conecte-se conosco


Cáceres e Região

Governo facilita vida de haitianos no Brasil; grupo que está em Cáceres diz que só volta ao país a passeio

Publicado

Uma portaria do governo brasileiro publicada no dia 23 de dezembro do ano passado irá facilitar as regras para cidadãos do Haiti pedirem autorização de residência dentro da categoria de acolhida humanitária — uma das situações em que a legislação permite a permanência no país. A ideia é por fim a uma fila de 30 mil haitianos que esperam análise dos pedidos de refúgio no Brasil. Em Cáceres, a medida vai beneficiar um pequeno grupo de quatro haitianos.

Na prática, haitianos que já estão no Brasil terão até 31 de dezembro de 2020 para pedir autorização de residência em uma das unidades da Polícia Federal. A mudança é que os imigrantes terão de apresentar apenas os documentos que eles tenham consigo — de acordo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, as próprias autoridades brasileiras buscarão em bases de dados as informações faltantes.

Haitianos que ainda estejam no Haiti também poderão solicitar visto temporário de acolhida humanitária por meio da Embaixada do Brasil em Porto Príncipe. O documento tem validade de 90 dias — e, uma vez em território brasileiro, o imigrante também poderá apresentar pedido de autorização de residência.

O Haiti passou, nesta década, por terremotos que deixaram milhares de mortos e destruíram a infraestrutura do país considerado o mais pobre das Américas. Em 2016, o furacão Matthew matou centenas de haitianos. Além disso, neste ano, uma crise política e econômica gerou protestos violentos em Porto Príncipe, capital do país.

Segundo o governo brasileiro, a ideia é desafogar a fila de cerca de 30 mil pedidos de refúgio de haitianos ainda pendentes de análise pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare). O reconhecimento da condição de refugiado depende de uma série de categorias, que, de acordo com o próprio Ministério da Justiça, não se enquadram nos casos dos cidadãos do Haiti.

Leia mais:   Advogados especializados e ex-integrantes da CCJ não veem razão para cassação de Valdeníria e Cesare

Acolhidos em Cáceres, haitianos só

pretendem voltar para ao país a passeio

Acolhidos por várias pessoas, principalmente, evangélicos da Igreja Assembleia de Deus Ministério de Madureira, os haitianos que decidiram ficar em Cáceres não pretendem voltar para o país de origem. A ideia, conforme o grupo formado por Fontilus Fednel (34), Claby Pierre (30), Jerry Joseph (25) e Jun Juny Augustin (24) é voltar ao Haiti somente a passeio. E, além disse, tencionam trazer os familiares para o Brasil.

“O Haiti é o nosso país. Temos intenção de voltar lá sim, mas só à passeio. E, além disso, se possível trazer as nossas famílias” afirmam. O grupo chegou a Cáceres em setembro de 2018, com uma equipe de 83 refugiados que corriam dos desastres naturais, bem como os violentos protestos políticos que causaram transtornos, principalmente, nos arredores da capital Porto Príncipe. Os demais seguiram para outras regiões assim que conseguiram liberação.

Relatam que, o destino do grupo era São Paulo. Cáceres, segundo eles, era apenas um ponto de parada obrigatória para procedimentos legais, já que vinham do Chile, passando pela Bolívia.

Lembram que a decisão de ficar na cidade se deu por dois motivos: “Primeiro porque encontramos pessoas, como da Igreja Assembleia de Deus Ministério de Madureira que, de imediato, nos acolheram e, também pela questão de adequação a cultura local. E, além disso, logo conseguimos ingressar no mercado de trabalho”.

Fontilus, Claby, Jerry e Juny afirmam que a questão de comunicação, pela dificuldade em não falarem a língua portuguesa corretamente, não é mais o grande problema. Para eles, o que ainda pesa é a dificuldade em conseguir algum tipo de documentação, como por exemplo, o Registro Nacional de Estrangeiros (RNE) – que é um documento de identificação e residência. Sem esse, documento, segundo eles, se torna quase que impossível, a abertura de contas bancárias para recebimento do salário.

Leia mais:   Após mais de uma década, Governo retoma transplante de rins em Mato Grosso

Ressaltam que o salário que recebem no Brasil, especificamente, em Cáceres, é maior que o que recebiam no Haiti. Porém, segundo eles, está aquém do que esperavam ganhar. “Esperávamos ganhar um pouco mais. Mas, mesmo assim, já conseguimos o suficiente para o custeio próprio e ainda sobra para ajudar a nossa família. Todos nós mandamos uma parte significativa do que ganhamos para a nossa família no Haiti”.

O grupo muito se identificou com os pastores, assim como os membros da Igreja Assembleia de Deus Ministério de Madureira. Todos já exercem um ministério na igreja. Fontilus é recepcionista; Jerry é baterista do Grupo de Louvor e Claby é um dos vocalistas. Embora, ainda não tenha nenhuma função específica Jun Juny é o mais novo membro. E, ainda nas segundas-feiras, são ministrados pela pastora Patrícia Nabut, em aulas de Alfabetização de Estrangeiros.

O grupo reclama, no entanto, da dificuldade no que se refere a Revalidação e/ou Reconhecimento de Certificados de Estudos de Nível Médio. Até mesmo pela falta de assessoria quanto aos meios para conseguir tal revalidação. Nesse sentido, por não conseguir comprovar escolarização, ficam impedidos de se inserir em cursos profissionalizante via SENAI ou ainda ingressar em uma universidade. O que se torna um grande problema, considerando que esse seria um grande passo rumo a melhores empregos.

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Oportunidade: IFMT Cáceres abre inscrição para novo seletivo de ingresso no primeiro semestre do Curso Técnico em Agropecuária

Publicado

Inscrições serão realizadas, exclusivamente pela internet, até as 17 horas do dia 20 de Janeiro

Pessoas que já concluíram o Ensino Médio terão nova oportunidade de ingresso, já no primeiro semestre deste ano, no Curso Técnico em Agropecuária Subsequente do Instituto Federal de Mato Grosso, IFMT Campus Cáceres – Prof. Olegário Baldo. O campus oferta 13 vagas remanescentes em edital de seleção com inscrições abertas até as 17 horas do dia 20 de janeiro.

Ofertado gratuitamente, o curso de formação técnica profissionalizante em Agropecuária, subsequente ao Ensino Médio, tem duração de um ano e meio e as aulas para a turma 2020/1 ocorrerão no período vespertino.

De acordo com a instituição, uma das marcas do curso é a boa inserção de ingresso no mundo do trabalho, além do registro pela opção de continuidade aos estudos, após o curso. Exemplo recente das formandas e formandos 2019/1: ao concluir o curso mais de 80% da turma já tinha assegurado vaga no mundo do trabalho (46,4 %) e ou na vida acadêmica.(35,7 %).

Inscrição e Seleção

A seleção para ingresso no curso será realizada por meio da análise do histórico escolar de todos os anos do ensino médio. No caso das pessoas que ainda estão cursando o 3º ano do ensino médio do ano 2019, as notas do 3° ano do primeiro semestre de 2019 constantes no histórico parcial serão repetidas para o segundo semestre.

Para a inscrição, basta acessar o site selecao.ifmt.edu.br , escolher a opção ‘Edital 001/2020Processo Seletivo 2020/1Cursos Técnicos Subsequentes(vagas remanescentes)’, preencher questionário eletrônico e anexar o histórico escolar do ensino médio em um único arquivo em formato pdf. Outra opção é acessar o link direto do seletivo do edital na página do campus cas.ifmt.edu.br e seguir as orientações descritas. Não será cobrada taxa de inscrição.

O resultado final será divulgado dia 24 de Janeiro, pela internet, na página do seletivo. 

Edna Pedro  DRT RJ 5056/2001
Assessoria de Comunicação
IFMT/Campus Cáceres – Prof. Olegário Baldo
(65) 3221-2631
Comentários Facebook
Leia mais:   Governo federal anuncia aumento do piso dos professores
Continue lendo

Cáceres e Região

Filho mata a mãe esfaqueada após vítima se recusar a dar cartão para ele comprar drogas em MT, diz polícia

Publicado

Marina Garcia, de 66 anos, e o filho teriam discutido durante a noite. Em seguida, testemunhas ouviram os gritos da vítima e chamaram a polícia.

Um filho de 28 anos é suspeito de matar a mãe esfaqueada depois que ela se recusou a dar o cartão de crédito para ele comprar drogas, no Bairro Jardim Guanabara, em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, na noite dessa segunda-feira (13).

Marina Garcia, de 66 anos, e o filho teriam discutido durante a noite. Em seguida, testemunhas ouviram os gritos da vítima e chamaram a polícia.

Marina Garcia foi encontrada morta na casa onde morava com o filho — Foto: Cáceres Notícias

Marina Garcia foi encontrada morta na casa onde morava com o filho — Foto: Cáceres Notícias

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito, que não teve o nome divulgado, trocou de roupa e fugiu do local após o crime. No entanto, após denúncias, ele foi localizado e preso na Avenida dos Estados.

Perícia foi realizada no local do crime — Foto: Cáceres Notícias

Perícia foi realizada no local do crime — Foto: Cáceres Notícias

Os policiais foram até a casa e encontraram Marina já morta nos fundos da casa. O Corpo de Bombeiros também esteve no local e confirmou a morte.

Leia mais:   Oportunidade: IFMT Cáceres abre inscrição para novo seletivo de ingresso no primeiro semestre do Curso Técnico em Agropecuária

O corpo da vítima foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exames.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana