conecte-se conosco


Destaque

Cáceres poderá ter, pela primeira vez, uma prefeita eleita de forma democrática

Publicado

A confirmar a tendência eleitoral, Cáceres poderá ter, pela primeira vez, uma prefeita eleita, de forma democrática, nas eleições de 2020. Os nomes da vice-prefeita Eliene Liberato Dias e da vereadora Valdeníria Dutra Ferreira, ambas do PSDB, estão sendo, pelo menos, nos últimos meses, os mais lembrados, junto a opinião pública, para sucessão municipal.

Vale lembrar que a cidade já foi administrada por uma mulher. Na década dos anos 80, ainda sob o regime militar – por o município estar localizado na área de fronteira com a Bolívia – a chamada área de segurança pública, o prefeito era escolhido pelo governador.

Foi então que, por ser “amigada de longa data” do governador Júlio José de Campos, a vereadora Ana Maria da Costa e Faria, foi indicada para a função  em 1983. Nana governou o município por um período de menos de três anos– de 1983 a 1985. À época ela sucedeu o então prefeito Ivo Scaff e antecedeu o prefeito Antônio Fontes.

Se não houver mudanças no “panorama político”, pelo menos, uma das duas – Eliene ou Valdeníria devem entrar no páreo para a disputa, com ampla chance de sucesso. Experiência política não falta a nenhuma.

Leia mais:   Governo sanciona lei sobre evacuação em situação de perigo em escolas e universidades

Eliene está vice-prefeita, pelo segundo mandato do prefeito Francis Maris, além de já ter assumido várias secretarias, entre elas: Ação Social e agora na Educação. Portanto, conhece os meandros da administração. Valdeníria está em franca ascensão. Elegeu-se vereadora pelo 5º mandato e foi a candidata a deputada estadual mais votada no município em 2018 com 9.440 votos.

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook

Cáceres e Região

Em Cáceres, 470 casos suspeitos de Covid-19 esperam por resultados de exames do Lacen-MT

Publicado

Assessoria

Os números oficiais da Covid em Cáceres cresceram nas últimas 48 horas, segundo o boletim epidemiológico divulgado neste sábado (4) e chegaram a 377 casos confirmados, um crescimento de 46 novos casos.

O que tem preocupado, por exemplo, são os casos em investigação que ainda esperam por resultados dos exames.

Cáceres tem 470 pessoas aguardando resultados de exames.

Os dados divulgado neste sábado (4), estão curados 81 pessoas , 15 estão internadas e 19 óbitos.

Segundo as informações da Secretaria Municipal de Cáceres os exames têm levado até 10 dias para chegar os resultados, mais que o Lacen-MT começou a normalizar os envios dos exames nos últimos dias.

De acordo com a SES-MT os resultado de exame para a covid-19 já atrasaram em até 18 dias em Mato Grosso, desde a redução da capacidade de processamento diário pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT).

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) passou a divulgar, intermitentemente, no dia 12 do mês passado, os casos de morte notificados a cada 24 horas, intervalo de atualização dos boletins informativos diários.

Leia mais:   Pandemia faz disparar desemprego em MT; são 13 mil em 2 meses

Segundo o boletim epidemiológico do governo de Mato Grosso, 20.333 casos de Covid-19 foram confirmados desde o inicio da pandemia, sendo registrados 786 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

IMG-20200704-WA0403.jpg
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Mato Grosso teve 149 mil pessoas afastadas do trabalho por conta da pandemia

Publicado

Assessoria

O levantamento é uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), realizada com apoio do Ministério da Saúde, e com coleta exclusivamente por telefone, para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal.

Para a realização da pesquisa, foi utilizada como base a amostra de domicílios da PNAD Contínua do primeiro trimestre de 2019. A amostra da PNAD COVID19 é fixa, ou seja, os domicílios entrevistados no primeiro mês de coleta de dados permanecerão na amostra dos meses subsequentes até o fim da pesquisa. Cerca de 5.000 domicílios distribuídos em 97 cidades estão sendo monitorados no estado.

Ainda conforme o IBGE, cerca de 168 mil mato-grossenses não ocupados não conseguiram procurar trabalho em maio por causa da pandemia de Covid-19 ou por falta de oportunidade na região em que vivem, mas gostariam de trabalhar na semana de referência.

Em maio, o IBGE estima que 1,5 milhão de pessoas estavam ocupadas em Mato Grosso, embora 2,7 milhões estivessem em idade para trabalhar, ou seja, tinham 14 anos ou mais de idade. Isso significa que pouco mais da metade (55,5%) estava trabalhando no mês passado. Já o total de desocupados foi de 174 mil pessoas no estado.

Leia mais:   Mato Grosso registra 19.540 casos e 741 óbitos por Covid-19

Dentre todas as pessoas ocupadas e afastadas do trabalho no estado em maio por qualquer motivo (207 mil), 123 mil continuaram a receber a remuneração e 84 mil deixaram de receber a remuneração.

Segundo a pesquisa, 527 mil das pessoas ocupadas no estado estavam na informalidade. A Proxy da taxa de informalidade, que é o percentual de pessoas ocupadas como trabalhadores informais em relação ao total de pessoas ocupadas (isto é: [trabalhadores informais/pessoas ocupadas] x 100), foi de 34,4%.

O percentual de domicílios que recebem auxílio emergencial foi de 38,8% do total de domicílios em Mato Grosso. Já a média do rendimento proveniente do auxílio emergencial recebido pelas residências foi de R$ 784.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana