conecte-se conosco


Mato Grosso

MT lança balanço das metas PCI durante a COP25

Publicado

Mato Grosso apresenta durante a 25ª. edição da Conferência da ONU sobre o Clima (COP25) o balanço atualizado das metas da Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI). A publicação deste ano traz o balanço das 21 metas da PCI para os anos de 2016, 2017 e 2018, tendo como referência da linha de base do ano de 2015, quando a PCI foi lançada.

Dentre os indicadores avaliados, que podem ser acessados no site PCI Monitor, está a conversão de pastagens degradadas para outras culturas agrícolas. A meta é substituir 12,5 milhões de hectares de pastagens até 2030. Atualmente, 9,63 milhões de áreas degradas já estão ocupadas por novas culturas. A variação na área colhida de 2017 a 2018 foi de 0,15 milhões de hectares.

O Comitê de Monitoramento da PCI foi formado no início de 2017 com o objetivo de avaliar os avanços em direção às metas, além de subsidiar o aperfeiçoamento e melhoria da efetividade de ações e garantir a transparência e credibilidade da estratégia para parceiros, investidores e sociedade em geral.

Segundo o diretor executivo do Instituto PCI, Fernando Sampaio, o monitoramento da PCI visa identificar os avanços em direção à visão estabelecida para Mato Grosso para 2030.  “Com isso, podemos avaliar a efetividade de ações e subsidiar o aperfeiçoamento ou redirecionamento de ações”, projeto Sampaio

A secretária de Estado de Meio Ambiente Mauren Lazzaretti reforça o compromisso de Mato Grosso com o combate ao desmatamento ilegal e implementação do Código Florestal Brasileiro. Para a gestora, é preciso promover a regularização ambiental e criar mecanismos para valorização da floresta em pé: ”O Governo do Estado está investindo e tomando ações concretas para avançar ainda mais em seus compromissos”.

Leia mais:   Governador vistoria obras de Infraestrutura e hospitais no Norte de MT; veja o roteiro

Inovação

Em 2015, durante a COP21 em Paris, foi lançada a Estratégia PCI, uma abordagem jurisdicional para o desenvolvimento rural sustentável, que reúne atores públicos, privados e do terceiro setor em torno de metas de longo prazo em seus três eixos: Produzir, Conservar e Incluir. 

A PCI tem metas de aumentar a produção agropecuária através da melhoria de produtividade da pecuária e a expansão de área de grãos sobre áreas já abertas. Eliminar o desmatamento ilegal (que responde por mais de 87% do desmatamento do estado), implementar o Código Florestal, criar mecanismos de compensação financeira para o desmatamento legal, apoiar a agricultura familiar e populações tradicionais e indígenas no acesso a crédito, assistência técnica, regularização fundiária e ambiental.

As metas da PCI contribuem diretamente para a Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil no Acordo de Paris e para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS). Se alcançadas, as metas representam uma redução de emissões de 6 gigatoneladas de CO2, o que faz da PCI a maior iniciativa sub-nacional do mundo em mitigação de mudanças climáticas.

Leia mais:   Ambulâncias vão reforçar combate ao coronavírus no interior do Estado

Com a nova gestão, a Estratégia PCI passa a ser implementada em parceria com o Instituto PCI, responsável por articular ações públicas e privadas além de captar recursos e investimentos para programas e projetos no Estado.

Plano de Ação

Na semana que antecedeu a COP em Madri, foi apresentado, em Cuiabá, o Plano de Ação do Instituto PCI para o próximo ano. As reuniões que envolveram Secretários de Estado, autarquias, membros fundadores e integrantes do comitê estadual.

O Plano apresentado é mais um passo importante na criação de uma estrutura sólida que possibilite ao estado de Mato Grosso receber investimentos para a promoção do desenvolvimento sustentável de seu território. “O objetivo é garantir personalidade jurídica e estrutura material e humana de forma a dar efetividade às funções do Instituto conforme determinado em Decreto Estadual e conforme planejamento organizacional aprovado”, explicou Fernando Sampaio, diretor executivo do Instituto PCI.

O Plano de Ação apresentado está alicerçado em pilares centrais, como a estruturação do Instituto, a definição de ações prioritária para captação de investimentos, o monitoramento dos objetivos e metas estabelecidos, a regionalização da atuação a partir de uma visão territorial e ações de comunicação para garantir visibilidade e credibilidade.

O Balanço de Metas é um trabalho do Comitê de Monitoramento do Instituto PCI  e está disponível no site: www.pcimonitor.org

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Sábado (06): Mato Grosso registra 3.788 casos e 101 óbitos por Covid-19

Publicado

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste sábado (06.06), 3.788 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 101 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. As 10 mortes mais recentes envolveram residentes de Pontes e Lacerda, Rondonópolis, Várzea Grande, Colíder e Alto Araguaia.

Dentre os 20 municípios com maior número de casos de Covid-19, estão Cuiabá (1.081), Várzea Grande (361), Rondonópolis (283), Primavera do Leste (173), Tangará da Serra (164), Sorriso (136), Confresa (132), Lucas do Rio Verde (105), Barra do Garças (93), Sinop (93), Campo Verde (78), Pontes e Lacerda (66), Nova Mutum (59), Jaciara (50), Rosário Oeste (45), Cáceres (41), Sapezal (39), Alta Floresta (38), Aripuanã (36) e Peixoto de Azevedo (35). 

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria.

Nas últimas 24 horas, surgiram 223 novas confirmações. A área técnica da SES ainda esclareceu que foram corrigidas três ocorrências de duplicidade no sistema; uma em Pontes e Lacerda, uma em Rondonópolis e outra e Várzea Grande. 

Dos 3.788 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 2.246 estão em isolamento domiciliar e 1.203 estão recuperados. Há ainda 238 pacientes hospitalizados, sendo 117, em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 121, em enfermaria. 

Leia mais:   PM aprende 100 quilos de droga de organização criminosa com ramificação no Paraguai

Contudo, a SES aponta que há 33 casos suspeitos em enfermaria e 25 em UTI – números que se somam aos confirmados e resultam na taxa de ocupação, que hoje é de 11,6% em leitos clínicos e 36,3% em UTI. Os percentuais servem de parâmetro para a tomada de decisão que ocorre em âmbito municipal.

O documento ainda aponta que um total de 8.930 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 683 amostras em análise laboratorial.

Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Até a última sexta-feira (05), o Governo Federal confirmou 30.830 casos novos da Covid-19 no Brasil e 1.005 novos óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, divulgado pelo Ministério da Saúde, o país contabilizava 35.026 mortes e 645.771 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus. Até o fechamento deste material, não foram atualizados os números deste sábado (06).

Leia mais:   Primeira-dama testa negativo para coronavírus

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Floresta em pé e geração de renda são temas de debate com setor produtivo

Publicado

A conciliação entre cadeia produtiva sustentável e preservação dos recursos naturais foi defendida por participantes durante debate realizado no dia mundial do Meio Ambiente, celebrado no dia 5 de junho. A Webinar foi transmitida ao vivo pelo YouTube no canal Sema Mato Grosso, com o tema Semana do Meio Ambiente Floresta em Pé: Garantia de Renda.

O debate foi coordenado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) e teve a gestora da pasta, Mauren Lazzaretti, como mediadora. Os convidados representantes das principais cadeias produtivas de Mato Grosso trouxeram reflexões e exemplos de sobre a junção de floresta em pé, garantia de renda e produção sustentável é importante para o estado. A participação popular foi garantida com comentários e perguntas via chat.

Mato Grosso é um exemplo para o mundo, ao mesmo tempo líder em produção e com 60% do território preservado, pontuou Mauren. “Há um consenso que só comando e controle não vão produzir o resultado esperado. Para que a população da Amazônia consiga viver com dignidade é preciso que possamos fomentar e induzir as cadeias produtivas sustentáveis e que o produtos produzidos no local tenha o seu valor agregado”.

A secretária de Meio Ambiente citou a necessidade da legalização da produção no Estado, respeitando a legislação e focando na eficiência administrativa para eliminar burocracias que não agregam ao controle ambiental. “Temos feito um trabalho em conjunto com setor produtivo, órgãos de controle e Assembleia Legislativa para encontrar esse equilíbrio. É importante a imagem de Mato Grosso como um estado que produz e que conserva”. 

Mato Grosso e seus ciclos produtivos

O pecuarista e presidente do Instituto Mato-grossense da Carne (IMAC), Caio Penido, trouxe uma retrospectiva do processo de produção em Mato Grosso, se iniciando com o incentivo na década de 60 para a ocupação, sem nenhuma consciência ambiental com foco somente em produzir, desmatar e trazer riquezas. O ciclo seguinte começou com criação do conceito de desenvolvimento sustentável, em 1983. Porém, sem um Código Florestal e informações confiáveis, se iniciou os conflitos entre ONGs e produtores que estavam em lados opostos, pontuou o pecuarista.

Leia mais:   1º Batalhão da PM lança operação para comemorar aniversário de 103 anos

O ciclo atual é de produção sustentável, que relaciona o aumento de produção com conservação, estimulando sistemas produtivos integrados, tecnologia, capacitação, investimentos e acesso a mercados que reconheçam e remunerem a biodiversidade. Esta produção deve ser em conformidade com o Código Florestal restaurando, quando necessário, áreas de preservação e reservas legais. “Valorizar a floresta viva é uma forma de ter uma vantagem competitiva para os nossos produtos”, considerou o produtor rural.

Entre os desafios, o pecuarista cita o fato de que apesar do Brasil ser referencia mundial em conservação e legislação ambiental a população brasileira não percebe o país como a maior potência ambiental do mundo. Também foram apontados os altos custos para 25% das propriedades em território nacional que estão dentro de áreas destinadas à preservação da vegetação nativa, como impostos sobre estas terras, cercas para separar floresta do pasto e custo técnico e jurídico ambiental.

“A concorrência é desleal no comércio internacional com países que não tem legislação ambiental e estão preocupados apenas com produzir. O setor produtivo sente como uma injustiça ambiental, com ônus apenas para o produtor e bônus para toda a sociedade. Então a floresta tem que ser realmente uma garantia de renda”.

Manejo Florestal Sustentável

Rafael Mason, empresário do setor de Base Florestal e presidente do Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (Cipem) abordou no debate ações que elevam a sustentabilidade da atividade ambiental em Mato Grosso por meio do manejo florestal sustentável.

“O setor da base florestal vem passando por modificação estando cada vez mais interligado com outras cadeias produtivas. Hoje não é só a madeira, no estado, temos o aproveitamento de resíduos na geração de energia para indústrias frigorificas, cerâmicas, empresas de etanol de milho. Nossa cadeia esta 100% integrada”, avaliou.

Tornar eletrônica a coleta de dados para o inventário florestal é uma medida indispensável para ampliar a transparência da rastreabilidade e garantia dos produtos, trazendo segurança para comprador, vendedor e meio ambiente, ressaltou o presidente do Cipem. “Deve-se modernizar e buscar constantemente alternativas para ampliar a comercialização externa. O Brasil tem o melhor sistema do mundo de controle ambiental e precisamos ampliar nossos mercados”.

Leia mais:   Governador vistoria obras de Infraestrutura e hospitais no Norte de MT; veja o roteiro

O empresário enfatizou a importância de esclarecer a sociedade sobre a prática do manejo florestal e os benefícios que ele proporciona, conciliando a ação do homem de prover sustento em harmonia com as riquezas naturais. “O uso da madeira em construção é uma tendência mundial, é o único bem natural sustentável que a gente consegue neutralizar o carbono, gerar emprego e renda. Temos que trabalhar para ter uma indústria forte, o desenvolvimento e modernização trará um aproveitamento muito melhor”.

Legado para futuras gerações

O terceiro convidado da webinar, o produtor rural Marino Franz, exaltou Mato Grosso como um grande exportador de alimentos animal e vegetal mas lembrou da importância de se produzir respeitando o meio ambiente. Em sua avaliação o trabalho desenvolvido em Lucas do Rio Verde, cidade na qual foi prefeito por duas gestões, é um exemplo a ser seguido.

“O município tem 885 nascentes de água georreferenciadas e preservadas e 900 hectares em área urbana de mata nativa conservada. É um legado precioso que estamos deixando para as futuras gerações”.

Sócio cofundador da primeira usina de etanol de milho do Brasil, Marino falou sobre a importância da indústria de fomento de eucalipto e bambu como um diferencial para o estado. “O bambu funciona com uma tecnologia inteligente por conta da biomassa, que pode ser usada na produção de energia e durabilidade alta sem precisar ficar replantando. Ele também protege contra as queimadas e incêndios florestais. É um bom caminho pra integração entre agropecuária e floresta’.

O produtor rural abordou o momento atual que o mundo está vivendo, causado pela pandemia de Covid-19, e alertou que os mercados vão exigir cada vez mais uma maior rastreabilidade e segurança. “Estamos preparados para oferecer isso. Produtor, órgãos ambientais e de controle tem que discutir os problemas de forma coerente porque só assim é possível gerar riquezas para o povo, emprego e sustentabilidade”, concluiu.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana