conecte-se conosco


Política

CST de combate à violência contra mulher define hoje cronograma dos trabalhos

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

A Câmara Setorial Temática (CST) de Combate à Violência contra a Mulher definirá  nesta-segunda-feira (10),  um cronograma  programático  sobre os futuros trabalhos,  que darão sequências nas próximas reuniões  na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.  Esse será o segundo encontro da comissão e ocorrerá   na sala Oscar Soares, nº 201, na ALMT.

Na última sexta-feira (7), a CST promoveu o primeiro encontro na sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, em Cuiabá, onde foi aberto pela atual  presidente, desembargadora Maria Erotides Kneip.  Representando a Assembleia Legislativa, a assessora de gabinete, Tania Arantes, falou que agora tem certeza que será possível agilizar as políticas públicas com a criação e funcionamento da Câmara, principalmente na celeridade da regulamentação de leis que já foram criadas. “Vamos trabalhar muito nisso. Nessa primeira reunião foram várias as propostas que surgiram para o envolvimento da sociedade, além de problemáticas levantadas. A posição da desembargadora Maria Erotides é extremamente propositiva e positiva, então eu acredito que a Câmara vai funcionar com certeza”, explicou.

Leia mais:   Considerado oposição na Câmara, Pastorello “salva” projeto de pavimentação da prefeitura

Já a assessora parlamentar da ALMT, Mayana Alves, informou que ficou acordado entre os integrantes que estiveram no último encontro no TJMT, a definição de um cronograma programático nesta segunda-feira (10).

“Tratamos mais de que forma cada integrante pode colaborar com a CST e que será definido um cronograma programático para dar sequência dos trabalhos nas próximas reuniões”, explicou a assessora parlamentar da ALMT, Mayana  Alves.

A CST foi instalada no dia 30, a partir de requerimento do deputado Wilson Santos, que apresentou propostas com legislações de combate à violência contra mulher.

Nesse dia, o parlamentar destacou que a câmara cumpre uma designação da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU) em busca de diminuir as desigualdades entre homens e mulheres. “Temos uma seleção de mulheres especiais, com trabalho relevante para a sociedade, e seguimos uma orientação da defensora pública Rosana Leite e agora eu saio para elas possam discutir e propor leis efetivas por uma sociedade mais justa”.

Integrantes – Além da presidente, desembargadora Maria Erotides Kneip, integram a CST a defensora pública Rosa Leite, como relatora; a professora Jacy Proença, como secretária, e as membros Lindinalva Rodrigues, Josyrleth Magalhães Criveletto, Amini Haddad Campos, Glaucia Anne Kelly Rodrigues Amaral, Clarissa Lopes, Mayana Vitória de Souza Alves, Vera Bertolini, Eliana Vitalino, Eliane Rodrigues de Lima, Telma Reis, Luciana Rosa Gomes, Willian Cesar de Moraes e Tânia Mara Arantes Figueira.

Comentários Facebook

Destaque

Sindicato patronal do comércio em Cáceres desenvolve trabalho para superar crise e conta com apoio na representação estadual e nacional

Publicado

Assim como em todo o Brasil, as cidades menos desenvolvidas sentiram fortemente o impacto da Covid-19, principalmente aquelas que usufruem das atividades turísticas para se manterem vivas. O “Segmento Representado” da Fecomércio-MT ouviu o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Cáceres (Sincovac), Sebastião “Tato” Giraldelli, que falou do impacto na economia provocado pela doença no setor que só tem crescido ano a ano no município. Além disso, as ações governamentais para solucionar tais problemas e o papel das entidades representativas na atuação dentro do município, do estado e da União, inclusive da própria Fecomércio de Mato Grosso nesta atual gestão.

Como se apresentava o setor do comércio antes do período de pandemia no município?

Com algumas dificuldades, porém, otimista e com boas expectativas, devido ao cenário nacional que tínhamos antes da pandemia.

O setor de turismo vinha crescendo no município, ajudando na atividade comercial. Qual foi o impacto da pandemia no comércio da região?

O setor vinha colaborando muito na região, mas, infelizmente, a crise acabou por prejudicar várias empresas do comércio. O principal festival na região foi cancelado – Festival Internacional de Pesca – e que acabou por prejudicar principalmente o turismo de pesca e de contemplação na região. A própria Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) afirma que o setor já acumula perdas de R$ 87,7 bilhões em todo o pais desde que teve início a pandemia e, com certeza, boa parte dos prejuízos foi nesse setor em nosso município.

Leia mais:   Francis diz que sua administração foi a mais humana e Eliene está sendo usada pela oposição

Como tem sido a atuação do sindicato nas tratativas para a melhor retomada das atividades comerciais no município?

Orientando o comércio quanto aos cuidados, métodos de prevenção e combate à Covid-19. Defendendo também a liberação das atividades comerciais de forma responsável e segura, junto ao Poder Executivo e Legislativo, e ao Comitê de Combate à Covid-19 do município.

Como o sindicato enxerga a atuação de nossos governantes nas tratativas para superar o atual momento?

Estamos todos aprendendo a lidar com essa situação. Entendemos as dificuldades encontradas pelo poder público, porém, desde o início nos colocamos à disposição para somar e contribuir. Hoje, graças a todo o trabalho, esforço e empenhado, temos voz para defender o comércio local e tentar encontrar um meio-termo nas decisões. O Poder Executivo municipal, tem se mostrado aberto ao diálogo e com empatia ao comerciante de Cáceres.

O que a entidade sindical espera para um futuro próximo?

Esperamos que sejam criados incentivos aos empresários locais, que possamos atrair mais empresas, fomentar o empreendedorismo e também qualificar nossa mão de obra. É preciso criar um plano de ação em conjunto, com as entidades representativas, o poder público, o Sistema S e a classe empresarial para pensar o futuro de nossa cidade e nossa economia local.

Com a retomada das obras da ZPE (Zona de Processamento de Exportação), prometida para 2021 no município, o que esperar desse investimento para a região?

A retomada significa que o Governo do Estado acredita na viabilidade desse projeto de desenvolvimento para o estado. As ações paralelas, como o transporte fluvial, que está a todo vapor, vai se consolidando para concretizar a tão sonhada ZPE. Com isso, a industrialização nessa região corrobora para a criação de emprego e, consequentemente, aumento do consumo e renda na cidade, beneficiando o comércio local e toda região Centro-Oeste.

Leia mais:   Considerado oposição na Câmara, Pastorello “salva” projeto de pavimentação da prefeitura

De que forma o sindicato tem atuado para representar o segmento nas demandas políticas?

Fazemos parte de uma rede, onde, a nível estadual, temos a Fecomércio-MT que vem nos representando muito bem, e a nível nacional com a nossa Confederação Nacional do Comércio (CNC). Portanto, independente de ideologia política ou partidária, sempre levamos as demandas dos empresários para aqueles que nos representam. Entendemos que em Cáceres somos a entidade que mais tem defendido e representado os interesses do empresariado local, sempre a postos para ajudar e defender os direitos de nossos associados.

Como a entidade vê a Fecomércio-MT nestes dois anos de gestão e também como a representante máxima do comércio em Mato Grosso?

A Fecomércio-MT, nestes dois anos, mostrou a responsabilidade e transparência na sua gestão. Mais forte na sua representatividade no âmbito estadual e federal, vem atuando em setores para que o nosso comércio fique cada vez mais solido, principalmente neste momento que estamos passando. Parabéns a todos envolvido direto e indiretamente e que Deus continue abençoando nesse momento que todo mundo vem passando.

Da Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Notificado para não inaugurar obra inacabada da UPA; prefeito diz que vereador não gosta de pobre

Publicado

O prefeito Francis Maris Cruz (PSDB) corre contra o tempo para tentar revogar uma lei municipal que proíbe a inauguração de obras inacabadas, no sentido de colocar a Unidade de Pronto Atendimento – UPA, em funcionamento, nos próximos dias, para atender a população, principalmente, a mais carente, no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavirus.

O prefeito foi notificado, através de um Requerimento de Notificação Recomendatória, do vereador José Eduardo Torres (PSC), datado do último dia 10, para que se abstenha de fazer qualquer inauguração de obras inacabadas no município, levando em conta a eminência de inauguração do prédio da UPA, sob pena de incorrer em ato de improbidade administrativa, podendo ser cassado.

“Enquanto estamos precisando de leito, de atendimento a população nessa época de pandemia, em função do coronavirus, tudo superlotado, tudo compromissado, o vereador manda notificação proibindo de inaugurar a UPA para não atender a população. Esse é o vereador que diz gosta do pobre, que precisa da UPA, que precisa de atendimento médico”.

Leia mais:   Sindicato patronal do comércio em Cáceres desenvolve trabalho para superar crise e conta com apoio na representação estadual e nacional

Francis diz que, embora a Unidade de Pronto Atendimento não esteja 100% concluída, ela será de fundamental importância para ajudar no combate a pandemia do coronavirus, curar pessoas e salvar vidas.

“Mesmo não estando 100% pronta, a Unidade de Pronto Atendimento irá ajudar a combater a pandemia, curar pessoas e ajudar a salvar vidas” e indaga: “Será que esse vereador vai ter coragem de pedir votos para o pobre? Depois de proibir o pobre de ser atendido e até morrer por falta de atendimento. É esse o vereador que se diz defensor dos pobres?”.

O prefeito admite que, a UPA não está 100% concluída, mas dispõe de técnicos e equipamentos que podem ajudar no combate a pandemia, curando e salvando vidas. E, que, para garantir o atendimento à população, através da unidade, estará encaminhando, nas próximas horas, à Câmara Municipal, um Projeto de Lei, no sentido de revogar a lei anterior, tornando-a inócua.

Procurado pela reportagem o vereador José Eduardo Torres, autor do requerimento, diz que irá se manifestar no momento oportuno. A lei a que ele refere é a Lei Municipal nº 2.640 de 26 de fevereiro de 2018 que “dispõe sobre a proibição da inauguração e entrega de obras públicas inacabadas ou que não estejam em condições de atender a população”.

Leia mais:   Considerado oposição na Câmara, Pastorello “salva” projeto de pavimentação da prefeitura

Sinézio Alcântara – Expressão Notícias

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana