conecte-se conosco


Cáceres e Região

Governador assina contrato com a Rumo e traz ferrovia a Cuiabá, Nova Mutum e Lucas

Publicado

Karine Miranda – Sinfra

O governador Mauro Mendes e o CEO da Rumo S/A, João Alberto Fernandez de Abreu, assinaram nesta segunda-feira (20.09) o contrato de adesão para a construção, implantação e exploração da 1° ferrovia estadual de Mato Grosso. A assinatura e respectiva construção da ferrovia são um marco para a história de Mato Grosso e um exemplo para os estados brasileiros.

A solenidade contou com a presença da primeira-dama Virginia Mendes. Assinaram o contrato o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, e o diretor da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager), Wilber Norio Ohara, durante evento que reuniu senadores, deputados federais, deputados estaduais, secretários de Estado, prefeitos e outras autoridades no Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá.

Outros dois eventos de assinatura ocorrerão ainda nesta segunda-feira nos municípios de Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, que também receberão um terminal ferroviário.

A construção da ferrovia prevê 730 quilômetros de linha férrea que vão interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, e que vão se conectar à malha ferroviária nacional, em direção ao Porto de Santos (SP).  De acordo com Mauro Mendes, a partir do segundo semestre de 2022 já será possível visualizar as obras na região de Rondonópolis e Cuiabá, Rondonópolis e Nova Mutum, Rondonópolis e Lucas do Rio Verde.

“É uma cadeia de investimentos longa que será ativada com a construção da ferrovia, pois além da geração de empregos, contaremos com planejamento, indústria, trilhos e investimentos de mais de R$ 11 bilhões com recursos 100% privados. O papel do governo é fazer o trâmite burocrático dando segurança jurídica para que nos próximos 45 anos, esta empresa possa explorar todos serviços necessários para a implantação da primeira ferrovia estadual”, ressaltou o governador Mauro Mendes.

Leia mais:   Mato Grosso libera 75% de público em estádios a partir de novembro

O secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, afirmou que a implantação da ferrovia vai permitir a interligação de modal rodoviário e ferroviário no Estado, possibilitando a melhoria da logística, especialmente em regiões reconhecidamente produtoras de Mato Grosso e do Brasil, como o Médio-Norte mato-grossense.  Segundo ele, a obra representa um marco de desenvolvimento para Mato Grosso e região da planície pantaneira.

“Este é um exemplo que estamos dando para todo o Brasil de desenvolvimento, progresso. A ferrovia vem trazer para Cuiabá e Mato Grosso o que era esperado por todos nós há mais de 100 anos e será responsável pelo transporte de grãos, frete de outros produtos de linha branca, produtos farmacêuticos, combustível e gás. É uma mudança muito grande”, salientou o secretário.

O projeto prevê investimento de R$ 11,2 bilhões para a implantação da ferrovia estadual. A partir do início das obras, previsto para o ano de 2022, a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager) ficará responsável pela fiscalização do andamento dos serviços.

Estudos realizados pela Rumo S/A indicam que mais de 230 mil empregos serão gerados durante os anos de construção da ferrovia. O presidente da Rumo S/A, João Alberto Fernandez de Abreu, destacou as próximas etapas do processo e toda a parte de licença ambiental.

“O processo ambiental de uma obra desta envergadura é longo e segue todos os procedimentos. Foi iniciado junto ao Ibama na esfera federal e foram quase dois anos de estudos ambientais até o licenciamento, previsto para 2022. O principal cuidado foi realizar mais de 2.500 estudos para garantir que a obra não chegasse a áreas de proteção ambiental e reservas indígenas”, explicou o CEO da empresa.

Leia mais:   Grupo de Direita define pré-candidato a deputado federal pela Região Oeste

A previsão é de que o trecho entre Rondonópolis e Cuiabá estará concluído e em funcionamento no ano de 2025; enquanto a operação no trecho Cuiabá a Lucas do Rio Verde deve começar em 2028.
Antes de ser implementada o projeto da ferrovia também passou pela aprovação dos deputados da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, conforme destacou o presidente da Casa de Leis, deputado Max Russi.

“O parlamento agiu na hora certa com a proposta da PEC pela Assembleia Legislativa, apoio e aprovação dos 24 deputados, dando a possibilidade de atender a um desejo do Governo do Estado de realizar e avançar nesta concessão para que de forma efetiva o sonho da ferrovia chegar a Cuiabá seja realizado”, disse Max Russi.

Uma vez implantada, a Rumo Logística fica autorizada a explorar a ferrovia pelo prazo de 45 anos, sendo que a infraestrutura ferroviária poderá ser compartilhada pela empresa vencedora com outra empresa de transporte ferroviário que venha a prestar serviços no Estado.

Também participaram da assinatura do contrato o secretário Executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, os senadores Jayme Campos, Carlos Fávaro e Welington Fagundes, os deputados federais Neri Geller, Carlos Bezerra, Rosaneide Valtenir Pereira e Nelson Barbudo, os deputados estaduais Eduardo Botelho, Wilson Santos, Janaina Riva, Paulo Araujo, Elizeu Nascimento, Xuxu Dal Molin, Nininho, Dilmar Dal Bosco, Dr João e Dr Gimenez, Carlos Avalone, secretários de Estado, prefeitos de diversos municípios e autoridades locais.

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Agentes de saúde que ajudaram na vacinação do covid em Cáceres lutam para receber salários

Publicado

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     Um grupo de profissionais de saúde – quatro enfermeiras e três técnicos – que ajudaram no trabalho de vacinação de covid, entre os meses de agosto e setembro, em Cáceres, estão na luta para receber os salários. Nos últimos dias, eles recorreram há alguns vereadores, entre eles, Luiz Landim e Marcos Ribeiro, pedindo ajuda no sentido de solucionar o problema.

    Ao site Expressão Notícias, um deles relatou que foram contratados, no início do mês de agosto, por uma empresa terceirizada denominada “Bem Estar”, autorizada pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste de Mato Grosso (CISOMT). Porém, segundo eles, no encerramento dos trabalhos, não conseguiram receber porque que não havia previsão legal para essa finalidade.

     “É uma situação muito difícil. No momento em que precisaram dos nossos serviços estivemos prontos. Trabalhamos, arriscamos as nossas vidas, fizemos tudo que pudemos. Na época, haviam poucos especialistas para preparar as vacinas da Fizer, nos dedicamos a isso. Agora, na hora de receber é uma dificuldade” reclamou um dos profissionais.

Leia mais:   No Pantanal, rio Paraguai chega a 1 cm da seca recorde

     Procurado pela reportagem, o secretário executivo do consórcio Danilo dos Santos Bastos admitiu o atraso no pagamento aos profissionais.

     Explicou que “o atraso no pagamento dos salários se deu por uma questão administrativa, envolvendo o consórcio e a secretaria de Saúde. Mas, nos reunimos na tarde de ontem (segunda-feira) e já está tudo acertado. No máximo 10 dias, eles estarão recebendo” garantiu explicando que “a secretaria irá repassar os recursos para o consórcio que passará para os agentes”.

     A secretária Municipal de Saúde, Elis Fernanda de Melo Silva, foi procurada várias pela reportagem, mas não retornou as ligações. Em defesa dos profissionais, o vereador Marcos Ribeiro, disse que irá pedir esclarecimentos oficiais da secretaria, levando em conta de que há um processo seletivo, em vigor, mas a pasta prioriza contratações temporárias de funcionários.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Exonerado da 4ª Ciretran Thomas Canellas assume na Câmara de Cáceres

Publicado

 

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

     A posse do suplente de vereador Thomas Canellas, em substituição ao vereador Leandro dos Santos, ambos Democratas, na noite de segunda-feira (25/10) na Câmara de Cáceres, foi recebida com ceticismo.

    Assim que a direção do Legislativo divulgou a posse, várias pessoas se manifestaram, nas redes sociais, de forma pejorativa, tendo em vista que ele foi, recentemente, exonerado da chefia da 4ª Ciretran por não comparecer ao trabalho.

    “Vai ser vereador do mesmo jeito que era chefe da 4ª Ciretran, sem ir trabalhar e ficar fazendo medicina” disse um dos manifestantes. “Infelizmente, isso é o retrato do país. As pessoas não trabalham e assume cargos” completou outro.

    Ao site Expressão Notícias, Thomas Canellas admitiu que foi exonerado da estatal. Porém, segundo ele, a exoneração foi a pedido.

    Explicou que, na Câmara terá melhores condições de desempenhar a função porque, o horário de funcionamento do parlamento é compatível com o das aulas do curso de Medicina, na Unemat.

Leia mais:   Agentes de saúde que ajudaram na vacinação do covid em Cáceres lutam para receber salários

    “O horário de funcionamento da Câmara é compatível. Terei condições de trabalhar e estudar. Não haverá problema” disse se referindo as constantes faltas no trabalho quando exercia a função de diretor da 4ª Ciretran.

    Advogado, Canellas candidatou-se a vereador nas últimas eleições, obtendo 431 votos, ficando na primeira suplência do DEM.

     O vereador Leandro dos Santos cedeu a vaga ao licenciar-se por um período de dois meses – de 18 de outubro a 18 de dezembro – para tratar de assuntos particulares. Sem ônus para a Câmara.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana