conecte-se conosco


Destaque

FRENTE PARLAMENTAR: Luta permanente da mulher pelo acesso à saúde marca Outubro Rosa

Publicado

Durante instalação da Frente Parlamentar da Saúde da Mulher, representante do MT Mama relata demora de até 6 meses por exames essenciais no diagnóstico do câncer.

Cleuza Dias, 59 anos, recebeu o diagnóstico de câncer de mama aos 48. Com uma irmã afetada pela mesma doença aos 33 e que veio a obtido aos 37, ela não podia esperar mais. Com 2 meses aguardando na fila da Central de Regulação do Sistema Único de Saúde (SUS), ela resolveu pagar do próprio bolso pela biópsia e assim obter o diagnóstico. “A mulher com suspeita de câncer de mama não pode esperar, mas temos casos de espera de até 3 anos”.

Durante a instalação da Frente Parlamentar da Saúde da Mulher, na manhã desta terça-feira (15), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, a diretora-presidente do MT Mama falou em nome das mulheres. Cleuza frisou que é muito comum esbarrar em ‘leis que pegam e outras que não pegam’ e que o espaço oferecido pela instituição será fundamental para debater o acesso. “A gestão pública precisa de pressão popular para melhorar o atendimento que hoje é muito deficitário”.

O projeto é iniciativa do deputado estadual Dr. Gimenez (PV) e integra as ações durante a campanha Outubro Rosa, com o intuito de promover debates e políticas públicas que contribuam com a qualidade de vida e saúde da mulher. A Frente atuará por um período de dois anos e vai receber demandas de todos os segmentos femininos, desde a área da infância e juventude, passando por gestantes, mães até as idosas.

A proposta é realizar encontros mensais (de acordo com a demanda) para oferecer apoio voluntário de grupos já existentes no Estado. “Nossa intenção não é criar novas políticas públicas e sim fazer valer o que já existe, de modo que o público feminino seja atendido pela saúde de maneira ágil, adequada e humanizada, porque além de ser um direito da mulher, é um dever do estado”, frisa o parlamentar que é médico há 40 anos e membro da Comissão de Saúde da ALMT.

Leia mais:   Mais antiga secretária da administração, Nelci é exonerada pelo prefeito: “brigava muito”

O deputado lembrou que, nos últimos 50 anos, houve um avanço significativo das mulheres em todos os espaços sociais, mas que todo esse esforço para trabalhar, estudar e cuidar da família vem trazendo muitos reflexos, especialmente à saúde. A prevenção, em todos os casos, é o melhor investimento. “As mulheres precisam ter um tempo para cuidar delas mesmas, fazer os exames regulares não só para câncer de mama, como outras doenças, e também precisam de tempo para descansar e atividades de lazer. A carga excessiva de afazeres contribui muito para os adoecimentos”.

Principais doenças

Dr. Gimenez citou alguns tipos de doenças que mais afetam as mulheres no Brasil, entre elas, a esclerose múltipla, mais frequente entre os 20 e os 40 anos; o câncer de mama; lúpus eritematoso sistêmico; infeção urinária; fibromialgia, que afeta 2 a 10% da população, mas é 7 vezes mais comum no sexo feminino; depressão, que é a quarta causa de incapacidade no mundo e deverá ser a segunda até 2020, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e tem uma maior prevalência no sexo feminino, afetando 2 vezes mais mulheres.

Também a doença celíaca, que é uma doença autoimune que ocorre em indivíduos com predisposição genética, causada pela permanente sensibilidade ao glúten. Para cada quatro pacientes celíacos, três são mulheres; há ainda as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) que mantêm elevada prevalência no sexo feminino, em alguns casos principalmente em mulheres jovens que estão iniciando a vida sexual; e a lesão por esforço repetitivo (LER), em que mais de 85% dos pacientes são mulheres na faixa etária dos 20 aos 40 anos, ou seja, em idade produtiva.

“Diante desse quadro, temos muito a fazer e a trabalhar. Então, me volto a você, mulher, qual é a sua demanda na área da saúde? Em que posso ajudar como seu deputado e médico?”. O parlamentar disse que quer ser o porta-voz das mulheres na Comissão da Saúde e também na Casa de Leis, por trabalhar há muitos anos como médico da família e atendendo principalmente crianças.

Leia mais:   Caminhada Passos que Salvam alerta sobre a importância de prevenção do câncer infanto-juvenil

Caixa de pandora na saúde

Em tom de desabafo, Cleuza Dias, assistente social e membro do MT Mama, afirmou que é muito comum as mulheres terem que pagar do próprio bolso por exames que façam o rastreamento do câncer de mama em Mato Grosso, assim como aconteceu com ela. “Existem mais de 2 mil pedidos aguardando liberação na Central de Regulação, o que mais angustia é esperar sem saber o que está acontecendo, porque hoje essa é uma verdadeira ‘caixa de Pandora’ da saúde pública”.

Para a diretora da entidade, é fundamental que haja transparência sobre a fila de exames e procedimentos pela Central, até para a paciente poder entender em qual posição está, o tempo de demora e se vai poder esperar. Em se tratando de câncer, ela salientou que o atendimento precisa ser ágil, principalmente para as mais jovens com suspeita da doença. “O metabolismo acelerado age para o bem e para o mal, por isso o câncer nas mais jovens é geralmente fatal, porque ocorre a múltiplicação rápida as células cancerígenas”.

Ela trouxe para esse primeiro momento da Frente Parlamentar da Saúde da Mulher inúmeras demandas, entre elas, a necessidade de acesso das pacientes a terapias integrativas, apoio psicológico e clínico, acesso rápido e ininterrupto ao tratamento e a exames complementares pelo SUS. “São muitas as demandas, sofremos inclusive pela falta de sensibilidade da equipe que revela o diagnóstico, que às vezes se esquece que somos seres humanos e não tem tato para lidar com uma notícia como esta”.

Serviço

Os encaminhamentos e demandas podem ser feitas diretamente ao gabinete do deputado Dr. Gimenez a partir do telefone (65) 3313-6795 ou no e-mail drgimenezmt@gmail.com.

Rose Domingues Reis

Jornalista/Assessoria Dr. Gimenez

Comentários Facebook

Destaque

Pesquisadores da Unemat alertam sobre risco de invasão do Tucunaré no Rio Paraguai

Publicado

Nesta quinta-feira, 14 de novembro é o dia do Rio Paraguai, um dos principais formadores do Pantanal, vem sofrendo o risco de ver várias espécies de peixes sendo reduzidas por conta da invasão de um predador, o Tucunaré, cujo ambiente natural é a Bacia Amazônica. Os pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) estão desenvolvendo o projeto de pesquisa, que deve ser concluído no final de 2020, em que são estudados os efeitos da presença do invasor em riacho de cabeceira do Pantanal e no próprio Rio Paraguai.

O professor doutor em Ecologia, Wilkinson Lopes Lázaro, da Unemat, que coordena o projeto e iniciou os trabalhos em 2018, destaca que o Rio Paraguai e os pesquisadores estão em estado de alerta. “Quando iniciamos o projeto pensávamos que só havia a presença do tucunaré no córrego Padre Inácio em Cáceres, mas ao iniciarmos o trabalho de campo, identificamos e coletamos exemplares desde o Hotel Baiazinha até a Foz do Rio Sepotuba. Esse fato demonstra que o tucunaré já está presente no Rio Paraguai, o que causa grande preocupação entre os pesquisadores”, afirmou.

Moisés Bandeira

Sem título.png

O professor doutor em Ecologia, Wilkinson Lopes Lázaro, da Unemat, que coordena o projeto e iniciou os trabalhos em 2018.

De acordo com o professor, o tucunaré é uma espécie exótica, oriunda da Bacia Amazônica e que foi introduzido na região do Pantanal por meio de criatórios, cujas represas se romperam. “No Córrego Padre Inácio, havia relatos da presença do tucunaré há pelo menos 30 anos, mas no Rio Paraguai essa presença é recente. Nós estamos trabalhando com duas linhas de investigação: a de que o tucunaré esteja utilizando o rio como corredor para chegar às baías, ou de que ele esteja sofrendo uma adaptação comportamental para viver nas águas do Rio Paraguai, que é mais turva do que as que a espécie normalmente habita”.

Leia mais:   Lúdio propõe emendas para impedir que direitos da pessoa com deficiência sejam retirados

Em qualquer das hipóteses, os pesquisadores alertam para os riscos da perda da biodiversidade, isso porque na Bacia do Pantanal ele não tem um predador natural como garças, alguns felinos, o hábito alimentar da população, e alguns peixes. “Aqui, o ambiente não consegue reconhecer esse indivíduo (tucunaré) e, então, ele está com a faca e queijo na mão”, resume o pesquisador. Dessa forma, a espécie invasora pode se multiplicar rapidamente e ameaçar outras espécies como traíras, peraputangas e outros peixes pequenos que compõem a biodiversidade do Rio Paraguai.

A pesquisa ainda não consegue medir os impactos da presença do tucunaré no Rio Paraguai, mas o fato de se tratar de um predador que não tem um período único de reprodução, podendo se reproduzir até três vezes por ano, além de ser territorialista e defender fortemente seus filhotes, isso acaba por ameaçar diversas espécies de peixes. “Muitas vezes, o tucunaré come outros peixes que se aproximam dos seus filhotes, não porque esteja com fome, mas come para eliminar a competição com a cria dele”.

Leia mais:   Lions Club de Mato Grosso será homenageado com sessão solene

Caminhos

Os pesquisadores estão coletando informações e devem propor junto à Secretaria de Pesca a possibilidade de colocar o tucunaré no calendário de pesca estadual, como uma espécie isenta de cotas e sem um período de restrição, por exemplo. “O tucunaré é um peixe bastante esportivo, e poderia aquecer a economia e o turismo de pesca, além de servir como uma forma de controlar a espécie invasora na bacia do Rio Paraguai”, sinaliza Wilkinson.

“Nós tivemos informações que também foi encontrado tucunaré no Rio Paraguai, em Mato Grosso do Sul, e que essa invasão teria ocorrido de forma similar, com criadores em represas que teriam se rompido. Então queremos colaborar com os pesquisadores de lá para entender e desenvolver ações de modo a preservar a biodiversidade do Rio Paraguai”, diz o pesquisador.

Além de professores da Unemat, também participam do projeto: “Efeitos da Introdução de Cichla spp. (Tucunaré) sobre a ecologia de comunidades icticas em riachos de cabeceira do Pantanal: implicações a biodiversidade e uso humano”, que tem financiamento da Fundação de Amparo a Pequisa de Mato Grosso (Fapemat) pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e da Universidade de Brasilia (UnB).

Por: Lygia Lima I UNEMAT

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Governo quita segunda e última parcela do salário dos servidores nesta quinta

Publicado

O pagamento dos servidores estaduais será concluído nesta quinta-feira (14), véspera do feriado da Proclamação da República,

Na segunda e última parcela será depositado o restante do salário para quem recebe acima de R$ 5,5 mil.

Nesta quarta-feira (13), foram encaminhadas as ordens de pagamentos ao Banco do Brasil para processamento e depósito nas respectivas contas Os depósitos perfazem um total de 96,403 milhões.

No sábado (9), foram depositados até R$ 5,5 mil nas contas dos servidores, quitando na ocasião 80,79 % da folha, com um valor total de R$ 405,598 milhões.

A folha total de pagamento do mês de outubro soma R$ 502.002.743,35.

Da assessoria

Comentários Facebook
Leia mais:   MT institui programa preventivo contra acidentes na 3ª idade
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana