trabalhado durante as aulas de ciências com os alunos, pois vivem no bioma amazônia que ganhou um novo olhar, voltado para as espécies de grande valor ambiental e comercial como é o caso da castanha do Brasil”, frisa o diretor.

Leia mais:   Solicitação de matrículas web para creches estaduais podem ser feitas na terça-feira (21)

A aula de campo contou com a colaboração dos professores de língua portuguesa Nilson Caires e Sidnéia Gomes e da professora de educação física Marizete Sauer.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana