conecte-se conosco


Estadual

LUTO NA EDUCAÇÃO- Presidente e secretário do Sintep-MT morrem em acidente

Publicado

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) comunicou na manhã desta segunda-feira (3) a morte da presidente Jocilene Barboza, 42, e do secretário de Articulação Sindical, Júlio César Viana, 65, presidente de 1998 a 2006.

Leia também – 3 corpos carbonizados são encontrados após colisão entre veículos

Conforme informações divulgadas pelo sindicato, eles foram vítimas de um acidente. A caminhonete Amorok deslizou na pista e bateu de frente com uma carreta. Jocilene e Júlio César retornavam de Juara, numa atividade com novos concursados no interior do estado.

A Rota do Oeste foi acionada às 14h39 para atendimento de uma ocorrência no km 540 da BR-163, em Diamantino (211 km a médio-norte de Cuiabá), onde uma Amarok (placa de Cuiabá- MT) e uma Scânia vermelha (de Maringá- PR) coliriram de frente.

O resgate da Concessionária esteve no local esteve no local e constatou a morte dos dois ocupantes da caminhonete. O motorista da carreta saiu ileso e assinou termo de recusa de atendimento. O acidente ocorreu em uma região de declive e curva.

Leia mais:   Professor que tentou ‘tirar demônio’ de aluna em convulsão é exonerado

As informações iniciais apontam que o motorista da caminhonete perdeu o controle de direção do veículo, rodou na pista e terminou atingindo a carreta.

Confira a nota divulgada pelo Sintep:

É com pesar que o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) comunica a perda de nossa presidente Jocilene Barboza, 42 anos, e do companheiro, secretário de Articulação Sindical, e presidente de 1998 a 2006 (por três gestões) Júlio César Viana, 65 anos, vítimas de um acidente na altura do Posto Gil. A caminhonete Amorok deslizou na pista e bateu de frente com uma carreta. A companheira e o companheiro retornavam de Juara, numa atividade com novos concursados no interior do estado.

GD

Comentários Facebook

Estadual

Professor que tentou ‘tirar demônio’ de aluna em convulsão é exonerado

Publicado

Assessoria

Sete anos depois de uma confusão, que terminou com uma estudante internada, o professor A.R.M., da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) em Alta Floresta (803 km ao Norte de Cuiabá) foi exonerado de sua função. Em uma aula no curso de Ciências Biológicas, o professor teria praticado bullyng contra uma aluna que teve convulsões. Ao tentar ajudar, ele afirmou que ela estava “com demônio no corpo” e que “tinha que tirar isso” dela, o que acabou machucando ainda mais a jovem.

A demissão foi publicada no Diário Oficial do Estado de 22 de maio. Inicialmente ele foi afastado de suas funções para que fosse realizado um processo administrativo disciplinar (PAD). A exoneração será contada a partir de 1º de junho de 2013.

Na época do ocorrido, testemunhas contaram que durante a aula o professor começou a debochar da aluna, então com 17 anos, sobre sua forma de se vestir e se comportar. A adolescente começou a passar mal e teve uma crise convulsiva, sendo segurada pelo docente, que alegava que “ela estava com Satanás no corpo”.

Leia mais:   Desfile de crianças que aguardam adoção é alvo de críticas em MT; evento dá chance a jovens tidos como 'invisíveis', diz organização

Outro jovem também passou mal na mesma aula e ficou por alguns dias em estado de confusão mental, com dificuldades de se lembrar do ocorrido e fala desconexa.

Foram as famílias dos dois estudantes que denunciaram a ação do professor, não só pelo bullyng, mas também pelo comportamento em relação à aluna em crise convulsiva, que foi presenciada por várias testemunhas.

Comentários Facebook
Continue lendo

Estadual

Desfile de crianças que aguardam adoção é alvo de críticas em MT; evento dá chance a jovens tidos como ‘invisíveis’, diz organização

Publicado

Por Flávia Borges, G1 MT

Um desfile de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos que aguardam adoção promovido em um shopping de Cuiabá nesta terça-feira (21) foi alvo de críticas nas redes sociais. A Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara), que organizou o evento, defendeu a iniciativa, citando que ela promove a “convivência social” e “mostra a diversidade da construção familiar”.

O desfile, que aconteceu pela segunda vez e faz parte das ações ligadas à Semana da Adoção, foi feito em parceria com a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT).

A realização foi autorizada pela juíza Gleide Bispo Santos, da 1ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá.

Ao G1, a presidente da Ampara, Lindacir Rocha, disse que o projeto dá aos jovens a oportunidade de integrar uma convivência social “em um mundo que os trata como se fossem invisíveis”.

Segundo ela, será realizada uma exposição fotográfica com as crianças e adolescentes, com o objetivo de mostrar também a diversidade da construção familiar por meio da adoção.

Em nota, a Ampara informou: “A OAB-MT e a Ampara repudiam qualquer tipo de distorção do evento associando-o a períodos sombrios de nossa história e reitera que em nenhum momento houve a exposição de crianças e adolescentes”.

O trecho é uma referência a críticas em redes sociais feitas pelo advogado e membro da Academia Mato-grossense de Letras Eduardo Mahon, que comparou o desfile às antigas feiras em que escravos era comercializados (leia mais abaixo).

“Crianças e adolescentes que desfilaram o fizeram na companhia de seus ‘padrinhos’ ou com seus pais adotivos. A realização do evento ocorreu sob absoluta autorização judicial conferida pelas varas da Infância e Juventude de Cuiabá e Várzea Grande, bem como o apoio do Poder Judiciário”, acrescenta o texto.

‘Adoção tardia’

Em novembro de 2016, quando a primeira edição do desfile foi realizada, dois adolescentes foram adotados.

Lindacir Rocha cita ainda a questão da adoção tardia, que faz com que sejam urgentes medidas como a Semana da Adoção, que tornam público o que ela considera um problema social.

O Relatório de Dados Estatísticos do Cadastro Nacional de Adoção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informa que, no Brasil, 8,7 mil crianças e adolescentes aguardam por uma família.

Shopping diz repudiar ‘objetificação de crianças e adolescentes’

Em nota, o shopping onde foi realizado o desfile afirma que repudia a objetificação de crianças e adolescentes e esclarece que o único intuito em receber a ação foi contribuir com a promoção e conscientização sobre adoção e os direitos da criança e adolescente com palestras e seminários conduzidos por órgãos competentes que possuem legitimidade no assunto.

O shopping afirma que a ação foi promovida pela Ampara em parceria com Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da OAB-MT e reitera que o evento contou ainda com o apoio do Ministério Público Estadual (MPE), Poder Judiciário de MT, governo estadual, Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania, Sindicato dos Oficiais de Justiça, Associação Nacional do Grupo de Apoio à Adoção e Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, além do Tribunal de Justiça do Mato Grosso.

Leia mais:   Professor que tentou ‘tirar demônio’ de aluna em convulsão é exonerado
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana