conecte-se conosco


Cáceres e Região

Empossada a nova diretoria de Comtur em Cáceres

Publicado

A prefeita em exercício Antônia Eliene Liberato e o secretário de Turismo e Cultura Júnior Dias Trindade deram posse a nova diretoria do Conselho Municipal de Turismo de Cáceres (Comtur) na última terça-feira (3) na sede da Prefeitura Municipal, conforme o decreto municipal nº 710 de 28 de novembro de 2019.

Os novos diretores do Comtur foram eleitos em chapa única com unanimidade dos votos no dia 31 de outubro de 2019. Sendo eles: Presidente, Luis Henrique Lemos (Acec), Vice-presidente: José Carlos de Carvalho (Lions); 1ª Secretária: Lygia Cristina Menezes de Lima (Unemat); 2ª Secretária: Marcília Gonçalves F. Silva (Apropira); 1ª Tesoureira: Elida Rosa Oliveira (Asatec); 2ª Tesoureira: Natalie Charlise D. Gonçalo (Rotary).

A solenidade de posse contou ainda com a presença do assessor especial da Casa Civil, Renancildo Soares de França, do turismologo e servidor do município André Couto, do servidor Claudionor Duarte Corrêa, do representante do Sebrae Kleber Barbosa, do engenheiro Adilson Reis e de representantes do trade turístico e entidades representativas e visitantes.

Leia mais:   Mato Grosso registra 116.000 casos e 3.318 óbitos por Covid-19

Na oportunidade a ex-secretaria do Comtur, Suely Tocantis, repassou para a atual diretoria documentos e desejou sucesso. O secretario municipal enfatizou a importância e a responsabilidade do Conselho de Turismo que é o primeiro conselho municipal com autonomia de gestão, além ser consultivo e deliberativo.

O atual presidente reforçou o compromisso da atual diretoria em participar ativamente das ações que visam fomentar o turismo aproximando a população e ouvindo os desejos da sociedade. Ele lembrou que uma das premissas desta gestão que se inicia é tornar Cáceres uma cidade boa para os seus moradores, porque desta forma o município será bom também para os turistas.

Por Assessoria

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Unidade do Ganha Tempo de Cáceres estará fechada nesta sexta-feira (25)

Publicado

O atendimento será retomado na próxima segunda-feira (28)

A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), atual administradora das unidades do Ganha Tempo em Mato Grosso, informa que a unidade de Cáceres (220 km de Cuiabá), estará com o atendimento suspenso nesta sexta-feira (25), devido a um problema ocorrido com o sistema de ar condicionado.

A Secretaria informa ainda que já está providenciando o conserto e que na próxima segunda-feira (28) o atendimento será retomado.

Comentários Facebook
Leia mais:   Prefeito de Cáceres alerta para aparição de onças na cidade com queimadas no Pantanal
Continue lendo

Cáceres e Região

PANTANAL EM CHAMAS Pesquisadores avaliam efeitos das queimadas para animais aquáticos e terrestres

Publicado

O Pantanal Mato-grossense, conhecido como a maior planície alagável do planeta, sofre com a seca de mais de 100 dias e as queimadas de grandes extensões e terra. Animais terrestres são os primeiros a sentir a ação do fogo, mas as espécies aquáticas e os estoques pesqueiros também são diretamente afetados.

Pesquisadores da Universidade do Estado e Mato Grosso, ligados ao Centro de Pesquisa em Limnologia, Biodiversidade e Etnobiologia do Pantanal (Celbe/Unemat), vão à campo para avaliar as consequências das queimadas para o ambiente pantaneiro. O local escolhido é conhecido popularmente como Baía Mal-Assombrada, às margens da rodovia BR-070, próximo a Cáceres (219 km de Cuiabá).

O professor Claumir César Muniz pesquisa o ambiente pantaneiro desde 2004, é um dos maiores especialistas sobre o bioma. Concluiu mestrado em Ecologia e Conservação, doutorado em Ecologia e Recursos Naturais e pós-doutorado em Ecologia Aquática e Biologia Animal. “São 16 anos trabalhando no Pantanal. Nunca vi uma queimada nesse porte, nessa intensidade. Queimadas ocorrem no ambiente pantaneiro, como a gente já presenciou, mas em áreas menores. Este ano, em função principalmente da falta de chuva, nós temos uma área muito grande comprometida”.

De acordo com o cientista, o problema para os peixes é ainda mais grave porque eles vão sentir os reflexos do fogo depois, principalmente com a perda de alimentos e redução da qualidade das águas. Em ambientes inundáveis, muitas espécies vegetais fornecem abrigo e alimento e, em contrapartida, os peixes dispersam suas sementes, contribuindo com a manutenção das florestas.

Leia mais:   Chuva diminui focos de incêndio no Pantanal de MT após 4 meses de estiagem

“Há uma relação interessante entre peixe e planta. Os peixes engolem os frutos e levam as sementes rio acima ou lateralmente. Eles promovem a recuperação florestal, favorecendo a formação de ilhas de espécies frutíferas que, futuramente, vão oferecer alimentos para os próprios peixes. A gente observa aqui uma enormidade de espécies que estão completamente destruídas pelo fogo. Com isso, esse ciclo é perdido”, explica Claumir.

A relação peixes/plantas do Pantanal também vai virar um livro ilustrado, com apoio do Instituto Sustentar de Responsabilidade Socioambiental, patrocinado pela Petrobras.

CINZAS NA ÁGUAS

Além da perda de alimentos, há o incremento de cinzas na água provocando um processo chamado “decoada”. O fenômeno ocorre quando há aumento de matéria orgânica no corpo da água e, para quebrar essa matéria, há um consumo de oxigênio. Então, há uma drástica diminuição de oxigênio nesses locais.

O professor explica que a decoada é um processo natural no ambiente pantaneiro, mas em função das queimadas, tudo indica que será potencializada. “Para a ictiofauna, as consequências negativas não são sentidas imediatamente, mas sim, com o início da cheia no Pantanal. O que está queimado próximo às baías e aos rios, quando for carreado pelas primeiras chuvas para dentro dos corpos d’água, vai provocar uma diminuição abrupta de oxigênio, otimizando esse processo de decoada e comprometendo a ictiofauna”.

ANIMAIS TERRESTRES

Atravessando a BR-070, a paisagem também é devastadora. Grandes extensões de terra, que em outras estações ficam alagadas, sofrem com a ação direta do fogo. É possível observar pegadas de animais terrestres, que são os que sofrem primeiro com a ação do fogo. Eles são afugentados e alguns, inclusive, morrem em função disso.

Leia mais:   Justiça marca audiência de conciliação sobre ocupação irregular da margem do Rio Paraguai, em Cáceres

Os prejuízos ambientais poderão ser sentidos a quilômetros de distância a partir do local do incêndio. “Mamíferos de médio e grande porte, como antas, queixadas, catetos e cutias, desempenham o papel de jardineiro das florestas. Eles são dispersores de sementes. Quando essa área é queimada, os frutos acabam e o potencial de atuação desses mamíferos para a recomposição florestal é comprometido”, avalia o biólogo Derick Campos.

RESILIÊNCIA AMBIENTAL

Resiliência é a capacidade de restauração de um sistema. O ambiente pantaneiro tem uma resiliência grande, ele consegue responder rápido. “A gente pode observar que tem muita coisa já brotando, porque tem umidade. Mas, com áreas muito grandes comprometidas, essa resiliência diminui um pouco e os animais sofrem mais, porque mais áreas, mais habitats são perdidos”, avalia Claumir Muniz.

O reflexo não é apenas imediato. “A curto prazo, tem esse cenário: tudo queimado e animal morto. A longo prazo, há cada vez menos floresta. A gente acredita que o Pantanal é resiliente e que no próximo ano já vai estar tudo verde, mas você perde, pelo menos, um ano de seleção de matéria de árvore, de floresta, de animais e de variabilidade genética. Então, você diminui as chances de restabelecer uma floresta nova”, conclui Derick.

Unemat.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana