conecte-se conosco


Mato Grosso

CGE desenvolve ações de saúde mental e segurança no trabalho

Publicado

A Controladoria Geral do Estado (CGE) está desenvolvendo uma série de ações voltadas à promoção da saúde mental e segurança no trabalho dos servidores do órgão. As ações tiveram início com o lançamento Programa Viver com Qualidade, em novembro de 2018, e sua implementação foi efetivada com o ingresso, na Controladoria, de uma servidora com formação em Psicologia, em março de 2019.

A psicóloga Juliana Seixas explica que uma das bases do trabalho é a adoção do modelo ‘biopsicossocial’ para a ampla compreensão da qualidade de vida dos servidores, pois essa visão é pautada pelas necessidades dos fatores biológicos (como aspectos físicos, herdados e adquiridos, biotipo, metabolismo), psicológicos (personalidade, comportamento, crenças e motivações) e sociais (cultura, papeis na sociedade e grupos de interesses).

O trabalho envolve a realização de atendimentos individualizados, que podem ser iniciados por demanda espontânea do servidor em procurar o serviço; por demanda do setor de Gestão de Pessoas, de acompanhamento de servidores em situações de afastamento para tratamento de saúde ou, também, por encaminhamento dos gestores do servidor, quando verificada a possível necessidade. 

Os atendimentos individualizados são feitos de forma reservada e com sigilo absoluto. A proposta é que por meio do contato com a profissional, haja acolhimento ao servidor para compreender seu sofrimento e pensar nos encaminhamentos adequados, quanto à necessidade de indicar um tratamento médico ou com psicólogo clínico, por exemplo.  

Foco é o grupo

Apesar do acompanhamento aos casos individuais, o trabalho tem como foco o desenvolvimento do grupo, de uma melhora na interação e integração da equipe. Nesse sentido, a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) vai aplicar nos próximos dias, na CGE, uma pesquisa de diagnóstico organizacional. O levantamento vai avaliar os impactos das condições de trabalho e suas influências na saúde mental do servidor. O resultado vai nortear as ações a serem executadas, potencialmente em grupos. 

Leia mais:   Corpo Musical da Polícia Militar é homenageado com moção de aplauso da AL

“Vamos nos voltar a entender e a encontrar caminhos para situações como o absenteísmo (falta de assiduidade no trabalho), o presenteísmo (estar presente no ambiente de trabalho, mas, por vários motivos, o profissional não apresenta resultados efetivos) e a rotatividade em setores (por dificuldades de adaptação ou outras a serem verificadas). Precisamos estabelecer um pacto produtivo com o servidor, que envolve dar condições de trabalho e educar para a eficiência”, explica Juliana. 

Segundo ela, alguns comportamentos recorrentes dos servidores podem requerer maior atenção e análise em profundidade, diferente de um julgamento superficial que possa ser estabelecido. “Em alguns momentos, por exemplo, é natural ter uma vitalidade mais baixa, estar mais vagaroso. Porém, quando isso se repete muito, é preciso atenção. Em determinadas situações, uma depressão se manifesta com uma irritabilidade constante e não necessariamente com humor deprimido e com pouco interesse nas atividades. Cada pessoa tem uma subjetividade. Em psicologia, a gente trata cada paciente como um caso”, argumenta.

Nesse contexto, a psicóloga destacou o papel de cada líder de setor na gestão de pessoas. “Os líderes são também gestores de recursos humanos, porque lidam diretamente com as pessoas e com os desafios delas. A função interpessoal é o maior desafio do gestor, pois envolve mediar conflitos, por vezes motivar sem estar motivado, responder pela qualidade do trabalho de outras pessoas, avaliar pessoas e distribuir as tarefas, comunicar com cautela e neutralizar as diferenças.”

Na parte da saúde, está em andamento também o Programa de Promoção à Saúde, Prevenção e Controle das Doenças Crônicas não Transmissíveis (obesidade, hipertensão, diabetes), sob a orientação de servidor com formação em Educação Física, da Seplag. Além disso, em breve será implementado o Programa de Educação para Aposentadoria.

Leia mais:   Produtores rurais tiram dúvidas sobre a emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Segurança no trabalho

Na vertente da promoção da segurança no trabalho, as ações envolvem os encaminhamentos necessários em casos de acidentes (Preenchimento da Comunicação de Acidente e Agravos a Saúde do Servidor – CASS), diagnósticos de necessidades e soluções ergonômicas. “Precisamos ser mais preventivos do que reativos. Pensar e agir para evitar a ocorrência de acidentes e danos psicológicos aos servidores”, salienta a psicóloga.

Em reunião com a liderança do da CGE para apresentação das ações, o secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida, ressaltou a importância do trabalho. “Sempre gostei de entender o lado profissional de cada um, colocar em objetivo o que as pessoas têm de melhor. Temos de ter o cuidado de entender o porquê as pessoas estão ali, porque têm de fazer alguma coisa. Por isso, quero contar com o engajamento de todos os gestores da CGE e seus liderados para que possamos evoluir institucionalmente”, conclamou. 

Programa A3P 

As ações de promoção da saúde mental e segurança no trabalho foram motivadas por necessidades identificadas pela Comissão Gestora do Programa Agenda Ambiental na Administração Pública (Programa A3P), como parte do eixo de qualidade de vida.

Por isso, o coordenador da Comissão Gestora do Programa A3P na CGE, Marino Koch, explanou sobre as atividades em andamento e previstas em relação aos demais eixos da ação: uso racional dos recursos naturais e bens públicos, gerenciamento adequado dos resíduos sólidos, contratações públicas sustentáveis e construções sustentáveis.

“A ideia da realização de reuniões como esta é sensibilizar os gestores a incentivarem a adoção das práticas sustentáveis junto aos seus liderados já que os resultados dos trabalhos dependem do engajamento de todos os servidores e não somente da comissão formada para coordenar as atividades”, disse.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook

Mato Grosso

Motoristas de aplicativo vão participar de projeto para prevenção de crimes

Publicado

A Polícia Militar de Mato Grosso realizou, na manhã desta terça-feira (18.06), o 1º Workshop de Segurança para Motoristas por Aplicativos. O evento, promovido pela Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional (CCSMI), foi realizado na sede do Comando Geral da PM, em Cuiabá.

O workshop é resultado de uma parceria entre a PM e a Associação dos Motoristas Por Aplicativo de Mato Grosso (AMA-MT). Mais de 120 motoristas de aplicativos de seis empresas receberam orientações preventivas de segurança, puderam conhecer alguns procedimentos de segurança que podem garantir a segurança de motoristas e passageiros e um pouco mais sobre o atendimento da PM.

O comandante-geral da PM, coronel Jonildo José de Assis, que participou da abertura do encontro, disse que o workshop atende a necessidade da instituição de acompanhar o desenvolvimento social e as atividades socioeconômicas, a fim de enxergar os elementos que afetam a segurança da comunidade.

“As empresas que oferecem esse novo serviço de transporte que facilita a vida das pessoas, ficam vulneráveis, isso nos exige uma preocupação frente à facilidade do cometimento de crimes contra os motoristas por aplicativo. A PM é uma instituição que se preocupa com a segurança e a vida de cada um desses trabalhadores”, explicou coronel Assis.

Diretor de expansão da empresa de motorista por aplicativo Agilid, Cícero Guimarães, participou do encontro e disse que o workshop foi uma oportunidade de melhorar ainda mais o atendimento e garantir segurança aos passageiros e os trabalhadores da nova empresa. “Foi muito interessante esse evento. Todos os aplicativos se preocupam com a segurança dos passageiros e nenhuma se preocupa com a segurança do motorista. Eu achei interessante aprender sobre a função da PM e das outras policias para quando a gente precisar saber quem procurar e aonde procurar”, disse Cícero. 

Leia mais:   Secretaria fará seleção de agentes para Força-tarefa de Intervenção Penitenciária

No workshop, a PM apresentou também uma nova ferramenta de segurança para auxiliar os motoristas de aplicativos: o Projeto Sentinela. A ferramenta já é utilizada em vários bairros de Cuiabá. Em um grupo de aplicativo de mensagens, os motoristas participantes do projeto vão poder compartilhar informações sobre situações de risco, fazer denúncias – o que não excluí a necessidade de informar a ocorrência primeiramente via 190, do Centro Integrado de Operações da Segurança Pública (Ciosp).

O capitão PM Luiz Cláudio Nunes, do 3º Batalhão de Polícia Militar, idealizador do projeto Sentinela, explicou que inicialmente o grupo incluirá mil motoristas por aplicativos. Os participantes passarão a ser colaboradores da segurança pública. “A PM vai atender os motoristas interessados em participar deste projeto-piloto na 2ª Companhia de Polícia Militar do Pedregal a partir da próxima segunda-feira (24.06). Todos eles serão cadastrados no grupo do aplicativo, nós vamos orientá-los com dicas preventivas. Se ocorrer algum delito nós vamos poder agir com maior rapidez. Esses motoristas serão nossos olhos na prevenção à criminalidade”, explicou o capitão.

Leia mais:   Produtores rurais tiram dúvidas sobre a emissão de Nota Fiscal Eletrônica

O presidente da AMA-MT, Cleber Cardoso disse que o evento é um momento ímpar para a categoria. “Esse projeto Sentinela é mais uma segurança que mostra que nós não estamos mais sozinhos. Vamos colaborar no trabalho dos policiais para garantir a nossa segurança e dos passageiros”, explicou.

Os motoristas que quiserem participar do projeto Sentinela devem procurar a base da PM no bairro Pedregal, em Cuiabá. Com os documentos pessoais, os motoristas serão cadastrados neste primeiro grupo de mensagem com mil vagas. Uma capacitação será dada para aprimorar a participação dos motoristas de aplicativo no grupo.

Participaram do workshop os comandantes do 1º Comando Regional de Cuiabá, coronel Wankley Rodrigues;  do 2º Comando Regional de Várzea Grande, coronel Marcos Sovinski; o diretor de Ensino da PM, coronel Ronelson Barros; o coordenador de Comunicação Social e Marketing Institucional( CCSMI), tenente- coronel Luis Fernando Dias;  o coordenador de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, coronel Henrique Correia e o secretário adjunto de integração operacional da Secretária de Estado de Segurança Pública ( SESP), coronel Victor Paulo Fortes.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Resultado de perícia audiovisual sobre atropelamento na Isaac Póvoas é concluído

Publicado

A análise de conteúdo dos vídeos que registraram o atropelamento de três jovens em frente à Boate Valley Pub, na Avenida Isaac Póvoas, em 23 de dezembro de 2018, foi concluída pela Gerência de Perícias de Áudio e Vídeo da Politec. O laudo pericial foi requisitado pelo delegado Cristhian Cabral, com o objetivo de analisar especificamente as imagens da ocorrência.

O exame constatou que a velocidade média do veículo conduzido pela bióloga Rafaela Screnci da Costa Ribeiro era de 57 km/h com margem de erro de 6km/h, para mais ou para menos. Para as análises foram empregados conceitos de Física e de Processamento Digital de Imagens.

O cálculo de velocidade consiste na determinação da distância percorrida pelo veículo em um determinado intervalo temporal. O resultado foi obtido com a utilização das gravações originais do incidente em conjunto com as filmagens obtidas pelos peritos com a mesma câmera de segurança que registrou o fato, para a medição do deslocamento do veículo até o momento da colisão.

Leia mais:   Hospital Regional de Rondonópolis retoma cirurgias de alta complexidade

Os dados do deslocamento foram obtidos por meio de uma régua graduada, desenvolvida com um tubo de PVC posicionado perpendicularmente, ora a cada um metro, ora a cada dois metros da pista, durante um intervalo não superior a um minuto, sendo possível a elaboração de um “gabarito de referência”, que foi sobreposto aos quadros do vídeo original do incidente.

Outros resultados

A Perícia de Trânsito, realizada no local no acidente, logo após a ocorrência do fato levou em consideração os vestígios encontrados na ocasião. Como, as medições da posição do local do atropelamento e a posição de repouso das pessoas atingidas, as trajetórias dos corpos pós-colisão, e a projeção das vítimas com o impacto do veículo.

O resultado obtido, através do cálculo de velocidade com base nesses elementos, foi que o veículo estava a 54 km/h, com margem de erro de 4 km/h para mais ou para menos, no momento em que atingiu as vítimas.

O laudo pericial evidenciou que o fator humano, relacionado aos comportamentos do condutor do veículo atropelador e das pessoas atropeladas, contribuiu para o acidente. 

Leia mais:   Governo repassou R$ 22 milhões para investimentos na saúde de Rondonópolis

O diretor metropolitano de Criminalística, Emivan Batista de Oliveira, avalia que os resultados das perícias demonstram a autonomia entre as gerências de perícias de trânsito e de áudio e vídeo, que trabalham com base em diferentes vestígios e tecnologias. “O objetivo da perícia criminal é buscar a materialidade de um crime utilizando-se, para isso, do conhecimento científico, por meio de metodologias e técnicas adequadas para a análise de cada vestígio. No caso da perícia de trânsito, o cálculo de velocidade é realizado a partir de medições no local da ocorrência, já a perícia de áudio e vídeo, neste caso, buscou elementos e variáveis a partir de imagens, que são trabalhadas em equipamentos e softwares específicos que convergiram para o resultado final”, explicou.

Os laudos periciais foram anexados ao inquérito policial, dando seguimento às investigações.  

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana