conecte-se conosco


Brasileirão Série A

Levir sobre fim de ação no STJD: "Gol impedido não é para comemorar"

Publicado

Levir Culpi usou da costumeira sinceridade para avaliar o arquivamento do pedido de impugação do clássico contra o Flamengo. Feita pelo Fluminense, a tentativa não será mais julgada no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O Tricolor reclamava de interferência externa na decisão do árbitro Sandro Meira Ricci ao anular gol de Henrique. Para o treinador, o clube das Laranjeiras lucrou com o episódio, afinal, disse ele, não se deve comemorar gol impedido.

A mesma objetividade marcou outros pontos da entrevista. Sem fugir das perguntas, não descartou a saída de Gum, criticado por parte da torcida nos últimos jogos. O Tricolor encara o Coritiba, domingo, no Couto Pereira, com uma sequência de três derrotas e fora do G-6 do Brasileirão. Por fim, comentou o ambiente político das Laranjeiras e deixou 2017 em aberto.

Gol impedido
não é coisa para comemorar. Mas ficou claro também que o Fluminense não pode
deixar passar uma arbitrariedade que aconteceu. A CBF precisa abrir os olhos
para que isso não ocorra mais”.
Levir Culpi, técnico do Fluminense

– O
clube fez a sua obrigação. Foi visível, todo mundo viu o que aconteceu. Acho
que o Fluminense sai lucrando com a situação. O gol foi impedido. Gol impedido
não é coisa para comemorar. Mas ficou claro também que o Fluminense não pode
deixar passar uma arbitrariedade que aconteceu. A CBF precisa abrir os olhos
para que isso não ocorra mais. Que estudem o quadro de arbitragem. É o quadro
que precisa ser preservado. Ser profissionalizado. É urgente. O árbitro não
pode trabalhar e ter essa responsabilidade toda. Os códigos de ética têm de ser
remanejados. No futebol e na sociedade brasileira – disse o comandante, após o treino da manhã desta sexta-feira, no CT da Barra da Tijuca.

Na quinta, o presidente do STJD, Ronaldo Piacente, acolheu o pedido da Procuradoria e arquivou o processo que o Flu movia. A ideia era anular o último Fla-Flu, disputado no dia 13. Em nota oficial, a direção lamentou a decisão e questionou os motivos do arquivamento. O resultado da partida (2 a 1 para o Flamengo) foi confirmado na tabela de classificação.

Parte do treino foi fechada à imprensa. Sem poder contar com os machucados Diego Cavalieri e William Matheus, o treinador fez testes na equipe. Pierre, com dores na coxa direita, ainda é dúvida. Quando os jonalistas tiveram acesso ao trabalho, a zaga tinha Renato Chaves e Henrique. Gum, muito criticado nos últimos jogos por parte da torcida, treinou normalmente. Levir não confirmou a escalação:

É muito chato isso. A torcida grita ?Gum, guerreiro?. Quando
ganha, é o guerreiro. Quando perde, tem de sair? Gum é um guerreiro mesmo.
Tecnicamente, nunca chama a atenção. Ele é eficiente. É ponta firme. Dá
segurança ao sistema defensivo. É firme nas bolas
pelo alto. Mas tem defeitos, como nós todos temos. Pode errar. E cabe a mim decidir.
Ele tem a confiança de todos nós. Merece respeito por isso.

Não acredito nisso (se queimár o jogador caso o saque do time). Às vezes, a crítica é justa. Tomamos
alguns gols de cabeça. E vamos continuar tomando e fazendo. Na minha opinião, é
a jogada mais difícil do jogo. É 50% de chances. Dois corpos não ocupam o mesmo
lugar, ao mesmo tempo, no espaço. Vejo a rodada e sempre tem gols de cabeça.
Podem ver. É direto. Isso não será contido. Pode diminuir tendo bons
cabeceadores. Nunca todas. Tomamos alguns em sequência. Daqui a pouco posso
tirar um para ver como fica. Estou estudando.

Ao final do treino, Renato Chaves torceu o tornozelo direito. Será reavaliado no treino deste sábado, nas Laranjeiras. A provável escalação: Júlio César; Wellington Silva, Gum (Renato Chaves), Henrique e William Matheus; Pierre (Douglas), Cícero, Scarpa e Marcos Junior; Wellington e Richarlison. O Flu é o nono, com 46 pontos.

Não
tenho nenhum plano para 2017 pois ainda não recebi nenhuma proposta”.
Levir Culpi, técnico do Fluminense

Levir Culpi também foi questionado sobre a temporada 2017. Ao negar ter recebido proposta do futebol japonês, deixou o futuro em aberto. Justamente por ter eleição presidencial em novembro.Ele disse não ter sido procurado por nenhum dos candidatos, Pedro Abad, Mário Bittencourt, Celso Barros e Cacá Cardoso.

Não tenho nenhum plano para 2017 pois ainda não recebi
nenhuma proposta. Gostaria de ir a Curitiba, minha casa, mas até agora não
recebi nada. Nem da minha família. Não,
nada, nenhum contato (com os candidatos). Não conheço eles pessoalmente. O único contato que tive
foi com o presidente Peter – finalizou o treinador.

A íntegra da coletiva de Levir:

Treino

Eu considero o Renato Chaves um titular. Das vezes em que
jogou, foi bem. Foi mais precaução ao Gum, que sentiu dores. Então, diminuímos
o trabalho do Gum e aumentamos o do Renato. É claro que, com o revezamento no
treino, dá confiança aos jogadores. Para os atletas não sentirem falta de ritmo
quando necessário.

 

Jogos fora de casa

A grande verdade é que a gente não tem casa. Somos
visitantes o ano todo. Agora, com o Maracanã, será a primeira vez no ano. É uma
dificuldade adicional. Não dá para lamentar muito. Fica pior. O ano é difícil.
Temos de trazer pontos de fora. A nossa regularidade de atuação é boa. Não
temos regularidade de resultados. Pode acontecer uma reta final legal ao clube.

 

Dificuldades contra o Coxa

Eu assisti ao jogo do Coritiba contra o Atlético, da
Colômbia. É o atual campeão da Libertadores. Foi igual. Qualquer resultado lá
será normal. Vai depender da circunstância, das oportunidades para marcar. O
jogo será equilibrado.

 

Jogos contra times que lutam contra o rebaixamento

A nossa postura não deve ser diferente. O que deve mudar é o
resultado. Quem que não corre no time? Tem alguém que não dê sangue? Isso não
existe. Os jogadores se esforçam. O que temos de respeitar mais é o adversário.
Não existe só o Fluminense. Reclamamos do resultado. Perdemos três vezes
consecutivas. Para ter resultado, precisamos de atitude e aproveitar as
oportunidades. A receita é se preparar bem. Temos de ter resiliência, a
capacidade de reação em hora difícil.

 

Especulação sobre o retorno ao Japão

É um momento muito perigoso para dar qualquer tipo de
declaração. O momento é de eleição, são quatro candidatos. Pode imaginar o que
acontece nas redes sociais e no clube. Há pressão em cima dos jogadores. Só
quem está dentro percebe. O momento é de cuidar o que se fala. É o momento dos
oportunistas também. Absolutamente. Não tive proposta do futebol japonês, se
tivesse falaria. Não aconteceu nada. Mas o cara já colocou na imprensa…. Quem
quiser ouvir com maus ouvidos, paciência. Não recebi nada. Se receber, vou
conversar com quem merece ser ouvido. Não tenho nenhum plano para 2017 pois
ainda não recebi nenhuma proposta. Gostaria de ir a Curitiba, minha casa, mas
até agora não recebi nada. Nem da minha família.

 

Algum dos candidatos te procurou?

Não, nada, nenhum contato. Não conheço eles pessoalmente. O único
contato que tive foi com o presidente Peter. É um cara muito profissional.
Talvez conheça, mas não sei quem são os candidatos. Não tenho como avaliar.

 

Lesões

Na verdade, o Fluminense é um dos times que menos têm
lesões. Coincidentemente, em uma semana, foram três. Renato torceu o tornozelo
agora. Não tem relação com a preparação. É fatalidade. Teria relação se fosse
muito problema muscular. Não é o nosso caso. É o time, acho, que tem menos
jogadores machucados no ano. Estou muito satisfeito com isso. O nosso
desempenho é bom dada a dificuldade de logística.

 

Gum sendo criticado

É muito chato isso. A torcida grita ?Gum, guerreiro?. Quando
ganha, é o guerreiro. Quando perde, tem de sair? É a situação do treinador
também. Temos de saber conviver com isso. Gum sabe. Ele é um guerreiro mesmo.
Tecnicamente, nunca chama a atenção. Ele é eficiente. É ponta firme. Dá
segurança ao sistema defensivo. Ele vende essa credibilidade. É firme nas bolas
pelo alto. Mas tem defeitos, como nós todos temos. Pode errar. E cabe a mim decidir.
Ele tem a confiança de todos nós. Merece respeito por isso.

 

Se sacá-lo, significa queimá-lo?

Não acredito nisso. Às vezes, a crítica é justa. Tomamos
alguns gols de cabeça. E vamos continuar tomando e fazendo. Na minha opinião, é
a jogada mais difícil do jogo. É 50% de chances. Dois corpos não ocupam o mesmo
lugar, ao mesmo tempo, no espaço. Vejo a rodada e sempre tem gols de cabeça.
Podem ver. É direto. Isso não será contido. Pode diminuir tendo bons
cabeceadores. Nunca todas. Tomamos alguns em sequência. Daqui a pouco posso
tirar um para ver como fica. Estou estudando.

 

Matemática ao G-6

Não sou bom em finanças, quem cuida do dinheiro é minha
esposa. Mas confio na matemática. Um número de pontos dará a classificação.
Falam em 60. Mas como se faz para chegar lá? E daí? Tem de ir jogo a jogo. A
conta agora é somar três pontos contra o Coritiba.

 

STJD

Presidente esteve aqui hoje. Falou com todos. Foi bacana. O
clube fez a sua obrigação. Foi visível, todo mundo viu o que aconteceu. Acho
que o Fluminense sai lucrando com a situação. O gol foi impedido. Gol impedido
não é coisa para comemorar. Mas ficou claro também que o Fluminense não pode
deixar passar uma arbitrariedade que aconteceu. A CBF precisa abrir os olhos
para que isso não ocorra mais. Que estudem o quadro de arbitragem. É o quadro
que precisa ser preservado. Ser profissionalizado. É urgente. O árbitro não
pode trabalhar e ter essa responsabilidade toda. Os códigos de ética têm de ser
remanejados. No futebol e na sociedade brasileira.

 

Qual a escalação?

Não tenho preocupação alguma com os machucados. Acho que vai
melhorar. Brinco com eles: estava precisando machucar algum para mudar a
escalação. Temos elenco, não tem problema algum. Pierre depende de exame para
ver se será relacionado. Caso não jogue, dá chance a outro. Sem problemas. Não
lamento.


Comentários Facebook

Brasileirão Série A

Seleção Brasileira encerra preparação para amistoso contra República Tcheca

Publicado

Programa No Mundo da Bola desta segunda-feira (25) também destacou a reta final dos principais campeonatos estaduais do país; ouça na íntegra

O programa No Mundo da Bola desta segunda-feira (25) destacou o amistoso da Seleção Brasileira com a República Tcheca. Waldir Luiz, Márcio Guedes, Bruno Mendes e toda a nossa equipe também analisaram a reta final dos principais campeonatos estaduais do país e as principais notícias do esporte nacional e internacional.

Clique no player e ouça o programa na íntegra:

No Mundo da Bola é transmitido pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, de segunda a sexta-feira, a partir das 17h. Para participar das transmissões, o internauta deve ligar para (21) 2117-6918 ou (21) 2117-6919.

Fale com a equipe de esportes das Rádios EBC pelo e-mail: esporte.radios@ebc.com.br.

Agencia Brasil
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Palmeiras volta a ter time feminino depois de 9 anos

Publicado

Repórter Lincoln Chaves trouxe todas as informações da preparação do Verdão para o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino dentro do programa No Mundo da Bola desta quinta-feira (14); ouça na íntegra
Começa neste sábado (16) a sétima edição do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. E a Rádio Nacional traz uma série de matérias sobre a principal competição do futebol feminino no país. A terceira reportagem fala do Palmeiras e dos seus reforços para disputar a competição além do projeto da diretoria para a modalidade. O repórter Lincoln Chaves trouxe todas as informações do Verdão dentro do programa No Mundo da Bola desta quinta-feira (14).

Ouça no player abaixo:

O Palmeiras retorna ao feminino após nove anos. O time vai jogar em Vinhedo, cidade parceira do versão nesta edição.

A equipe foi apresentada em meados de fevereiro e é comandada pela treinadora Ana Lúcia Gonçalves.

O No Mundo da Bola é transmitido pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, de segunda a sexta-feira, a partir das 17h. Para participar das transmissões, o internauta deve ligar para (21) 2117-6918 ou (21) 2117-6919. Fale com a equipe de esportes das Rádios EBC pelo e-mail: esporte.radios@ebc.com.br.
Tags: Palmeiras Futebol Feminino Brasileirão Feminino

Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana