conecte-se conosco


Estadual

Estudo indica caminho para tratamento de pacientes com arritmia

Publicado

O estudo Augustus, liderado pelo médico brasileiro Renato Lopes, professor da divisão de cardiologia da Duke University Medical Center, define novos caminhos para o tratamento de infarto em pacientes que têm fibrilação atrial que incluem a não utilização de aspirina. O estudo Augustos foi feito com 4.614 pacientes de cerca de 500 centros de 33 países, inclusive o Brasil. Ele foi debatido no 36º Congresso de Cardiologia da Sociedade de Cardiologia do Rio de Janeiro (Socerj) e publicado na edição de março no New England Journal of Medicine.

Renato Lopes disse à Agência Brasil que a pesquisa traz uma resposta muito específica para o paciente que tem fibrilação atrial e sofre um infarto do miocárdio ou que coloca um stent (uma peça expansível inserida dentro da artéria para evitar uma obstrução), “porque a gente tem que combinar diferentes remédios para afinar o sangue”. O paciente com fibrilação atrial precisa de medicação anticoagulante e o que apresenta quadro de infarto tem que usar dois antiagregantes plaquetários, cujo principal representante é o ácido acetilsalicílico (aspirina).

Rio de Janeiro - Exposição Vias do Coração, no Museu da Vida (castelo da Fiocruz), divulga o conhecimento cardíaco como forma de estimular a prevenção das doenças cardiovasculares (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Estudo Augustus define novos caminhos para o tratamento de infarto em pacientes que têm fibrilação atrial – Tomaz Silva/Agência Brasil

Lopes explicou que os médicos ficam indecisos em relação ao que fazer quando o paciente apresenta fibrilação atrial, tipo de arritmia mais comum da prática clínica, e infarto. “A gente não pode só ficar somando um monte de remédios porque o risco de sangramento é muito alto”. Segundo Lopes, é preciso tentar descobrir qual é a combinação de tratamento que dá o maior benefício líquido, isto é, que dá maior redução em eventos isquêmicos, como acidente vascular cerebral (AVC), infarto e trombose de stent, com menor risco de sangramento.

Melhor combinação

O estudo mostrou que a melhor combinação é usar um anticoagulante mais moderno, como a apixabana, junto com apenas um antiagregante plaquetário, retirando a aspirina. “Porque ela (aspirina) só causou malefício, provocando muito sangramento, e não trouxe nenhum benefício para diminuir outros infartos ou outras tromboses de stent.

O médico ressaltou que como a aspirina é muito importante para o paciente que tem só o infarto, as pessoas acreditavam que esse remédio deveria ser mantido também para pacientes com arritmia. O estudo mostrou agora que uma das drogas mais antigas da medicina, que é a aspirina, pode ser desprezada, porque vai causar mais mal do que bem.

Leia mais:   OPORTUNIDADE: Unemat possibilita reingresso de ex-alunos que perderam o vínculo com a Instituição

A adição de aspirina ao esquema terapêutico aumenta o risco de sangramento em 89%. O  estudo orienta que os médicos adotem a terapia dupla de anticoagulante mais antiagregante do tipo clopidogrel sem aspirina, ao contrário da terapia tripla com aspirina, empregada anteriormente, durante, pelo menos, seis a 12 meses. A partir de 12 meses, é recomendado a terapia única com o anticoagulante, no caso a apixabana.

Custos

Lopes destacou que não usar a aspirina vai evitar muitos sangramentos, que podem levar o doente a ser mais hospitalizado. Sem ela, cessa a necessidade de hospitalização. “Diminui a hospitalização por sangramento e, com isso, reduz os custos com saúde pública”.

Renato Lopes informou ainda que a incidência da fibrilação atrial aumenta diretamente com a idade. Em torno de 1% da população mundial tem fibrilação atrial. Se considerarmos apenas as pessoas mais velhas, acima de 80 anos, a incidência pode chegar até 25%.

No Brasil, existem poucos dados disponíveis. Um registro inédito de fibrilação atrial nacional que se acha em andamento, chamado Recall, liderado pelo médico brasileiro, será encerrado em 2020. A expectativa é que traga dados importantes sobre a doença no país.

Diretrizes de saúde

Outro estudo inédito publicado no Journal of the American Medical Association (Jama) por Renato Lopes e sua equipe fez uma revisão detalhada das diretrizes em cardiologia adotadas pela American College of Cardiology/American Heart Association e pela European Society of Cardiology.

O estudo descobriu que apenas 8,5% das diretrizes americanas e 14,2% das europeias provêm de estudos de nível de evidência A, a mais completa e abrangente.

Leia mais:   PM recuperou e localizou mais de 2.400 veículos em Mato Grosso

“Quando a gente tem uma diretriz, o que se espera é que as recomendações venham do que existe de mais forte em termos de evidência, que são ensaios e estudos clínicos bem desenhados, que incluam vários países e tenham bastante dados. Ou seja, que tenham o maior nível de evidência para que haja maior certeza para tratar o doente. Isso é chamado de nível de evidência A”.

Renato Lopes disse que, infelizmente, a maior parte das diretrizes norte-americanas e europeias, de nível A, apresenta média de 10% . “Isso mostra que grande parte das evidências em cardiologia, que a gente faz no dia a dia, não são evidências com grau elevado de certeza que aquela recomendação faz bem ou mal. A gente não tem grande certeza sobre o benefício ou malefício daquela recomendação. Isso é um problema porque a gente tem que tratar o doente e acaba não tendo a certeza que precisa para promover o melhor para o paciente”.

Mudança radical

Lopes indicou a necessidade de haver uma mudança radical no mundo, no sentido de que sejam feitos estudos mais amplos, mais rápidos e mais baratos para gerar mais evidências de alto nível que possam ser traduzidas em diretrizes e recomendações aplicadas pelos médicos objetivando um tratamento mais adequado.

O médico defende que, para que se possa elevar o nível de qualidade das evidências em cardiologia, é importante um movimento que envolva a indústria farmacêutica, agências governamentais de fomento, a academia, e uma parceria público privada para que mude a maneira como se faz pesquisa clínica no mundo.

Segundo Lopes, as pesquisas têm que ser mais pragmáticas e menos burocráticas. “Os órgãos regulatórios têm que estar envolvidos, para que a gente possa fazer pesquisa mais barata, menos complexa e, consequentemente, gere respostas de alto nível mais rápido”.

Edição: Aécio Amado
Por Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil
Comentários Facebook

Estadual

Greve: Educadores comparecem a inauguração da nova Santa Casa e cobram compromisso do governo com as Políticas Sociais

Publicado

Na manhã desta terça-feira (23.07) os profissionais da Educação, em greve há 58 dias, se mostraram ainda mais resistentes a intransigência do governo estadual. Cerca de 300 educadores mobilizados na capital, levaram a cobrança pelo respeito aos direitos da categoria para frente da Santa Casa de Misericórdia, de Cuiabá, onde o governador Mauro Mendes esteve presente para a inauguração da reforma do hospital.

A escolha do local, deliberada em Assembleia Geral, foi simbólica por representar outra área das políticas públicas que sofre com o descaso dos governos. O hospital ficou meses fechado por falta de recursos, deixando os funcionários em estado de penúria, com atraso de salários de até 6 meses. A Santa Casa, que sempre se manteve com a verba pública, teve que fechar as portas na ocasião. “A situação da Santa Casa de Misericórdia era semelhante aos inúmeros hospitais públicos do estado, onde muitas pessoas no interior de Mato Grosso está padecendo aguardando atendimento”, esclareceu o dirigente estadual do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (SIntep-MT), Henrique Lopes.

Leia mais:   OPORTUNIDADE: Unemat possibilita reingresso de ex-alunos que perderam o vínculo com a Instituição

Os educadores manifestaram a indignação mostrando que a inauguração desse hospital é fundamental para a sociedade. Contudo a educação também passa por necessidades e precisa de reformas estruturais das escolas, condições de trabalho e valorização profissional. “A letargia do governo em apresentar proposta a pauta da educação leva os educadores a protestos como esses e poderá levar a outras radicalizações em relação ao posicionamento do governo do estado”, afirmou o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, durante o protesto.

Histórico

A greve na educação estadual teve início em 27 de maio, exigindo: cumprimento da Lei 510/2013, na data base da categoria; convocação dos concursados; direitos a licenças (Prêmio e qualificação); pagamento de 1/3 de férias para contratados; e reforma nas mais de 400 escolas do estado.

Apesar dos encaminhamentos dados em alguns pontos da pauta, e não cumpridos, como é o caso da convocação dos concursados. A pauta determinante que assegura a correção salarial da categoria da educação, a Lei 510/2013, permanece ignorada pelo governo Mauro Mendes com justificativas falaciosas.

Confira fotos no facebook do Sintep/MT

Roseli Riechelmann (65) 99621-9178
Assessoria de Comunicação
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

OPORTUNIDADE: Unemat possibilita reingresso de ex-alunos que perderam o vínculo com a Instituição

Publicado

A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) publicou edital de processo seletivo de reintegração de ex-alunos aos quadros da Instituição. Os ex-alunos do ensino presencial, em qualquer modalidade, ou a distância que perderam o vínculo, a partir do semestre 2014/2, podem concorrer. O reingresso é possível no mesmo curso que o aluno fazia, tanto no mesmo câmpus quanto em outro que oferte o curso, desde que seja em oferta contínua.

As inscrições são presenciais e iniciam em 29 de julho e encerram dia 02 de agosto. Os interessados devem procurar a Supervisão de Apoio Acadêmico do câmpus onde desejam reingressar. Para inscrição é preciso comprovar vínculo com a Unemat há menos de cinco anos (períodos 2014/2 a 2019/1) e ter cursado 50% ou mais da carga horária prevista para integralização do curso.

O Colegiado de Curso será responsável pela análise favorável de reintegração. Os candidatos que tenham como pendência apenas o Trabalho de Conclusão de Curso e ou o estágio para integralizar a carga horária do Curso serão reintegrados imediatamente, na matriz curricular vigente de quando ocorreu seu desligamento. Já os candidatos que também necessitem cursar disciplinas serão reintegrados somente se houver vaga disponível. Neste caso o candidato será enquadrado na matriz curricular vigente do curso.

Leia mais:   OPORTUNIDADE: Unemat possibilita reingresso de ex-alunos que perderam o vínculo com a Instituição

Resultado: 8 de agosto

Matrícula: De 8 a 12 de agosto

Edital 005/2019-Proeg

Cursos de oferta contínua:

Alta Floresta: Agronomia, Ciências Biológicas (B e L), Direito, Engenharia Florestal

Alto Araguaia: Ciência da Computação, Letras (L)

Barra do Bugres: Arquitetura e Urbanismo, Ciência da Computação, Direito, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Produção Agroindustrial, Matemática (L)

Cáceres: Agronomia, Ciência da Computação, Ciências Biológicas (B e L), Ciências Contábeis, Direito, Educação Física (L), Enfermagem, Geografia (L), História (L), Letras (L), Matemática (L), Medicina, Pedagogia (L)

Diamantino: Administração, Direito, Educação Física (L), Enfermagem

Juara: Administração, Pedagogia (L)

Nova Mutum: Administração, Agronomia, Ciências Contábeis

Nova Xavantina: Agronomia, Ciências Biológicas (L), Engenharia Civil, Turismo

Pontes e Lacerda: Direito, Letras (L), Zootecnia

Sinop: Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Geografia (L), Letras (L), Matemática (L), Pedagogia (L), Sistemas de Informação

Tangará da Serra: Administração, Agronomia, Ciências Biológicas (B e L), Ciências Contábeis, Enfermagem, Engenharia Civil, Jornalismo, Letras (L)

(L) – Licenciatura | (B e L) – Bacharelado e Licenciatura | Todos os demais – Bacharelado

Qualquer dúvida, basta entrar em contato pelo imprensa@unemat.br. Estamos à disposição.
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana