conecte-se conosco


Artigos

Como se separar saudavelmente

Publicado

Dulce Figueiredo

O casamento está apoiado em algumas premissas para pode dar certo, entre elas, estão equilíbrio nas trocas emocionais, acolhimento dos valores familiares do companheiro, que exige tolerância e aceitação, e no amor propriamente, que inclui demonstrações afetivas e respeito.

Mesmo jurando amor eterno, está cada vez mais comum os casais não conseguirem avançar além do 10º ano juntos. Na prática, um a cada três casamentos termina em divórcio no Brasil. Só em 2016, foram 344 mil separações, de acordo com o último censo do IBGE.

Então, para obter sucesso na relação conjugal é necessário ter maturidade para lidar com uma série de questões, por isso, ainda que haja problemas, como profissional da área, eu acredito que é possível evitar a ruptura. Mas, para isso, o casal em comum acordo deve querer olhar para o relacionamento e lidar com os conflitos e crises.

Quando não há outro jeito e a separação passa a ser a melhor solução, ela deve ser encarada e construída de forma madura, principalmente se houver filhos da relação. Ou seja, estar casado ou sair do casamento exige uma nova postura do homem e da mulher, devemos refletir sobre isso.

O principal beneficiado dessa esforço em ‘crescer’ emocionalmente é o próprio casal, que terá muito mais chance de obter sucesso na próxima relação afetiva. Além disso, se houver filhos, o sucesso deles também depende de como vai ser o enfrentamento a este momento difícil para todos.

Conscientize que a separação é uma escolha de gente grande, porque exige, por exemplo, saber separar o papel de pai e de mãe do papel de cônjuge. Cabe aos pais (no plural) manterem o vínculo com os filhos para o resto da vida. Nisso não se mexe, disso não se abre mão. E é esta atitude assertiva que mantém a saúde mental de crianças e jovens para entrarem na vida adulta.

É importante frisar que muitos jovens buscam nas drogas ou mesmo outras situações perigosas e autodestrutivas para tentarem o preenchimento do vazio deixado por um dos pais ou de ambos após a separação. A depressão também pode ser experimentada como a dor desse vazio.

Claro que não é fácil lidar com o turbilhão de acontecimentos dentro e fora que vem junto da separação. No entanto, pelo bem dos filhos, é muito importante não levar informações detalhadas ou de desentendimentos entre as partes a eles. Também não se deve fazer críticas ou desqualificar o outro, o que na prática pode se configurar como alienação parental, que hoje é crime passível de punição.

Outro ponto importante que pode servir de estímulo na busca da assertividade: a próxima relação só tem chances de sucesso se houver respeito pelo ex-parceiro. Independente dos problemas, é fundamental ser grato ao outro pelos bons momentos e sempre falar apenas das características boas aos filhos. Em um ambiente de respeito, todos ficam livres para amar e olhar para o futuro.

Pode parecer impossível no início construir algo desse nível, porque, normalmente, o término acontece em momentos diferentes para os envolvidos. Salvo exceções, a ruptura costuma ter a iniciativa de um dos dois, por isso, é preciso paciência com aquele que não está aceitando enfrentar o processo de luto, que envolve tristeza e raiva.

De todo modo, as responsabilidades devem ser compartilhadas, porque em uma relação adulta, como deve ser de um casal, não há lugar para vítima. Se acabou, houve dificuldade em ambas as partes.

Para ajudar nesse processo, a psicoterapia é uma importante ferramenta para o casal e os filhos, porque contribui na resolução de conflitos e harmonia familiar. O casamento acabou, mas o amor pode sim ser mantido, por meio de uma separação saudável e com respeito mútuo em que todos são beneficiados.

Dulce Figueiredo, psicóloga com 24 anos de experiência e pedagoga pela UFRJ, especialização em terapia de família sistêmica, MBA Gestão de Recursos Humanos, @psicologadulcefigueiredo, dulcefig@gmail.com

Rose Domingues Reis
Jornalista – (65) 99955-3978
Cuiabá (MT)/Brasil

Comentários Facebook

Artigos

SETEMBRO AMARELO: Dívidas estão entre principais motivos da depressão e suicídio no país

Publicado

A audiência pública realizada nesta semana trouxe orientações sobre educação financeira, já que o endividamento pode causar forte dor emocional e até suicídio.

O número de pessoas inadimplentes no Brasil é maior que 63 milhões e representa, atualmente, um dos principais motivos geradores de depressão, doença que pode levar ao suicídio. A educadora financeira e servidora pública Renata Melo, explica que a oferta de crédito facilitado vem promovendo o adoecimento da população, em especial dos servidores públicos.

Durante a audiência pública sobre prevenção à depressão e ao suicídio, realizada na terça-feira (10) pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Renata pontuou que a preocupação com as dívidas gera inúmeros problemas físicos e psicológicos, além de brigas em casa, separações e até dificuldades no trabalho.

“O cartão de crédito é um grande vilão na vida das pessoas, pois a maioria delas acaba elevando o padrão de vida acima da renda mensal. Além disso, temos uma indústria do marketing muito mais voltada ao consumo desenfreado do que à educação financeira, e isso é preocupante”.

Renata pontua que falar sobre dinheiro não é apenas sobre dinheiro, envolve um conjunto de hábitos e crenças que precisam ser reeducados, mas ela afirma, por experiência própria, que é possível sair de qualquer situação de endividamento com planejamento e paciência. O fundo do poço pode ser uma oportunidade para adquirir novos hábitos.

“Em um momento de crise não adianta fechar o olhos e deixar acontecer. Oriento a pessoa a conhecer o tamanho da dívida e, depois, ir caso a caso renegociar, a partir de uma programação compatível com a capacidade financeira. Podemos trocar dívidas ruins por dívidas melhores (com juros menores, por exemplo). Recomendo também ajustes no padrão de vida da família”.

O recomendável pelos especialistas na área é uma divisão do orçamento mensal da seguinte forma: 50% para despesas essenciais (água, energia, alimentação, transporte, etc), 30% lazer e compras, e 20% em investimentos (que devem ser feitos mesmo com dívida). Analisar e planejar os gastos pode evitar gastos desnecessários, a exemplo de taxas mensais bancárias que não são mais obrigatórias.

“Aqueles R$ 50,00 por mês do pacote mensal do banco ou do cartão de crédito significam mais R$ 600,00 ao ano. Quantas coisas desnecessárias você está pagando, que poderia economizar para investir ou mesmo ajudar a pagar a dívida? Será que podemos ter formas criativas de fazer renda extra? O mais importante é dizer para quem está numa situação difícil que existem meios de resolver, não é o fim da linha”.

A servidora pública pontua que promover educação financeira entre crianças e jovens é essencial. Mas, mesmo que as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estipulem até dezembro deste ano para que as unidades escolares trabalhem esse tema em sala de aula, Renata avalia que nada foi feito na prática.

“Os alunos poderão aprender assuntos como taxas de juros, inflação, aplicações financeiras e impostos. Outro ponto positivo é que essa abordagem favorece o estudo interdisciplinar envolvendo as dimensões culturais, sociais, políticas e psicológicas, além da econômica, sobre as questões do consumo, trabalho e dinheiro”, avalia a especialista.

Impacto – O deputado estadual Dr. Gimenez (PV), que é médico, frisa que o estilo de vida atual, baseado no consumo e no imediatismo potencializam as doenças mentais, como depressão, transtorno de ansiedade, bipolar e alimentar. Há 40 anos trabalhando com o público infantil, ele afirma que com o advento de celular e internet, crianças e adultos pararam de conviver e se fecharam em si mesmas. “O vazio existencial aumentou e comprar é uma forma de estar mascarando isso”.

A funcionária pública é mãe do Luccas e da Angelina, de 6 e 8 anos, com quem adotou uma prática simples para ensinar sobre dinheiro, por meio de quatro potes: 1) hoje (comprar agora); 2) amanhã (presentes de aniversário e/ou Natal); 3) futuro (investimento para usufruir aos 18 anos); e 4) doação (compartilhando as bênçãos). “Eles estão receptivos e aprendem rápido, ou seja, podemos virar esse jogo se iniciarmos o processo educativo cedo”.

Os motivos que mais levam ao endividamento estão ligados a hábitos errados, entre eles, comprar por impulso, não ter um planejamento mensal e anual, e o imediatismo. Ao invés de guardar o dinheiro para depois comprar à vista com desconto, milhões de brasileiros preferem entrar em parcelamentos e muitos acabam na inadimplência. Também há um forte apelo por status.

“Não se trata do quanto ganhamos e sim de como gastamos. Há pessoas que ganham bem, porém acumulam dívidas devido à capacidade maior de endividamento e hábitos nocivos. No Brasil se atribui muito valor ao que temos, seja carro, casa, viagens, marcas de roupas e de outros objetos. Somos estimulados o tempo todo a aparentar algo que não somos ou temos”, finaliza Renata.

Grupo de apoio

Quer desabafar em um ambiente seguro e sigiloso? O escritor Alan Barros é o idealizador do Grupo de Apoio Gratuito que se reúne às terças-feiras, às 19h30, no Cine Teatro Cuiabá, Avenida Getúlio Vargas, centro da cidade. Ele teve depressão por mais de 20 anos e é autor do livro ‘Tenho depressão e agora?’, onde mostra que é possível superar os momentos difíceis da vida.

“Tinha 15 anos quando veio o primeiro diagnóstico, mas por falta de tratamento o quadro evoluiu para transtorno de ansiedade e depressão bipolar, que alterna tristeza e euforia. Passei mais de 12 anos com pensamentos suicida. Como eu sei que é difícil encontrar um local para falar sem ser julgado e criticado, criei este espaço onde nos reunirmos”.

Ele mantém uma conta no Instagram com informações para pessoas que enfrentam esse problema, mas não se encaixam naquele padrão convencional de depressão. “Pessoas com depressão trabalham, sorriem, levam uma vida aparentemente normal e geralmente deixam de buscar ajuda porque não se identificam com a imagem do deprimido que é tratada pela mídia, como uma pessoa no fundo do poço”.

Números

A cada 3 segundos uma pessoa no mundo tenta o suicídio, e a cada 40 segundos, uma pessoa consegue dar fim à própria vida. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que 90% dos casos poderiam ser evitados a partir de uma rede de apoio estruturada, que inclui saúde pública, família, amigos e trabalho.

Cerca de 320 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com depressão, segundo a OMS.  No Brasil, mais 11 milhões de pessoas no Brasil afetadas pela doença, entre crianças e adultos, a faixa etária mais afetada está entre 15 e 25 anos. Em média, 80% dos casos de suicídio envolvem homens e 20% mulheres.

Tenha sempre uma rede de apoio para quem possa pedir ajuda a qualquer, pode ser um amigo, conhecido ou familiar. Mas precisa desabafar e não sabe com quem? Ligue para a escuta ativa do Centro de Valorização da Vida (CVV) no 188 (gratuita), durante 24 horas diariamente.

Assessoria

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Depressão pode ser tratada na Constelação Familiar

Publicado

Estamos no setembro Amarelo que é o mês de combate à depressão, doença conhecida como mal do século que se não tratada tem consequências graves entre elas o suicídio.

Entre os tratamentos, um que tem alcançado um bom resultado é a Constelação Familiar.

A medicação ajuda o paciente a sair da crise, mas não trata os sintomas e situações que o levaram a depressão. Digamos que por trás de uma enfermidade, geralmente há um “não” a uma situação difícil ou a exclusão de alguém em nosso sistema familiar. E é por isso que a Constelação Familiar , que coloca ordem no nosso sistema familiar , fazendo que cada um assuma seu papel tem dado resultados eficazes no tratamento da depressão.

Às vezes entramos em depressão por carregar de forma inconsciente, histórias difíceis ou traumas não resolvidos que ainda pesam sobre a família. E é na Constelação que  conseguimos incluir, amar e aceitar algum membro de sua família, um antepassado.

Quando tratamos a depressão na Constelação Familiar,  localizamos onde o problema começou e tentamos liberar o emaranhamento com as histórias do passado e ver se o vínculo com o pai e a mãe foi interrompido. Muitas vezes a pessoa com depressão não participa da Constelação, mas os pais podem constelar os filhos, irmãos e até o companheiro ou companheira. O importante mesmo é poder ajudar aquele ente querido que não aceita tratamento, mas que precisa ser salvo.

Mas ao se dar a oportunidade de conhecer esse método sistêmico, entende que não tem nada a ver com religião, mas é uma forma de fortalecemos nossa conexão com o presente e com a vida.

Vale a pena conhecer.

Bora viver!

Eluise Dorileo é psicóloga, terapeuta familiar e maestria nas novas constelações quânticas.

 

Email eluiseguedes@hotmail.com

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana