conecte-se conosco


Estadual

Casos de HIV crescem 434,2% no Estado em uma década

Publicado

Mato Grosso registra aumento de 434,2% nos casos de HIV notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação
(Sinan), em 10 anos, passando de 76, em 2008, para 406 em 2018. Em relação às notificações de Aids registradas no mesmo período, o Estado está entre as 12 unidades federativas que apresentaram redução, passando de 23 casos a cada 100 mil habitantes para 21,6. Ainda assim, a média do ano passado é maior que a nacional que ficou em 17,8.

Homens, com idade entre 25 e 39 anos e com o ensino médio incompleto, são os principais portadores da Aids. Dados constam no boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira (29), pelo Ministério da Saúde (MS), em alusão ao Dia Mundial de Luta contra a Aids, comemorado amanhã (1º).

O levantamento aponta que, nos últimos 10 anos, houve oscilações nas notificações de HIV no Estado, sendo o ano de 2014,
quando ocorreu a Copa do Mundo no Brasil, o que registrou maior índice, com 25,6 casos a cada 100 mil habitantes.

Leia mais:   Na luta contra hanseníase, preconceito ainda é desafio

O documento traz também a taxa de detecção de HIV em gestantes em Mato Grosso. Em 2018 foi de 2,8 a cada mil nascidos vivos (150 casos), taxa menor que a nacional (2,9). Já a Capital, registrou 3,5. Este ano, até o mês de junho, foram notificados 92 casos.

Estas gestantes tinham, em sua maioria, idade entre 20 e 24 anos (28%), com nível de escolaridade da 5ª à 8ª série incompleta. No ranking da taxa de detecção por 100 mil habitantes de casos de Aids notificados no Sinan, segundo capital de residência por ano de diagnóstico, Cuiabá ocupou a 6ª colocação entre os anos de 2008 e 2018, com 38,2 e 36,4 casos para a referida proporção, respectivamente.

GD

Comentários Facebook

Destaque

Mudança para o novo padrão de placa veicular será gradativa em MT

Publicado

Mato Grosso aguarda a gestão por parte do Denatran para aderir ao novo modelo

A partir do dia 31 de janeiro proprietários de veículos novos, que vão realizar o primeiro emplacamento, e os que precisarem realizar a transferência do veículo para outro município ou Estado deverão fazer o emplacamento do veículo no novo padrão de Placas de Identificação Veicular (PIV), modelo Mercosul.

A obrigatoriedade está prevista na Resolução nº 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que também prevê a instalação da nova placa em casos de roubo, furto, dano ou extravio da placa, e nos casos em que haja necessidade da segunda placa traseira.

Dezessete Estados brasileiros, incluindo Mato Grosso, ainda não aderiram ao novo sistema. Entretanto, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) já realizou todas as alterações sistêmicas necessárias para a implantação do novo modelo de emplacamento e atualmente aguarda a gestão por parte do Denatran para que o Estado passe a aderir esse novo modelo de placa. O prazo estimado para a adesão é de 60 dias, a partir do dia 31 de janeiro.

Leia mais:   Na luta contra hanseníase, preconceito ainda é desafio

“O novo modelo de placa trará mais segurança para os motoristas e órgãos de trânsito, além de evitar possíveis fraudes, como a clonagem”, destacou o diretor de Veículos do Detran-MT, Augusto Cordeiro.

O valor da placa no novo modelo não deverá sofrer reajustes. Os proprietários de veículos que desejarem realizar a troca, voluntariamente, também poderão fazer, assim que Mato Grosso já tiver adotado o novo sistema.

Placa Mercosul

O novo modelo de placa é oriundo de um acordo entre os países do Mercosul, assinado em dezembro de 2010. O novo padrão vai manter os sete caracteres da placa atual brasileira, porém com quatro letras e três números, e não mais três letras e quatro números, que poderão ser “embaralhados”, e não mais dispostos de maneira fixa em uma sequência.

Denatran

O fundo também sofrerá a mudança de cor e passará a ser totalmente branco. Além disso, a bandeira do Brasil e a escrita irá substituir o município. Com isso, os veículos com a nova placa poderão circular livremente nos países que integram o Mercosul, sem autorização prévia.

Leia mais:   Mais de 1200 empreendedores acreditam no Programa de Inovação de MT

A nova placa não terá mais os símbolos que permitiriam a identificação de local de registro do veículo. Também haverá mudança na cor dos caracteres para diferenciar os tipos de veículos. Os veículos de passeio com a cor preta, veículos comerciais (aluguel e aprendizagem) na cor vermelha, carros oficiais na cor azul, a verde para veículos em teste, para veículos diplomáticos dourado e cinza prata para os veículos de colecionadores.

Todas as placas deverão conter o código de barras tipo (QR Code) com informações do banco de dados do fabricante da placa e o número de série. O objetivo é controlar a produção, logística, estampagem e instalações da PIV nos respectivos veículos, além da verificação da sua autenticidade.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

MT registra 87 assassinatos de mulheres em 2019

Publicado

Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) mostram que em 2019 foram registrados 87 assassinatos de mulheres, sendo 39 enquadrados como feminicídios, especificação trazida pela lei 13.104/2015.

Na comparação com 2018, houve um aumento nas mortes violentas de mulheres, de 82 para 87 casos. Já entre os feminicídios houve uma queda, de 42 casos em 2018 para 39 em 2019.

Leia também – Vídeo flagra policiais atirando em mulher

O meio mais usado para o homicídio de mulheres foi a arma de fogo, que esteve em 37% dos assassinatos, seguido por arma cortantes, que foram utilizadas por 25% dos culpados pelo crime.

Nos registros de feminicídio, quando o assassinato é cometido pelo fato da vítima ser mulher ou em decorrência de violência doméstica, em 2019 foram todos no interior do estado. Primavera do Leste (231 km ao sul de Cuiabá) lidera os casos, com 4 feminicídios.

Depois da motivação passional, a maior parte das mortes de mulheres, segundo as investigações, teve como motivação envolvimento com drogas, rixa ou vingança. (Com informações da assessoria)

Leia mais:   Maior número de feriados em dias úteis prejudica faturamento do comércio mato-grossense
Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana