conecte-se conosco


Política

Deputado vai a Mato Grosso do Sul conhecer realidade do Cota Zero

Publicado

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) se deslocou até Mato Grosso do Sul para conhecer a realidade do programa Cota Zero.

O parlamentar integra a comissão especial da Assembleia Legislativa de Mato Grosso que discute o projeto de lei (PL 668/2019), que prevê a proibição do abate e o transporte de peixe nos rios de Mato Grosso pelo período de cinco anos.

A ida ao estado vizinho tem o intuito de obter informações que possam subsidiar a elaboração de um projeto alternativo que concilie interesses da sustentabilidade ambiental com a atividade econômica, sem prejudicar municípios que detêm a pescaria como principal fonte para o comércio.

Em Mato Grosso do Sul, foi reduzida pela metade a quantidade permitida para pesca amadora e esportiva. O Decreto 15.556/2019, de autoria do governador Antônio Azambuja (PSDB), também estipula a cota zero a partir de janeiro de 2020.

Em solo sul-mato-grossense, o deputado Wilson Santos compareceu aos municípios de Anástácio e Aquidauana, ambos com vocação de atividade pesqueira, para dialogar com pescadores da colônia Z-18 a respeito dos efeitos sociais e econômicos do Cota Zero.“Os pescadores reclamaram muito. Estão abandonados e sem perspectiva de melhoria”, disse.

Leia mais:   Reck Júnior diz que pretende conversar com Francis sobre a retomada das atividades do porto

O efeito mais drástico do Cota Zero, porém, foi constatado na comunidade Águas do Miranda, que pertence ao município de Bonito. “Houve uma queda de 60% do movimento econômico. O desemprego aumentou e, por consequência, a crise social. O medo e a insegurança estão espalhados”, destacou o parlamentar.

O deputado Wilson Santos esteve ainda em Corumbá, para uma reunião com dois cientistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Pantanal. Na ocasião, foram apresentados estudos técnicos a respeito da bacia hidrográfica do Alto Paraguai, que envolve Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, em 80 municípios e 2,5 milhões de habitantes.

As atividades do parlamentar em Mato Grosso do Sul serão encerradas somente nesta terça-feira (17). 

Comentários Facebook

Destaque

TRE define que eleição para senador por Mato Grosso na vaga de Selma será em 26 de abril

Publicado

Os desembargadores e juízes do Tribunal Regional Eleitoral acabam de decidir, em sessão plenária, que a eleição suplementar para senador, com a cassação de Selma Arruda (por caixa 2 e abuso de poder econômico), será no próximo dia 26 de abril.

Os magistrados analisaram entre os dias 2 de fevereiro, 8 de março, 26 de abril, 10 de maio, 21 de junho, 22 de novembro e 6 de dezembro e ficou definido que o pleito será dentro de 90 dias.

O presidente Gilberto Giraldelli vai anunciar os demais procedimentos que o TRE tomará quanto a datas para convenções e prazo para registro de candidaturas, período de propaganda eleitoral.

Com a definição da data, as articulações políticas vão se intensificar para os grupos definirem candidatos ao Senado.

O vice-governador Otaviano Pivetta, a empresária Margareth Buzetti (PP), o chefe do escritório de Mato Grosso em Brasília, Carlos Favaro, o deputado Jose Medeiros (Podemos) são alguns nomes que devem concorrer.

O PSDB também estaria avaliando de Pedro Taques, que foi senador antes de governar o Estado, concorreria. O PV cogita o deputado Faissal.

Leia mais:   Câmara vai votar novamente RGA para vereadores; vencimento deve chegar a R$ 13.222, 97 mil mensal

Antes das definições, o presidente anunciou que haverá nova data para regularização de eleitores, através da biometria, considerando que são cerca de 500 mil em Mato Grosso

Por Sonoticias

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Reck Júnior diz que pretende conversar com Francis sobre a retomada das atividades do porto

Publicado

A parte da estrutura física do porto deverá estar concluída em 90 dias o que deve demorar um pouco mais são as questões burocráticas relacionadas às portarias e licenças ambientais para que o complexo portuário tenha o recomeço das operações. A afirmação é do presidente da Associação Pró – Hidrovia do Rio Paraguai, Vanderlei Reck Júnior. Citado de não possuir expertise para a atividade pelo prefeito Francis Maris Cruz, Reck diz que Francis é uma “boa pessoa” e que pretende conversar com ele sobre projeto.

“Desde o embargo jurídico da hidrovia do Rio Paraguai, em 2004, estamos trabalhando. Houve um período em 2014 que paralisaram as dragagens e articulamos para que fossem retomadas. O nosso trabalho não é político. Não ficamos noticiando tudo o que fazemos” disse. Francis afirmar que desde que o presidente da APH, assinou o Acordo de Cooperação nº 001/2016, no dia 25 de outubro de 2016, junto ao governo do Estado, nada, aparentemente, teria sido feito no terminal.

A retomada da navegação comercial pela hidrovia Paraguai-Paraná foi prometida pelo governador Mauro Mendes no final do ano passado.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, em que aparece ao lado do presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat) Adriano Silva, Mendes disse que “fechamos um planejamento de trabalho com a associação dos produtores e, no máximo em seis meses, queremos o porto de Cáceres funcionando”, disse acrescentando que “temos um compromisso formado e vamos cobrar muito. Eu tenho plena convicção de que em 2020 estará funcionando a navegação no rio Paraguai”.

Leia mais:   Adriano será candidato do Democratas à sucessão em Cáceres, diz Fábio Garcia

Em contato com a reportagem do Jornal Expressão, Reck Júnior afirmou que a APH dispõe de recursos necessários para fazer o projeto caminhar. “100% dos investimentos aportados na recuperação do porto para a retomada das atividades serão aportados pela APH” diz informando que a previsão é de que serão absorvidos recursos na ordem de R$ 1,5 milhões nas obras físicas do terminal. E, que a APH dispõe de capacidade técnica e administrativa para execução do projeto.

Reck Júnior se diz “impressionado” com o número de empresas que tem procurado a direção da APH no sentido de ajudar no projeto. Salientou que já realizou várias contratações, outras empresas estão fazendo orçamento e acredita que o porto retome as atividades, no período de seis meses, conforme a previsão do governador.

Enfatizou que pretende conversar com o prefeito Francis para que possam entender melhor o projeto. “Até onde sei o Francis e uma pessoa boa. Devo fazer uma visita à ele nos próximos dias. Temos que conversar para entender o projeto. Cáceres é uma cidade abençoada por ter essa hidrovia. Esse projeto irá beneficiar não apenas a cidade e a região, mas todo Estado. Temos que estar de mãos dadas nesse grande empreendimento da região”.

Leia mais:   TRE define que eleição para senador por Mato Grosso na vaga de Selma será em 26 de abril

Novo acordo

A assinatura do novo Acordo de Cooperação entre a APH e o governo do Estado, através da Metamat, para a retomada das atividades do Porto Fluvial de Cáceres, ocorreu na terça-feira (14.01).  “É uma vontade antiga de todos que trabalham na região, que se possa voltar a usar o transporte aquaviário para escoamento da produção. Esta cooperação garante que cada etapa do cronograma seja cumprida com apoio e fiscalização do governo”, afirma o presidente da Metamat, Juliano Jorge Boraczynski.

Reck Junior assinalou que porto está há praticamente 10 anos sem funcionamento, já que desde 2009 o fluxo diminuiu drasticamente, até a paralização completa, em 2012. E reiterou a importância do escoamento da produção, e da possibilidade de facilitar a exportação, e a importação, para os produtores da região. “Estamos bastante confiantes nesse novo momento. Por parte da Associação, não estamos medindo esforços para colocar o porto em operação dentro dos seis meses”, afirma.

O porto

O Porto Fluvial de Cáceres é delegado pela União para a administração pela Metamat desde 1998. Por meio da hidrovia Paraguai-Paraná, o porto beneficiará municípios das regiões oeste e sudoeste do estado. Dos 3.442 quilômetros da rota aquaviária, 890 quilômetros ficam dentro do Brasil, passando por Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A hidrovia passa ainda pela Bolívia, Paraguai, e Argentina.

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana