conecte-se conosco


Mato Grosso

Dona das Casas Bahia é condenada por irregularidades trabalhistas

Publicado

A Justiça do Trabalho condenou a Via Varejo, dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, a regularizar imediatamente o meio ambiente de trabalho de seus empregados. A determinação judicial de primeira instância atendeu aos pedidos feitos pelo Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) e exigiu que a empresa promova melhorias no funcionamento interno de suas lojas.
A decisão, válida para todos os estabelecimentos da empresa em Mato Grosso, é do dia 10 de março.
A sentença determina que a Via Varejo realize treinamentos com seus empregados sobre os riscos no ambiente de trabalho, adeque o mobiliário e as condições de conforto e elabore análise ergonômica incluindo formas de manipular e transportar produtos e mercadorias com o menor risco possível para os trabalhadores.
O procurador Bruno Choairy, coordenador regional de Defesa do Meio Ambiente de Trabalho (Codemat) do MPT, explica que a atuação do órgão teve início a partir de documentos enviados pelo MPT no Distrito Federal. Após o início da investigação, realizou inspeções em quatros lojas de Cuiabá e Várzea Grande.
“As obrigações requeridas dizem respeito ao meio ambiente do trabalho, com evidente caráter preventivo, cujo propósito se dirige precipuamente a evitar acidentes de trabalho e doenças profissionais. Nessa linha, o adoecimento de trabalhadores e a ocorrência de acidentes de trabalho podem acarretar consequências irreversíveis quanto à integridade física e moral dos trabalhadores”, pontuou o procurador.
Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), a empresa possui mais de 60 mil empregados espalhados pelo país. O procurador demonstrou preocupação com o fato de lojas no interior do estado possivelmente estarem em condições piores que as localizadas na grande Cuiabá, já que o laudo pericial relata a existência de apenas um técnico de segurança para atender a todas as 19 unidades de Mato Grosso. O profissional consegue visitar as lojas da região da capital com alguma frequência, mas apenas vai até as lojas do interior cerca de duas vezes por ano.
“Por fim, registre-se que o desrespeito sistemático a obrigações trabalhistas oferece ao réu uma vantagem competitiva com relação às demais empresas que observam a legislação do trabalho, ao diminuir artificial e ilicitamente os custos de produção, circunstância provocadora do nocivo dumping social”.
No processo, o procurador reforçou que a atuação do MPT não é apenas punitiva e que possui caráter de prevenção. Choairy afirma ser “inegável que a conduta ilegal e reiterada do réu causou, e causa, lesão aos interesses difusos de toda a coletividade de trabalhadores, uma vez que propicia a negação dos direitos trabalhistas aos antigos, atuais e futuros trabalhadores”.
Em primeira instância, a juíza Márcia Martins Pereira concordou com a pretensão do MPT e disse que as provas produzidas no Inquérito Civil foram suficientes para formar a sua decisão. “Conclui-se que, não obstante oportunizado o contraditório e ampla defesa na presente ação, a ré [Via Varejo] não se desvencilhou do ônus probatório que lhe incumbia, não produzindo prova em contrário ao constatado na perícia técnica produzida pelo Autor [MPT]”.
Disse, ainda, que analisando os documentos apresentados pela empresa, observou que as irregularidades não dizem respeito à inexistência de análises ergonômicas e programas de prevenção dos riscos – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e Análise Ergonômica do Trabalho (AET) de cada filial no Estado de Mato Grosso -, mas à sua inadequação e implantação incompleta.
Inspeção
O MPT produziu Laudo Pericial a partir da análise dos documentos e de inspeções realizadas em quatro lojas localizadas em Cuiabá e Várzea Grande. O documento registrou inicialmente que “os trabalhadores estavam desempenhando suas tarefas sem receber orientações completas quanto ao modo seguro de as realizar”. Salientou que, muito embora não haja um padrão nas lojas no que se refere ao espaço físico, os PPRAs e demais programas dos estabelecimentos seguem um padrão restrito, sem considerar plenamente as peculiaridades de cada local (existência de rampas, escadas, elevadores, layout).
Além disso, constatou-se que, em todas as lojas, é comum que os vendedores auxiliem os estoquistas a carregar os produtos maiores e mais pesados. Todavia, esse tipo de atividade e os riscos ergonômicos e de acidentes não estão previstos nos programas, indicando a necessidade de providências em relação a melhores treinamentos ou escala das equipes de estoquistas.
Em algumas unidades, as Análises Ergonômicas de Trabalho (AET´s), um tipo de estudo detalhado da demanda, tarefa e atividade nos postos de trabalho para identificar inadequações e fatores de risco existentes, não detalham exatamente as condições das diferentes lojas, desconsiderando as características de cada depósito. Em muitas delas, a situação retratada na AET diverge daquela verificada na prática pela inspeção do MPT.
Em outra filial, algumas medições de luminosidade indicam a necessidade de melhorar a iluminação nos ambientes. Parte do mobiliário de algumas lojas se encontra em péssimo estado de conservação (foram vistas cadeiras quebradas e mesas com pedaços faltando). Em outra loja, os vendedores não têm assento para descansar nas pausas do serviço.
Ademais, em um dos estoques, observou-se a existência de manipulação de produtos pesados e volumosos, como máquina de lavar, por apenas uma pessoa, contrariando a própria AET que prescreve a participação de dois trabalhadores nas cargas superiores a 30kg, o que depende de treinamento para ser colocado em prática, além da disponibilidade integral de ao menos dois estoquistas. Nesta loja, também foi constatado que os trabalhadores se reúnem para comprar água em galões, com recursos próprios, já que não há limpeza da caixa d´água e os filtros dificilmente são trocados.
Merece atenção ainda o fato de que, em uma das unidades da empresa, o elevador estava estragado, com pedido de reparo pendente há mais de duas semanas, impondo o transporte de produtos manualmente pelas escadas, com agravamento dos riscos ergonômicos.
Multa
Para garantir o cumprimento da ordem, a juíza substituta da 6ª Vara do Trabalho de Cuiabá, Márcia Martins Pereira, estabeleceu multa de R$ 30 mil para cada irregularidade constatada em cada inspeção realizada, acrescida de R$ 1 mil por trabalhador prejudicado.
Dos 14 pedidos feitos pelo MPT relativos às obrigações trabalhistas, apenas um foi julgado improcedente. Trata-se do trabalho de operador de “checkout”, (comum em supermercados), com o fundamento de que a atividade não está presente na dinâmica empresarial das unidades.
Da decisão cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho.
ACPCiv 0000645-79.2019.5.23.0006
 
Informações: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT)
 
Contato: (65) 3613-9166 | www.prt23.mpt.mp.br | twitter: @MPT_MT | facebook: MPTemMatoGrosso | instagram: mptmatogrosso
Comentários Facebook
Leia mais:   Sábado (04): Mato Grosso registra 60 casos confirmados de Covid-19

Mato Grosso

Polícia Civil prende duas pessoas e recupera dinheiro e joias roubados de médicos

Publicado

Um roubo a residência ocorrido na segunda-feira (06.04) em Juína (735 km a noroeste de Cuiabá), foi rapidamente esclarecido pela Polícia Civil do município. A ação resultou na prisão de duas pessoas, entre elas um adolescente, e na recuperação dos produtos roubados. 

Um suspeito de 22 anos foi autuado em flagrante por roubo, associação criminosa e corrupção de menores. Já o segundo envolvido, um adolescente de 17 anos, foi autuado por ato infracional análogo aos crimes de roubo e associação criminosa. 

O crime ocorreu na tarde de segunda-feira (06.04), em uma casa no bairro Módulo 04. Os moradores, um casal de médicos, foram surpreendidos e rendidos por três homens armados e encapuzados, que anunciaram o assalto.

As vítimas foram obrigadas a entregar dinheiro e joias que estavam no cofre da casa e depois foram trancadas no banheiro. Em seguida, os criminosos reviraram a residência e roubaram diversos produtos, como quatro bicicletas, garrafas de bebidas alcoólicas destiladas, entre outros.

Logo que acionados, os policiais civis iniciaram as diligências para apurar a ocorrência, conseguindo, com análise da cena do crime e indícios colhidos, identificar um possível suspeito. A equipe foi até a casa do rapaz, já conhecido pela polícia, no bairro Verdan.

Leia mais:   Em Confresa, três pessoas são conduzidas por desmatamento ilegal

Assim que os investigadores se aproximaram do local, identificaram cinco jovens no fundo da casa, que ao perceberem a presença da polícia, correram para uma área de mata e brejo nas proximidades.

Imediatamente, os policiais civis seguiram atrás dos suspeitos e abordaram o dono da casa, de 22 anos, e o menor de 17 anos. No bolso e na cueca do adolescente foram encontrados R$ 6 mil em dinheiro, além de uma corrente dourada. Ainda em meio à mata, os investigadores apreenderam outra quantidade de dinheiro, provavelmente jogada pelos suspeitos durante a fuga, e mais as quatro bicicletas, documentos, joias, entre outros produtos provenientes do roubo. Ainda no interior da casa do jovem preso também foi recuperado mais dinheiro em reais, dólares e euros. 

Diante das evidências, os dois envolvidos foram levados para a Delegacia de Polícia de Juína, onde foram interrogados pelo delegado Carlos Francisco de Moraes. O Conselho Tutelar foi acionado para acompanhar o procedimento instaurado contra o adolescente, apreendido por ato infracional.

As investigações continuam para identificar e prender os outros três indivíduos que conseguiram fugir.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Vítimas de violência doméstica podem buscar orientação psicológica por telefone

Publicado

A Polícia Civil criou, por meio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá (DEDM) um canal de atendimento psicológico por telefone, para as vítimas que são atendidas pela unidade policial na Capital.

O atendimento é realizado pelo número (65) 99973-4796, onde a psicóloga da delegacia recebe mensagens, via áudio ou texto, ou ligações. O telefone recebe mensagens também pelo aplicativo whatsapp.

A delegada titular da DEDM, Jozirlethe Criveletto, explica que o serviço é para este período em que são necessários o distanciamento ou isolamento social e a redução de pessoas em circulação nas ruas e unidades policiais. “Continuamos atendendo as vítimas nas situações em que é necessário o serviço presencial. E para o atendimento psicológico, que pode ser realizado por telefone, disponibilizamos o serviço em que nossa profissional faz a escuta ativa, recebe mensagens e faz as orientações para as vítimas”.

A delegada reforça ainda que pela Delegacia Virtual (http://www.delegaciavirtual.mt.gov.br) as vítimas podem fazer o pré-registro de ocorrências como injúria, ameaça, calúnia, difamação, constrangimento ilegal e violação de domicílio no âmbito de violência doméstica. Para validação do pré-registro da ocorrência, a pessoa deve ligar em um dos números: (65) 3901-4839 / (65) 99989-4035 / 98463-2525.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Leia mais:   Em Confresa, três pessoas são conduzidas por desmatamento ilegal
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana