conecte-se conosco


Estadual

Governador fará parcerias com prefeitos para aumentar rede de atendimento na Saúde

Publicado

Mauro Mendes enviou mensagem aos 141 prefeitos de Mato Grosso

O governador Mauro Mendes afirmou aos 141 prefeitos de Mato Grosso que fará parcerias com eles para ampliar a rede de atendimento de Saúde em todo o estado, como forma de prevenção ao coronavírus.

O recado foi enviado na tarde de segunda-feira (23.03), por áudio, uma vez que estão proibidas as reuniões presenciais para que o vírus não se alastre.

Na mensagem aos chefes dos executivos municipais, Mendes alertou que todo o Poder Público terá que adotar medidas rigorosas “para conter a propagação do vírus e dar o tratamento adequado para aqueles que tenham complicações mais graves”.

“Está sendo amplamente noticiado que em torno de 80% dos infectados terão sintomas leves, enquanto 20% terão sintomas mais severos e graves. São estes 20% que precisam receber atendimento nas unidades de saúde”.

O governador detalhou aos prefeitos quais foram as principais medidas tomadas até o momento pelo Governo do Estado em relação à pandemia, a exemplo da suspensão das cirurgias eletivas nos hospitais regionais; contratação emergencial de mais profissionais na área da Saúde; compra emergencial de equipamentos, medicamentos e EPI, embora esteja em falta no mercado; e a construção de um hospital de 200 leitos, que se somarão aos outros 60 no Hospital Metropolitano de Várzea Grande, para ser a referência estadual para tratar o coronavirus

Leia mais:   Virologista da Unemat diz que registro de pessoas de várias idades com Covid-19 demonstra atenção das equipes de saúde

“Vamos ampliar também as referências regionais em parceria com vários municípios. Falaremos com os municípios para aumentarmos a rede de atendimento em todo o Mato Grosso”, garantiu.

As medidas restritivas de contato social também foram elencadas pelo governador. Ele alertou que a Polícia Militar está pronto para fazer cumprir os decretos estaduais em todos os municípios, de forma a proteger a população.

“Entre estas restrições estão o fechamento de bares, lanchonetes e conveniências; fechamento de restaurante, exceto nas rodovias ou aqueles que fizerem entrega ou retirada rápida no local; suspensão de parques, clubes, cinemas, jogos de futebol, reuniões em igrejas e transporte intermunicipal”.

Mendes explicou que o Estado não proibiu o comércio e a indústria de funcionar, mas exige que adotem o distanciamento de 1,5 m e as medidas e higiene.

“Temos que preservar as atividades na área da Segurança, Saúde Pública e privada, alimentos, medicamentos e outras imprescindíveis ao consumo do mato-grossense”.

O chefe do Executivo Estadual também pediu união entre as prefeituras e o Governo do Estado para fortalecer o combate ao Covid-19.

Leia mais:   Max Russi defende bonificação a agentes de saúde no período de pandemia

“Precisamos salvar vidas e vencer este momento difícil e diferente. Com fé em Deus e acreditando na força do povo de Mato Grosso, seremos capazes de vencer, também, as dificuldades econômicas geradas por este momento. Estamos trabalhando muito e tenho fé que Mato Grosso vai sair fortalecido dessa batalha”, concluiu.

Lucas Rodrigues | Secom-MT

Comentários Facebook

Destaque

Governo e Senai fazem parceria para produção de 5 milhões de máscaras

Publicado

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Aneel divulga o Reajuste Tarifário Anual da Energisa Mato Grosso

Publicado

A pedido da Energisa, acordado com a Aneel, o valor só será aplicado aos consumidores a partir de julho. O efeito a ser percebido pelo consumidor será menor que a inflação percebida no período.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu adiar para 1º de julho de 2020, o início da aplicação do reajuste tarifário. A decisão atende um pedido da Energisa, concessionária de distribuição de energia no estado, e reflete a preocupação da empresa e do Governo Federal com os impactos da pandemia de Covid-19 para todos os brasileiros. A nova tarifa, cujo efeito médio será de 2,47%, começará a ser aplicada aos consumidores a partir de julho de 2020. Os valores que deixarem de ser arrecadados nesse período serão cobrados de forma parcelada a partir de 2021.

 A Aneel aprovou hoje o índice de reajuste tarifário da Energisa Mato Grosso. O reajuste tarifário é um processo regulado pela Aneel, previsto no contrato de concessão da empresa. Estes contratos apresentam regras bem definidas a respeito das contas de luz, bem como a metodologia de cálculo dos reajustes. Pela norma, o valor da tarifa poderá ser reajustado anualmente – o chamado Reajuste Tarifário Anual – e a cada cinco anos, no processo de Revisão Tarifária Periódica.

O efeito médio a ser percebido pelo consumidor será positivo de 2,47%, ou seja, uma elevação tarifária a partir de julho de 2020. O quadro abaixo apresenta o efeito médio que será percebido pelos clientes.

Leia mais:   Deputado Claudinei pede prorrogação de consignados para servidores públicos em meio à pandemia

O valor do reajuste, esse ano, está diretamente relacionado com o indicador inflacionário usado no contrato de concessão da empresa, o chamado IGPM. A média do IGPM ao longo de 2019 foi de 6,8%. A parcela da distribuidora contribui com +2,42% no reajuste, devido a inflação acumulada nos últimos 12 meses, e ao compartilhamento dos ganhos de eficiência da EMT com os consumidores.

Composição da tarifa de energia

A tarifa de energia elétrica é composta por custos da distribuição, que formam a Parcela B da tarifa, e os custos de transmissão e geração de energia, além de encargos e impostos, chamados de Parcela A. O preço final da tarifa é dividido, portanto, em duas parcelas:

  • Parcela A – trata-se de custos cujos montantes e preços escapam à vontade ou gestão da distribuidora, que atua apenas como arrecadadora;
  • Parcela B – custos diretamente gerenciáveis, administrados pela própria distribuidora, como operação e manutenção e remuneração dos investimentos.

Veja na conta de luz abaixo a composição da tarifa e a distribuição de valores entre parcelas A e B:

fatura_lupa

28,3025,6731,62 4,61 9,80 0,00 46,03 25,67fatura_AeB

Nos processos de Reajustes Tarifários Anuais, a Aneel promove um reajuste na tarifa vigente a fim de corrigir seu valor pelo índice de inflação acumulado no último ano. Além disso, nesse processo a Aneel aplica um fator de ajuste que visa compartilhar com seus consumidores o ganho de eficiência obtido pela empresa e, com isso, diminuir o impacto do índice de reajuste anual.

Leia mais:   Max Russi defende bonificação a agentes de saúde no período de pandemia

Um dado relevante é que o reajuste da tarifa se manteve abaixo dos índices que medem a inflação, conforme demostra o gráfico abaixo.

Vale lembrar que a definição do indicador inflacionário usado no contrato de concessão é uma decisão da Aneel.

Encargos e impostos na tarifa

A ilustração abaixo mostra a divisão da fatura de energia elétrica em cada um dos itens que compõem a cadeia do setor elétrico brasileiro, considerando a receita da concessionária acrescida dos impostos e tributos (ICMS, PIS/COFINS). A tarifa final do consumidor da Energisa Mato Grosso contém 38,10% de encargos e impostos.

A parte que cabe à distribuidora de energia representa apenas 25,67% da composição da tarifa. É por meio dessa parcela que a Energisa Mato Grosso distribui energia a todos os clientes, paga funcionários, fornecedores e prestadores de serviço, mantém e amplia a rede e os sistemas elétricos, além de investir na modernização e melhoria crescente da qualidade dos serviços prestados.

Da Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana